LANÇAMENTO Atlantica: Contemporary art from Angola and its diaspora

LANÇAMENTO Atlantica: Contemporary art from Angola and its diaspora

Data: 9 de Março de 2019 Hora: 16:00 Locais: MAAT: Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia, Sala dos Geradores & Espaço Espelho d’Água

LANÇAMENTO, MESA-REDONDA, PERFORMANCE

Local: MAAT: MUSEU DE ARTE, ARQUITETURA E TECNOLOGIA

16:00 | Mesa-redonda e apresentação do livro moderada por Paul Goodwin com Ana Balona de Oliveira, André Cunha, Afonso Ramos, Marissa J. Moorman, Nadine Siegert e Paula Nascimento

19:00 | Performance de Nástio Mosquito: “O Que a Minha Avó Me Deu” 

> 5€ bilhete entrada museu | 50% desconto estudantes, desempregados, seniores

JANTAR E FESTA DE LANÇAMENTO

Local: Espaço Espelho d’Água

21:00 | Jantar tradicional Angolano 

23:00 | Live Act PONGO

00:00 – 02:00 | DJ Set Rádio Cacheu

> Jantar & Festa: €25 pré-venda: hangarcia.production@gmail.com

€30 no dia do evento

> Festa (a partir das 23:00): €10

Menu:

- Pães, húmus e zaalouk

- Tabule de trigo e couscous marroquino

- Sigá de Frango à moda da Guiné com arroz ou Calulu de peixe fresco e seco ou Muamba de tofu

- Pudim de mandioca com Cremoso de Tangerina

Nástio Mosquito é um artista conhecido pelas performances, vídeos, música e poesia que mostram um compromisso intenso com o potencial aberto da linguagem. Facilmente mal interpretado como uma espécie de cansaço, é a expressão extraordinária de um desejo urgente de se envolver com a realidade a todos os níveis.

PONGO encarna a renovação do kuduro, misturando a mistura das suas raízes africanas, langa, zaïco, com EDM, bass music, dancehall e pop melódica. A sua voz poderosa, ritmada, mas igualmente frágil e sensível, arrasta-nos para o seu universo envolvente, aos confins da dança e da saudade – lá onde ninguém nos tinha levado antes. 

A Rádio Cacheu sintoniza dois kambas que rolam em Stéreo por Lisboa. Com Portugal, Guiné-Bissau e Angola a correr pelas veias, backgrounds e percursos de vida diferentes, cresceram com a constante presença da música, do mundo, e sobretudo africana, PALOP. Convictos de que a cura do mundo passa pela música, optam por sons orgânicos, embebidos em batidas provenientes de diversos tempos e géneros. Desde o Soul ao Funky do Steide, ao Samba Rock Zuca, passando pelo Semba, Kuduro e Funaná da Mamã África, não fosse a Música Negra o fio pavio dos seus explosivos Sets.

O livro Atlantica: Contemporary art from Angola and its diaspora assinala o início da editora Hangar Books, especializada em publicações no contexto das artes contemporâneas, com foco nas epistemologias do sul. É uma co-edição HANGAR – CEC e conta com o apoio da FCT, Orfeu Negro e FAS. Organizado pelo HANGAR.

Artistas: Alice Marcelino, Alida Rodrigues, Ana Silva, Binelde Hyrcan, Délio Jasse, Edson Chagas, Francisco Vidal, Grada Kilomba, Ihosvanny, Januário Jano, Keyezua, Kiluanji Kia Henda, Mónica de Miranda e Yonamine

Ensaios: Adriano Mixingue, Afonso Dias Ramos, Ana Balona de Oliveira, Ana Cristina Cachola, Ashleigh M. Barice, Bruno Leitão, Delinda Collier, Denise Ferreira da Silva, Gabi Ngcobo, Maria-Gracia Latedjou, Marissa J. Moorman, Marta Jecu, Nancy Dantas, Nadine Siegert, Negarra A. Kudumu, Paul Goodwin, Paula Nascimento, Pontus Kyander e Raquel Schefer.

In the Days of a Dark Safari, 2017 © Kiluanji Kia HendaIn the Days of a Dark Safari, 2017 © Kiluanji Kia Henda

** 

Book Launch Atlantica: Contemporary art from Angola and its diaspora

Date: 9 March 2019

Time: 4:00 PM

Venues: MAAT: Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia, Sala dos Geradores & Espaço Espelho d’Água

BOOK LAUNCH, ROUND TABLE, PERFORMANCE 

Local: MAAT: MUSEUM OF ART, ARCHITECTURE AND TECHNOLOGY

4.00PM | Round table and presentation of the book moderated by Paul Goodwin with Ana Balona de Oliveira, André Cunha, Afonso Ramos, Marissa J. Moorman, Nadine Siegert e Paula Nascimento

7.00PM | Performance by Nástio Mosquito: “What My Grandmother Gave Me”

> 5€ museum admission | 50% discount for students, jobseekers, seniors

DINNER AND LAUNCH PARTY

Local: Espaço Espelho d’Água

9:00PM | Angolan traditional dinner

11:00PM | Live Act PONGO

00:00AM – 02:00AM | DJ Set Radio Cacheu

> Dinner & Party: €25 pre-sale: hangarcia.production@gmail.com

€30 in the day of the event

> Party (from 11:00PM): €10

Menu:

- Bread, humus and zaalouk

- Wheat tabule and Moroccan couscous

- Guinea chicken sigá with rice or Calulu of fresh and dry fish or Tofu Muamba

- Cassava pudding with creamy tangerine

Nástio Mosquito is a multimedia artist known for performances, videos, music and poetry that show an intense commitment to the open-ended potential of language. Easily misread as a kind of world weariness, it is the extraordinary expression of an urgent desire to engage with reality at all levels.

PONGO embodies the renewal of kuduro, mixing the mixture of its African roots, langa, zaïco, with EDM, bass music, dancehall and melodic pop. Her powerful, rhythmic but equally fragile and sensitive voice draws us into his surrounding universe, the confines of dance and longing – where no one had taken us before.

Rádio Cacheu tunes to two kambas that roll in Stéreo through Lisbon. With Portugal, Guinea-Bissau and Angola running through the veins, different backgrounds and life paths, they grew with the constant presence of music, the world, and especially Africa, PALOP. Convinced that the healing of the world passes through music, they opt for organic sounds, soaked in beats from different times and genres. From Soul to Funky Steide, to Samba Rock Zuca, to Semba, Kuduro and Funaná from Mamã Africa, were not Black Music the thread of their explosive Sets.

The book Atlantica: Contemporary art from Angola and its diaspora marks the start of publisher Hangar Books, specialising in publications within the context of contemporary arts, with particular incidence on southern epistemology.

It is co-edited by HANGAR – CEC and has the support of FCT, Orfeu Negro and FAS. Organized by HANGAR. 

Artists: Alice Marcelino, Alida Rodrigues, Ana Silva, Binelde Hyrcan, Délio Jasse, Edson Chagas, Francisco Vidal, Grada Kilomba, Ihosvanny, Januário Jano, Keyezua, Kiluanji Kia Henda, Mónica de Miranda and Yonamine
Essays: Adriano Mixingue, Afonso Dias Ramos, Ana Balona de Oliveira, Ana Cristina Cachola, Ashleigh M. Barice, Bruno Leitão, Delinda Collier, Denise Ferreira da Silva, Gabi Ngcobo, Maria-Gracia Latedjou, Marissa J. Moorman, Marta Jecu, Nancy Dantas, Nadine Siegert, Negarra A. Kudumu, Paul Goodwin, Paula Nascimento, Pontus Kyander and Raquel Schefer

 

28.02.2019 | by martalanca | arte angolana, arte contemporânea, HANGAR

Recipes for Survival, by Maria Thereza Alves

Pivô @ Kunsthalle Lissabon has the pleasure of presenting Recipes for Survival, by artist Maria Thereza Alves, with an introduction by Michael Taussig. Sunday Feb. 24, 18h

Maria Thereza Alves, Recipes for Survival, 1983.Maria Thereza Alves, Recipes for Survival, 1983.
In 1983, when acclaimed Brazilian artist Maria Thereza Alves was an art student at Cooper Union in the United States, she returned to her native country to document the backlands of Brazil, where her family is from. Working with the local people in a collaborative process that has become the hallmark of her mature work, Alves photographed their daily lives and interviewed them to gather the facts that they wanted the world to know about them. Unlike documentation created by outsiders, which tends to objectify Brazil’s indigenous and rural people, Alves’s work presents her subjects as active agents who are critically engaged with history. Following the images are texts in which the villagers matter-of-factly describe the grinding poverty and despair that is their everyday life—incessant labor for paltry wages, relations between men and women that often devolve into abuse, and the hopelessness of being always at the mercy of uncontrollable outside forces, from crop-destroying weather to exploitative employers and government officials. Though not overtly political, the book powerfully reveals how the Brazilian state shapes the lives of its most vulnerable citizens. Giving a voice to those who have been silenced, Recipes for Survival is, in Alves’s words, “about we who are the non-history of Brazil.” 
This event is co-organized by Giulia Lamoni and Gillian Sneed. The book launch will include a short reading by the artist, followed by a conversation between Alves and Sneed.

Maria Thereza Alves is a Brazilian-born artist descended from the country’s indigenous, African, and European peoples. She is best known for her award-winning work Seeds of Change (2004–2018), which links ecology and colonial history. One of the founders of Brazil’s Green Party in São Paulo, Alves received the 2016–2018 Vera List Center Prize for Art and Politics, awarded to artists who take great risks to advance social justice in profound and visionary ways.
Gillian Sneed is an art historian and independent curator currently based in Lisbon. Her research focuses on contemporary Latin American art and feminist art histories across the Americas. She is a Ph.D. candidate in art history at the Graduate Center of the City University of New York, and she has written for Women’s Art Journal, Flash Art, AWARE Magazine, Art in America, and Texte zur Kunst.

22.02.2019 | by martalanca | Maria Thereza Alves, Recipes for Survival

CES Summer School ARCHIVES OF THE PRESENT | RACISM, ACTIVISM, AND REMEMBRANCE

Applications are now open for the CES Summer School ARCHIVES OF THE PRESENT | RACISM, ACTIVISM, AND REMEMBRANCE (2 to 6 September, 2019), and the programme is already online. This Summer School engages with international struggles for racial justice and the contemporary politics of remembrance. Through interdisciplinary approaches to the analysis of multiple processes and initiatives for the memorialization of European colonialism and its legacy (e.g. monuments, commemorations, exhibitions, digital media, arts, education, community libraries), the School aims to produce an archive of the present with contributions from academics and anti-racist activists from a variety of contexts, namely Belgium, Brazil, Cape Verde, Finland, France, the Netherlands, Portugal, the United Kingdom and the United States.

21.02.2019 | by martalanca | ACTIVISM, racism, REMEMBRANCE

Revista Mundo Crítico

Lançamento do terceiro número da revista Mundo Crítico - Revista de Desenvolvimento e Cooperação, que terá lugar no próximo dia 28 de Fevereiro, pelas 17 horas, na Fundação Calouste Gulbenkian (Sala 1), em Lisboa.
Na sessão, procurar-se-á prolongar a “conversa imperfeita” iniciada na revista sobre as tendências actuais da Cooperação Internacional, entre a antiga Secretária de Estado do Desenvolvimento Internacional britânico, Clare Short, e a coordenadora de assessoria do Instituto de Estudos Socioeconómicos (INESC, Brasil), Nathalie Beghin, com moderação da jornalista Bárbara Reis.
Mais informações serão disponibilizadas na página do evento no Facebook.

21.02.2019 | by martalanca | Cooperação, Mundo Crítico

Mostra Ameríndia, Percursos do Cinema Indígena no Brasil -13 - 17 MARÇO 2019

A produção cinematográfica indígena no Brasil tem contribuído de um modo decisivo para a emergência de novos instrumentos de conhecimento indígena e intervenção no mundo.  Em Portugal, esta mostra de cinema emergiu do interesse de um grupo de pesquisadores/as, programadores/as culturais e ativistas em aprofundar o contributo do pensamento e cinema ameríndios, especificamente dos povos indígenas que vivem no Brasil, para a sociedade contemporânea. 

É neste sentido que a Apordoc, em conjunto com os centros de investigação CHAM, CRIA, ICS,  IHA, e o Museu Calouste Gulbenkian, apresenta a Mostra Ameríndia: Percursos do Cinema Indígena no Brasil.

Pensado de forma colaborativa com projetos envolvidos na produção e difusão desta cinematografia no Brasil, como a Mostra Aldeia SP, o programa integra uma multiplicidade de experiências que nos retiram dos lugares convencionais de olhar e entender o cinema. 

A Mostra apresenta uma seleção de filmes em que os coletivos indígenas actuam em diferentes níveis. Por vezes, são cineastas no sentido ocidental e direcionam a câmara para o quotidiano da sua aldeia, rituais ou a sociedade colonial.  Outras vezes colaboram com não-indígenas na produção de obras. As propostas, selecionadas de diferentes momentos históricos e produzidas por diferentes povos indígenas em diversos contextos de produção, dão forma a uma real multiplicidade nas suas escolhas formais e temáticas.

Still 'Já me transformei em imagem'Still 'Já me transformei em imagem'

A presença inédita de quatro cineastas indígenas, Zezinho YubeMaria Dalva Manduca Mateus Kaxinawá (Ayani)Patrícia Ferreira, Alberto Álvares, assim como a vinda do curador e ativista Ailton Krenak e da artista plástica e ativista Daiara Tukano, oferecem ao programa uma singularidade na comunicação com o público. 

A Mostra terá ainda um ciclo de debates e uma publicação que funciona como instrumento de difusão do conhecimento sobre os povos ameríndios, o seu cinema, cosmovisões e lutas na atualidade. 
A sessão de abertura será no dia 13 de Março, com o filme Já Me Transformei em Imagem de Zezinho Yube e haverá um cocktail a partir das 20h00. 

Datas: 13 - 17 de Março de 2019 Local: Museu Calouste Gulbenkian – Coleção Moderna – Sala Polivalente

R. Dr. Nicolau Bettencourt, 1050-078 Lisboa Sessões: 13 sessões (16h00 | 19h00 | 21h00) + oficina infantil (16 Março - 11h00) 

Preço:  3 euros
Conheça a programação completa AQUIImagens da Mostra
Mais informações em:  www.doclisboa.org    www.gulbenkian.pt

Evento FB.

19.02.2019 | by martalanca | Brasil, Cinema Indígena, Mostra Ameríndia

Tu e África têm uma história?

 

clicar aqui 

Welcome to African-European Narratives!

Sharing stories … uncovers the diversity of Europe and the potential of the intercultural dialogue within it.

Your story matters … to make sense of African-European memories, present experiences and identities;

to raise awareness of Europe’s colonial past and foster a real post-colonial present.

Participate as co-author …

in this collective work and research

It may take only a few minutes …

to share an inspirational story!

 

18.02.2019 | by martalanca | Africa, African-European Narratives

Circulador em São Paulo

O Circulador é um plataforma de pesquisa baseada na cidade de São Paulo, Brasil, que tem como objetivo identificar e fortalecer as redes de diálogos e cooperação artística e cultural entre os países de língua portuguesa.
Defendendo uma maior integração deste espaço complexo, diverso e descontínuo, o projeto busca desafiar a exclusividade da cooperação cultural do eixo Norte-Sul, articulando conversas entre os principais centros urbanos da CPLP e promovendo encontros mais constantes entre a comunidade artística dos países da comunidade.
O primeiro projeto de publicação da plataforma será produzido em 2019, com fundos do Programa de Ação Cultural (ProAC) da Secretaria de Cultura do Governo do Estado de São Paulo, e terá como foco a comunidade artística da CPLP atuante na cidade de São Paulo, maior metrópole de língua portuguesa do mundo.


As edições do Circulador operam como suporte para experimentação em pesquisa e para a identificação e exposição da produção jovem destes países em distintos setores da cultura, pautando a reflexão sobre políticas culturais internacionais e a integração deste espaço de língua partilhada.
O projeto está atualmente fazendo um levantamento de profissionais da cultura, de todas as linguagens artísticas, que tenham nacionalidade de algum país ou território de língua portuguesa e que estejam atualmente baseados na cidade ou Estado de São Paulo, ou que pratiquem intensamente o trânsito entre a cidade e outra cidade lusófona. Quem quiser participar da pesquisa ou tenha indicações de perfis pode escrever para a direção do projeto no contato: ocirculador@gmail.com
A publicação será impressa e disponibilizada integralmente em formato digital, sendo também enviada aos principais acervos e bibliotecas de instituições em todos os países da CPLP. Site

18.02.2019 | by martalanca | artistas, CPLP, trabalho em rede

Problematizar a realizar - encontros entre cinema e arte

PROGRAMA 6 28.02.2019 | 18h30

Goethe-Institut, Auditório, Campo dos Mártires da Pátria 37, 1169-016 Lisboa Une jeunesse allemande (2015, 93 Min.) de Jean-Gabriel Périot
Discussão: Alain Brossat, Jean-Gabriel Périot

As obras de arte, nomeadamente aquelas que trabalham a partir de material documental, podem oferecer um apelo particularmente desafiante para refletir sobre a realidade. Enquanto a ligação indexante à realidade que abordam garante ao som e à imagem uma credibilidade especifica, a postura do artista, a sua escolha estética, temática e política, bem como a posição autorreflexiva, podem gerar uma avaliação critica sobre a constituição dessa realidade. É neste ponto que a arte encontra a filosofia. A reflexão sobre a relação entre o mundo factual e a sua apropriação subjetiva, questionando as reivindicações hegemónicas de objectividade e autoridade e problematizando as contradições inerentes à sociedade, são, por imanência, questões filosóficas. Problematizar a realidade – encontros entre arte, cinema e filosofia é um conjunto de programas que decorre de uma parceria entre IFILNOVA (CineLab) / FCSH / UNL, Goethe-Institut Portugal e Maumaus / Lumiar Cité e em colaboração com Apordoc / Doc’s Kingdom. Estes encontros internacionais entre artistas e investigadores focam-se no momento em que a arte, o cinema e a filosofia se entrelaçam num diálogo produtivo.
No sexto programa o encontro é entre o filósofo Alain Brossat e o cineasta Jean-Gabriel Périot, numa discussão em torno do filme Une jeunesse allemande (Jean-Gabriel Périot,

2015). Através de uma complexa montagem de diversos materiais audiovisuais - incluindo filmes experimentais de estudantes da DFFB (Deutsche Film - und Fernsehakademie Berlin), excertos de programas de televisão e de atualidades, e extratos de proeminentes filmes de autor das décadas de 1960 e 1970 -, Une jeunesse allemande procura traçar a politização das gerações mais jovens da então Alemanha Ocidental. Em última instância, esta politização levou à formação do grupo Baader-Meinhof e à sua luta armada, bem como à sua ligação com a política de representação e a produção de imagens. Imagens de protestos por movimentos de esquerda contra as duradouras estruturas fascistas da Alemanha capitalista, no período pós-nazi, são entrelaçadas com declarações de intelectuais e artistas. Estes, por sua vez, são colocados perante imagens que denotam o enviesamento ideológico da comunicação social e as reações das autoridades, invariavelmente exigindo um aumento da repressão estatal. A constelação resultante não só permite uma abordagem dialética do clima político tenso da época, como também convida a uma reflexão crítica sobre o uso político das imagens e a instrumentalização de noções como terrorismo, democracia, esfera pública e resistência.

Alain Brossat (1946) vive e trabalha em Paris. É Professor no Departamento de Filosofia da Université Paris VIII. O seu trabalho abrange os campos da topografia do terror, da deportação e internamento na Europa de Leste e na União Soviética, dos regimes terroristas e pessoas desaparecidas, bem como da estética e das políticas do cinema, com foco em autores como Michel Foucault, Gilles Deleuze, Hannah Arendt, Walter Benjamin, Norbert Elias, Pierre Clastres, Zygmint Bauman, Jacques Rancière, Alain Badiou e Giorgio Agamben. As suas publicações mais recentes incluem: “Ce que peut le cinéma – conversation” (com Jean-Gabriel Périot, 2018), “Interroger l’actualité avec Michel Foucault, Téhéran 1978 / Paris 2015?” (com Alain Naze, 2018), “Le plébéien enragé. Une contre-histoire de la modernité de Rousseau à Losey” (2013), “Autochtone imaginaire, étranger imaginé : Retour sur la xénophobie ambiante” (2012), “Biopolitics, ethics and subjectivation” (editado com Yuan-Horng Chu, Rada Ivekovic and Joyce C.H. Liu, 2011).

Jean-Gabriel Périot, Une jeunesse allemande, 2015. Local FilmsJean-Gabriel Périot, Une jeunesse allemande, 2015. Local Films

Jean-Gabriel Périot (1974) vive e trabalha em Paris. Entre o documentário, a animação e o cinema experimental, a maioria do seu trabalho aborda a violência e a história. Realizou diversas curtas-metragens, desenvolvendo um estilo particular no trabalho de montagem a partir de arquivos. O seu trabalho de curta duração, incluindo Dies Irae (2005), Eût-elle été criminelle… (2006), Nijuman no norei (2007) e The Devil (2012), foi exibido em inúmeros festivais e homenageado com prémios. Une jeunesse allemande (2015), o seu primeiro documentário de longa-metragem, abriu a secção Panorama da Berlinale 2015, recebeu prémios em vários festivais e foi posteriormente lançado nas salas de cinema francesas, alemãs e suíças. Natsu no hikari (Summer Lights, 2016), a sua primeira longa-metragem de ficção, estreou no Festival de Cinema de San Sebastian, em 2016, e foi exibido noutros festivais antes de ser lançado nas salas de cinema francesas, em 2017.

Duração da sessão: 150 Min. | M/12 | Entrada livre, sujeita à lotação da sala.

Para mais informações, por favor contactar:
Tel: +351 21 352 11 55 | info@problematisingreality.com | www.problematisingreality.com www.facebook.com/ProblematisingReality

18.02.2019 | by martalanca | arte, cinema, filosofia

Do desaparecimento institucional – Celebrando uma década de Kunsthalle Lissabon

Jacopo Miliani 'A Slow Dance Without Name'Jacopo Miliani 'A Slow Dance Without Name'A Kunsthalle Lissabon celebra o seu décimo aniversário em 2019. Iniciámos a nossa atividade a 3 de julho de 2009 e desde então produzimos e apresentámos mais de quarenta exposições e publicámos catorze volumes, entre monografias, livros de artista e a série Performing the Institution(al). Colaborámos com inúmeras instituições tanto locais como internacionais e desenvolvemos uma reflexão continuada sobre pensamento e ação institucionais no contexto das artes visuais. Foi uma década incrível!

Decidimos comemorar a ocasião não organizando uma festa de proporções épicas, não redigindo um manifesto sobre quão difícil é gerir uma pequena instituição dedicada à arte contemporânea. Decidimos comemorar a ocasião simplesmente desaparecendo do panorama artístico da cidade. Parando para refletir. A Lisboa que foi propícia ao aparecimento da Kunsthalle Lissabon em 2009 tem muito pouco em comum com a Lisboa gentrificada e turistificada de 2019. Dificilmente seria possível começar hoje como começamos em 2009. Queremos refletir sobre a responsabilidade que temos no desenvolvimento desse processo e queremos também refletir sobre o papel crítico que podemos ter no pensamento de outras formas de imaginar a posição que a arte contemporânea ocupa neste xadrez.

Quatro instituições internacionais, quatro parceiras de caminho, irão ocupar o espaço que deixaremos vago. Não apenas o espaço como também a nossa infraestrutura de produção e de comunicação, os nossos recursos e até a nossa presença online. Será como se cada uma destas quatro instituições abrisse uma versão pop-up de si própria em Lisboa durante um certo período de tempo. Terão de negociar com e interagir com um contexto que não é o seu mas para o qual terão que trabalhar publicamente. A Kunsthalle Lissabon será o anfitrião que de tão radical que é, entrega tudo aos seus convidados, desaparecendo nesse processo. A noção de hospitalidade sempre foi um dos pilares centrais do nosso pensamento institucional e, para o décimo aniversário, queremos levá-la ao extremo. Em paralelo, queremos também investigar o desaparecimento temporário como um modo de refletir sobre o tecido cultural de uma cidade como Lisboa, no momento atual. Não fazemos a menor ideia dos resultados que advirão de todo este processo.

A atividade regular da Kunsthalle Lissabon regressará, muito provavelmente, em 2020.

A Kunsthalle Lissabon é generosamente apoiada pela República Portuguesa – Direção Geral das Artes, Foundation for Arts Iniciatives e Coleção Maria e Armando Cabral.

 

 

 

 

12.02.2019 | by martalanca | arte contemporânea, Kunsthalle Lissabon