Todos, Caminhada de Culturas

A terceira edição do Todos, Caminhada de Culturas traz-nos novidades que valorizam o conceito deste festival, que se quer de bairro e em simultâneo que atravesse mundos e culturas unidas pelo anel das artes. Para este Todos, trabalhámos na procura de uma participação mais intensa, não só de moradores do bairro, como também de outros cidadãos, habitantes de outras zonas de Lisboa, para serem parte integrante do festival. Quisemos oferecer através da preparação do festival, a pulsação do bairro, como experiência. Desta vez, pensámos um conjunto de projectos que vivem da participação comunitária para a sua realização. É o caso de WORLD OF INTERIORS de João Galante e Ana Borralho, que apresenta uma instalação/performance apoiada em textos de Rodrigo Garcia que falam sem rodeios, do mundo em que nos encontramos. Por outro lado, Ainhoa Vidal, inspirada em Gabriel Garcia Márquez, no Beco do Jasmim cria MACONDO, um trabalho único e para aquela pequena praça. Três performers, movimento, música, palavra e famílias vindas de culturas e nacionalidades dispersas, trabalham sobre o tema da família e da vontade de construir uma aldeia. O confronto entre artistas, os seus imaginários e a realidade de uma rua estreita, como a Rua do Benformoso, formam o ponto de partida para a estreia absoluta da peça a ESQUINA DAS COISAS de Joana Craveiro e Cláudio da Silva. AS FORMOSAS, outro projecto para a Rua do Benformoso são peças curtas que irão pulverizar a rua com a efervescência dos seus universos insólitos, perversos, poéticos. Félix Lozano, traz à Praça do Martim Moniz o seu solo MARATÓN, um espectáculo de dança para um homem só, encurralado em muralhas de gente. Donatello Brida toca, com o seu grupo, tango vadio na Casa dos Amigos do Minho, Beniko Tanaka cria um pequeno espectáculo de sombras japonesas no Centro Escolar Republicano, marionetas indianas chegam ao Martim Moniz, Lajja Sambhavnath da Comunidade Hindu de Portugal propõe-nos, no Grupo Desportivo da Mouraria, a dança e o canto tradicional indiano para quem quiser aprender. A Fotografia estará presente através de retratos de moradores do bairro, num projecto que se chamou TODOS À TENDA e que conta com trabalhos de Luís Pavão, Luísa Ferreira, Carlos Morganho, Camilla Watson e Cláudia Damas. As Músicas do Mundo convergem para o Largo do Intendente numa vertigem de concertos unindo ciganos das Índias com ciganos da Andaluzia. Os TERRAKOTA moldam como o barro sons vindos dos pontos mais díspares do mundo num grande concerto. Uma nova orquestra dirigida por MARIO TRONCO com músicos de várias origens, fará a sua estreia que busca uma música do mundo também ela lusa. Uma fanfarra do Rajastão parte do Largo para serpentear no bairro e encher de luz oriental, as ruelas da Mouraria. E ainda há as lojas, os restaurantes, documentários feitos por José Barbieri a partir de encontros com moradores. Famílias de várias culturas cozinham com e para o público no Mercado do Forno do Tijolo. A Luta Greco Romana mostra a sua tradição no Grupo Desportivo da Mouraria e jogos do mundo para jogar em família no Sport Clube do Intendente, são outros irresistíveis convites deste Todos.

05.09.2011 | par martalanca | Festival Todos

Sonhos em obras - do Martim Moniz ao Intendente, LISBOA

Tal como o Festival Todos as cidades são feitas de muitas coisas e de muitas pessoas. A sua força está na confluência de cores, sons, cheiros e gestos múltiplos. Nas cidades projectamos os nossos desejos: queremos ser melhores e que as cidades também venham a ser mais nossas e mais simpáticas nas suas vivências. Daqui parte o desafio desta exposição. Por um lado, procura-se olhar para a diversidade de sonhos projectados para o Largo do Martim Moniz ao longo de décadas. Por outro, partindo do Largo do Intendente, propõe-se um faz-de-conta arquitectónico e urbano, recheado de pequenas e quotidianas coisas que preenchem os largos das nossas vidas urbanas. No final, pomos mãos à obra e através das visitas e oficinas propostas, ficam no ar os sonhos que alimentam as cidades e que inevitavelmente somos todos nós.
Vídeo “Martim Moniz”: Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa
Plano Sonoro - concerto de guitarras: Pedro Salvador

Co-produção: Residências Artísticas Largo e Festival TODOS
Apoios: EPUL, Aleluia Cerâmicas S.A., Arquivo Fotográfico de Lisboa, Sou - Movimento e Arte, ateliermob e Teatro O Bando
Exposição de 8 de Setembro a 4 de Outubro
Visitas e oficinas - mais informações e marcações para: 91 904 95 42 ou info@largoresidencias.com

02.09.2011 | par franciscabagulho | Festival Todos, Martim Moniz

festival Todos - Lisboa

16| 17| 18| 19 de Setembro

Nesta segunda edição, apresenta no seu território de eleição, Anjos, Intendente, Mouraria e Martim Moniz um programa novo, mas enraizado nos seus propósitos iniciais: um festival de dimensão internacional desenhado à medida do bairro, que propõe ao longo de quatro dias um contacto forte e íntimo com as culturas que habitam esta zona da cidade. A Música, que leva o Fado ao Canto Tradicional Chinês, no Martim Moniz, o Paraíso do Circo apresentado por uma Família Cigana, no Largo do Intendente, o Teatro Popular como Shakespeare o fazia, no ringue de futebol de salão do Grupo Desportivo da Mouraria.
Uma programação que se quer informal e festiva feita de acontecimentos maiores e multiculturais, que vestem as praças de referência do bairro: a Kocani Orkestar traz dos Balcãs um cruzamento musical e magnético dos mundos árabes e orientais, ou o Circo da Família Romanès, feito de anjos ciganos, trapezistas voadores, que dançam e cantam sob o céu do Intendente.
Outro foco de programação para esta maravilhosa “ilha” obscura que resiste no interior de Lisboa, são os encontros e trocas de experiências vividas antes do festival entre um grupo amplo de moradores de várias idades, credos e países e diferentes artistas.
Preparámos uma programação / encontro que parte da escrita, do cinema, da dança, do canto e da fotografia para oferecer ao público que vem, um passeio que lhe dá a descobrir pessoas e aspectos únicos deste bairro. O ciúme, a inveja e o amor que Shakespeare criou no seu “Otelo”, serão falados pelos os vizinhos no coração da Mouraria no espectáculo “…Um beijo, mais um beijo, outro beijo”. A Dança de Ainhoa Vidal, um espectáculo entre gerações, que trata da solidão, do compromisso e da raiz de onde a pessoa cresce, fará encontrar bailarinos e pessoas idosas do bairro à volta do passo do tempo. Cozinhas/Cataventos de odores e sabores propõem-nos uma grande viagem do Oriente ao Ocidente pela mão de famílias inteiras que cozinham com e para o público.
Ana Madureira, actriz , ilustradora e fiadeira de contos de vida, doba um livro a partir de um novelo de impressões e conversas fiadas com moradores. Adolescentes vão com os “Filhos de Lumière”, ver a cor do seu bairro através da linguagem cinematográfica.
Mães, pais e bebés encontram-se para se ouvirem a embalar os bebés do mundo que o bairro guarda. Este festival, é também um espaço de felicidades experimentadas no interior das escolas, dos lares, das ruas, das associações, que se iniciou no ano passado e que nesta edição cresce e se alarga. Neste Todos reunimos moradores no reconhecimento e na compreensão da sua vida também como matéria artística universal.
Lojas, restaurantes, lugares de culto, associações, são outras razões de passeio. Uma sala de estar, em pleno Martim Moniz, convida o público a repousar os olhos em livros transportadores de mundos. Livros na Casa da Achada para ler em silêncio. As Vozes do Bairro ecoam e incitam todos a ouvir, a cantar este lugar. Este é o momento de reincendiar com o seu bater, o seu
pulsar de hoje, a respiração do agora.
Venha ao Todos e traga todos.

14.09.2010 | par martalanca | Festival Todos