Encontro "Em defesa da democracia brasileira" | Teatro Capitólio, Lisboa [12 ABR, 18h]

O Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra e a Fundação José Saramago (FJS) têm a honra de convidar V. Exa. a participar no encontro“O Futuro das lutas democráticas: Em defesa da democracia brasileira”, que terá lugar no dia 12 de abril, no Teatro Capitólio (Lisboa), às 18h00.

Neste encontro em defesa da democracia brasileira reunir-se-ão representantes políticos do Brasil, Espanha e Portugal, entre os quais Guilherme Boulos eManuela D’Ávila (ambos pré-candidatos à Presidência do Brasil pelo PSOL e PCdoB, respetivamente), Tarso Genro (PT), Cristina Narbona (Presidenta do PSOE), Pablo Iglesias (Secretário-Geral do Podemos), Ana Catarina Mendes(Secretária-Geral adjunta do PS) e Catarina Martins (Coordenadora do Bloco de Esquerda).

A sessão será coordenada por Pilar del Río (FJS) e Boaventura de Sousa Santos (CES).

A entrada é livre e não serão feitas reservas antecipadas de bilhetes.

05.04.2018 | par martalanca | Brasil, CES, democracia

Cem anos que abalaram o Mundo: hipóteses emancipatórias

24 e 25 de novembro de 2017, 9h Faculdade de Economia da UC

Apresentação

O centenário da Revolução Russa serve de ocasião para o CES promover uma reflexão alargada sobre os caminhos emancipatórios que atravessaram o mundo no século XX e sobre as suas heranças, legados e limites. Enquanto lugar-símbolo das esperanças e dos impasses de um novo modelo socialista, 1917 constitui uma oportunidade analítica para pensar experiências e projetos que, na sua esteira e fora dela, foram construindo trajetórias alternativas ao capitalismo, ao colonialismo e ao patriarcado. Num tempo em que as hipóteses emancipatórias parecem pulverizadas, este encontro internacional procurará refletir criticamente sobre as mudanças ocorridas ao longo do século XX e sobre o lugar e a natureza dos imaginários de transformação social e libertação nos dias de hoje. 

Mesas

É tão difícil imaginar o fim do capitalismo como imaginar que o capitalismo não tenha fim?
Esta sessão transforma em pergunta uma constatação feita por Boaventura de Sousa Santos. A experiência soviética inscreveu as alternativas sistémicas ao capitalismo no campo das possibilidades. O colapso da União Soviética pareceu validar a ideia de que o capitalismo seria afinal o último estádio da evolução histórica. Praticamente sem freios e contrapesos, o desenvolvimento do capitalismo alimentou desde aí crises sem fim. A catástrofe ambiental eminente é naturalmente uma das mais importantes, mas não é a única. Torna-se de novo urgente pensar criticamente sobre o capitalismo e sobre outros ismos, esconjurando o espectro da barbárie.

Litografia 'Beat the Whites with the red wedge!' de El Lissitzky (1920)Litografia 'Beat the Whites with the red wedge!' de El Lissitzky (1920)

Adeus Lenine?
A história dos ideais socialistas é uma história feita de vitórias e derrotas, de esperanças e tragédias, de conquistas e de bloqueios. A evocação do nome do líder soviético - e do conhecido filme de Wolfgang Becker - permite-nos aqui equacionar as heranças políticas e ideológicas que a revolução russa pode suscitar, bem como reimaginar a possibilidade das hipóteses socialistas nos tempos de hoje.

Colonialismo, não passará?
As lutas anticoloniais têm outro nome que não pode ser esquecido: as lutas de libertação nacional. Este jogo de espelhos reflete os lugares de enunciação a partir dos quais se olham e se pensam essas dinâmicas de emancipação que foram decisivas para a história do século XX e para a reimaginação do mundo no nosso século. Nessas lutas de libertação nacional e nas independências que se lhe seguiram estão inscritas muitas das energias criadas e alimentadas pelos ideais do socialismo e da revolução russa. Contudo, hoje em dia, a pergunta sobre se o ciclo colonial já passou adquire novos sentidos face aos desenlaces pós-democráticos e neoliberais que invadem e povoam os horizontes políticos de uma boa parte da humanidade.

Pode a subalterna falar?
Ainda que os ideais emancipatórios propagados pela revolução russa e pelos seus legados tivessem dado atenção à subalternidade das mulheres nas várias esferas da vida, não conseguiram tornar irreversível um imaginário feminista capaz de romper com os múltiplos sexismos que continuam a permear as sociabilidades. Partindo da assunção de que as mulheres não são uma minoria entre outras que têm sido oprimidas e discriminadas, colocar a questão no feminino, tal como é feito, obriga-nos a uma atenção epistemológica sobre todos os sistemas de opressão. Neste sentido, esta é a abordagem feminista que propomos e que, qualquer revolução, de ontem ou de hoje, deveria assumir como sua.

Comissão organizadora
João Rodrigues, Miguel Cardina, Teresa Almeida Cravo e Teresa Cunha

Comissão científica
António Sousa Ribeiro, Boaventura de Sousa Santos, Carlos Fortuna, Catarina Martins, Diana Andringa, Elísio Estanque, Isabel Caldeira, José António Bandeirinha, José Manuel Mendes, José Reis, Licínia Simão, Manuel Carvalho da Silva, Maria Paula Meneses, Nuno Teles, Pedro Hespanha, Rui Bebiano, Sara Araújo, Silvia Rodríguez Maeso e Teresa Maneca Lima

Programa

23.11.2017 | par martalanca | CES, colóquio, Revolução Russa

Conclusões da Escola de Verão «Racismo, Eurocentrismo e Lutas Políticas» do Centro de Estudos Sociais da UC

A terceira edição da Escola de Verão «Racismo, Eurocentrismo e Lutas Políticas», realizada no Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra, entre 3 e 9 de setembro, abordou debates teóricos e políticos sobre o racismo e as lutas anti-racistas contemporâneas, com o objetivo de promover uma análise crítica de debates internacionais, políticas públicas e intervenções sociais em diversos contextos nacionais, em diálogo com as alternativas que têm sido propostas pelos movimentos de base.

Organizada por Marta Araújo e Silvia Rodríguez Maeso, ambas investigadoras no CES, a Escola colocou em diálogo docentes, investigadores e ativistas de vários contextos internacionais. Esta edição contou com a participação de docentes, investigadores, estudantes, profissionais e ativistas, provenientes da Austrália, Brasil, Espanha, França, Holanda, Hungria, Itália, México, Reino Unido e Portugal

Ao longo de seis dias, foram discutidos de forma interdisciplinar temas da atualidade como: racismo e políticas públicas; a memória do colonialismo e da escravatura; a propagação do discurso de ódio nos média, e, em particular da Islamofobiarepresentações de género e sexualidade; a política de fronteiras e a ilegalização da imigração na Europa.

As principais conclusões dos debates que se geraram foram as seguintes:

1) A simultaneidade, por um lado, da intensificação das campanhas pela memória do colonialismo e dos seus legados e a maior visibilização das lutas das populações racializadas, e, por outro, da regressão em termos do debate público e das próprias políticas contra o racismo em vários contextos;

2) Revela-se fundamental aproximar o debate público da realidade social concreta das populações que experienciam o racismo, uma vez que este processo histórico tem sido muitas vezes reproduzido através de iniciativas que elegem a figura do “muçulmano”, do “árabe”, do “negro” ou do “cigano” como alvos privilegiados da intervenção de agendas académicas e políticas que reproduzem lógicas racistas e desumanizadoras (por exemplo, no âmbito das políticas de integração e para a igualdade de género);

3) Com a proliferação do uso das redes sociais, a legislação e iniciativas políticas para a prevenção, regulação e punição do discurso de ódio na Europa revelam-se claramente insuficientes, uma questão associada a compreensões inadequadas do fenómeno do racismo e das suas várias vertentes (por exemplo, a islamofobia, o anti-ciganismo, ou o racismo anti-negros);

4) No contexto europeu, a política de fronteiras e a ilegalização da imigração materializa muitos destes debates. Na contemporaneidade temos assistido, por exemplo, ao dilatar das fronteiras como forma de estender o controlo e o policiamento de uma noção racializada da Europa, legitimada sobretudo pela prevenção da chamada ‘imigração ilegal’ e a ‘crise dos refugiados’.

De forma a intensificar o diálogo com as alternativas que têm sido propostas pelos movimentos anti-racistas, foram apresentadas iniciativas desenvolvidas no contexto do activismo político e educação através das artes. Nesse sentido, a Escola de Verão concluiu com a performance de Teatro-Fórum ‘Fel e Mel no Papel’, pelo Laboratório Ami-Afro do Grupo de Teatro do Oprimido de Lisboa (GTO-LX) e um debate com ativistas anti-racistas do contexto português. Estes últimos elencaram alguns dos principais desafios atuais do anti-racismo, tais como a construção de uma agenda política autónoma pelas populações racializadas e a possibilidade de alianças políticas com os partidos políticos, a débil resposta do Estado no combate ao racismo – nomeadamente no âmbito da legislação – e as experiências quotidianas de racismo institucional em âmbitos como a educação, o emprego, e a habitação.

Qualquer esclarecimento adicional sobre este assunto poderá ser obtido junto de Marta Araújo, através do email marta@ces.uc.pt

14.09.2017 | par martalanca | CES, eurocentrismo, Lutas Políticas, racismo

«POLITICS – The politics of anti-racism in Europe and Latin America: knowledge production, decision-making and collective struggles» vence bolsa

Uma bolsa Consolidator Grant do Conselho Europeu de Investigação (ERC), no valor de 1,9 milhões de euros, foi atribuída a Silvia Rodriguéz Maeso, investigadora do Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra, para concretizar o projeto de investigação «POLITICS – The politics of anti-racism in Europe and Latin America: knowledge production, decision-making and collective struggles».

Sílvia RodriguezSílvia RodriguezO projeto de Silvia Maeso tem como desafio inovador aprofundar o conhecimento sobre o antirracismo, proporcionando uma maior compreensão sobre a forma como as injustiças historicamente enraizadas estão a ser questionadas por instituições e movimentos sociais de base. O estudo a efetuar tem dois objetivos principais: a) a análise de processos de produção de conhecimento sobre “raça” e (anti)racismo nas esferas da política governamental (inter)nacional, universidades públicas e movimentos sociais; b) a análise dos múltiplos caminhos de denúncia e mobilização coletiva contra o racismo quotidiano em relação às práticas policiais e às representações sobre (anti)racismo nos meios de comunicação social.

Este estudo desafia as lacunas nos estudos comparativos que têm trabalhado a partir de abordagens meramente avaliativas, sustentando-se em contextos de pesquisa que permitem interrogar as relações entre os níveis global, nacional e local, nomeadamente as realidades das Nações Unidas, a Organização dos Estados Americanos (OAS), da União Europeia (UE) e das políticas públicas, universidades públicas e movimentos de base em 4 países: Brasil, Peru, Portugal e Espanha. POLITICS procurará desvendar a configuração de diferentes noções de dignidade, justiça e igualdade resultantes das lutas antirracistas e das políticas públicas e a legislação recentes, que nos permitam pensar horizontes descoloniais. 

Neste concurso para Consolidator Grant, o ERC recebeu mais de 2300 candidaturas, com apenas cerca de 10% a conseguirem aprovação. O objetivo do ERC é o de apoiar os/as investigadores/as numa fase em que estão a consolidar as suas equipas de investigação independentes.

Doutorada em Sociologia Política (Universidade do País Basco), Silvia Maeso é investigadora principal do CES, onde integra a equipa do Núcleo de Estudos sobre Democracia, Cidadania e Direito (DECIDe). É professora nos Programas de Doutoramento «Democracia no Século XXI» e «Human Rights in Contemporary Societies» e no Mestrado Internacional «Roads to Democracy(ies)» (UC/University of Siegen). É ainda membro do Comité de Redação da revista e-cadernos ces e do Comité Editorial de Papeles del CEIC. Foi coordenadora executiva do projeto «TOLERACE - The semantics of tolerance and (anti-)racism: public bodies and civil society in comparative perspective». Entre as suas publicações mais recentes destacam-se: Eurocentrism, Racism and Knowledge: Debates on History and Power in Europe and the Americas (Palgrave Macmillan, 2015, coorganizado com Marta Araújo) e Os contornos do Eurocentrismo. Raça, história e textos políticos (Almedina, 2016, em coautoria com Marta Araújo).

Os seus interesses de investigação e ensino têm-se centrado nas áreas da: teoria sociológica, racismo e antirracismo em contextos europeus; Eurocentrismo e a produção da História; e Comissões da Verdade em contextos latino-americanos. 

Conseguidos nos concursos mais competitivos da Europa, este é já o sexto financiamento do ERC que o CES obtém, num total de mais de 9 milhões de euros. Depois da Advanced Grant atribuída a Boaventura de Sousa Santos (2010), no valor de 2,4 milhões de euros, para o projeto de investigação «ALICE – Espelhos estranhos, lições imprevistas: definindo para a Europa um novo modo de partilhar as experiências do mundo», das Starting Grants outorgadas a Ana Cristina Santos (2013), para realizar o projeto «INTIMATE - Cidadania, Cuidado e Escolha: A Micropolítica da Intimidade na Europa do Sul» (1,4 milhões de euros), e a Miguel Cardina (2016), para desenvolver o projeto «CROME – Memórias cruzadas, políticas do silêncio: as guerras coloniais e de libertação em tempos pós-coloniais» (1,4 milhões de euros), e das Consolidador Grants atribuídas a Margarida Calafate Ribeiro e Helena Machado (2015), para desenvolverem, respetivamente, os projetos «MEMOIRS – Os Filhos dos Impérios e Pós-Memórias Europeias» (1,9 milhões euros) e «EXCHANGE – Geneticistas forenses e a partilha transnacional de informação genética na União Europeia: relações entre ciência e controlo social, cidadania e democracia» (1,8 milhões de euros).

As bolsas ERC que, com o apoio da UE, financiam a investigação de ponta no espaço europeu, têm sido pouco atribuídas a cientistas em Portugal. É, portanto, significativa mais esta atribuição a estudos conduzidos no Centro de Estudos Sociais, representativa da qualidade e inovação de projetos na área dos estudos críticos de “raça” e (anti)racismo.

Contacto para entrevistas: Silvia Maeso > srodrig@ces.uc.pt

05.12.2016 | par martalanca | anti-racismo, bolsa investigação, CES, Silvia Rodriguéz

“Alice na cidade: Ciências Sociais, Rap e Mais”

O espetáculo “Alice na cidade: Ciências Sociais, Rap e Mais” dia 17 de junho, pelas 21h30, no Teatro Académico de Gil Vicente (TAGV), em Coimbra. Este evento nasce da vontade de combinar arte e ciência, cruzando linguagens e razões/emoções que costumam andar desencontradas. Músicos, contadores de histórias, poetas, cientistas sociais ocuparão um palco que desafiará as fronteiras entre a cultura popular e a cultura erudita, as narrativas da universidade e da rua, as expressões da periferia e do centro. Rap, funk, kuduro, música cigana, histórias orais, slam poetry e outras poesias têm encontro marcado para uma ecologia de saberes imprevisível.  
“Alice na Cidade” surge no contexto do projeto Alice: Espelhos Estranhos, Lições Imprevistas, que tem como objetivo renovar o pensamento científico-social, desafiando a ciência a dialogar horizontalmente com outros conhecimentos e, nesse exercício de ecologia de saberes, contribuir para uma melhor compreensão do mundo e uma maior eficácia das lutas contra a exploração, a discriminação e a opressão. 

15.06.2016 | par martalanca | Boaventura Sousa Santos, CES, funk, histórias orais, kuduro, música cigana, rap, slam poetry