Manifesto Pan-Africanista, cumprir África! A missão da nossa geração

Manifesto Pan-Africanista, cumprir África! A missão da nossa geração A situação atual de África é ainda marcada pelo neocolonialismo. Na maior parte dos países, as nossas elites governantes, monopolizando todos os privilégios, voltaram as costas às realidades nacionais e fixaram os olhos nas antigas metrópoles em busca dos seus serviços, traindo os princípios de liberdade e da soberania do povo, que oprimem quotidianamente, censurando-o, empobrecendo-o, tribalizando-o.

Mukanda

25.05.2024 | por vários

Memorial do Convento: un memorial sobre los olvidados

 Memorial do Convento: un memorial sobre los olvidados Estos hombres son los que han sido arrancados a la fuerza, llevados contra su voluntad a una cruzada forzada, atados como prisioneros y esclavos. Como observó Cornado (2018), Saramago crea una perspectiva más humana de la Historia, mostrando que esta masa de anónimos también hace parte de los relatos históricos. Y que, por lo tanto, también contribuyeron y hacen parte de la memoria de Portugal, por eso sus historias son narradas desde la seriedad, desde la humanidad y del compromiso, demostrándonos la sensibilidad y la empatía de quien escribe.

A ler

24.05.2024 | por Lorena Leites Rodriguez

José Gil nos 50 anos do 25 de Abril

José Gil nos 50 anos do 25 de Abril Diria que isto, pelo menos, é certo: tudo passa, em Portugal, pelo 25 de Abril. Se o querem desinscrever, cabe a nós o reinscrevermos. Mas, desta vez, finalmente, inscrevendo no 25 de Abril “o país da não-inscrição”, onde também habitam, com a sua Praça do Império, os espectros do extenso e complexo trilho da “presença histórica de Portugal no mundo” (e não serão eles que têm estômago para "antropofagizar" Salazar?). O que se confirma, por outras palavras, é a conclusão geral do Morte e Democracia de José Gil (2023): entramos na era da “espectrologia política”.

A ler

22.05.2024 | por Filipe Ferreira

No Padrão dos Descobrimentos, a história da diáspora africana conta-se através de Álbuns de Família

No Padrão dos Descobrimentos, a história da diáspora africana conta-se através de Álbuns de Família Toda a exposição resulta de um processo colaborativo. “Grande parte do que está exposto foi feito com a participação das pessoas que generosamente retiraram as fotografias das suas casas para as partilharem connosco”, prossegue. “São pessoas não usam a criatividade no sentido de não terem resultados materiais no seu trabalho, como têm os escritores e os artistas no espaço público, mas que também aqui fizeram, de alguma forma, um trabalho criativo falando sobre as fotografias”.

Vou lá visitar

20.05.2024 | por Mariana Moniz

Pérola sem rapariga: a invenção do riso

Pérola sem rapariga: a invenção do riso Em Pérola sem rapariga, os tais largos minutos mudos são, pois, o tempo de uma desfaçatez em que se esborrata a pintura. Recusa-se, primeiro, num frémito, a fixação do rosto, e logo se reencenam as obras-primas do costume: Meisje met de parel, Vermeer; Les demoiselles d’Avignon, Picasso; Las meninas, Velásquez. Os nomes que lembramos são os deles, delas nada sabemos, ficaram-nos os títulos. Talvez por isso, imagino, Filipa e Sara desmancham a pose. Dizem-lhes para não mostrarem os dentes, e elas riem muito. Virá a libertação de um riso nu, despudorado? Urge, afinal, esconjurar o gesto venatório de quem mira, e entreabrir intervalos na ordem dos dias.

Palcos

20.05.2024 | por Inês Galvão

Azulibranco – A Cromática do Caos

Azulibranco – A Cromática do Caos Mais do que criar vídeo musicais, o kuduro visual seria o ousado ato de produzir imagens capazes de interferir com a história de arte. A história de arte que nunca nos foi contada, ou da qual fomos sistematicamente excluídos. Recorrendo à espontaneidade, ao improviso e à rebeldia do kuduro, o artista conquistaria assim o seu lugar ao sol, confrontando todo o sistema hierárquico e conservador da cena artística. Pois, a meu ver, a arte só cumpre o seu verdadeiro papel quando consegue criar rupturas.

Vou lá visitar

17.05.2024 | por Kiluanji Kia Henda

Tal como foi o silêncio [de lutos e luzes]

Tal como foi o silêncio [de lutos e luzes] O luto pode ensinar-nos a viver em liberdade. Esta peça convida-nos a tomar a decisão. Em doze inspirações, que poderiam ser atos poéticos, o público é convidado a respirar palavras e silêncios, espelhos e espaços, dor e busca, encontro e tempo. O espetáculo passa-se todo numa sala, a atriz parece-nos tão próxima que podia ser qualquer um que entra e fica na sala. Ao mesmo tempo, parece-nos tão distante que nos desperta a memória do que todos temos medo de viver. A ausência.

Palcos

16.05.2024 | por Joana Morais e Castro

Há liberdade de imprensa em Angola?

Há liberdade de imprensa em Angola? Identificar um tema consensual para, em Angola, se debater o estado da liberdade de imprensa está muito longe de ser um desafio fácil de ultrapassar pela polarização existente, mas não deixa de ser uma orientação pertinente que podia conduzir-nos a uma outra reflexão sobre o país real nesta data em que existe uma predisposição maior para este tipo de levantamento. A título de sugestão, este consenso até poderia ser tentado no próprio parlamento com a realização de uma plenária anual consagrada exclusivamente ao estado da liberdade de imprensa no país tendo como referência um tópico mais específico.

A ler

14.05.2024 | por Reginaldo Silva

“Se não lemos, achamos que o mundo começa e acaba no nosso umbigo”, entrevista a Inocência Mata

“Se não lemos, achamos que o mundo começa e acaba no nosso umbigo”, entrevista a Inocência Mata Estou muito contente pela opção que fiz porque ensino literatura, estudos literários e estudos pós-coloniais, que são áreas de grandes questionamentos. Eu não gosto do saber “congelado” ou do saber que não se discute. Não gosto de ideias dogmáticas. Gosto de discutir ideias, considero que existe sempre outra forma de ver o mundo, particularmente na área das humanidades e das ciências sociais, que não são ciências exatas.

Cara a cara

14.05.2024 | por Nélida Brito

Krik-krak, a arte dos contos no Haiti

Krik-krak, a arte dos contos no Haiti No Haiti, as histórias folclóricas e a sabedoria popular passam de boca em boca. Ao final da tarde, quando o sol se acalma e as ruas se enchem de vizinhos, é hora do kont ou de jogar ao krik-krak. No país em convulsão, a tradição oral tão antiga como o mais antigo ancestral marca a pauta dos valores coletivos e da identidade.

A ler

13.05.2024 | por Pedro Cardoso

E de repente eclodiu a revolução do 25 de Abril de 1974 e deu-se a libertação dos presos políticos do Tarrafal e tudo o mais que viria depois!...*

 E de repente eclodiu a revolução do 25 de Abril de 1974 e deu-se a libertação dos presos políticos do Tarrafal e tudo o mais que viria depois!...* E de repente eclodiu o 25 de Abril de 1974, considerado pelo Nhonhô numa entrevista à RTC (Radio-Televisão de Cabo Verde) sobre o seu percurso de vida como “uma autêntica revolução”. E de facto foi a festa infinita que começou com a caça aos informadores e agentes da PIDE/DGS na cidade da Praia, a queima das respectivas viaturas e/ou seu despenhamento no mar a partir do Cruzeiro do Platô, actos nos quais o Nhonhô e os seus amigos estudantes da Assomada residentes na cidade-capital da colónia/província ultramarina portuguesa participaram activamente e continuou com o lançamento de panfletos políticos na vila da Assomada dirigidos aos militares aquartelados no antigo edifício da SAGA e para o qual fui mobilizado pelo Betinho de Nho Bebeto-Alberto Lopes Barbosa, Júnior (sendo essa a primeira acção política, ademais clandestina, de toda a minha vida, depois muito marcada pela intervenção política e cívica, se bem que em larga medida fora do quadro político-partidário), e, logo depois, com a libertação dos presos políticos do Tarrafal, prosseguindo com os frequentes comícios, reuniões, sessões de esclarecimento e manifestações, os saraus culturais e as muitas e acaloradas discussões políticas, nas quais nós, adolescentes, também nos envolvíamos entusiástica e freneticamente.

A ler

10.05.2024 | por José Luís Hopffer Almada

TXONBON (Chão Bom)

TXONBON (Chão Bom) como outros nacionalistas africanos / tais os muito seviciados os muito aliciados / cem presidiários políticos guineenses / como outros emboscados como outros /rebuscados como outros mortificados / patriotas negros mulatos e brancos / dilacerados em diferendos vários / tais os cento e seis prisioneiros / e condenados políticos angolanos

Mukanda

08.05.2024 | por José Luís Hopffer Almada

O cinema de Messora e Salaviza com o povo indígena Krahô: “uma mesa farta para todos”

O cinema de Messora e Salaviza com o povo indígena Krahô: “uma mesa farta para todos” A premissa inicial para a construção de 'A Flor do Buriti' era refletir sobre a relação dos Krahô com a terra que habitam, num contexto que continua a ser colonialista, opressor e violento, mas esta foi expandida por um escrutínio da representação feminina na comunidade e nas formas de luta que se impunham pelo agravamento das ofensivas, nos anos em que o filme foi rodado: um período especialmente duro para os povos indígenas devido à pandemia de Covid-19 e ao governo de extrema-direita bolsonarista. Sob estas circunstâncias, a resistência teve que ser, necessariamente, reforçada.

Afroscreen

07.05.2024 | por Anabela Roque

“Com a sua obra, Paula Rego mostrou que a democracia não está completa sem incluir os direitos das mulheres”, entrevista a Catarina Alfaro e Leonor de Oliveira

“Com a sua obra, Paula Rego mostrou que a democracia não está completa sem incluir os direitos das mulheres”, entrevista a Catarina Alfaro e Leonor de Oliveira Em entrevista ao BUALA, as curadoras Catarina Alfaro e Leonor de Oliveira falam da sua investigação em torno do trabalho desta artista portuguesa, cuja obra desafiou a época ditatorial em que viveu. O contexto pré e pós-Revolução dos Cravos, as questões políticas ou os direitos das mulheres são apenas algumas das temáticas que Paula Rego representou nas suas gravuras, pinturas e desenhos. A crítica à sociedade marca presença em todas, ainda que subtilmente.

Cara a cara

02.05.2024 | por Mariana Moniz

Reparações? As omissões, os portões trancados da revolução e a petrificação dos cravos

Reparações? As omissões, os portões trancados da revolução e a petrificação dos cravos A questão das reparações é complexa. Longe de ser um mero tema mediático ou discurso político-académico, é (deveria ser), uma ação que envolve muita gente, lugares, contextos e temporalidades. Não pode ser uma agenda que “Portugal deve liderar”, como diz o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa. Existem várias dimensões sobretudo geopolíticas que exigem dos “danados” uma agência e protagonismo inegociáveis. Por outras palavras, é preciso poder. O poder de exigir e de obter. Fora disto estaremos apenas a "apelar, ingenuamente, ao coração dos opressores”. No início deste ano, realizou-se uma conferência no Porto sobre a questão das reparações. Do encontro, resultou um documento intitulado “Declaração do Porto: Reparar o Irreparável” com 20 propostas concretas que resumem reivindicações de longa data dos movimentos e pessoas negras em Portugal.

Mukanda

02.05.2024 | por Apolo de Carvalho

andar na linha

andar na linha Jogando com a dicotomia periferia/centro, dentro e fora, transversal às suas vidas e obras, os Unidigrazz interrompem a ideia da Linha de Sintra enquanto lugar cinzento contrapondo a esta ideia uma produção artística rica, viva, colorida.

Vou lá visitar

24.04.2024 | por Patrícia Azevedo da Silva

Do cinema de estado ao cinema fora do Estado: Moçambique

Do cinema de estado ao cinema fora do Estado: Moçambique A cinematografia moçambicana é hoje também marcada por preocupações ecológicas, que passam pela revalorização dos saberes ancestrais, pelo tratamento de questões identitárias (incluindo de género e raciais), e, muito fortemente, relativas às articulações entre as memórias pessoais e coletivas, tanto numa perspetiva de questionamento do que falhou na construção do país, como das possibilidades de esperança e de superação dos traumas provocados pelo colonialismo e pela guerra civil.

Afroscreen

18.04.2024 | por Maria do Carmo Piçarra

Maryse Condé “Amar os outros parece-me ser a forma, talvez a única, de causar impacto”

Maryse Condé “Amar os outros parece-me ser a forma, talvez a única, de causar impacto” “A morte na nossa casa é um espetáculo. Não se permite que a dor seja silenciosa. Deve ser acompanhada por um alvoroço de lágrimas, gritos, queixas, repreensões, imprecações contra Deus. Pessoas desesperadas rolam no chão. Outras ameaçam cometer um ato irreparável. Todas as pálpebras estão inchadas e vermelhas.” Tradução livre de Maryse Condé em “Victorie, Les Saveurs et les Mots”, 2006.

A ler

13.04.2024 | por Pedro Cardoso

Steve Biko (1948-1977) (1977-BC) - Prefácio de "Consciência Negra"

Steve Biko (1948-1977) (1977-BC) - Prefácio de "Consciência Negra" Assim, por todo o Soweto, rugiu uma rebelião, durante a qual a juventude paralisou o regime, pagando um preço altíssimo por isso. Sabemos que após a repressão local, esta rebelião se espalhou para os principais centros urbanos do país, sendo que a polícia assassinou perto de 700 pessoas, maioritariamente estudantes, não poupando os seus familiares nem os seus vizinhos. Esta página de luta, é para muitos uma completa inversão no processo de luta contra o apartheid.

Mukanda

13.04.2024 | por António Tonga

Batuku cabo-verdiano, musica di terra

Batuku cabo-verdiano, musica di terra Foi com a Revolução de 1975 que o Batuku, até então adormecido, renasceu no seio de ocasiões comemorativas como o casamento. E foi numa celebração matrimonial que, ainda criança, tive o meu primeiro contacto com a energia contagiante do Batuku, que é tradicionalmente cantado e dançado, durante toda a noite, pelas mulheres mais velhas, que celebram a união que se avizinha.

Palcos

11.04.2024 | por Nélida Brito