Nova Galeria Buala de Andrew Esiebo

who are we de Andrew Esiebo

 O trabalho de Esiebo articula uma abordagem documental – com tópicos que vão desde a sexualidade a questões de género, da urbanização à migração, etc. – e introduz elementos estéticos que nos levam a uma leitura mais poética e ficcional destes mesmos tópicos. 

“Este trabalho trata de explorar a minha própria percepção da homossexualidade masculina. Para isso, era necessário desconstruir abordagens estereotipadas da heteronormatividade e tentar aportar um outro olhar. Queria desfocar a atenção das práticas sexuais homossexuais (nas quais se está demasiado centrado) e refletir mais em temas como o amor, os desejos, as aspirações, a compaixão ou a fé. Para isso considerei necessário introduzir-me nos espaços íntimos dos retratados e procurar os objetos que rodeiam as suas vidas quotidianas. Estes cenários permitiram-me refletir sobre as suas identidades, e sobre a relação destes com o espaço quotidiano mais privado.”

ver +

12.07.2013 | par franciscabagulho | arte contemporânea

No Por No, Yonamine, Porto

Exposição de YONAMINE “No Por No”, na Galeria Nuno Centeno . 
Inauguração 6ªfeira, dia 5 Julho_2013, às 22h.
(presença do DJ Mr. Isaac). Patente até 6 de Agosto | 2013
terça a sábado | 15h - 20h
 
A Galeria Nuno Centeno tem o prazer de apresentar pela primeira vez no Porto o artista Yonamine residente em Lisboa.
No Por No, ou antes No Porno, evoca temas fortes envoltos durante muito tempo no secretismo habitual das sociedades modernas: o Sexo, a Pornografia e as relações amorosas.
Yonamine acredita que chegou o momento de os ver expostos tal e qual como eles são de uma forma crua, objectiva e sem rodeios morais ou estéticos.
As obras aqui apresentadas formam uma instalação site-specific escura e monocromática, com as características a que já nos habituou.
Frequentemente mordaz, concebe obras intensas e polémicas que mais do que censurar ou criticar determinado assunto, pretendem antes sensibilizar a opinião pública.
Marcada por fortes convulsões políticas e sociais a sua vida reflecte-se directa e explicitamente na sua obra. Aborda sobretudo temas de índole política, económica e social, mas não só. Para esta exposição decidiu como diz, “resolver uma necessidade antiga” que é o debate público em torno da sexualidade e das relações amorosas, temas ainda tabu. Interessa-lhe a liberdade plástica que essas mesmas temáticas lhe podem proporcionar.
O conjunto da sua obra caracteriza-se pelo uso de diferentes técnicas sobre suportes também eles diversificados. A estética urbana, a serigrafia, a simbologia, a semiótica, o vídeo e o papel são os elementos mais constantes na sua obra. 

Yonamine nasceu em 1975 em Luanda, Angola. Tem exposto com regularidade em exposições individuais e colectivas das quais se destacam: No Pain, Salzburger Kunstverein, Salzburg, Austria; Control Z, Cristina Guerra Contemporary Art, Lisboa; ZonaMaco, Project Room, Cidade do México; Tuga Sauve, 3+1 Arte Contemporânea, Lisboa; O Castelo em 3 Actos: Assalto, Destruição, Reconstrução, curadoria Paulo Cunha e Silva, Guimarães 2012 - Capital Europeia da Cultura; Dipoló, AIRspace, Culpeper and Upper Main galleries, Nova Iorque; 29a Bienal de São Paulo, São Paulo; A Museum is to Art what a great Translator is to a Writer, Galeria Baginski, Lisboa; Katchokwe Style, IX Sharjah Biennale, Sharjah, UEA, curadoria de Isabel Carlos; Check List Luanda Pop, Pavilhão Africano da 52a Bienal
de Veneza.

04.07.2013 | par candela | angola, arte contemporânea

LucFosther Diop, LesFl@mmes D’Ouvertures, QUEBEC

LA CHAMBRE BLANCHE is proud to welcome Cameroonian artist LucFosther Diop for a research and creation residency within the framework of the grant program Unesco-Aschberg for French Africa. Favoring a poetic point of view, LucFosther Diop launches a research project on neocolonialism and imperialism, and their social, political, cultural, historical, geographic, and urban influences and repercussions. Titled LesFl@mmes D’Ouvertures, this project marks a research period advocating digital and media experimentation – through photography, video, recycled web documents – aiming to build an indepen- dant web platform. The final work, hosted on LA CHAMBRE BLANCHE’s web site for six months, will include archives from all the stages of creation – ephemeral interventions, video performances, recycling files found on the web and diversion of their content’s meaning.

LucFosther Diop is a Cameroonian conceptual artist, born in Douala in 1980. He graduated in fine arts from University of Yaoundé 1 in 2003. 

+ info:  lucfostherdiop.blogspot.ca

19.06.2013 | par franciscabagulho | arte contemporânea

Nova Galeria Buala de Abraham Oghobase

Päätön (Acéfalo) de Abraham Oghobase

Abraham Ogobhase indaga o sentido da existência humana, expondo através da fotografia e performance uma ampla gama de emoções (a solidão, o medo, a ansiedade, o isolamento, a liberdade,…) e usando o seu próprio corpo como objeto.

Em Päätön (tradução do finlandês: acéfalo), uma paisagem invernal, gélida, despovoada de outros seres humanos é o cenário escolhido por Abraham para explorar o corpo. Aqui, numa coreografia onde o corpo e outros objetos são subsumidos no espaço, o sujeito (este corpo acéfalo) é, ao mesmo tempo, ausente (invisível) e presente, assumindo uma forma de alien na paisagem.

ver +

05.06.2013 | par franciscabagulho | Abraham Ogobhase, arte contemporânea, corpo

Private Lives, CASCAIS

Exposição Colectiva de Fotografia no Centro Cultural de Cascais. Inauguração 11 de abril  (12 de abril a 26 de maio de 2013)

obras de:  Binelde Hyrcan | Délio Jasse | Kiluanji Kia Henda | Sergio Afonso | Yonamine (Angola); Filipe Branquinho | Mário Macilau | Mauro Pinto (Moçambique); René Tavares (S. Tomé e Principe); João Serra | Mónica de Miranda (Portugal)

10.04.2013 | par franciscabagulho | arte contemporânea

African? I Guess, Nástio Mosquito, BERLIM

A última apresentação de Nástio Mosquito na Europa, este ano, será transmitida ao vivo na Internet; Live Stream. Hoje às 23H (hora Alemã) Nástio apresenta “African? I Guess.”, pela útima vezna HAUS DER KULTUREN DER WELT em Berlim, Alemanha.

A DZZZZ ArtWork convida aqueles que não estão em Berlim a juntarem-se a nós e, quem tem amigos, família, cães, gatos e pássaros em Berlim enviem-nos na nossa direcção!!

http://www.formerwest.org/Front

[Trabalhos feitos em colaboração com BOFA DA CARA, Jorge Palma, Kennedy Ribeiro, Pedro Rocha, Gabi Ngcobo entre outros farão parte da performance.]

************

DZzzz - less a name than a sound – Cucumber Slice, African, conqueror, philosopher, businessman. Whoever dwells a while in the universe of Angolan artist Nástio Mosqutio, finds himself without ground under his feet: a plethora of names, voices and possible identities. Mosquito‘s form is the monologue, subtle spoken word poetry, as surreal as it is ironic. “My mother calls me António Nástio da Silva Mosquito always followed up by ‘I’ve warned you!’” he introduces himself.

At the beginning of his performance African? I Guess in Karlsruhe Mosquito talks, whispers, yells invisibly from the darkness. As I watch the show, I can’t help thinking of the words of art critic and curator Colin Richards on the work of Moshekwa Langa“You’re unsettled, you’re undone, because you can’t place him and consequently you don’t know where your place is”. And yet, unlike Langa, Mosquito is not primarily interested in questions of identity. With the symbolic withdrawal of the person, positions appear in the foreground. “I am here to question the information you have”, says his alter ego Nástia in the video work Nástia answers Gabi. And thus his voice asks from the Off: “What are you going to do with your education?”.

22.03.2013 | par franciscabagulho | angola, arte contemporânea, performance

revista Afrikadaa #4

Criada por um coletivo de artistas, AFRIKADAA (Afro Design and Contemporary Arts) é uma revista de arte contemporânea que pretende trazer uma outra perspectiva para o cenário da arte contemporânea, contando a história e as trajetórias de comunidades artisticas para além das fronteiras mercado.

Na sua quarta edição AFRIKADAA, aborda o tema da identidade: “L’identité est une notion que l’on ne peut plus penser comme on le faisait avant, mais sans laquelle, certaines questions essentielles ne peuvent plus du tout être pensées”. Stuart Hall, “Who Needs Identity ”

ler em: http://www.afrikadaa.com/p/la-revue.html

05.03.2013 | par franciscabagulho | arquitectura, arte contemporânea, design

Opening Kiluanji Kia Henda, Kunstraum Innsbruck, Austria

KILUANJI KIA HENDA

Homem novo – new Man

FRIDAY, 8th FEBRUARY 2012, 7.00 p.m. 
Salutation: Mrs Mag. Christine Oppitz-Plörer, Mayor of Innsbruck; Dr. Lothar Tirala, Chairman 
Introduction: Karin Pernegger, new director of KRI, takls with Kiluanji Kia Henda

KUNSTRAUM INNSBRUCK 
Innsbruck, Austria 

06.02.2013 | par franciscabagulho | angola, arte contemporânea

No Fly Zone - LISBOA

28.01.2013 | par martalanca | Africa, angola, arte contemporânea

No Fly Zone. Unlimited Mileage, Museu Coleção Berardo, LISBOA

exposição de: Binelde Hyrcan, Edson Chagas, Kiluanji Kia Henda, Nástio Mosquito, Paulo Kapela, Yonamine

um projecto concebido e desenhado por: Fernando Alvim, Simon Njami e Suzana Sousa

Inauguração: 30 de janeiro, 19h00 . Museu Coleção Berardo


O Museu Coleção Berardo apresenta a exposição No Fly Zone dedicada a um conjunto de seis artistas da nova cena angolana. Ela é não só sinal de uma nova vida que Angola experimenta depois da descolonização e da guerra, como define um posicionamento num quadro problematizado sobre as heranças culturais e a sua redefinição, as migrações dos conflitos e o seu feedback, o lugar do artista e da sua produção num mundo que continuamente extravasa os limites do seu conhecimento e reconhecimento e se experimenta, agora por estes novos protagonistas. Este aspeto é tanto mais pertinente quanto o presente histórico que vivemos assiste a uma profunda e radical alteração das coordenadas tradicionais dos lugares recorrentes da atenção prestada à produção artística.

Pedro Lapa | Diretor Artístico

::::::::::::::
Mesa redonda “Unlimited Mileage” | 1 de fevereiro, 18h00
Nesta mesa redonda será discutida a exposição No Fly Zone e o contexto que justifica a sua realização tendo como plano alargado o artista africano na arte contemporânea e a terceira edição da Trienal de Luanda.
Com Suzana Sousa, Simon Njami, Fernando Alvim e Pedro Lapa.
Entrada Gratuita | Sem marcação prévia (limitado aos lugares disponíveis).

24.01.2013 | par franciscabagulho | angola, arte contemporânea

Restos e Rastos, conferência, LISBOA

Conversa sobre na segunda sessão do ciclo “Re-ver os impérios e os seus objectos de fantasia”, e tem como base o projecto “Once Upon a Time”, de Monica de Miranda, cuja primeira parte se encontra em exposição no Carpe Diem Arte e Pesquisa.

Com Keith Piper, artista inglês fundador do BLK Art Group na década de 70, e Gabriela Salgado, curadora do projecto “Once Upon a Time” de Monica de Miranda, tendo como interlocutores José António Fernandes Dias e Manuela Ribeiro Sanches. 
Hoje 16 Novembro, às 18h no Carpe Diem Arte e Pesquisa.

16.11.2012 | par franciscabagulho | arte contemporânea

An ocean between us, LISBOA

Projecto de Mónica Miranda com curadoria de Gabriela Salgado.

na Plataforma Revólver até 31 Dezembro

O segundo capítulo desta viagem, apresentado na Plataforma Revólver e intitulado An Ocean Between Us, foi possível devido à proximidade da artista com o porto fluvial do rio Tejo, em Lisboa. No vídeo díptico, este lugar e um cargueiro estacionário formam um palco de trânsitos metafóricos: como uma travessia entre dois mundos, que evoca as viagens que ligavam os continentes através dos oceanos, oferecendo um terreno para o encontro de culturas, de pessoas e para a expansão do comércio. Concebida como um conjunto de caixas de luz e uma projeção de vídeo, An Ocean Between Us forma uma composição em tons melancólicos que lida com a ambiguidade espacial e temporal. Navios que personificam viagens marítimas e são como cordões umbilicais simbólicos que unem as partes ausentes: um oceano e um rio, um amor perdido com a promessa de um encontro – estes são os elementos de uma catarse. 

Os lugares de passagem como gares e navios são aqui o repositório de lugares sem fronteiras, territórios perdidos neles próprios, sem nação, sem pertença e com múltiplos destinos, onde o ponto de retorno são os seus próprios momentos de desencontro. 

16.11.2012 | par franciscabagulho | arte contemporânea, Monica de Miranda

Nkisi Shadow II, exposição de Fernando Alvim, LUANDA

inaugura no dia 9 de Novembro, na SOSO [Rua Rainha Ginga, 100, 1º andar, Luanda] exposição de Fernando Alvim: Nkisi Shadow II

06.11.2012 | par franciscabagulho | angola, arte contemporânea

A.1.R – African Industrial Revolution, LUANDA

25 Outubro (18h30) UNAP, Luanda, Estudio Candonga apresenta: African Industrial Revolution

Estudio Candonga é o nome do colectivo de arte com base em Luanda criado pelos artistas Francisco Vidal e RitaGT. O trabalho que produzem é uma reflexão sobre noções de identidade, fronteira, colonialismo e descolonização, diferenças entre culturas, género; o questionamento do ponto de vista eurocêntrico e ocidental da história da arte e da humanidade.

19.10.2012 | par franciscabagulho | arte contemporânea, Estúdio Candonga, Francisco Vidal, Rita GT

Once Upon a Time de Monica de Miranda, LISBOA

O projeto Once Upon a Time, uma viagem psicogeográfica de Mónica de Miranda, nos seus dois primeiros capítulos; na Carpe Diem Arte e Pesquisa e na Plataforma Revólver, respetivamente em outubro e novembro, integra a segunda sessão do ciclo “Re-ver os Impérios e os seus Objetos de Fantasia”.

Carpe Diem Arte e Pesquisa (Rua de O Século, 79, 1200-433 Lisboa). De 4ª a sábado, 13h - 19h/Wednesday to Saturday, 1pm to 7pm (+351) 21 792 00 85 

17.10.2012 | par franciscabagulho | arte contemporânea, Monica de Miranda

Tem calma o teu país está a desaparecer, na ZDB, LISBOA

Inaugura Sexta-feira, dia 19 de Outubro, às 22h
Exposição colectiva com Gabriel Abrantes, Tiago Baptista, Mattia Denisse, Alexandre Estrela, João Maria Gusmão & Pedro Paiva, Musa Paradisiaca (Eduardo Guerra e Miguel Ferrão), Filipe Felizardo, Carlos Gaspar, Sílvia Prudêncio, Gonçalo Pena, Alexandre Rendeiro e Rigo 23. Curadoria Natxo Checa
Para a comemoração dos seus 18 anos a ZDB apresenta uma exposição colectiva, chamando a si, por um lado, artistas com os quais partilha uma relação próxima de criação, produção e reflexão intelectual há mais de uma década, por outro, artistas emergentes com quem, nos últimos três anos, iniciou um diálogo de colaboração baseado em residências artísticas.
A situação política, social e económica actual – onde o dinheiro e a ganância se sobrepõem aos interesses colectivos -, parece-nos mais próxima de um cenário kafkiano do que fruto de uma civilização avançada.
Este momento de excepção cria uma oportunidade única para que cada indivíduo se reveja e reflicta sobre a sua experiência do real. Nesse contexto, afastando de si um pessimismo vigente, os artistas, abordando a noção de percepção e realidade, produziram trabalhos de potencial ficcional que tornam visível, por vezes com humor, uma outra e desejada experiência.

Uma Lâmpada no Deserto de João Maria Gusmão + Pedro Paiva, 2012.Uma Lâmpada no Deserto de João Maria Gusmão + Pedro Paiva, 2012.
Quarta a sexta das 18h às 23h, sábados das 15h às 23h.
Entrada: 2 euros / Entrada Livre para Sócios ZDB

17.10.2012 | par franciscabagulho | arte contemporânea, João Maria Gusmão, mattia denisse, Pedro Paiva, zdb

Exposição de Jorge Días e Lino Damião, no Espaço PLMJ, LISBOA

A Fundação PLMJ apresenta as exposições “Outras Coisas”, de Jorge Días, e “Na Boca do Povo”, de Lino Damião, a inaugurar no dia 10 de Outubro, às 18H30, no Espaço Fundação PLMJ, em Lisboa. Exposições patentes até 8 de Dezembro, de quarta-feira a sábado, entre as 15H00 e as 19H00.

O trabalho de Jorge Días e de Lino Damião explora o imaginário passado e as vivências presentes dos respectivos países, Moçambique e Angola. A sua produção evidencia-se por pontos em comum: por um lado, uma sensação de esperança, plena de utopia; por outro, uma rendição às vicissitudes de uma vida social martirizada pelas vãs promessas das várias ideologias que marcaram os seus países nas últimas décadas. A fina ironia das suas obras veicula uma crítica – tão intensa e sensível quanto subtil e mordaz – ao status quo de Moçambique e de Angola.

Jorge Días elabora formas com potencial simbólico no sentido de equacionar questões de pendor existencial. Nesta exposição, o artista analisa as mitologias e iconografias de Moçambique em esculturas realizadas com materiais “pobres” e objectos de uso diário como capulanas – coloridos tecidos típicos de África. A linguagem de Lino Damião inscreve-se na imagética da banda desenhada. Nesta exposição, o artista aborda a situação de Angola em pinturas que representam cenas do quotidiano protagonizadas por personagens-tipo que exprimem as complexas condições de existência da população.

ESPAÇO FUNDAÇÃO PLMJ _ R. Rodrigues Sampaio, 29 Lisboa

08.10.2012 | par franciscabagulho | arte contemporânea

Nova Galeria Buala de Zanele Muholi

Fragmentos de uma nova história

A obra de Zanele Muholi é, segundo as suas próprias palavras, um trabalho de “activismo visual”. Todo o seu empenho e luta, de carácter profundamente político, consiste em dar visibilidade à comunidade negra de lésbicas, gays, bissexuais, transgéneros e intersexuais. Muholi  sente-se emocionalmente ligada a esta comunidade à qual pertence e pela qual luta e revê a sua própria construção identitária, conseguindo, através das suas imagens, romper com alguns estereótipos e ideias fixas que perduram, não só no nosso imaginário ocidental, como no seu país, a jovem democracia sul-africana, bem como no continente africano em geral.

ver +

14.09.2012 | par franciscabagulho | arte contemporânea, Fotografia Africana, LGBTQI

Zimokad, de 18 a 29 Setembro no Centro Cultural Franco-Moçambicano, MAPUTO

ZIMOkAD - Zimbabwe Mozambique Cultural Art Dialogue reúne quatro artistas plásticos, Tapiwa Chapo e Charles Kamangwana, do Zimbabwe, e Butcheca e Titos Pelembe, de Moçambique, num momento de partilha e intercâmbio para a criação de uma exposição colectiva.
Tendo como ponto de partida o conceito de diálogo, a exposição, que estará patente no Centro Cultural Franco-Moçambicano de 18 a 29 de Setembro, será o resultado do encontro sob a forma de residência artística a ter lugar na ENAV - Escola Nacional de Artes Visuais de Maputo, de 3 a 15 de Setembro 2012.
///
ZIMOkAD - Zimbabwe Mozambique Cultural Art Dialogue brings together four artists, Tapiwa Chapo and Charles Kamangwana, from Zimbabwe, and Butcheca and Titos Pelembe from Mozambique, for a moment of sharing, dialogue and exchange to create a collective exhibition.
Taking as starting point the concept of dialogue, the exhibition will feature at Franco-Mozambican Cultural Centre from 18 to 29 September, which will be the outcome of the meeting and artistic residency taking place at ENAV - National School of Visual Arts in Maputo from 3 to 15 September 2012.

02.09.2012 | par franciscabagulho | arte contemporânea

Expectations and Vacations. Exposição de Eugénia Mussa, LISBOA

Eugénia Mussa (Moçambique, 1978) apresenta numa loja desactivada Expectations and Vacations – uma série de pinturas a óleo sobre papel, produzida em 2012. Estas imagens marcadamente pictóricas, onde o acto de pintar se faz sentir, são de facto, originárias de uma recolha, levada a cabo pela artista, de registos banais de uma ocorrência (expectations and vacations). A figura inserida numa determinada paisagem, sobretudo exteriores intervencionados pelo homem (um campo de jogos, uma piscina, uma avenida ladeada por palmeiras); desenha um território, mais ou menos evidente mais ou menos maioritário, que nos é sugerido pelas acções (os desportos, as cheerleaders, as graduações,  etc.) que nele vemos representadas. No entanto, a morfologia destas  imagens é feita da própria história e anatomia da Pintura, convocadas  a várias instâncias neste corpo de trabalho.

Para ver até 3 de Junho na Rua Nova da Piedade 97, Lisboa, Portugal.


01.06.2012 | par franciscabagulho | arte contemporânea