A via do martírio

A via do martírio A guerra é suja e o conflito entre o Sahara e Marrocos não é excepção. Marrocos acusa também a Frente Polisário e as autoridades argelinas de terem torturado prisioneiros marroquinos e de reprimirem os saharauis que se opõem à independência.

Vou lá visitar

25.08.2010 | por Nuno Ramos de Almeida

Os sete sapatos sujos

Os sete sapatos sujos A força de superarmos a nossa condição histórica reside dentro de nós. Saberemos como já soubemos antes conquistar certezas que somos produtores do nosso destino. Teremos mais e mais orgulho em sermos quem somos: moçambicanos construtores de um tempo e de um lugar onde nascemos todos os dias. É por isso que vale a pena aceitarmos descalçar não só os setes mas todos os sapatos que atrasam a nossa marcha colectiva.

Mukanda

25.08.2010 | por Mia Couto

Mukanda ao Ruy Duarte de Carvalho

Mukanda ao Ruy Duarte de Carvalho Voz transmudante e transumante, inaugural. E desse teu dizer primevo, um apuro e um rigor encantatórios se vieram sedimentando num tom crescente de métrica libertária e de epopeia, para se afirmarem cada vez mais como um dizer poético de sábio e longuíssimo fôlego, e caracterizar toda a tua obra, na qual, “as artes de que sobretudo [dás] notícia são aquelas expressões da actividade humana imediatamente ligadas ao exercício de estar vivo e dar continuidade à vida.”

Ruy Duarte de Carvalho

25.08.2010 | por Zetho Cunha Gonçalves

Carlos Magno no Equador - A introdução do "Tchiloli" em São Tomé

Carlos Magno no Equador - A introdução do "Tchiloli" em São Tomé Os grupos do "Tchiloli", conhecidos na ilha por tragédias, têm cerca de trinta elementos cada um, e pertencem todos a uma determinada localidade de forros (assim se chamam os crioulos nativos de São Tomé). Dentro de certos limites dramatúrgicos, cada tragédia representa uma versão própria da peça. Conforme a tradição medieval, exclusivamente os homens representam todos os papéis, inclusivamente os de mulheres. Além disso, o mesmo actor amador representa sempre a mesma personagem. Os papéis, o guarda-roupa e os textos transmitem-se no seio das famílias.

Palcos

24.08.2010 | por Gerhard Seibert

Ruy Duarte de Carvalho: o cacto e sua água ímplicita

Ruy Duarte de Carvalho: o cacto e sua água ímplicita Como brasileira, persigo na sua viagem pelos nossos sertões, e não só, o encantamento e a capacidade de, no chão tão batido por outros viajantes, descobrir o inédito, elaborá-lo, convertê-lo em prosa, contrapondo as imagens do país apreendidas na errância às que colheu nas leituras desde a adolescência em Moçâmedes. Na escrita dessa experiência, compreendi o sentido de desmedida. Não a do país de dimensões continentais, mas a da energia do olhar que nos revela outras faces de nós mesmos.

Ruy Duarte de Carvalho

23.08.2010 | por Rita Chaves

A transição de Neto a dos Santos: os discursos presidenciais sobre as relações internacionais de Angola e o conflito com a UNITA (1975-1988)

A transição de Neto a dos Santos: os discursos presidenciais sobre as relações internacionais de Angola e o conflito com a UNITA (1975-1988) pretende-se fazer um balanço dos discursos feitos por Agostinho Neto, primeiro presidente de Angola e do MPLA e, posteriormente, por seu sucessor José Eduardo dos Santos, naquilo que tange as relações internacionais de Angola, e o conflito com a UNITA – desde o momento da proclamação da independência, em 1975, até a assinatura dos Acordos de Nova Iorque, em 1988.

A ler

23.08.2010 | por Kelly Araújo

Da colonização à convivência

Da colonização à convivência Não existe verdadeiramente “consciência lusófona”, excepto talvez nalguns intelectuais ou políticos. O angolano ou o moçambicano médio, mesmo artista ou universitário, nunca utilizará esta palavra para se definir, enquanto para um africano francófono, o termo “francofonia” tem significado, e até uma dimensão política supranacional.

A ler

23.08.2010 | por Ariel de Bigault

“Digam simplesmente a verdade”

“Digam simplesmente a verdade”  A minha reflexão incide sobre o modo como se pode fazer cinema em África, à nossa maneira: a maneira como nos mexemos, a maneira como saboreamos, como ouvimos as coisas, como vemos as coisas, a nossa percepção do mundo.

Afroscreen

22.08.2010 | por Samba Félix Ndiaye

O Conselheiro generoso

O Conselheiro generoso Era um prazer viajar com ele. Acordávamos muito cedo, “matabichávamos” juntos e depois... pé na estrada. Eu guiava no asfalto, ele na terra. Trocávamos impressões e memórias. Tínhamos todo o tempo do mundo, entre um ponto e outro do trajeto diário. Na Chapada Gaúcha, lugarejo mais próximo do Parque do Grande Sertão Veredas, subitamente o Ruy se apaixonou por uma menina que vendia flores de papel. E assim vivemos aqueles momentos.

Ruy Duarte de Carvalho

22.08.2010 | por Daniela Moreau

Ver e fazer filmes, a partir de Cataguases

Ver e fazer filmes, a partir de Cataguases Emídio Jossine, Amâncio Mondlane e Nelson Mondlane vieram “do outro lado do oceano”, de Maputo, directamente para Cataguases. Vamos encontrá-los na “base”, nome de guerra para o galpão onde se aprende, se testa, se erra, se trocam ideias, e se “respira cinema”. Estão a aguardar pelo genérico que finalizará a edição do seu doc “A Espera no Quintal" e, enquanto não chega, falamos sobre o Festival e o cinema do seu país.

Afroscreen

22.08.2010 | por Marta Mestre

A meditação do cadáver - pré-publicação Miguel Gullander

A meditação do cadáver - pré-publicação Miguel Gullander “Observa” diz o homem branco numa língua selvagem, mas que a menina negra compreende pelo medo. Ele aponta-lhe um corpo de um menino português que, ninguém sabe, mas também foi um pastor antes de o terem embarcado à força. O menino está muito maltratado. O pirata ri uma gargalhada por conseguir assustar uma menina.

Mukanda

20.08.2010 | por Miguel Gullander

Angola – o nascimento de um movimento pelo Direito à Habitação, e a importância da integração de lutas locais, nacionais e globais

Angola – o nascimento de um movimento pelo Direito à Habitação,  e a importância da integração de lutas locais, nacionais e globais É certo que as demolições e despejos forçados vão continuar em Angola, mas também é certo que as comunidades e os movimentos se estão a fortalecer, à custa de muita coragem, mas também por saírem do isolamento em que viviam.

Cidade

20.08.2010 | por Rita Silva

Os retornados estão a abrir o baú

Os retornados estão a abrir o baú Foi preciso esperar mais de 30 anos para que as feridas abertas pelo retorno dos colonos em África começassem a sangrar. Muitos decidiram agora escrever sobre o estigma de "retornado". Fundamental para se perceber o que é ser português, hoje

A ler

19.08.2010 | por Raquel Ribeiro

Mestre Tamoda: uma personagem da ficção narrativa angolana

Mestre Tamoda: uma personagem da ficção narrativa angolana Poder-se-á imaginar a língua portuguesa como centro de um exercício lúdico em que o sujeito ou protagonista, num contexto rural de Angola, é uma criatura sem qualquer tipo de formação escolar? De facto é possível. E tal acontece num conto cujo autor é o escritor Uanhenga Xitu.

Cara a cara

17.08.2010 | por Luis Kandjimbo

Você: Brasil - diálogo poético brasil / cabo verde

Você: Brasil - diálogo poético brasil / cabo verde Jorge Barbosa jamais foi ao Brasil; Ribeiro Couto jamais pôs os pés em Cabo Verde. "Eu gosto de você, Brasil, porque você é parecido com a minha terra. Eu bem sei que você é um mundão e que a minha terra são dez ilhas perdidas no Atlântico (...)"

Mukanda

17.08.2010 | por Jorge Barbosa e Ribeiro Couto

Desmedida - pré-publicação Ruy Duarte de Carvalho

Desmedida - pré-publicação Ruy Duarte de Carvalho tem um lugar, dizia eu, tem um ponto no mapa do Brasil, tem um vértice que é onde os estados de Goiás, de Minas Gerais e da Bahia se encontram, e o Distrito Federal é mesmo ao lado. Aí, sim, gostaria de ir... é lá que se passa muita da ação do Grande sertão: Veredas... e depois descer para o alto São Francisco, que é o resto das desmedidas paisagens de Guimarães Rosa... e ao baixo São Francisco, podendo, ia também... porque encosta aos Sertões euclidianos... sou estrangeiro aqui e nada me impede de incorrer no anacronismo de querer ir ver, de perto, Guimarães Rosa e Euclides da Cunha...

Ruy Duarte de Carvalho

14.08.2010 | por Ruy Duarte de Carvalho

Perdidos no deserto - Sahara Ocidental

Perdidos no deserto - Sahara Ocidental São pedras a perder de vista. Lápides irregulares espalham-se sobre a areia por centenas de metros. O cemitério domina o campo de refugiados de Smara. As tendas e as casas de cor da terra estão lá em baixo, ocupam o horizonte, confundem-se com o deserto. Cada pedra assinala alguém que morreu. A maioria dos habitantes fugiu aos bombardeamentos marroquinos em 1976, mas muitos já nasceram, viveram e terminaram aqui para todo o sempre. São a prova que o conflito do Sahara Ocidental dura há tempo de mais.

Vou lá visitar

13.08.2010 | por Nuno Ramos de Almeida

“O meu lado infantil está radiante” - Arménio Vieira

“O meu lado infantil está radiante” - Arménio Vieira Prémio Camões 2009. Cabo-verdiano. Conde. Arménio Vieira no seu laboratório de criação: Pracinha do Liceu, Cidade da Praia. O que se segue não é um discurso milimetricamente estruturado e óbvio. É, antes, um desenrolar de frases, pensamentos e memórias às vezes desconexos e non sense na aparência, que evidenciam, nesse jeito irónico e mordaz, a dimensão humana e artística do poeta e ficcionista.

Cara a cara

12.08.2010 | por Pedro Cardoso

uma espécie de habilidade autobiográfica

uma espécie de habilidade autobiográfica E julgo, chegado a esta altura da vida, não poder deixar de ter que entender que o mundo, por toda a parte e não só aqui, se urde e se produz recorrendo sempre, ou quase sempre, ao uso e ao abuso da boa-fé dos outros. Temo não conseguir nunca chegar, mesmo velhinho, a conformar-me com isso e a tornar-me no sujeito bem acabado, dissimulado, pirata, adaptável e finalmente adaptado que nunca, durante toda a vida, consegui ser.

Ruy Duarte de Carvalho

12.08.2010 | por Ruy Duarte de Carvalho

Andanças – uma comunidade de voluntários

Andanças – uma comunidade de voluntários Esta foi a 15ª edição do Andanças que teve como tema a Comunidade. Segundo Diana Mira, da PédeXumbo, o essencial do festival não mudou desde o remoto 1995 em Évora, onde estiveram 200 participantes. “Continua a ser um festival que é um espaço de encontro onde se pode vir dançar e também um espaço de partilha onde se dá as mãos e se olha”.

Vou lá visitar

12.08.2010 | por Maria Prata