Música do fim do mundo

Música do fim do mundo A world music no contexto actual: o seu papel enquanto instrumento de poder durante o colonialismo e a sua posição social enquanto género musical em tempos apocalípticos e de ruptura - o fim de século e o fim de milénio. Algumas questões a partir do pensamento de Philip Bolhman em «World Music at the “End of History”».

Palcos

05.06.2010 | por Carla Isidoro

Tambor rebentando o silêncio amargo, a vida cultural na Mafalala

Tambor rebentando o silêncio amargo, a vida cultural na Mafalala Ali viveu Craveirinha e Eusébio aprendeu a jogar. Moraram lá Machel, Chissano, Mocumbi. É só estrelas no bairro que tem nome de dança macua - Li-Fa-La-La -, pronto para receber os turistas do Mundial de Futebol. A história do bairro da Mafalala faz-se ainda muito de relatos orais, por isso um passeio para ver pelos seus olhos, ouvir com os seus ouvidos e sentir tudo o resto será melhor do que ler esta reportagem.

Cidade

03.06.2010 | por Marta Lança

África em mim

África em mim Em qualquer lado onde se busque a influência política constata-se um vazio ideológico que castra ou mesmo mantém o país aquém do nosso verdadeiro potencial. Qualquer debate nesse sentido é permeado por falsas questões, negação e verdadeiros "braços de ferro" onde todos perdem. A questão do crioulo é um desses tabus que estamos a criar e que remetem para a questão África vs Europa e da identidade. Falsa questão!

A ler

02.06.2010 | por Amílcar Aristides Monteiro

Praia, Movendo, Arte

Praia, Movendo, Arte A cidade da Praia tem hoje cinco vezes mais gente do que há trinta anos atrás. Gente que veio de toda a parte: de outras cidades e vilas de Cabo Verde, de outros países africanos que ouviram dizer que aqui há paz e prosperidade, da China os comerciantes, da Europa os investidores externos, jovens e aventureiros atraídos pela curiosidade ou por contágio, deram com este país e alguns aqui deixaram marcas. Continua. Este pequeno país está nas bocas do mundo. Cineastas fazem filmes em Cabo Verde e sobre Cabo Verde, encenadores peças de teatro, qualquer canto de cada ilha já foi fotografado milhentas vezes, vários livros foram escritos, há colóquios internacionais sobre nós, a nossa língua, o nosso caso de sucesso no mundo.

Cidade

01.06.2010 | por César Shofield Cardoso

KUDURO, a batida de Luanda

KUDURO, a batida de Luanda O Kuduro é criado e produzido nos musseques de Luanda e rapidamente difundido nos Kandongueiros. Diariamente surgem novas músicas que alimentam o vocabulário de Luanda de novas dicas (expressões), novas batidas (ritmos / sons), e novos toques (movimentos). Esta criação frenética de linguagens urbanas tem uma expressão importante na sociedade angolana actual e sobretudo nos mais jovens.

Palcos

01.06.2010 | por Francisca Bagulho

Marrabenta: evolução e estilização 1950-2002

Marrabenta: evolução e estilização 1950-2002 A Marrabenta é o principal ritmo musical de Moçambique, bem no coração da sua identidade. Ritmo urbano, a sua estilização deve-se a pessoas urbanizadas que, distantes do seu meio social e cultural e sujeitos à influência da cultura ocidental, criaram este ritmo, pegando noutros já existentes como a Magika, Xingombela e Zukuta. Começou no final dos anos 30, mas será na década 50 que se tornaria popular com conjuntos como Djambu, Hulla-Hoope Harmonia.

Palcos

31.05.2010 | por Rui Guerra Laranjeira

GAR

GAR “Geo-archaeological research” (GAR) é uma investigação que teve início em Weimar, Alemanha, e que apresenta já outras fases e locais de pesquisa e trabalho de campo. Esta investigação tenta compreender determinados fenómenos geológicos intercontinentais, propondo a hipótese de uma falha geológica na Europa com várias outras repercussões.

A ler

28.05.2010 | por Tânia da Fonte

“Crioulo”: usar com cuidado

“Crioulo”: usar com cuidado Os Crioulos são línguas plenas, com um grau de complexidade, de dinamismo e de eficácia que em nada as distingue das restantes línguas naturais, como o Português, Inglês, Japonês ou outra, cujos recursos infinitos garantem a total satisfação das necessidades de comunicação dos seus falantes. Apesar disso, ainda vão existindo demasiados equívocos quanto à competência destas línguas, nascidas há poucas centenas de anos do contacto entre línguas europeias e africanas.

A ler

28.05.2010 | por Fernanda Pratas

Nova Luanda embalada - Paulo Flores

Nova Luanda embalada - Paulo Flores Paulo Flores é um cantor angolano e uma referência na geração de jovens artistas que trabalham a música popular moderna. Falámos com ele quando lançou «ExCombatentes», três discos que marcam uma viragem na sua carreira. Flores mergulha o Mundo em Angola e leva a música mais longe do que poderíamos esperar.

Cara a cara

27.05.2010 | por Carla Isidoro

Libertação nacional e cultura

Libertação nacional e cultura Centraremos a nossa conferência num problema essencial: as relações de dependência e de reciprocidade entre a luta de libertação nacional e a cultura. Se conseguirmos convencer os combatentes da libertação africana e todos os que se interessam pela liberdade e pelo progresso dos povos africanos da importância decisiva deste problema no processo da luta, teremos rendido uma significativa homenagem a Eduardo Mondlane.

Mukanda

27.05.2010 | por Amílcar Cabral

A desmedida de Kiluanji Kia Henda - da Trienal de Guangzu à Experimenta Design: dois projectos

A desmedida de Kiluanji Kia Henda - da Trienal de Guangzu à Experimenta Design: dois projectos Kiluanji Kia Henda tem vindo a expor internacionalmente – de Guangzhou à Cidade do Cabo, de Nairobi a Veneza - o que desvincula o seu trabalho de uma legitimação que passaria exclusivamente pelas capitais da arte contemporânea do Ocidente. Outro dos traços singulares do seu percurso é que até agora, a apresentação do seu trabalho não tem passado pela legitimação no “pequeno” mundo da “ex-metrópole”, Lisboa. Enquanto artista de nacionalidade angolana, e portanto, de um país hoje independente, o seu art world’s tem estado alheio a um conjunto de políticas culturais que têm a língua portuguesa como ligação, e que insistem em mostrar a arte e respectivos artistas em circuito fechado, itinerando pelas ex-colónias e a ex-metrópole.

Cara a cara

23.05.2010 | por Marta Mestre

Dança contemporânea africana: uma oposição criativa às imagens estereotipadas da africanidade

Dança contemporânea africana: uma oposição criativa às imagens estereotipadas da africanidade De que modo a dança africana e a corporalidade considerada africana são usadas enquanto meio estético em práticas culturais comuns à Europa? Que imagens da dança e performance africanas são criadas pelo discurso europeu? Na perspectiva africana, aborda-se as (re)acções e escolhas individuais dos bailarinos e coreógrafos africanos face a vários desafios. Terá o discurso europeu grande influência nas decisões dos bailarinos e coreógrafos africanos?

Palcos

23.05.2010 | por Nadine Siegert

Que África escreve o escritor africano?

Que África escreve o escritor africano? Os intelectuais africanos não têm que se envergonhar da sua apetência para a mestiçagem. Eles não necessitam de corresponder à imagem que os mitos europeus fizeram deles. Não carecem de artifícios nem de fetiches para serem africanos. Eles são africanos assim mesmo como são, urbanos de alma mista e mesclada, porque África tem direito pleno à modernidade, tem direito a assumir as mestiçagens que ela própria iniciou e que a tornam mais diversa e, por isso, mais rica. É preciso sair dessa armadilha.

Mukanda

23.05.2010 | por Mia Couto

Entre o movimento negro e marxismo: genealogia intelectual de uma época

Entre o movimento negro e marxismo: genealogia intelectual de uma época É útil traçar uma genealogia do internacionalismo negro para ajudar perceber o processo da sua formação. As independências de África, além da acção de africanos e africanos na diáspora, devem-se a um conjunto de mudanças estruturais. Se colocarmos a emergência do internacionalismo negro numa perspectiva mais vasta isso permitir-nos-á compreender a mudança de paradigma operada entre os finais do séc. XIX e princípios do séc. XX.

A ler

22.05.2010 | por António Tomás

Fui lá visitar artistas... contextos artísticos nos Camarões

Fui lá visitar artistas... contextos artísticos nos Camarões África é transmitida como uma imagem sobredeterminada. Quer isto dizer, um lugar capaz de plasmar a abundância dos discursos que circulam, os desígnios para o continente, e as situações de natureza traumática. Dentro e fora, na disseminada geografia que a designa, África tem sido um espaço de ambivalência que ainda polariza questões fundamentais como os direitos humanos, a igualdade racial, o apartheid, a subalternidade, a hibridização, a mixagem, a deslocação de pessoas e culturas.

Vou lá visitar

20.05.2010 | por Marta Mestre

Tendência do Teatro em Cabo Verde - com os pés nas ilhas e os olhos nas estrelas

Tendência do Teatro em Cabo Verde - com os pés nas ilhas e os olhos nas estrelas O Festival Mindelact, todos os Setembro em S. Vicente, é a época alta da temporada teatral cabo-verdiana. Em duas semanas, pode ver tantos espectáculos como nos restantes meses, e das 9 ilhas habitadas do arquipélago! Os grupos em actividade, sendo já conhecidos e tendo conquistado um público adepto, são cada vez exigentes. Mindelo, é, pois, o centro catalizador do teatro em Cabo Verde, ponto de encontro e confronto de diferentes caminhos traçados por uma paixão comum.

Palcos

20.05.2010 | por João Branco

Dar a ver o que tem andado a dar a ler, Ruy Duarte de Carvalho

Dar a ver o que tem andado a dar a ler, Ruy Duarte de Carvalho O ciclo dedicado a Ruy Duarte de Carvalho, em Fevereiro de 2008, tornou mais visível o caso raro de “um grande escritor de língua portuguesa, cuja obra se distribui por diversos campos de actividade – permitindo uma abordagem multidisciplinar ao seu universo.”, como referiu Mega Ferreira, seu impulsionador.

Ruy Duarte de Carvalho

18.05.2010 | por Marta Lança

"Família Alcântara" – a saga de uma produção cinematográfica

"Família Alcântara" – a saga de uma produção cinematográfica Comecei a sofrer com a falta do ensino da história da África e dos afro-descendentes na faculdade. Já trabalhava como assistente de produção cinematográfica e, se desde criança me incomodava muito a (ausência da) representação dos negros nos meios de comunicação brasileiros, como produtora isso passou a me incomodar muito mais. Para sair daquela letargia, senti que tinha que perseguir o sonho de realizar meus próprios filmes. Mas... por onde começar?

Afroscreen

17.05.2010 | por Lilian Solá Santiago

“Catembe” ou queixa da alma jovem censurada

“Catembe” ou queixa da alma jovem censurada Filmado em 1965, “Catembe”, é um documentário de ficção realizado por Manuel Faria de Almeida sobre o quotidiano de Lourenço Marques. O transgressor da obra foi ter sido a primeira interpretação crítica da realidade colonial portuguesa. Após a censura da obra original – com 103 cortes e destruição da parte censurada - a segunda versão foi proibida. Dos seus 2400 metros originais restou metade pelo que figurou no Guinness Book of Records como o filme alvo de mais cortes por parte da censura na história do cinema.

Afroscreen

16.05.2010 | por Maria do Carmo Piçarra

Reverberações lusotropicais: Gilberto Freyre em África 1 - Cabo Verde

Reverberações lusotropicais: Gilberto Freyre em África 1 - Cabo Verde O episódio mais controverso de "Aventura e rotina" foi a breve visita realizada por Gilberto Freyre a três ilhas do arquipélago, S. Vicente, Santiago e Sal. Esta visita era aguardada com grande expectativa por parte da intelectualidade cabo-verdiana aglutinada em torno da revista Claridade. (...) Pouco tempo depois da publicação de Aventura e rotina, Baltasar Lopes refutou ponto por ponto as observações feitas por Gilberto Freyre nas questões do Criolo, a identidade cultural cabo-verdiana, gastronomia, arte popular, a caracterização do tipo de mestiçagem que houve no arquipélago, assim como a comparação cultural feita por Freyre entre Cabo Verde e as Antilhas.

A ler

16.05.2010 | por Fernando Arenas