Fotos e fraturas: as ambiguidades da África do Sul pelas lentes de David Goldblatt

Fotos e fraturas:  as ambiguidades da África do Sul pelas lentes de David Goldblatt A exposição é organizada em seções, separadas por cor e classe, mostrando um mapa da África do Sul. O olhar é frontal, “eu te vejo e você me vê”. E nas fotos não há diferença de tratamento: branco ou negro, todos são (re)tratados da mesma maneira. Cada série de fotos do passado, feitas em preto e branco, é confrontada com um olhar a cores atual.

Vou lá visitar

05.04.2018 | por Fernanda Vilar

O tenso enegrecimento do cinema brasileiro

O tenso enegrecimento do cinema brasileiro Uma onda de cinema negro é a grande novidade na história recente do cinema brasileiro, acentuando com originalidade e com tensões uma característica que se fazia notar nos últimos trinta anos, uma cinematografia de muita diversidade temática, de estilos e até regional. Entretanto, apesar desta multiplicidade de narrativas, esse mercado audiovisual se recusava a incorporar uma maior participação de cineastas, elenco, e o protagonismo da parcela negra, maioria populacional do país.

Afroscreen

04.04.2018 | por Joel Zito Araújo

Raquel Varela e a branquitude como lugar de fala hegemónico e silenciador na esquerda portuguesa

Raquel Varela e a branquitude como lugar de fala hegemónico e silenciador na esquerda portuguesa A branquitude de esquerda recusa-se terminante e furiosamente a reconhecer e admitir o seu racismo e a reconhecer a sua hegemonia exclusionária e silenciadora. Quando confrontada, a branquitude de esquerda não hesita em puxar pelos seus galardões para silenciar os seus críticos não-brancos, como se tal lhe devesse valer créditos ou fosse um cartão para escapar à cadeia no monopólio.

Mukanda

24.03.2018 | por Sadiq S. Habib

Da importância de bonecas negras, uma coleção de questões

Da importância de bonecas negras, uma coleção de questões Bonecas feitas por mulheres negras e destinadas, às suas próprias crianças: no intuito de marcar a presença de uma entidade negra nos braços de uma criança que estará na maior parte do tempo só – suprindo de alguma maneira a ausência da mãe, que trabalha para os brancos. Sobre a coleção de Deborah Neff, exposta na Maison Rouge, em Paris.

Vou lá visitar

22.03.2018 | por Fernanda Vilar

PADI SABI , o “renascer” do Museu de Bissau

PADI SABI , o “renascer” do Museu de Bissau A coleção de imagens fotográficas mostra a rica variedade estilística da cultura material da Guiné-Bissau, bem como o entusiasmo de um grupo de investigadores e administradores locais em construir um património nacional, e até de certos técnicos portugueses que ajudaram a criar o Museu, oferecendo cursos de museologia em Bissau.

Vou lá visitar

19.03.2018 | por Ana Temudo

narrativa não linear, pensamento tentacular - Metabolic Rifts II

 narrativa não linear, pensamento tentacular - Metabolic Rifts II Boaventura Sousa Santos apela ao combate à exclusão e a um pensamento pós-abissal, a investigadora espanhola Maria Iñigo Clavo problematiza processos curatoriais no Brasil e Vivian Ziherl discute a genealogia da articulação entre as categorias do “natural” e a produção de mais-valia. O encontro decorreu no Porto e a intervenção militar no pós-carnaval do Rio, que acaba de acontecer, deu azo a conspirações geopolíticas. Donna Haraway, com a convivência inter-espécie ao fundo, conseguiu ainda espantar-nos pelo seu talento narrativo. Uma leitura crítica das ideias que ficaram a pairar.

Vou lá visitar

18.03.2018 | por Marta Lança

Deslumbrante Estupefação

Deslumbrante Estupefação A sua impregnação de um forte espírito de revolta contra as injustiças e os abusos correntes numa sociedade arcaica marcada pela escravocracia e pelo latifúndio (morgadio na linguagem dos textos e da tradição popular caboverdiana, relevando-se neste contexto os morgadios de Ribeirão Manuel e de Monte Negro) e correlativa condenação tanto moral como também em actos corajosos e efectivos de resistência colectiva ou individual.

A ler

14.03.2018 | por José Luís Hopffer Almada

mas… dizer que Luanda é um inferno, não.

mas… dizer que Luanda é um inferno, não. Fazemos parte desta coisa incrível que é este lugar. E cativos ficamos. Ninguém sai daqui alheio a assobiar. Bate uma tristeza, uma melancolia, uma saudade antecipada, porque este lugar… mesmo sendo uma madrasta cidade, tantas e tantas vezes, tem um encanto que reside na curva desse lado “Atlântico” que nos fez assim (...) Esse povo bom que lapida a vida sem ferramenta própria, capricha, encara e faz batota a rir.

Mukanda

13.03.2018 | por Isabel Baptista

A poética dos desvios na montagem visual de Ícaro Lira, entrevista

A poética dos desvios na montagem visual de Ícaro Lira, entrevista Em meio a recortes de jornais, imagens, pedras, documentos, reproduções de obras de arte e lascas de árvores, a obra do artista visual Ícaro Lira vira do avesso os materiais para mostrar o que escondem as sombras dos acontecimentos históricos. Como opera Walter Benjamin em sua montagem literária no livro Passagens (1940), Ícaro cita sem usar aspas: enfrenta o arquivo na sua materialidade para submetê-lo à reflexão.

Cara a cara

13.03.2018 | por Eduarda Kuhnert

O avesso dos arquivos dos outros

O avesso dos arquivos dos outros Onde se encontram o comum e o estranho? Como combinar a perspectiva sócio-histórica da memória com a experiência singular e individual? É possível retomar fatos da história e, ao mesmo tempo, recusar a monumentalização do passado? Em Museu do estrangeiro, o artista Ícaro Lira interpela a narrativa histórica brasileira, em específico o debate sobre os fluxos migratórios no país, envolvendo uma multiplicidade de sujeitos, espaços e tempos em sua montagem poética de materiais coletados.

A ler

13.03.2018 | por Eduarda Kuhnert

Agressões e racismo, todos passaram por isso

Agressões e racismo, todos passaram por isso As histórias contam-se na primeira pessoa. Fala-se de agressões gratuitas, da falta de respeito, de não se sentirem cidadãos de direito: “antes de se identificar já foi vítima”, “queremos ser tratados como cidadãos”; polícias à paisana com conversas ordinárias, insultos repetidos “pretos de me***”, “volta para a tua terra”; saídas à noite que acabam em tragédia, rusgas quando se está calmamente no café a ver a bola e se acaba deitado no chão à chuva, a ouvir insultos, festas de aniversário ou modestos convívios que de repente se misturam com balas, e ops, danos colaterais... (artigo de 2015)

A ler

13.03.2018 | por Marta Lança

Quilombos: nossa vida e trajetória é de luta

Quilombos: nossa vida e trajetória é de luta A palavra quilombo significa: sociedade formada por jovens guerreiros que pertenciam a grupo étnicos desenraizados de suas comunidades. O Território Remanescente de Comunidade Quilombola é uma concretização das conquistas da comunidade afro descendente no Brasil, fruto das várias e heróicas resistências ao modelo esclavagista e opressor instaurado no Brasil colônia e do reconhecimento dessa injustiça histórica.

Cidade

07.03.2018 | por Marcos Lamoreux

Sobre algumas ruínas, uns lamentam, outros dançam: algumas impressões sobre a presença portuguesa na 20ª edição do Videobrasil

Sobre algumas ruínas, uns lamentam, outros dançam: algumas impressões sobre a presença portuguesa na 20ª edição do Videobrasil Olhando para o passado, essa melancolia tropical e sensual, encoberta por folhas de palmeiras, e registrada com luz estourada por sob um sol de rachar, talvez não estivesse consciente do fracasso que viria a seguir, quando mais uma vez voltaríamos a ser o país que poderia ter sido o do futuro. É no contexto dessa derrota que o Videobrasil chega a sua 20º edição. Mas no lugar de expandir e tensionar nosso entendimento do Sul hoje, a escolha pela melancolia parece encampar e reafirmar um consenso hegemônico dentro de uma epistemologia que se quis e se quer desterritorializante, vasta e dinâmica.

Afroscreen

28.02.2018 | por Patrícia Mourão

Elas Aqui, os Cinquenta Anos, o Renascimento, os Senhores do Vento e o James Brown, Ou Cinco Impressões de Luanda (Uma das quais em Lisboa)

Elas Aqui, os Cinquenta Anos, o Renascimento, os Senhores do Vento e o James Brown, Ou Cinco Impressões de Luanda (Uma das quais em Lisboa)   De uma viagem recente a Luanda, destaco uma exposição colectiva e três individuais: Being Her(e), comissariada por Paula Nascimento (Angola) e Violet Nantume (Uganda); 50 Anos Vivendo, Criando, de António Ole (Angola); Luvuvamo + Nzola | Paz + Amor, de Paulo Kapela (Angola); e Senhores do Vento, de Thó Simões (Angola). Em Lisboa, assinalo Fuck It’s Too Late!, a primeira individual de Binelde Hyrcan (Angola) em Portugal, com curadoria de Ana Cristina Cachola (Portugal).

Vou lá visitar

27.02.2018 | por Ana Balona de Oliveira

A boca para pronunciar monstro

A boca para pronunciar monstro somos o bestiário. nossa animalização nos afirma como parte da natureza. o animal pré-alegórico é o coração latente; é uma violência. a livre caça na sociedade de consumo e produção arrebata nossos corpos de margem : nos tirem do centro; é para onde caem os desejos. quiçá os vagalumes nos façam atear fogo ao céu : a luz é pulsante - o escuro é largo e espaçado pela micropolítica da carne do monstro. é a carne que sobrevive.

Mukanda

22.02.2018 | por Jonas van Holanda

Fuckin’ Globo quarto a quarto

Fuckin’ Globo quarto a quarto De 1 a 6 de Fevereiro decorreu, na baixa de Luanda, a 4ª edição do Fuckin’ Globo. As propostas do colectivo artístico foram, como habitualmente, variadas. O tom e a crítica social e política apresentam-se cada vez mais contundentes. Revisitemos os quartos e a fachada do Hotel Globo, na rua Rainha Ginga.

Vou lá visitar

21.02.2018 | por vários

La Ruta del Che: os últimos passos de Ernesto Che Guevara cinquenta anos após seu assassinato

La Ruta del Che: os últimos passos de Ernesto Che Guevara cinquenta anos após seu assassinato Nas pichações nos principais pontos turísticos de La Ruta del Che, frases e siglas fazem referências a diversos movimentos estudantis latino-americanos, ao Exército Zapatista de Libertação Nacional, ao MST, entre tantos outros, indicam um mundo em constante disputa. A imagem que se entrevê do futuro da América Latina não poderia estar mais distante da de um mar de calmaria.

Vou lá visitar

19.02.2018 | por Fábio Zuker

"falar de períodos críticos de transição da história de Angola", entrevista a José Luís Mendonça

"falar de períodos críticos de transição da história de Angola", entrevista a José Luís Mendonça No Reino das Casuarinas, de José Luís Mendonça (2014), tenta esclarecer estórias atravessadas na História de Angola, com sabor a desilusão. O estilo literário e o rigor jornalístico tornam a leitura aprazível. Um reino na floresta da Ilha de Luanda, um grupo de aparentes indigentes afinal tão visionários. O autor, director do jornal Cultura, tem esperança de se fazer ouvir num país onde diz faltar o diálogo, e onde não se deve deixar de sonhar com uma nova sociedade na qual o cidadão tenha valor. E tem propostas para tal.

Cara a cara

19.02.2018 | por Marta Lança

A Índia não estava coberta: descobrir a presença portuguesa em Cochim

A Índia não estava coberta: descobrir a presença portuguesa em Cochim Cochim, a maior cidade do estado de Querala, foi uma das principais bases da presença portuguesa na Índia. A forma como os navegadores portugueses são recordados na cidade desafia as representações dominantes em Portugal, que glorificam os exploradores e o período dos “Descobrimentos”. Pelo contrário, revela histórias pouco conhecidas de violência, crueldade e coerção.

Vou lá visitar

04.02.2018 | por Marta Vidal

Djidiu- a herança do ouvido: poemas para sacudir mentes e iluminar caminhos

Djidiu- a herança do ouvido: poemas para sacudir mentes e iluminar caminhos Djidiu é, portanto, um livro atravessado por “recordações e movimentos” de poetas e escritores(as) negros(as) que ecoam as suas vozes num território português, marcado por profundas desigualdades raciais, onde já não se pode fugir de um debate sério sobre o racismo, consequência das ações dos movimentos negros cada vez mais atuantes no país.

A ler

27.01.2018 | por Francy Silva