Um apocalipse comosgónico, sobre "Deus Dará"

Um apocalipse comosgónico, sobre "Deus Dará" “Mas se a história for o arco, o narrador será o arqueiro que liga os mortos aos vivos. Os índios sabem que os mortos dão flor e fruto, e a sombra deles vai longe no horizonte.” Da chegada dos navegadores portugueses e da insistência historiográfica em falar de descoberta (esquecendo a invasão, a mortandade, a exploração, a colonização) às manifestações contra a Copa do Mundo, de Machado de Assis a Caetano Veloso, da prosa mais arrumada ao estilhaçar de géneros literários, com imagens, recortes e tudo, dos emigrantes que ajudaram a definir o Rio de Janeiro às UPP que instauram o estado policial nas favelas, quase nada do que é, foi ou será o Brasil que conhecemos ou queríamos conhecer é estranho a este livro e, mais importante, nada surge aqui por acaso ou vontade de fazer bonito numa qualquer caracterização arrumada do que é ou não esse Brasil.

A ler

05.07.2017 | por Sara Figueiredo Costa

Hélio Oiticica e a destruição das máquinas identitárias

Hélio Oiticica e a destruição das máquinas identitárias Para Oiticica, a invenção desta nova forma de expressão não se tratava, como poderia fazer supor o nome parangolé, de uma folclorização na sua experiência ou a tentativa de uma valorização da “cultura popular”, que considerava uma camuflagem opressiva do “mostrar o que é nosso, os nossos valores…” mas de uma reinvenção da própria ideia de uma arte política. Tanto que sempre se distanciou dos projectos culturais da esquerda, de tradição marxista, que pretendiam figurar discursos sobre a “realidade brasileira” como estratégia de luta contra o regime militar.

A ler

19.04.2017 | por Mariana Pinho

De mar a mar, maré

De mar a mar, maré O sentimento não era o de viver uma experiência limite de Rio de Janeiro, zero vontade de adrenalina na ‘expedição’ à favela. Era antes conhecer outra potência de criação, novos modelos artísticos, assim como a convivência humana nos perímetros de periferia como força geradora de novos repertórios da construção de identidade na comunidade.

Vou lá visitar

06.01.2015 | por Ana Teresa Ascensão

A afirmação da favela carioca

A afirmação da favela carioca A representação da favela sustenta-se em torno da equação pobreza-violência-favela e produz uma interpretação caricatural desses territórios: ocupações ilegais em morros, inexistência de lei e ordem, espaços subequipados e locais de concentração de pobres, analfabetos e criminosos. Local de habitações degradadas e precárias, ilegalmente construídas e destituídas de serviços urbanos – água, electricidade, instalações sanitárias, pavimentação – e qualquer tipo de planeamento urbanístico. Não haveria diferença entre as várias favelas, e o seu eixo paradigmático estaria assente naquilo que as favelas, supostamente, não possuiriam quando postas em relação a um modelo idealizado de cidade. Deste modo, a favela é apresentada como lugar de privação, sem Estado, globalmente miserável e local de moradia das chamadas “classes perigosas”.

Cidade

29.01.2014 | por Otávio Raposo

Cidades Rebeldes | Passe livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil

Cidades Rebeldes | Passe livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil David Harvey teoriza sobre a liberdade da cidade que, segundo ele, é muito mais que um direito de acesso àquilo que já existe: é o direito de mudar a cidade de acordo com o desejo de nossos corações. “A questão do tipo de cidade que desejamos é inseparável da questão do tipo de pessoa que desejamos nos tornar. A liberdade de fazer e refazer a nós mesmos e a nossas cidades dessa maneira é, sustento, um dos mais preciosos de todos os direitos humanos”.

Cidade

29.10.2013 | por autor desconhecido

Memória do esquecimento: a invisibilidade da História negra no Rio de Janeiro

Memória do esquecimento: a invisibilidade da História negra no Rio de Janeiro Este ensaio propõe discutir a escassa visibilidade da história e da memória escravas na paisagem urbana do Rio de Janeiro, especialmente no contexto de processos históricos de reconversão urbana, ideologias nacionais de mestiçagem e políticas afirmativas recentes a favor da população afro-brasileira.

Afroscreen

24.10.2011 | por André Cicalo

Mo(nu)mentos africanos, em exposição no Rio de Janeiro

Mo(nu)mentos africanos, em exposição no Rio de Janeiro Entre os acontecimentos artísticos do verão de 2011 no Rio de Janeiro, pode ser destacado um conjunto de eventos não previamente articulados entre si, deflagrador de um breve e esparso, porém significante, 'momento' África. Conjunto cujas conexões podem ser facilmente delineadas, mas que ficam mais perceptíveis a partir da atração exercida por um pólo de força: a programação Terceira Metade. Realizado no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, com curadoria de Luiz Camillo Osório e Marta Mestre, Terceira Metade possibilitou ao público brasileiro ver 'Celebrações/Negociações – Fotógrafos africanos na coleção Gilberto Chateaubriand', com obras de Seydou Keïta, Jean Depara, J. D. 'Okhai Ojeikere, Malick Sidibé e Ambroise Ngaimoko, com a curadoria de Cezar Bartholomeu e Marta Mestre.

Vou lá visitar

07.05.2011 | por Roberto Conduru

A cidade na cabeça dos seus criadores

A cidade na cabeça dos seus criadores Ruy Castro, escritor. Lia Rodrigues, coreógrafa. Raul Mourão e Ernesto Neto, artistas plásticos. Enrique Diaz, encenador. BNegão, músico. O que o Rio de Janeiro é, e pode vir a ser, são todas as cidades que eles têm na cabeça.

Vou lá visitar

20.03.2011 | por Alexandra Lucas Coelho

Terceira Metade no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro

Terceira Metade no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro Terceira Metade é a primeira edição de um projeto do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro de Janeiro dedicado a pensar o espaço do Atlântico, em especial a triangulação Brasil, África e Portugal. E o que significa representar este espaço? Significa pensar os modelos culturais e os sistemas do visível que lhe conferem estrutura, circulação, significado, sentido. Ainda que tenha em mente o debate pós-colonial, o passado das relações transnacionais no Atlântico, ou o estado atual das políticas culturais comuns, o ponto de partida de Terceira Metade é o visual. Através de exposições, seminário, mostra de cinema, ações educativas e de um livro que registrará os vários momentos, daremos atenção às alterações que acontecem no mundo contemporâneo globalizado, em especial nas três margens deste eixo geográfico, Brasil, África e Portugal.

Vou lá visitar

17.02.2011 | por Marta Mestre