O Passado e o Presente

O Passado e o Presente Esta imagem, no presente século, representa uma reivindicação contra uma injustiça histórica: a negação de uma necessária autodeterminação. O título desta exposição não é uma repetição inconsequente. Revela que o tempo histórico da Nigéria, através da fotografia dos antigos e dos modernos, é tanto um eco do passado como o é do presente.

Vou lá visitar

03.05.2016 | por Joaquim Pedro Marques Pinto

Blog Emprestado: 'Jos Repertory Theatre: Trabalhar e viver na Nigéria', por Patrick- Jude Oteh

Blog Emprestado: 'Jos Repertory Theatre: Trabalhar e viver na Nigéria', por Patrick- Jude Oteh Patrick-Jude Oteh foi meu colega no ano passado no Fellowship do Kennedy Center. Lembro-me de ter ficado sem palavras depois da sua apresentação sobre o trabalho desenvolvido pelo Jos Repertory Theatre, que ele fundou numa pequena e agora dividida cidade nigeriana chamada Jos. Como é que uma companhia de teatro pode cumprir a sua missão num sítio onde a segurança das pessoas é uma das primeiras prioridades? E qual o papel dessa companhia num ambiente definido pelo terrorismo, a corrupção, divisões étnicas e religiosas? mv

Palcos

23.05.2012 | por Maria Vlachou

Chinua Achebe, a voz incómoda da não vitimização africana

Chinua Achebe, a voz incómoda da não vitimização africana Essa forma de colonialismo bárbara e explícita de invadir países deu lugar a uma nova forma de colonialismo assente na economia e nas trocas comerciais. É uma nova forma de colonialismo que perpetua resquícios de colonialismo passado, com recurso a dependências económicas, tecnológicas, culturais e ideológicas. Quer seja através do comunismo quer seja através do capitalismo, a Europa continua a impor a sua ideologia no processo de desenvolvimento de alguns países.

Cara a cara

23.02.2011 | por Bruna Pereira

O impacto das indústrias cinematográficas de Gana e Nigéria nas agendas políticas africanas

O impacto das indústrias cinematográficas de Gana e Nigéria nas agendas políticas africanas Alguns países de África começaram a reconhecer o potencial do setor cultural para a diminuição da pobreza e criação de empregos, e envolveram governos visando apoio a estes setores. Na Conferência Ministerial que ocorreu em Moçambique, em 2000 - sobre o papel e lugar da cultura na agenda de integração regional - os estados membro concordaram em “tomar passos decisivos em direção à promoção das indústrias culturais como forma de explorar sua potencialidade no sentido de diminuição da pobreza, geração de empregos e contribuição ao crescimento econômico”. Nollywood, por exemplo, dá trabalho direta ou indiretamente a 2 milhões de pessoas.

Afroscreen

15.05.2010 | por Alessandra Meleiro