“A oralidade é meu culto”, entrevista a Ana Paula Tavares

“A oralidade é meu culto”, entrevista a Ana Paula Tavares Nasci na Huíla, no meio de uma sociedade colonial injusta. Os pastores estavam ali. À sociedade Nyaneka eu devo a poesia, a música, o sentido do cheiro, a orientação a sul. O contacto era-nos (a quem estava em processo de assimilação) interdito. E, também por isso, o desejo era mais forte. Conhecer, saber quem eram e quem éramos deu um sentido à vida. A escrita, em português, ficou para sempre ligada ao paradigma da oralidade, da chama do lugar, do acompanhamento dos ciclos, do respeito pela diferença, do horror à injustiça.

Cara a cara

07.11.2010 | por Pedro Cardoso

Etnografia(s) e territorialidade

Etnografia(s) e territorialidade  O papel de mediação do etnógrafo, o sujeito “ocidental”, o viajante, colocado entre os mundos de partida e as culturas de contacto, apresenta uma flagrante afinidade com o perfil itinerante dos autores de ficções africanas, em diferentes momentos da História recente. De formas distintas, muitos destes autores preocuparam-se em transmitir imagens e conteúdos representativos das culturas a que estavam expostos, tanto a partir de universos de localização regional como de contextos marcados pela experiência urbana, em boa medida cosmopolita.

Ruy Duarte de Carvalho

08.10.2010 | por Ana Maria Mão-de-Ferro Martinho

Um ‘grito abafado’ por ‘ovos metálicos que explodem’: a influência nefasta da guerra na poesia de E. Bonavena e na pintura de Pablo Picasso

Um ‘grito abafado’ por ‘ovos metálicos que explodem’: a influência nefasta da guerra na poesia de E. Bonavena e na pintura de Pablo Picasso Picasso permaneceu na Europa durante a 2ª Guerra Mundial, legou à Humanidade diversas obras detentoras de um expressionismo exorbitante, agrupadas sob a alcunha “Anos de Guerra” (War Years – 1937/1945), sendo o ápice dessa fase o mural “Guernica” (1937). E. Bonavena, pseudônimo literário de Nelson Pestana, em seu livro de poesia "Os limites da luz", brinda-nos com poemas produzidos na diáspora europeia carregados em reminiscências, sonhos e erotismo para propalar o extravio das esperanças angolanas mediante a barbárie de tantos anos de guerra civil angolana.

A ler

14.09.2010 | por Ricardo Riso

Prefácio a uma Antologia do Conto Angolano

Prefácio a uma Antologia do Conto Angolano De literatura emergente e de combate, a literatura angolana de ficção é hoje uma literatura com uma pujança e uma modernidade que a edição, a crítica, os estudos universitários e a fortuna de leitores têm vindo a solidificar e a confirmar. Jovem, é certo, se comparada com outras – mas literatura com estórias para contar. Estórias vivas – e muitas! –, cheias de gente dentro – com seus dramas, suas alegrias, seus casos e magias, seu(s) humor(es).

A ler

06.09.2010 | por Zetho Cunha Gonçalves

O cão, os caluandas e um autor em cima da árvore - pequenas ousadias sobre o texto de Pepetela

O cão, os caluandas e um autor em cima da árvore - pequenas ousadias sobre o texto de Pepetela Que verdade pretende o texto de Pepetela ao desnudar questões fundamentais relacionadas ao projeto de reconstrução da nacionalidade? Que verdade lê seu leitor? Fazemos aqui um parênteses para destacar um outro núcleo de que se compõe, ainda, a novela O Cão e os Caluandas, uma narrativa em paralelo à história levantada pelo autor-personagem: o diário de uma menina, dona e amiga do cão pastor-alemão. Esse diário descreve uma buganvília crescendo sem parar e sufocando tanto quanto a nova ordem e os valores que se instalam entre os caluandas no período pós-independência.

A ler

05.09.2010 | por Edna Bueno

Mukanda ao Ruy Duarte de Carvalho

Mukanda ao Ruy Duarte de Carvalho Voz transmudante e transumante, inaugural. E desse teu dizer primevo, um apuro e um rigor encantatórios se vieram sedimentando num tom crescente de métrica libertária e de epopeia, para se afirmarem cada vez mais como um dizer poético de sábio e longuíssimo fôlego, e caracterizar toda a tua obra, na qual, “as artes de que sobretudo [dás] notícia são aquelas expressões da actividade humana imediatamente ligadas ao exercício de estar vivo e dar continuidade à vida.”

Ruy Duarte de Carvalho

25.08.2010 | por Zetho Cunha Gonçalves

A meditação do cadáver - pré-publicação Miguel Gullander

A meditação do cadáver - pré-publicação Miguel Gullander “Observa” diz o homem branco numa língua selvagem, mas que a menina negra compreende pelo medo. Ele aponta-lhe um corpo de um menino português que, ninguém sabe, mas também foi um pastor antes de o terem embarcado à força. O menino está muito maltratado. O pirata ri uma gargalhada por conseguir assustar uma menina.

Mukanda

20.08.2010 | por Miguel Gullander

Mestre Tamoda: uma personagem da ficção narrativa angolana

Mestre Tamoda: uma personagem da ficção narrativa angolana Poder-se-á imaginar a língua portuguesa como centro de um exercício lúdico em que o sujeito ou protagonista, num contexto rural de Angola, é uma criatura sem qualquer tipo de formação escolar? De facto é possível. E tal acontece num conto cujo autor é o escritor Uanhenga Xitu.

Cara a cara

17.08.2010 | por Luis Kandjimbo

Desmedida - pré-publicação Ruy Duarte de Carvalho

Desmedida - pré-publicação Ruy Duarte de Carvalho tem um lugar, dizia eu, tem um ponto no mapa do Brasil, tem um vértice que é onde os estados de Goiás, de Minas Gerais e da Bahia se encontram, e o Distrito Federal é mesmo ao lado. Aí, sim, gostaria de ir... é lá que se passa muita da ação do Grande sertão: Veredas... e depois descer para o alto São Francisco, que é o resto das desmedidas paisagens de Guimarães Rosa... e ao baixo São Francisco, podendo, ia também... porque encosta aos Sertões euclidianos... sou estrangeiro aqui e nada me impede de incorrer no anacronismo de querer ir ver, de perto, Guimarães Rosa e Euclides da Cunha...

Ruy Duarte de Carvalho

14.08.2010 | por Ruy Duarte de Carvalho

Entrevista a Ondjaki - a capacidade de sobrepor a boa disposição às dificuldades em Angola

Entrevista a Ondjaki - a capacidade de sobrepor a boa disposição às dificuldades em Angola Com apenas 33 anos Ondjaki é já um dos nomes em crescente ascenção na literatura angolana, sem negar o gosto de passear por outras artes, cruzando-as entre si. Apesar de viver intensamente Angola, todos os lugares podem ser propícios às viagens pelo mundo das palavras. Interessa-lhe sempre escrever sobre espaços e pessoas, sobre a vida.

Cara a cara

06.08.2010 | por Ricardo Palouro

E se amanhã o medo - ONDJAKI

E se amanhã o medo - ONDJAKI Foi depois da libélula que reparou na mulher encostada ao seu portão, de olhos fechados, pareceu-lhe, a ouvir a música de Adriana: “tenho por princípios nunca fechar portas, mas como mantê-las abertas o tempo todo...”.

Mukanda

22.07.2010 | por Ondjaki