A civilização islâmica: a última grande civilização mediterrânea. Entrevista a Cláudio Torres

A civilização islâmica: a última grande civilização mediterrânea. Entrevista a Cláudio Torres A grande marginalização que está a ser feita pela nossa civilização ocidental, a atirar para o lixo milhões de pessoas, está a alimentar o Islão na sua faceta de protesto, de defesa contra uma agressão cada vez mais violenta. Um Islão que era um imenso mosaico de povos, de formas de ser, está a ser empurrado, pelo autismo desta nossa civilização todo-poderosa, para uma agressiva resistência, como única de forma de manter alguma identidade.

Cara a cara

17.02.2016 | por Luís Leiria

"Vos islamistes sont-ils sympas?" Pequena viagem entre tribo, Islão e poder na Mauritânia

"Vos islamistes sont-ils sympas?" Pequena viagem entre tribo, Islão e poder na Mauritânia No caminho para o “Marché aux Khaimas" falava-nos das várias razões porque achava que um dia a situação política e social na Mauritânia teria de “explodir”: uma população muito jovem e desempregada, desigualdades económicas gritantes, e a presença, cada vez mais sólida, de um islão fundamentalista. Mas, se este cenário parece ser semelhante a outros tantos países árabes e islâmicos, devemos acrescentar-lhe, no caso da Mauritânia a questão étnica e tribal que poderá contribuir para complexificar a realidade.

Vou lá visitar

23.03.2011 | por Joana Lucas

O Islão pelas terras de África

O Islão pelas terras de África Os muçulmanos são quase metade da população da Nigéria, mas na África do Sul constituem uma minoria insignificante. Na Argélia, Sudão e Somália o Islão é religião oficial e nestes três países recrudesce o terrorismo atribuído aos fundamentalistas islâmicos. Cinco casos diversos da África muçulmana.

A ler

22.03.2011 | por Nicole Guardiola e António Melo

Narrativas comunitárias e pré-textos identitários - O caso Malé

Narrativas comunitárias e pré-textos identitários - O caso Malé A partir da análise de um escrito malê, se pretende aqui, apreender a estrutura discursiva subjacente a todo projeto comunitário e desvelar a dimensão narrativa que ‘modela’ seu ethos e o inscreve no mito fundador responsável por seu enraizamento no passado e sua projeção para o futuro. Uma das teses defendidas neste trabalho é relativa à dupla virtualidade de todo projeto comunitário: de um lado, no sentido da precedência de sua pregnância e potencialidade discursiva sobre sua manifestação material concreta e, por outro, precisamente no caso religioso, enquanto “práxis” e “poiesis” a-espaciais e atemporais instituídas numa fala original e uma narratividade primordial, eterna e onipresente.

A ler

21.11.2010 | por Mohammed ElHajji