Lusophone hip-hop

Lusophone hip-hop Neste livro apresentam-se e complexificam-se os conceitos de lusofonia e “espaço lusófono” tendo em conta a história colonial, identidades locais e diáspora. Todos os artigos estão orientados para o entendimento da questão da juventude a partir de sua diversidade, em oposição à sua homogeneização, e todos confluem também para ressaltar o protagonismo juvenil nas diferentes modalidades.

Palcos

02.05.2013 | por Rosana Martins

Rap dos anos 90 em Cabo Verde, o fenómeno Tchipie

Rap dos anos 90 em Cabo Verde, o fenómeno Tchipie As Tchipie representavam a mulher guerreira, uma agente pró-activa, que através do uso de roupas militares, bonés e da encenação de batalhas contra os homens nos espetáculos com gesticulações bruscas e agressivas, desafiando-os a responderem as suas provocações, redesenharam o conceito da feminilidade e trouxeram autoconfiança a muitas jovens.

Palcos

06.11.2012 | por Redy Wilson Lima

Thugs no feminino: um breve olhar sobre o fenómeno

Thugs no feminino: um breve olhar sobre o fenómeno Claramente que o fenómeno da existência de grupos femininos em actividades delituosas não é novo em Cabo Verde, nem a existência de brigas entre “konbossas” (onde o troféu é o homem). No entanto, a adesão de jovens do sexo feminino em actividades grupais de hooliganismo pode ser considerada uma novidade. A moda pode não ter pegado no rap, mas pegou na manifestação thug da violência. De facto, deparo-me hoje na Praia com alguns grupos thugs femininos, em que as principais actividades são o “kasu bodi” e o hooliganismo.

Cidade

28.12.2011 | por Redy Wilson Lima

A globalização do hip-hop: homogeneização e diferenciação cultural

A globalização do hip-hop: homogeneização e diferenciação cultural Pode ouvir-se uma música ecoar de forma ubíqua em vários pontos do planeta, consumir-se alimentos idênticos, ver-se exactamente os mesmos filmes, assistir-se diariamente aos mesmos programas de televisão, acompanhar-se as mesmas notícias, entre muitos outros exemplos que poderíamos aqui evocar, mas tudo isto não significa que se tenha anulado a diversidade cultural e que se viva hoje num mundo necessariamente homogéneo.

Palcos

28.12.2011 | por José Alberto Simões

Praia Pop

Praia Pop Praia Pop são agrupamentos juvenis sociais semi-estruturados, ligados pela (contra) cultura e solidariedades colectivas, detentores de estilos de vida anti-sistema, estigmatizados e criminalizados. Provocadores sociais, denunciadores públicos dos males sociais, guiados por flashes de adrenalina e de afirmação identitária.

Vou lá visitar

10.05.2011 | por Dudu Rodrigues e Redy Wilson Lima

“Koração lá e korpo ká em Pretugal”. Entre a mestiçagem e a afirmação da negritude

“Koração lá e korpo ká em Pretugal”. Entre a mestiçagem e a afirmação da negritude Propus-me conhecer os modos de sociabilidade dos jovens Red Eyes Gang, um grupo da Arrentela, Seixal, periferia de Lisboa. A maior parte dessa juventude é constituída por filhos de imigrantes africanos dos países que foram outrora colónias portuguesas e vivem em condições sócio-económicas bastante abaixo dos parâmetros portugueses. Todos nasceram ou vieram muito novos para Portugal, não conhecendo os países de origem dos pais. No entanto, a estigmatização e o racismo a que estão sujeitos fazem com que se apropriem de algumas das heranças étnicas e culturais para reelaborarem a sua condição de pobres e negros. Não reproduzem mecanicamente o modo de vida e as referências étnicas das suas famílias, mas reinventam-nas com imaginação, produzindo assim discursos positivos sobre si próprios.

A ler

11.09.2010 | por Otávio Raposo