Carta aberta ao governador Rui Costa, da Bahia

Carta aberta ao governador Rui Costa, da Bahia História é um fio inquebrantável, governador, e por isso acho importante falar de rebeliões escravas. E repressão por parte das polícias. Outra rebelião importante a ser lembrada, e que também possui ligações com o Cabula, é a Rebelião Malê, cuja repressão foi uma das maiores já perpetradas pelo governo brasileiro, mas cuja repercussão, hoje sabemos, foi de suma importância para começar a se pensar sobre o fim da escravidão no Brasil. Imagine-se, governador, vivendo naquela época e sendo responsável pela segurança pública da capital baiana onde já vivia, talvez, o maior número de negros da América Latina.

Mukanda

28.02.2015 | por Ana Maria Gonçalves

Preto e Branco

Preto e Branco Os corpos que Pierre Verger retratou são peitos, troncos e bundas enrijecidas pela história e pela vida dura. São homens açoitados pela escravidão numa Bahia que é graça, prazer, leveza, mas também luta. Após a idade de 30 anos, depois de perder a família, Verger assumiu a carreira de fotógrafo, usando uma máquina Rolleiflex.

A ler

18.01.2012 | por António Nahud Júnior

A 'Terceira Diáspora': entrevista a Goli Guerreiro

A 'Terceira Diáspora': entrevista a Goli Guerreiro 'Pós-contemporâneas, as culturas negras vivem um processo de recriação cultural diverso e cosmopolita baseado na troca de informações entre repertórios moldados em combinações particulares nos diversos portos do “mundo negro do atlântico”. Não busque rigores. Neste livre percurso alguns portos se repetem, outros se perdem. Territórios ganham ênfases; assuntos dominam, autores se impõem, ausências se projetam, cidades fascinam'.

Cara a cara

11.05.2011 | por Goli Guerreiro

Luanda e Salvador rediscutem seus laços por meio da arte

Luanda e Salvador rediscutem seus laços por meio da arte Salvador, na Bahia, e Luanda, em Angola, são cidades primas. Mas são como primas distantes: elas têm uma forte ligação familiar, mas perderam o contato uma com a outra com o passar dos anos. Por meio dessa imagem, o artista plástico e curador angolano Fernando Alvim sintetiza sua visão sobre as relações entre a capital de Angola e a capital da Bahia, o estado com maior presença negra no Brasil.

Cidade

09.08.2010 | por Juliana Borges