Angola quer as suas bonecas de volta

Angola quer as suas bonecas de volta A discussão sobre a devolução de obras etnográficas, de valor artístico ou documental e até de despojos humanos aos países de origem não é nova, mas ganhou força redobrada há duas semanas com o anúncio da decisão de Emmanuel Macron de devolver ao Benim uma coleção de bronzes, retirados do país no final do século XIX no âmbito de uma expedição militar punitiva contra os reinos da África Ocidental.

A ler

13.12.2018 | por vários

“Para nós, por nós”: produção cultural africana e afrodiaspórica em debate

“Para nós, por nós”: produção cultural africana e afrodiaspórica em debate Entre 2005 e 2018 podemos observar que o interesse pela criatividade do continente africano e das diásporas negras se ampliou bastante, a avaliar pelo número de iniciativas que, desde Lisboa, a fomentam. Este evento pretende fazer o balanço sobre o que realmente mudou em termos de criação, reflexão e acolhimento, seguindo processos singulares de afirmação de subjectividades. Queremos indagar como estamos no que toca à produção cultural afrodiaspórica desde Lisboa, debatendo as perspectivas de quem a protagoniza, e considerando as limitações do debate incipiente da sociedade portuguesa sobre o racismo.

Cidade

04.12.2018 | por vários

As paixões exóticas da aristocracia portuguesa e os marchands d’art em 2018

As paixões exóticas da aristocracia portuguesa e os marchands d’art em 2018 Numa altura em que o discurso pós-colonial começa a complexificar-se, pela luta conjunta de pessoas e iniciativas em várias áreas, a visão ignorante e eurocêntrica que atravessa este festival não devia passar incólume. Apelo a que se celebre África, no dia 25 de maio e todos os dias, claro, mas em eventos e contextos inclusivos, onde se considere o pensamento contemporâneo africano, com ética, respeito e conteúdo.

Mukanda

24.05.2018 | por Marta Lança

Arte Angolana Contemporânea (2006-2016), é possível falar em revolução artística?

Arte Angolana Contemporânea (2006-2016), é possível falar em revolução artística? O ritmo com que a arte, a literatura e, em geral, a cultura angolana se transfigurou na primeira década de paz em Angola poderá abrandar devido à atual crise económica, política e social, mas o certo é que percebemos que, apesar dos constrangimentos, há uma revolução cultural em curso, cujas características, dimensão e profundidade precisam ainda de ser avaliadas.

Mukanda

07.07.2016 | por Adriano Mixinge

If Truth Was a Woman… entrevista a Eurídice Kala

If Truth Was a Woman… entrevista a Eurídice Kala "E se a verdade fosse mulher_ porque não?" faz conexões entre a escravatura e tempos coloniais, pretende desafiar a construção da brancura como a ideia de pureza, criando imagens que revelam vários recursos do continente que são todos brancos - marfim, algodão, pó, etc. Mas também chega ao tempo presente e olha para os heróis africanos - a construção do herói de forma individual - e as possibilidades que o acervo tem de incluir outros parceiros, e eu reflito apresentando nomes dos seus cônjuges na conversa, no entanto, aberta a outras acrescentos e a sermos os autores das nossas histórias.

Cara a cara

31.05.2016 | por Euridice Kala

Um olhar sobre o "povo artista"

Um olhar sobre o "povo artista" Em finais do século XX, o povo oprimido passou então a utilizar as pinturas como simbologia de identificação entre si, comunicando secretamente uns com os outros através da arte, de modo genialmente impercetível para o inimigo. Além de um símbolo de resistência, este “meio de comunicação” ganhou um novo significado, tornando-se tradição passada de geração em geração.

Vou lá visitar

05.04.2016 | por Cláudia Rodrigues

A verdadeira mudança acaba de começar, entrevista com o galerista Jimmy Saruchera

A verdadeira mudança acaba de começar, entrevista com o galerista Jimmy Saruchera Para outros media, como a arte sonora e a vídeo arte, ganharem força em África, acho que precisam ser levados para fora do ambiente da galeria ou do museu e colocadas no ambiente móvel onde as pessoas estão. Isso implica modificar o modelo de coleccionismo, onde os modelos comerciais alternativos mais adequados para o consumo de conteúdo móvel vêm à tona. A responsabilidade recai sobre essas novas plataformas de arte em África em olharem profundamente para dentro das suas culturas e sociedades e inovar os media eles próprios para tornar a arte mais relevante para as suas comunidades.

Vou lá visitar

01.11.2015 | por Inês Valle