Tertúlia BUALA #2: África das periferias de Lisboa

Dia 16 Março, no Chapitô  vamos reflectir sobre as articulações entre os espaços urbanos: centro versus periferia. O que de cultural e artístico se produz nos bairros (margens) e como isto é absorvido ou rejeitado pelo “poder” (centro)? Vamos saber de novas perspectivas e conhecer projectos que cruzam estas velhas dicotomias. 

3 convidados e debate. 

02.03.2011 | por franciscabagulho | buala, periferia

"NU BAI - o rap negro de Lisboa", veja completo na net!

NU BAI – O rap negro de Lisboa
Otávio Raposo, Portugal, 2008, 60’ 

Cova da Moura, Arrentela e Porto Salvo. O rap negro da periferia forma um cordão à volta de Lisboa. Para apontar o dedo ao racismo, à exclusão, à violência policial, à pobreza. Vida de preto. “Hip hop é intervenção. Não quero ninguém a dançar, mas a pensar”, diz Jorginho, um dos oito rappers entrevistados.  Este documentário ouve o canto, solta a voz, não reprime os sonhos, os desabafos, o desejo de vingança, o diálogo-monólogo quase surreal. “Eu sonhei que estava a voar na Pedreira dos Húngaros.” O som do beat box e poesia em crioulo a reinventar a vida, para que um dia tenham o seu Malcom X, os seus Panteras Negras. É o futuro. O hip hop é a arma.   Otávio Ribeiro Raposo (1978) é antropólogo brasileiro, vive entre Portugal e o Brasil. É Bolseiro de Doutoramento em Antropologia Urbana sobre culturas e estilos de vida juvenis nos bairros da periferia de Lisboa e Rio de Janeiro. Tirou a Licenciatura em Sociologia na Faculdade de Ciência Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e o Mestrado em Antropologia no ISCTE. Além da carreira académica, tem trabalhado também como fotojornalista, tendo realizado várias exposições de fotografia.  

The black rap from Lisbon, by Otávio Raposo
Cova da Moura, Arrentela and Porto Salvo. The black rap from the surrounding area of Lisbon creates a circle around the city itself. It points a finger at racism, police violence and poverty. The life of black people. “Hip Hop is intervention. I don’t want anyone dancing, I want them thinking”, says Jorginho, one of the eight interviewed rappers. This documentary listens to the words, frees the voice, doesn’t restrain dreams, outcries, desire of vengeance and the almost surreal dialogue/monologue. “I dreamed I was flying over Pedreira dos Hungaros”. The sound of the beat box and the Creole poetry to re-invent life, so that one day they will have their Malcolm X, their Black Panthers. It’s the future. Hip Hop is the weapon.
Otávio Ribeiro Raposo (1978) is a Brazilian anthropologist who splits his time between Portugal and Brazil. He is a doctoral student in urban anthropology of youth culture and lifestyles in the townships around Lisbon and Rio de Janeiro. He graduated in sociology from the Social Sciences and Humanities Faculty of the Universidade Nova in Lisbon and has a masters in anthropology from ISCTE. Besides his academic career, he has also worked as a photo-journalist and has held several photographic exhibitions.

08.10.2010 | por martalanca | hip hop, nubai, periferia, rap

5 x favela

5X Favela, agora por nós mesmos 
Debate e exibição de documentário Mediação: Cacá Diegues

Nesta aula aberta, os diretores de 5X Favela, agora por nós mesmos, mediados pelo cineasta Cacá Diegues, discutem o filme e a vigorosa cultura que emerge das favelas cariocas. No encontro, também será exibido 5X Favela, o documentário, dirigido por Quito Ribeiro, que revela o processo de produção do projeto, das oficinas de roteiro à filmagem e finalização, com envolvimento de mais de 600 jovens moradores de favelas.

Produzido por Cacá Diegues e Renata de Almeida Magalhães, 5X favela, agora por nós mesmos nasceu de oficinas profissionalizantes de audiovisual ministradas por grandes nomes do cinema brasileiro, como Nelson Pereira 

dos Santos, Ruy Guerra, Walter Lima Jr., Daniel Filho, Walter Salles, Fernando Meirelles, João Moreira Salles e muitos outros.

Presença dos diretores Cacau Amaral, Cadu Barcellos, Luciana Bezerra, Luciano Vidigal, Manaíra Carneiro, Quito Ribeiro e Rodrigo Felha Wagner Novais.

31 de agosto, terça-feira, às 20h  Evento gratuito Inscrições pelo telefone (21) 2227-2237

25.08.2010 | por martalanca | documentário, favela, periferia