Lançamento da nova colecção de livros com contos e histórias de Moçambique

Apresentação da Escola Portuguesa de Moçambique-CELP e a Fundació Contes pel Món (Fundação Contos para o Mundo - Espanha)

 

Data: Quinta-feira 3 de Novembro de 2011 as 18H.

Local: Centro Cultural Brasil-Moçambique

 

Agenda do Evento

Apresentação do projecto nas mãos do Dr. Calane da Silva.

  1. Lançamento dos livros:

“LEONA, FILHA DO SILÊNCIO”

escrito por Marcelo Panguana e ilustrado por Luís Cardoso e

“WAZI”

escrito por Rogério Manjate e ilustrado por Celestino Mudaulane

  1. Cocktail com os convidados

 

A edição dos livros, enquadrada no projeto de recolha, recriação e edição de livros baseados em histórias tradicionais moçambicanas, visa a promoção da leitura entre os alunos das escolas moçambicanas, a formação dos professores na área da dinamização da leitura e a divulgação do património artístico e cultural de Moçambique. Cada livro da coleção “Contos e Histórias de Moçambique” tem uma tiragem de 5000 exemplares para distribuição gratuita.

 Para mais informações, entrevistas e imagens, favor contactar:

Escola Portuguesa de Moçambique, Teresa Noronha 829054468

TNoronha@epmcelp.edu.mz

Fundació Contes pel Món, Ruth Bañon, 825314810

ruth.banon@contespelmon.org

03.11.2011 | por joanapires | contos, história, Moçambique

Seleccionados para o Prémio BES photo 2012

DUARTE AMARAL NETTO | MAURO PINTO | ROSANGELA RENNÓ | CIA DE FOTO

Seleccionados para o Prémio BES photo 2012

O Prémio BES photo2012 tem o prazer de anunciar os nomes dos artistas que irão participar na sua 8ª edição, a segunda duplamente marcada pelo estatuto internacional que o prémio adquiriu - não só pelo alargamento do âmbito de selecção dos artistas que poderão ser de nacionalidade portuguesa, brasileira ou dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP’s), como pela itinerância da exposição que, após ser apresentada no Museu Berardo, estará patente na Pinacoteca do Estado de São Paulo.

A escolha de quatro artistas internacionais nomeados foi efectuada pelos três membros do Júri de Selecção da 8ª edição do BES photo que acompanharam o panorama expositivo da fotografia no período a que reporta o prémio, e que, individualmente representam o triângulo geográfico referido – Diógenes Moura, curador de fotografia da Pinacoteca do Estado de São Paulo (Brasil); Delfim Sardo, curador, crítico de arte e professor (Portugal) e Bisi Silva, curadora e fundadora/directora do Centro de Arte Contemporânea de Lagos, CCA Lagos (Nigéria).

Na opinião do Júri, a nomeação de Duarte Amaral Netto (Portugal), ‘resultou do trabalho que tem vindo a desenvolver ao longo de uma década, e, especificamente, pela qualidade conceptual da exposição ‘The Polish Club Case’, apresentada em Lisboa.’
A escolha do artista Mauro Pinto (Moçambique) prende-se com ‘a forma coerente como tem vindo a efectuar o mapeamento e a representação de Moçambique. Destaca-se o trabalho apresentado na exposição ‘Maputo – Luanda – Lubumbashi’, em Lisboa.’

A nomeação de Rosangela Rennó (Brasil) prende-se com a ‘complexidade da forma como tem desenvolvido uma maturada reflexão sobre a natureza do fotográfico, articulada com o papel da memória. Esta nomeação surge pelas exposições apresentadas na Galeria Vermelho, em São Paulo, e na Galeria La Fábrica, em Madrid.’

Sobre a selecção do colectivo CIA de Foto (Brasil), o júri realça ‘a qualidade da série ‘Carnaval’ (apresentada no âmbito do ‘New York Photo Fest’), num processo de trabalho que revela segurança técnica e, sobretudo poética. Trata-se da preparação de uma segunda camada para a memória de cada uma das imagens, ou da série, como um todo. Este exercício extende-se ao vídeo que acompanha o trabalho, ao fazer com que cada personagem avance para o olhar do espectador criando um outro tempo num plano mais fechado.’

O Banco Espírito Santo, Museu Berardo e Pinacoteca do Estado de São Paulo juntam-se assim com o intuito de promover a criatividade e integração dos artistas plásticos contemporâneos de língua portuguesa no panorama internacional e com a ambição de construírem aquele que será o maior prémio de arte contemporânea do Atlântico Sul.

À semelhança das edições anteriores, o critério de selecção dos artistas em questão requer que estes tenham efectuado uma exposição de obras de suporte fotográfico e/ou a edição de uma publicação durante o período de 12 meses anterior à data de reunião do Júri de Selecção.

À semelhança da passada edição que marcou a internacionalização do Prémio, os artistas seleccionados apresentarão os seus trabalhos no Museu Colecção Berardo numa primeira exposição com inauguração prevista para 13 de Março, e que, itinerará para a Pinacoteca do Estado de São Paulo onde será apresentada entre Junho e Agosto de 2012.

Numa primeira fase, cada um dos artistas seleccionados recebe uma bolsa de produção para a realização da exposição BES photo. Num segundo momento, que corresponde à fase de premiação, o Júri de composição internacional com nacionalidade distinta das representadas pelos artistas seleccionados elegerá, a partir da exposição efectuada no Museu Colecção Berardo, o vencedor da 7ª edição, cujo valor pecuniário do prémio é de 40.000 euros.

Continuar a ler "Seleccionados para o Prémio BES photo 2012"

27.09.2011 | por joanapires | artistas plásticos contemporâneos, Bes Photo, Brasil, Moçambique, Portugal

Apresentação do livro "Porque prevaleceu a paz - Moçambicanos respondem"

No 19º aniversário da assinatura do Acordo Geral de Paz que pôs termo à guerra civil em Moçambique, o CEA – ISCTE-IUL associa-se à AWEPA, para apresentar em Portugal o livro Porque prevaleceu a paz – Moçambicanos respondem, da autoria de Lucia van den Bergh.

O livro foca os temas da construção da paz e dos processos de democratização em países africanos, neste caso específico o processo de paz em Moçambique.

Lucia van den Bergh foi representante da AWEPA em Moçambique na década de 90 e foi responsável por diversos programas de educação cívica. Em 2008, regressou ao país e entrevistou mais de 50 pessoas que estiveram directamente envolvidas no processo de transição para compulsar o modo como, passada mais de uma década, este era entendido e avaliado pelos que nele intervieram. Trata-se, portanto, de um documento reflexivo e de um instrumento importante para a análise dos processos de paz e transição para a democracia.  

A apresentação deste livro tem lugar no dia 4 de Outubro, pelas 18h30, na sala C101 do edifício II do ISCTE-IUL, em Lisboa.

Lucia van den Bergh fará uma palestra sobre «Moçambique: A passagem da guerra para a paz e a democracia num país pobre – Um caso único ou um exemplo para outros? E o que pensam os moçambicanos hoje?»

O livro será apresentado pelo Professor Doutor Luís Moita (Universidade Autónoma de Lisboa).

27.09.2011 | por joanapires | AWEPA, democratização, livro, Moçambique

Moçambique: Memória Falda do Islão e da Guerra

07.09.2011 | por franciscabagulho | Moçambique

Arquitetura em Moçambique: o percurso de José Forjaz, no BRASIL

Palestra do Arq. José Forjaz no Auditório da FAU - BRASIL
Dia 31 de março, quinta-feira, às 17:00h
José Forjaz é arquiteto, nascido em Coimbra (1936) e formado na ESBAP do Porto (1966), com Master of Science in Architectura na Universidade de Columbia, Nova Iorque. Desde 1968, atua na África (Mbabane, Suazilândia, Botswana, Moçambique e África do Sul). Em 1985, coordena a criação da Faculdade de Arquitectura e Planeamento Físico da Universidade Eduardo Mondlane, em Maputo. Professor convidado de universidades na Itália, Portugal, Estados Unidos e Japão, é titular do escritório José Forjaz -Arquitectos, em Moçambique.

arquitetura + urbanismo + paisagismo + design

30.03.2011 | por martalanca | arquitectura, José Forjaz, Moçambique

NA SOMBRA DO EMBONDEIRO. Contos, Poesia, Musica.

Quatro histórias da tradição oral moçambicana e cinco poemas foram adaptados aos ritmos musicais com instrumentos tradicionais. Rafo Díaz, reconhecido narrador de histórias de nacionalidade peruana, e Luka Mukhavele, professor e pesquisador de música tradicional de Moçambique, juntaram-se, para oferecer ao público de Maputo um espectáculo familiar, único e diferente.

Acompanhados pelos músicos Amminadab Jean de Haiti no violino e na Viola, Simas de Moçambique na Percussão e bateria, Paulo Makuma no baixo eléctrico e Laurent Roquier na Trompete. Luka e Rafo, convidam-nos a realizar uma viagem, pelos extravasados reinos da imaginação popular. 

Sexta feira 01 de Abril- 18h30. ICMA.

Instituto Cultural Moçambique - Alemanha.

89, Rua Carlos Albers. Maputo.

Valor 150mt.  Entrada Limitada.

  

Contato: 828 897 805  rafodiaz@yahoo.com 

 

TEMPORADA MES DE MAIO

01 de Maio. Feria do Livro Maputo. Parque dos Continuadores. 

Sábados 07, 14, 21, 28 de Maio. / 18h30

 

RESTAURANTE, LOUNGE & BAR

Av. Marginal 60. Frente a praia das acácias Bairro do Triunfo. 

27.03.2011 | por martalanca | Moçambique, tradição oral

Ciclo de Conferênci​as AvalPortug​al- Encontros sobre Eficácia da Ajuda ao Desenvolvi​mento

Na sequência da mesa redonda sobre a eficácia da ajuda ao desenvolvimento que se realizou em Janeiro no ISCTE-IUL, o Grupo de Trabalho sobre Cooperação Internacional da AvalPortugal inicia agora um conjunto de encontros no âmbito do Ciclo de Conferências sobre Avaliação de Políticas Públicas, dedicados à avaliação e eficácia da ajuda ao desenvolvimento.

Terá lugar no dia 22MAR às 18h00 no Auditório Afonso de Barros, Ed. II, ISCTE-IUL .

O tema em discussão será o Apoio Directo ao Orçamento em Moçambique e será apresentado por Edson Cortez.

Organizado por: ESPP/ISCTE-IUL; AvalPortugal e CIES/ISCTE-IUL

16.03.2011 | por ritadamasio | conferência, Cooperação, desenvolvimento, ISCTE, Moçambique

Dia Mundial do Teatro do Oprimido

Hoje assinala-se o Dia Mundial do Teatro do Oprimido. Em Moçambique, há comemorações em todas as províncias, mas em Maputo, centram-se no Centro Cultural Brasil-Moçambique.

Este o assunto de abertura do programa Atrás da Máscara de hoje, em que falamos de muitos outros assuntos, como seja o caso da atribuição do Prémio de Mérito Teatral, pela Associação Mindelact, à Cooperação Portuguesa.

Mas oiça…

foto: Augusto Boal, fundador do teatro do oprimido (fonte: CTO)

ouvir aqui

 

16.03.2011 | por martalanca | Moçambique, teatro do oprimido

Exposição Correspondência # 3 (Ângela Ferreira + Manuel dos Santos Maia), LISBOA

Uma das coisas que mais curiosidade me dá é que, o estado de vida criado pelo estado novo em Moçambique permitia que as pessoas vivessem lá numa espécie de amnésia daquilo que se estava a passar. Para mim isso é uma das questões que mais me aflige, como é que se gerava essa situação em que era permitido não saber? E a outra grande pergunta que me rói constantemente, como é que também nunca foi compreendido o processo de descolonização e como não foi criado um lobby inteligente de como gerir esse assunto, nem do ponto visto político, nem do ponto de vista da memória.” (Ângela Ferreira)

“A partir de certo momento começo a querer registar, de memória, as histórias de que me lembrava. E claro, nesta altura surge a questão da memória, é impossível ser completamente fiel, restituir tudo, acresce sempre de um ponto quem reconstrói determinada história. Interessa-me esta espécie de plasticidade.” (Manuel dos Santos Maia)

Inaugura 24 Fev. Patente até 26 Março, na Arte Contempo / Rua dos Navegantes, 46-A 1200-732 Lisboa. De 5ª feira a Sábado, entre as 14h30 e as 19h30

Ângela Ferreira nasceu em Maputo (Moçambique), em 1958. Vive e trabalha em Lisboa (Portugal) e na Cidade do Cabo (África do Sul) desde 1992. Expõe regularmente desde 1990. Das suas exposições individuais destacam-se: Ângela Ferreira, Centro de Arte Moderna – Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa (1990); Sites and Services, South African National Gallery, Cidade do Cabo (1992); Double Sided I and II, Chinati Foundation, Marfa, e Ibis Art Centre, Nieu Bethesda (1996); Casa Maputo: Um Retrato Íntimo, Museu de Serralves, Porto (1999); Em Sítio Algum, Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado, Lisboa (2003), Maison Tropicale, representação portuguesa na La Biennale di Venezia, Veneza (2007); e Hard Rain Show, Museu Colecção Berardo, Lisboa e La Crieé, Rennes (2008).

Manuel dos Santos Maia nasceu em Nampula (Moçambique) em 1970. Vive e trabalha no Porto. Das suas exposições individuais destacam-se: alheava – dentro o mar, Salão Olímpico, Porto (2003); alheava – reconstrução, Centro de Artes Visuais, Coimbra (2004); alheava – reconstrução, Centro de Artes Visuais, Coimbra (2004); alheava _ reconstituição, Espaço Campanhã, Porto (2009); non _ Extremo do Mundo, Museu do Neo-Realismo, Vila Franca de Xira (2010).

19.02.2011 | por franciscabagulho | arte contemporânea, colonização, memória, Moçambique

2º episódio EU SOU ÁFRICA - IRMÃ CATARINA PAULO

dia 12, sábado, às 19h na RTP2

Freira franciscana da Congregação de Nossa Senhora das Vitórias desde os 16 anos, a Irmã Catarina nasceu em Gaza, Moçambique, nos anos 30, e foi a primeira religiosa negra a dirigir uma congregação no Moçambique independente. Nos anos quentes da guerra civil (até 1992) trabalhou em campos de refugiados e de deslocados, inventou lares em casarões esventrados, “barafustou” com várias “autoridades” para conseguir o que queria. Umas vezes ganhou outras não. Em 2003 foi para o Chibuto, onde criou o mais recente projecto de uma vida cheia de conquistas árduas. Chama-se Centro Comunitário do Chimundo e são quatro hectares de terra que começam debaixo de um cajueiro. “Aqui todos trabalham contra a ‘coitadinhice’”, diz-nos a irmã Catarina com o seu ar calmo, intimamente preocupada com as 26 crianças que brincam e aprendem na Escolinha do Chimundo. Lá todos trabalham para o mesmo projecto, nem que seja a apanhar lenha. “Se só dermos comida, quando morrermos como é que vai ser?”

Vamos conhecer a Irmã Catarina e a história de persistência de uma mulher que sabe a importância da sua cultura. De uma religiosa consciente daquilo que faz com que um povo – o seu - não se torne “uma árvore sem raiz”. Visitamos as suas memórias de família, o lugar no quintal onde o pai está enterrado, escutamos o silêncio da casa, as vozes da oração. E ouvimos a história de um lugar onde, com quase nada, se constroi quase tudo.
É com convicção que a Irmã Catarina percorre o caminho para a Escolinha do Centro Comunitário do Chimundo, onde todos os dias da semana as crianças do bairro comem a papa e aprendem a brincar com as letras e os números. A religiosa orgulha-se do seu projecto “que é grande, não por ter condições, mas porque há um coração que ama”. Ouvimo-la falar do que significou a independência, a necessidade de afirmação dos moçambicanos: “eu tinha que fazer a história da minha sociedade e simultaneamente da minha congregação, este país precisa de homens e mulheres decididos a fazer história.” Conta dos medos da Guerra, dos deslocados que esta gerou e do urgente processo de paz e desenvolvimento. “Só pelo trabalho e pela educação podemos deixar de ser coitadinhos para sermos pessoas.”

CHIBUTO, CHIMUNDO
O Chibuto fica a norte na província de Gaza. A três quilómetros encontra-se o bairro do Chimundo, criado após as cheias de 2000 para acolher os refugiados originários do vale do Limpopo, completamente alagado. Quotidianamente os pais regressam ao vale para trabalhar nas machambas (as hortas), deixando muitas das crianças entregues a si próprias, crianças que a Escolinha fundada pela Irmã Catarina recebe na medida das possibilidades que vai tendo. Para saber mais : www.centrocomunitariodochimundo.comwww.aidglobal.org

 

Eu Sou África

 

11.02.2011 | por martalanca | Eu Sou África, Moçambique

Convite: Cooperação para o Desenvolvi​mento em Moçambique | Afirmar o Futuro da Pequena Produção


A AJAP – Associação dos Jovens Agricultores de Portugal, vem dar a conhecer mais uma iniciativa, desta vez centrada na Cooperação em Moçambique.
Neste contexto, a Mesa redonda, Cooperação para o Desenvolvimento | Afirmar o Futuro da Pequena Produção, terá lugar no dia 18 de Fevereiro de 2011 pelas 15h.30m no Hotel Golf Mar, no Vimeiro – Torres Vedras.
Por questões logísticas, solicita-se a confirmação de presença até ao próximo dia 14 de Fevereiro, para o seguinte e-mail ajap@ajap.pt
 

10.02.2011 | por ritadamasio | Agricultura, AJAP, Cooperação, Moçambique

André Cabaço

Depois de várias colaborações com Vitorino, Janita Salomé, Filipa Pais, Filipe Mukenga, Juca, Guto Pires, Tito Paris, Sérgio Godinho, Tora Tora Big Band, entre outros, André Cabaço, natural de Maputo, apresenta o seu projecto a solo que combina o encontro e a convivência de tradições musicais moçambicanas com os percursos musicais do autor. 


+ infos

08.02.2011 | por franciscabagulho | Moçambique, música

Próximo Futuro sobre "As Áfricas de Pancho Guedes"

O que diz a programação Próximo Futuro sobre a exposição “As Áfricas de Pancho Guedes

É uma exposição notável; pela qualidade do acervo, pela “metodologia” se assim se pode chamar à reunião feita por Pancho Guedes de uma Colecção de Arte feita ao arrepio das correntes estéticas da época, e pelo estudo laborioso feito pelos curadores – Alexandre Pomar e Rui Pereira . O trabalho de investigação subjacente e visível quer na montagem, quer nos textos do catálogo é um trabalho de rara qualidade intelectual. No panorama europeu actual de exposições em torno de artes, de artistas e de África esta é uma exposição Incontornável. Voltaremos a ela…

Até 8 de Março de 2011, no Mercado de Santa Clara, em Lisboa. Organizada pela Câmara Municipal de Lisboa, reúne cerca de 500 obras da colecção de arte africana do arquitecto português Amâncio (Pancho) Guedes.

18.12.2010 | por martamestre | arte de aeroporto, arte outsider, arte popular. Malangatana, Colecção Pancho Guedes, Moçambique

Maputo-Maputo

Ainda vai a tempo para estender os olhos por pedaços de África. A exposição “Maputo- Maputo, um Regresso na África Austral” do antropólogo e artista plástico Gonçalo Antunes está na Galeria Arte à Parte, na Rua Fernandes Tomás em Coimbra, Portugal até dia 24 de Novembro. E há também palavras a acompanhar estes quadros-colagens; o livro que tem também o título Maputo- Maputo, Um Regresso na África Austral organiza a viagem dos olhos e da imaginação pela amálgama das histórias visuais.

Os 15 quadros são desmontados em referências à viagem feita pelo autor entre finais de 2009 e inícios de 2010 pelo sul do continente africano. São retratos de países, paisagens imensas, céus de fim do dia, histórias pessoais, histórias sociais, eleições, feridas de guerras civis, histórias de cidades e arrebaldes. Encontros fortuitos de quem calcorreia o mundo com uma mochila por bagagem.

Esperamos que a exposição e o livro que a acompanha viaje como o autor. Que chegue a mais continentes, cidades e pessoas motivando outros para o caminho.

Maria Prata

12.11.2010 | por martalanca | Moçambique

“Avó (Muidumbe)”, um filme de Raquel Schefer

DocLisboa / Competição Nacional de Curtas-Metragens 

15/10, 19h

Grande Auditório da Culturgest

11’, DV-CAM, cor, stereo, 2009

 

Moçambique, 1960, pouco tempo antes da eclosão da guerra, retrato de uma família colonial. Uma sequência de material de arquivo filmada pelo meu avô, antigo administrador colonial em Moçambique, é o ponto de partida de um documentário experimental sobre a história da descolonização portuguesa e a sua memória. Mémoria dupla ou desdobrada: a mémoria vivida e descritiva dos colonizadores (os seus textos, as suas imagens) contra a memória fabricada dos seus descendentes. O filme encena as minhas memórias indirectas de Moçambique no período colonial.


08.10.2010 | por martalanca | cinema, Moçambique

Kupilikula - o Poder e o Invisível em Mueda, Moçambique de Harry West

O livro Kupilikula - o poder e o invisível em Mueda, Moçambique teve uma Distinção Especial do júri do Prémio Sedas Nunes para as Ciências Sociais

 

No planalto de Mueda, no norte de Moçambique, diz-se que os feiticeiros se alimentam das suas vítimas, por vezes “criando” leões ou transformando-se em leões para devorar, literalmente, a sua carne. Quando o partido FRELIMO, no poder, aderiu ao socialismo, condenou as crenças na feitiçaria e as práticas de contra-feitiçaria dizendo que eram ideias falsas, mas desde que empreendeu a reforma neoliberal, o partido – ainda no poder após três ciclos eleitorais – “tolerou a tradição”, permitindo que a população rural interprete e interaja com os acontecimentos na linguagem da feitiçaria. Agora, quando os leões deambulam pelas aldeias do planalto em busca de presa, os suspeitos de feitiçaria são frequentemente linchados.

Continuar a ler "Kupilikula - o Poder e o Invisível em Mueda, Moçambique de Harry West"

07.10.2010 | por martalanca | feitiçaria, Moçambique, mueda

A indústria do cinema descobre Moçambique

Afrol News

 

La industria cinematográfica parece haber descubierto el potencial de Mozambique. ‘Margarida’ y ‘A república di mininus’ son los dos nuevos largometrajes que acaban de comenzar estos días sus rodajes en Mozambique. Ambas son coproducciones entre Mozambique, Portugal y Francia.
‘Margarida’ es una película de Licinio de Azevedo, escritor y realizador de origen brasileño y residente en Mozambique desde 1977, con la producción de las Ebano Multimedia (Mozambique), Ukbar Films (Portugal) y Liaison Cinématographique (Francia).
“Margarida es una película sobre el destino”, adelanta Azevedo, que escogió la capital de Mozambique, Maputo, y el distrito de Sussundenga para el rodaje de la película. “Necesitaba un denso bosque y un río donde la gente pudiese tomarse un baño”, dijo Azebedo en declaraciones al semanal independiente mozambiqueño ‘Savana’. La película es de realización mozambiqueña, producida por Peter Pepper, en coproducción con Ukbar Filmes y Liaison Cinématographique.
“Mozambique, 1975. Después de 500 años de colonización portuguesa, los mozambiqueños izan su bandera por primera vez. Es un momento de gran emoción, grandes expectativas, pero también una mirada hacia su futuro próximo. Los cambios de política no son sólo cosméticos. Es necesario transmitir a la gente que vivía en las zonas ocupadas por las potencias coloniales una nueva manera de ver la vida, un nuevo enfoque político sobre el país, lo que inevitablemente significa un cambio radical en los hábitos y comportamientos, aceptar una forma de relación entre Mozambique y el mundo”, explica Licinio Azevedo.
Entre las obras de LÍcinio de Azevedo, destacan ‘La Guerra del Agua’, (Mozambique, 1996), ‘Desobediencia’ (Mozambique, 2002), ‘El Gran Bazar’ (Mozambique, 2005). Además de haber obtenido numerosos premios internacionales, es el fundador de la productora mozambiqueña Ebano Multimedia.
Por su parte, el largometraje ‘A república di mininus’, del director Flora Gomes, de Guinea Bissau, está producida por Filmes do Tejo (Portugal) y Les films de l’ Aprés Midi (Francia), en colaboración con Ebano Multimédia (Mozambique).
“Como cineasta, me siento como si estuviera en un columpio que se balancea por África. A veces, cuando recorro toda su amplitud de un extremo a otro, agitado por los acontecimientos, mi punto de vista sobre este continente se vuelve irónico, escéptico, y quiero huir. ¿Pero a dónde?”, fueron las palabras de Flora Gomes, que eligió Mozambique para realizar su último trabajo, ‘A república di mininus’.
‘A república di mininus’ es una historia que no pretendo que parezca plausible. Es una historia que suscita a la reflexión y a la risa, concluye Gomes en declaraciones a ‘Savana’.
Flora Gomes, nacido en Cadique, Guinea Bissau, en 1949, es pionero del cinde de Guinea Bissau y uno de las más representativos cineastas africanos. Es conocido por su modo original de trazar retratos africanos recurriendo al mito y a la historia actual, en una fusión de elementos con delicada carga poética y fuerte sentido universal.
Gomes comenzó su filmografía con el documental ’ O Regresso de Cabral’ (1976), al que le siguieron obras como ’ A Reconstrução’ (1977), ‘Mortu Nega’ (1987), ‘Os Olhos Azuis de Yonta’ (1992), ‘A máscara’ (1994), ‘Nha Fala’ (2002), y ‘As duas faces da Guerra’ (2007), entre otras obras.
El rodaje de estos dos proyectos en Mozambique de desarrollará entre los meses de abril y junio, representando un momento para reflexionar sobre el potencial de crecimiento que Mozambique puede alcanzar como espacio privilegiado para la realización de grandes producciones cinematográficas que generan, no sólo notoriedad, sino que contribuyen también al aumento de puestos de trabajo, desarrollo profesional y crecimiento económico.
© afrol News

26.06.2010 | por martalanca | Cinema Moçambicano, Flora Gomes, Licínio de Azevedo, Moçambique

Mahla, dos moçambicanos Mickey Fonseca e Pipas Forjaz

SYNOPSIS (fr.) Ermelinda est une infirmière à l’hôpital central de Maputo. Lasse des coups donnés par un mari abusif, Jerry, un agent immobilier, elle décide de le quitter malgré le fait qu’elle apprend qu’elle est enceinte. Dans le bus qui la ramène à la maison, pour aller chercher son fils et quitter définitivement Jerry, un événement survient et met en doute sa décision et sa personnalité.
SYNOPSIS (ing.) Ermelinda is a nurse who works at the Maputo
Central Hospital. Tired of receiving beatings from her abusive husband, Jerry, a real estate agent, she decides to leave him even though she finds out she is pregnant. On the bus home to fetch her son and leave Jerry forever, something happens.

A história de uma tragédia com um paiol à mistura
Em «MAHLA», a mais recente produção cinematográfica dos cineastas moçambicanos Mickey Fonseca e Pipas Forjaz, é uma história da triste relação entre uma enfermeira que se esforça em manter o seu trágico casamento com um agente imobiliário que também vive do roubo para sustentar o seu vício pelo consumo do álcool. Pelo meio, a explosão do paiol de Mahlazine vem tornar ainda mais trágica a história do casal, uma história atravessada por muitas outras tragédias que fazem parte do nosso quotidiano, como é o caso do drama dos linchamentos.
Jerry, cujo papel é desempenhado pelo conhecido actor Mário Mabjaia, é um agente imobiliário que sofre de várias doenças extremamente perigosas para a manutensão de uma vida condigna e do seu matrimónio com a Ermelinda, uma enfermeira do Hospital Central de Maputo, cujo papel é desempenhado pela conhecida dançarina Edna Jaime.
Para além de sofrer de cleptomania, uma doença que o manda roubar sempre que a oportunidade lhe aparece pela frente, Jerry é um alcoólatra incorrigível. Não corresponde propriamente – como já se viu – ao retrato do marido ideal. Pior: não reconhece o esforço que – diante das circunstâncias – a Ermelinda faz para manter o lar, o seu papel de esposa perfeita, recatada, religiosa, trabalhadora, mas sobretudo o papel de mãe afectuosa de um
filho com sete anos de idade. Na vida doméstica, não há nada que lhe escape à atenção, embora tudo o que ela faça acabe sempre por atrair a insatisfação inusitada do marido bêbado que responde de seguida com cenas de violência doméstica, ante a contestação dos vizinhos.

Mickey Fonseca escritor, produtor, realizador
Pipas Forjaz produtor, director de fotografia, editor
Actores Principais Mario Mabjaia, Edna Jaime, Azagaia
estreia
Berlin, 18 de Fev 2010 na serie LATITUDE- Nove filmes de curta metragem contemporanea de Africa patrocinado pelo Goethe InstituteJHBe ICMA.
Nomeado
African Movie Academy Awards(AMAA) na categoria de Best short film 2010 na Nigeria

 

15.06.2010 | por martalanca | cinema, Mickey Fonseca, Moçambique, Pipas Forjaz

Timbila Tracks - Venancio Mbande Walter Verdin (vidéo) - Matchume Zango (percussions) 14 > 15.06.2010

Matchume ZangoMatchume ZangoOver the last five years, Walter Verdin has been filming the traditional musical culture of Mozambique, which has been on UNESCO’s Intangible Cultural Heritage of Humanity list since 2005. Timbila Tracks is a patchwork of this music and of new compositions based on Verdin’s video recordings. The concert includes a live performance by Matchume Zango, a young Chopi timbila player and percussionist.
The video film includes footage of the eighty-year-old bandleader Venancio Mbande playing music with his sons and talking about culture, music and politics.
Mbande will be in Brussels to talk about the musical culture of the Chopi people and about the dilemma between cultural authenticity and the adaptation to new and different cultures.

14.06.2010 | por martalanca | Matchume Zango, Moçambique, timbila

nacionalistas de moçambique

O livro (*) em que se salvaguarda a memória de dez nacionalistas moçambicanos (Noémia, Bucuane, Rangel, Balamanja, M’Boa, Malangatana, Mulenza, Nogar, Manganhela e Mabote) tem desde logo o mérito de compensar as óbvias carências que naquele país africano existem para o registo histórico e se prestar o devido preito aos que sofreram na carne o ódio colonial. Através dele, encontramo-nos com diversos personagens – artistas, poetas, religiosos, militantes e guerrilheiros – a contas com uma repressão selvática com que o regime colonial e o seu braço repressivo (a PIDE) respondiam aos anseios autonomistas, mesmo a “mais suave”. As imagens das brutalidades a que foram sujeitos, a forma sinistra como o aparelho repressivo colonial triturava o assomo de dignidade, dão uma face que não pode ser esquecida, nesta época de negacionismo face ao colonialismo e à descolonização, que vai até ao assomo de se pretender tingir de patriotismo vero as iníquas guerras coloniais, da forma como o colonialismo português, até cair sob a mira das armas dos que o regime fardou para ser o seu braço armado em África, usou a brutalidade mais cruel e sanguinária para impossibilitar “outra descolonização” que não a verificada, a que assentou na vitória dos movimentos guerrilheiros nacionalistas com os dramas que lhe estiveram associados. Na altura, as carpideiras que depois choraram a descolonização, não levantaram a voz, não deram um grito, não imprimiram um panfleto, para dizerem basta aos crimes da PIDE e do colonialismo, não agarraram um braço assassino antes de consumarem os seus crimes contra os povos africanos, não exigiram negociações e acordos, nem direitos e dignidade. Essa “pátria” dormia então o sono da cumplicidade com a ordem estabelecida. E hoje é essa mesma “pátria” que muito chora porque nenhuma opressão é eterna. Guardaram tantas lágrimas justas e então necessárias que hoje choram como crocodilos em cima da amnésia que se foi construindo. Mas não passam de gente pequena ao pé de Noémia, Bucuane, Rangel, Balamanja, M’Boa, Malangatana, Mulenza, Nogar, Manganhela e Mabote.
João Tunes

(*) – “Nacionalistas de Moçambique”, Dalila Cabrita Mateus e Álvaro Mateus, Edições Texto.

Ler aqui

05.06.2010 | por martalanca | Moçambique, nacionalistas