A transfiguração do “Globo”

A 3ª edição do F. Globo acontece de 26 a 31 de Janeiro próximo, no Hotel Globo, na baixa de Luanda. Mais de uma dezena de artistas multidisciplinares desafiados e inspirados pela liberdade apresentam uma mostra colectiva inusitada. 

Criações sem fronteiras, despojadas, provocadoras e indiferentes a regras de qualquer espécie, são o cunho F. Globo. Numa rota única, contrária ao convencional, instituída por curadores e galerias, os artistas são o elemento activo, entregues à transformação influenciada pelos seus parceiros, o espaço, o meio ambiente…

Nesta 3ª edição há mais artistas e mais quartos de hotel abertos à criatividade desprendida. Sem uma predefinição temática, a curadoria serve apenas para criar uma dialéctica entre os trabalhos desenvolvidos por cada artista durante o período do evento. Sendo que o ponto de partida da produção artística é a interacção, o diálogo e a partilha de ideias de um colectivo que nesta edição é composto por:
João Ana e Elepê
Alekssandre Fortunato        
Keyezua                     
Ery Claver
Tho Simões   
Daniela Vieitas + Muamby Wassaky                      
Toy Boy
Kiluanji Kia Henda  + Colectivo Verkron
Edson Chagas                        
Gretel Marin
Kalaf Epalanga e João Ana (Curadores)
André Cunha (Produção)

A mostra temporária decorre em cinco dias. A partir do dia 26 de Janeiro a exibição inicia-se todos os dias às 19 horas, até 31 de Janeiro. A entrada é livre.
O F. Globo vai além do simples acto de pendurar quadros numa parede ou sequer existe para fins comerciais. É o espírito voluntário dos artistas que financia a iniciativa e, desta forma, garantem independência total em relação às instituições ou patrocínios, permitindo-lhes uma abordagem autónoma sobre temas culturais, sociais e políticos, arriscando apresentar novos sentidos estéticos e conceptuais.
A primeira edição do F.Globo em Dezembro de 2015 contou com a participação de 6 artistas: Kiluanji Kia Henda, Edson Chagas, João Ana, Elepê, Orlando Sérgio e Marcos Kabenda. A segunda edição ocorreu em Julho de 2016 e participaram 9 artistas: Keyezua, Kiluanji Kia Henda (curador), André Cunha (curador), João Ana, Elepê, Angel Ihosvanny, Thó Simões, Ery Claver, Irina Vasconcelos e Muamby Wassaky.

24.01.2017 | por marianapinho | espaço, fronteiras, Fuckin' Globo, galeria, Hotel Globo, liberdade, Luanda, meio ambiente

Metade do Mali agora independente!

Today, 6 of April 2012 the National Movement of the Azawad (MNLA) stoped all military operations and has proclaimed the independance of the Azawad

05.04.2012 | por ritadamasio | independência, liberdade, mali, rebelião

A Libertação pela Revolução

A revoluçao tunisina, como aliàs a egípcia, foi desencadeada pelos jovens das camadas mais desfavorecidas da sociedade, oriundos muitas vezes das regiões mais pobres do pais. No entanto, mesmo antes destas revoluções terem resultado na demissão ou na fuga dos respectivos ditadores, os americanos (oportunistas como são), através da influência sobre os tecnocratas em exilio (formados no seu território), fizeram tudo para recuperar os frutos dos sacrifícios do povo. Estes tecnocratas, agora em função nas altas instâncias do Estado aproveitam-se da tranformação do regime, guardando os seus interesses intactos assim como os dos seus protectores oficiais.

Nada de novo, nada de complexo, nada de insólito (as maneiras de agir dos americanos já foram desmontadas de A a Z).


O mais interessante disto tudo, nem são tanto os mecanismos pelos quais os tecnocratas dos novos regimes sao submetidos à influência do poder americano, mas o processo pelo qual as reivindicações de base destas revoluções foram reduzidas, pelo intermediário entre outros dos media, ao simples ideal de Liberdade à maneira ocidental. O slogan em comum destas duas revoluções abrangia um espectro muito mais amplo de projecto de sociedade como a justiça, a dignidade e a independência nacional. Esta última reivindicação, longe de se esgotar nas fronteiras de um Estado-Nação, diz respeito acima de tudo a uma soberania nacional (do povo, da cultura arabo-muçulmana) anti-imperialista. Em países com um passado colonial pesado e cujas formas e organização social autóctone foram destruídas, a liberdade como bem absoluto individual só faz sentido se a colectividade « maitrise » os seus próprios valores (a todos os níveis) : « Faire sauter le monde colonial est désormais une image d’action très claire, très compréhensible et pouvant être reprise par chacun des individus constituant le peuple colonisé. ” Frantz Fanon
Hoje, na Tunísia pós-eleitoral, os franceses foram desonrados e os islamistas Ennahda (força liberal) constituem um prolongamento do poder dos países do eixo petrodollar. No Egipto, em particular, o exército está associado aos americanos desde a presidência de Muḥammad as-Sādāt em 1970 até aos « negociatas » e políticos corruptos de Hosni Moubarak. A uma semana das eleições, o povo ocupa novamente a Praça « Tharir » (praça Emancipação/Libertação) consciente do papel da ingerência americana no exército e nos seus aliados políticos (protesto que começa a alastrar-se por outras regiões). O exemplo máximo desta ingerência são as armas (made in USA) utilizadas hoje para punir o povo na praça (ouvido numa entrevista a um manifestante). As reivindicações destes novos ocupantes insistem sobretudo em dois pontos : criar um organismo apto a julgar os políticos e « negociatas » corruptos ; criar uma presidência civil contra a oligarquia militar.
As previsões eleitorais são óbvias : os islamistas liberais (partido da Liberdade e da justiça) vão sair vencedores no Egipto. Partido da mesma tendência do Ennahda na Tunisia, ou seja, agentes políticos do movimento dos « irmãos muçulmanos » diferente do movimento islamista jihadista anti-americano. Excusado seria dizer que o partido da liberdade e da justiça faz aliança com os militares. Estes mesmos que o povo quer desarmar.
Enquanto o governo provisório já se demitiu, os militares abriram retoricamente um antecedente perigoso : « um milhão, dois milhões na rua não representam o povo egípcio ». Os indignados em Madrid ou em NY também não…. Não somos de facto os 99%.

Shift no Spectrum

22.11.2011 | por martalanca | Egipto, liberdade, primavera árave. revolução, Tunisia