Narratives in Motion, de Luís Trindade, na Tigre de Papel

Conversa sobre o livro Narratives in Motion, de Luís Trindade, com a participação do autor, de Mariana Pinto dos Santos, de Filipa Subtil e de Francisco Azevedo Mendes
Quinta-feira, 20 de Julho, às 18h30, na livraria Tigre de Papel | entrada livre
O período entre guerras em Portugal foi, de várias maneiras, um microcosmo do encontro da Europa com a modernidade: sob o impacto da industrialização, o crescimento urbano e o confronto entre liberalismo e autoritarismo, também assistiu à emergência de novas formas mediáticas que transformaram o quotidiano. Este estudo sobre a imprensa em Portugal nos anos vinte explora os modos como a nova “reportagem modernista” incorporou o espírito do tempo ao mediar alguns dos seus eventos mais espectaculares, de levantamentos políticos a sinistros crimes passionais. A abordagem de Luís Trindade ilumina a dupla natureza do jornalismo - simultaneamente narrativa e objecto material, constitui um objecto exemplar na relação moderna entre narrativa e evento. 
Narratives in Motion - Journalism And Modernist Events In 1920s Portugal, Berghahn Books, Londres, 2016.

20.07.2017 | por martalanca | jornalismo, Luís Trindade, Narratives in Motion

debate sobre fotografia e religiões afro SALVADOR DA BAHÍA

A produção de imagens fotográficas no ambiente dos terreiros é tema de debate no dia 30, das 19h às 21h.  O encontro integra as atividades da oficina Processos do Silêncio, oferecida pela fotógrafa e pesquisadora Denise Camargo, no Centro de Estudos Afro-orientais, em Salvador e tem como convidados a jornalista Cleidiana Ramos (A Tarde) e o pesquisador Marcelo Bernardo da Cunha (CEAO). O debate será transmitido ao vivo pelo site http://www.oju.net.br. O público poderá participar, enviando perguntas via Twitter, seguindo o perfil @ojunet.

Tejo, 1992, foto de Denise CamargoTejo, 1992, foto de Denise Camargo
Processos do Silêncio é um projeto contemplado com o II Prêmio Nacional de Expressões Culturais Afro-brasileiras, com patrocínio da Petrobras e  Ministério da Cultura; realização do CADON e parceria da Fundação Cultural Palmares. Tem apoio institucional do CEAO/UFBA. Fabiane Beneti (Empresa Livre) assina a produção executiva. A oficina, gratuita, teve mais de 300 inscrições, o equivalente a dez vezes o número de vagas disponíveis.
No debate, Denise Camargo e seus convidados exibem  imagens e traçam considerações sobre o processo de criação e análise do discurso imagético presente no material apresentado. “A ideia é promover a interação com o público presencial e online e trocar experiências sobre a produção de imagens”, explica a mediadora.
A partir de uma amostra de 20 imagens analisadas na dissertação O Discurso da Luz: imagens das religiões afro-brasileiras no jornal A Tarde, Cleidiana Ramos aborda seu processo de pesquisa e as características da produção e veiculação de imagens das religiões afro-brasileiras em um jornal de grande circulação na Bahia.
Marcelo Bernardo da Cunha fala sobre o processo de realização/direção de um documentário sobre a Festa da Boa Morte em Cachoeira, no Recôncavo Baiano, centrando sua fala nas questões que envolvem o profano e o sagrado nos bastidores do espetáculo.
Com a transmissão do debate pela internet, o projeto objetiva ampliar o acesso do público, superando a limitação do espaço físico, ao mesmo tempo, e ultrapassar as fronteiras geográficas para favorecer a difusão das informações compartilhadas na atividade.
SOBRE OS DEBATEDORES
Cleidiana Ramos é jornalista, mestre em Estudos Étnicos e Africanos pela Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da UFBA. Trabalha no Grupo A Tarde, onde é editora da Editoria Salvador e realiza cobertura especializada sobre as questões de identidade negra e religiosidade, com destaque para a coordenação de cadernos especiais sobre assuntos de história e cultura afro-brasileira, veiculados anualmente no Dia Nacional da Consciência Negra. Produz o blog Mundo Afro.
Marcelo Bernardo da Cunha é professor do departamento de Museologia (UFBA), do Programa Multidisciplinar de Estudos Étnicos e Africanos do Centro de Estudos Afro-orientais (UFBA) e do programa de Estudos Pós-graduados em Museologia da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologia (Lisboa – Portugal). Doutor em História Social (PUC – São Paulo). Pesquisa as formas de representação dos africanos e afro-brasileiros em museus, no passado e presente, museologia e ações museológicas, com ênfase para a produção e análises de exposições relacionadas ao Patrimônio Africano e Afro-Brasileiro.
SOBRE A MEDIADORA
Denise Camargo é fotógrafa, doutora em Artes (Unicamp), mestre em Ciências da Comunicação (ECA-USP), graduada em Jornalismo (ECA-USP). Bolsista da Universidade de Navarra (Pamplona, Espanha), pelo Premio JT de Jornalismo. Atuou como fotojornalista e editora de veículos especializados na difusão cultural da fotografia brasileira. Foi docente do Bacharelado em Fotografia do Centro Universitário Senac, onde coordenou a Pós-graduação em Fotografia, até 2011. É pesquisadora do Grupo de Pesquisas da Imagem Contemporânea (GPIC) e realiza projetos culturais sobre cultura afro-brasileira, pela Oju Cultural.
Realizou diversas exposições, entre elas: Antologia da Fotografia Africana  (Revue Noire); São os filhos do deserto onde a terra desposa a luz; Herança Compartilhada; Privilégio do objeto, curadoria de Quilombolas, Tradições e Cultura da Resistência e coordenação editorial de livro homônimo. Contemplada com I Prêmio Nacional Expressões Culturais Afro-brasileiras (2010), com o Programa Cultura e Pensamento 2007 (Representação imagética das africanidades no Brasil) e 2010 (Corpo-imagem dos terreiros). Curadora do site www.oju.net.br, especializado em fotografia e representação visual da cultura de matriz africana.
Oficina Processos do Silêncio – Debate  30/08 das 19h às 21 no CEAO – Centro de Estudos Afro-Orientais, Praça Inocêncio Galvão, 42 – Largo 2 de Julho Salvador/BA transmissão ao vivo aqui

 

23.08.2012 | por martalanca | Bahía, jornalismo, religiões afro, Terreiros

Candidaturas ao Prémio de Jornalismo pela Diversidade Cultural - até 30 de abril

Estão abertas até 30 de Abril as inscrições para o Prémio de Jornalismo que o Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural (ACIDI) promove anualmente. À semelhança dos anos anteriores, a edição de 2012 do Prémio de Jornalismo pela Diversidade Cultural é promovida com o intuito de destacar trabalhos que abordem a temática da diversidade cultural e das minorias étnicas, realizados por jornalistas profissionais e que tenham sido publicados, no ano anterior, em órgãos de comunicação social sedeados em Portugal.

Este ano, a categoria de Multimédia foi substituída pela de Fotojornalismo, pelo que serão distinguidas as seguintes modalidades, cada uma com um prémio pecuniário de 2500 euros: Meios Audiovisuais, Imprensa Escrita, Rádio, Fotojornalismo, Órgãos de Informação Regionais e Locais e Media Étnicos.

A distinção máxima é o Prémio Diálogo Intercultural, no valor de 5000 euros, e que o júri decide atribuir a um ou mais trabalhos, de qualquer categoria.

A cerimónia do Prémio de Jornalismo pela Diversidade Cultural realiza-se anualmente no âmbito do Dia da Diversidade, que se comemora a 21 de maio.

web

10.04.2012 | por herminiobovino | jornalismo

Cantos do Sul n.º 49

NESTA EDIÇÃO “Áfricas, Jornalismos, Cidadanias” discute responsabilidade do jornalismo no mundo actual 

“Mulheres e desenvolvimento: Auto-emprego e auto-confiança” apresentado n’ODD’11 

Livro “Vozes de Nós” lançado no Huambo 

52 Histórias: em Junho discutem-se liberdades 

“ÁFRICAS, JORNALISMOS, CIDADANIAS” DISCUTE RESPONSABILIDADE DO JORNALISMO NO MUNDO ACTUAL
   A representação de África – ou das Áfricas – nos media europeus, os códigos de conduta que regulam o jornalismo actual e os novos desafios que se colocam aos jornalistas europeus e africanos foram algumas das questões-chave em discussão no debate informal “Conversa com Contextos: Áfricas, Jornalismos, Cidadanias”, organizado pela ACEP no âmbito da quarta edição de Os Dias do Desenvolvimento’11. À mesma mesa, para um debate que durou cerca de três horas, reuniram-se os jornalistas Adelino Gomes (Portugal), Agnelo Regalla (Guiné-Bissau) e Conceição Lima (S. Tomé e Príncipe) e ainda responsáveis de Organizações da Sociedade Civil Fátima Proença, directora da ACEP, e Negesse Pina, o primeiro africano a liderar uma associação académica portuguesa, em Aveiro. “O perigo da história única”, de Chimamanda Adichie, foi o ponto de partida para a discussão. As principais conclusões do debate serão incluídas na publicação final do projecto “Portugal e África: Melhor Cooperação, Melhor Desenvolvimento”, co-financiado pelo Instituto Português de Apoio ao Desenvolvimento, cujo um dos temas-chave é o papel dos media e das organizações da sociedade civil na Cooperação e no Desenvolvimento. Veja fotos da iniciativa no Facebook da ACEP.

07.06.2011 | por martalanca | Africa, cidadania, jornalismo

Bolsa da Reuters para jornalistas lusófonos

A Fundação Thomson Reuters está a lançar uma série de cursos para jornalistas em toda a África, em parceria com a Agência Norueguesa de Cooperação para o Desenvolvimento (NORAD), como parte de uma inciativa para fortalecer as capacidades dos repórteres financeiros. Este curso em particular foi concebido para ajudar os jornalistas nos países africanos de expressão portuguesa a fortalecer as suas reportagens sobre temas financeiros e económicos através do desenvolvimento da sua compreensão e habilidades. “Aprender fazendo” é uma parte essencial do programa, que inclui exercícios práticos e reportagens ao vivo. O curso também se concentra na melhoria da cobertura nacional e internacional dos problemas financeiros através de briefings detalhados, apresentações de palestrantes convidados e, se for possível, uma visita de informação a uma instituição financeira. Através de discussões aprofundadas, os jornalistas irão explorar formas novas de abordagem de temas tais como a exploração de recursos, governança económica e fuga de capitais dos países em desenvolvimento.

continue a ler aqui

19.05.2011 | por martalanca | jornalismo

Conversa com textos _ Áfricas, Jornalismos, Cidadanias, no ISCSP, Lisboa.

OS DIAS DO DESENVOlVIMENTO 16 DE MAiO | 16h30 àS 18h30 | ISCSP LISBOA - PÓLO DA AJUDA
do JORNALISMO Adelino Gomes (Portugal), Agnelo Regalla (Guiné-bissau)e Conceição lima (São Tomé e Príncipe) | da CIDADANIA Fátima Proença (Portugal) e Negesse Pina (São Tomé e Príncipe), entre outros.
Reconhecendo a responsabilidade do jornalismo e da cidadania nas transformações no mundo actual, e nas relações, muitas vezes assimétricas, entre Europa e África, a ACEP organizaum debate informal, em torno de preocupações comuns: desconstruir estereótipos, renunciar ao simplismo e à história única. Uma leitura da escritora nigeriana Chimamanda Adichie, projectada no início do debate, dará o mote à discussão sobre os diversos códigos de comunicação a partir de diferentes contextos, nomeadamente a representação de África – ou das Áfricas – na Europa e a ideia mediatizada da Europa no continente africano.O papel dos media e das organizações da sociedade civil na Cooperação e no Desenvolvimento é um dos temas-chave do projecto “Portugal e África: Melhor Cooperação, Melhor desenvolvimento”, co-financiado pelo Instituto Português de Apoio ao Desenvolvimento.

29.04.2011 | por franciscabagulho | cidadania, desenvolvimento, jornalismo

Carlos Guimarães e Paulino Damião partilham prémio de fotojornalismo

Os dois profissionais vão partilhar trinta e cinco mil dólares, valor atribuído a respectiva categoria. Paulino Damião é quadro do jornal de Angola e Carlos Guimarães freelancer. Noventa  profissionais de comunicação social de 13 províncias de Angola, das 18 existentes, concorreram ao Prémio Nacional de Jornalismo, que conta com quatro categorias:

Fotojornalismo, Imprensa, Rádio,e Televisão.

Cada finalista, em todas as categorias, tem direito a cinco mil dólares e um diploma.

Ao contrário das edições anteriores, o  júri decidiu divulgar os nomes dos candidatos no mesmo dia em que se realizar a gala de premiação, com transmissão da Televisão Pública de Angola.

Os candidatos ao prémio, nas quatro categorias, concorrem com reportagens, crónicas, fotografias, entrevistas, artigos e outros géneros jornalísticos.

O Prémio Nacional de Jornalismo é promovido pelo Ministério da Comunicação Social como forma de incentivar, distinguir a criatividade, valorizar a profissão de jornalista e valorizar e reconhecer o trabalho da classe jornalística.

Continuar a ler "Carlos Guimarães e Paulino Damião partilham prémio de fotojornalismo "

06.04.2011 | por martalanca | fotografia, jornalismo

EU SOU ÁFRICA - 7º episódio CONCEIÇÃO DEUS LIMA - S.TOMÉ E PRÍNCIPE

SÁBADO, 19 de março, 19h, na RTP 2 

 

Jornalista e poeta, partiu várias vezes de São Tomé e Príncipe. Partiu para driblar os que queriam calar-lhe a voz incómoda nos jornais, na rádio e na televisão, partiu para se reconhecer como escritora, partiu para ser correspondente da BBC, em Londres. Mas em cada uma dessas partidas levou a ilha com ela. Regressada, continua a questionar passado e presente, num exercício de indagação e busca a que chama umas vezes jornalismo, outras poesia. A cidadania participativa, a educação e a cultura são os valores pelos quais a autora de O Útero da Casa, se bate, sempre. 

 

O debate, para criar pluralidade nas perspectivas, é uma das armas que Conceição Deus Lima usa para combater os problemas do seu país. Pratica-o na cobertura das eleições legislativas de S.Tomé, em comícios e na televisão, com a coragem para fazer as perguntas difíceis e necessárias. Em Santana, onde nasceu e aprendeu com a avó a falar crioulo, a entender plantas e a escutar os mitos dos rios, mergulha nos rituais dos antepassados para nos levar à constante duplicidade da sua ilha mágica, paraíso e lugar de massacre, terra de senhores e de serviçais. Fala da euforia de 1975, quando se fizeram possíveis todos os sonhos, vontades e aspirações, impulsionados pelas leituras de Amilcar Cabral e Kwame Nkrumah e pelo visionarismo dos grandes poetas são-tomenses, com Alda Espírito Santo como figura tutelar. Crioulidade, África, ilha e arquipélago, são palavras sobre as quais São de Deus Lima pensa e escreve com frequência, como poeta e como jornalista. 

 

16.03.2011 | por martalanca | Conceição Lima, jornalismo, poesia, S.Tomé

Prémio de Jornalismo pela Diversidade Cultural

O Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural  promove mais uma edição do Prémio de Jornalismo Pela Diversidade Cultural.

Este ano o prazo de candidaturas inicia-se a 1 de Março e decorre até 15 de Abril, visando premiar trabalhos publicados por profissionais de comunicação que retratem ou promovam a diversidade cultural enquanto activo de uma sociedade mais justa e mais plural. 

mais informações no site do ACIDI

04.03.2011 | por martalanca | jornalismo

Acabou a (minha) BBC

o jornalista angolano Reginaldo Silva conta….

 

De facto o serviço português da BBC para África vai esta quarta-feira encerrar as suas emissões na sequência de um plano de cortes orçamentais que atingirá mais 4 departamentos em línguas estrangeiras.
Trabalhei para esta BBC mais de 18 anos como correspondente em Luanda, tendo sido o primeiro jornalista nacional a ser autorizado pelo Governo do MPLA a desempenhar tais funções.
Como correspondente da BBC consegui sobreviver com dignidade, aos tempos dificeis que se seguiram à minha saída da RNA em 1991 depois de ter sido alvo de uma tentativa de humilhação profissional levada a cabo pela dupla César Barbosa/Carlos Garcia, na altura em que o ministro da comunicação social se chamava Rui de Carvalho.
Tudo aconteceu depois de ter sido forçado a deixar a direcção do programa “Em Ponto Grande” ou em “Grande Plano” (já não me lembro bem), que foi o primeiro espaço de debate político (em directo) que a RNA criou, sob minha proposta, na sequência da abertura democrática que dava os primeiros passos no âmbito da implementação do processo de paz.
Esta retirada deveu-se a uma ordem proveniente dos Combatentes que a última hora interditou a realização de uma entrevista que eu deveria fazer ao líder da UNITA, Jonas Savimbi, depois de estar tudo acertado.
Como não encontrei justificação plausível para uma tão inopinada interferência, não tive outra solução que demitir-me da condução do referido programa que acabou por sucumbir após a minha saída.
Foi nesta sequência que eu próprio algum tempo mais tarde pedi a minha demissão da RNA, como resultado da já mencionada tentativa de humilhação profissional, numa altura em que já trabalhava como correspondente da BBC.
O encerramento hoje do serviço português da BBC acaba por ser mais uma crónica de uma morte anunciada que estava a tardar e que alimentou alguns “sonhos de poder eterno” na cabecinha de uma senhora moçambicana chamada Teresa Lima que foi a última chefe do serviço, depois do meu kamba João Van-Duném (JVD), ter decidido regressar ao país.
Foi o JVD que me levou para a BBC, onde a tal Teresa Lima já me encontrou depois de ter abandonado Moçambique, nunca soube muito bem porquê.
A minha saída da BBC em 2007, embora já constando dos meus planos em termos de reconversão da minha intervenção jornalística, sobretudo depois do JVD ter deixado a chefia do Serviço Português, acabou por ser precipitada pela entrada da “fumegante” Teresa Lima, com quem o meu relacionamento pessoal e profissional se começou a deteriorar a olhos vistos, a tal ponto que a dita cuja exigiu dos seus patrões ingleses a minha cabeça, pedido que lhe foi satisfeito.
Depois da minha saída, a BBC nunca mais conseguiu arranjar em Luanda um correspondente, tendo vivido de colaborações pontuais.


REGINALDO SILVA

 morrodamaianga a 1/26/2011

26.01.2011 | por martalanca | BBC, jornalismo

Jornalista da rádio Despertar morto a tiro

O jornalista angolano e apresentador de rádio, Alberto Chakusanga, foi morto em sua casa, na cidade de Viana, Luanda, no último dia 05. Chakusanga é o primeiro jornalista morto em Angola desde 2001, informa a organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF). Ele foi atingido por um tiro pelas costas.
Chakusanga era apresentador de um programa de língua Umbundu - maior grupo étnico do país - na Rádio Despertar, estação criada após os acordos de paz entre o partido governista MPLA e a oposição UNITA em 2002, quando esta encerrou sua rebelião armada.
Segundo a RSF, a morte do jornalista “veio em momento de tensão entre o MPLA e UNITA, partido o qual a Rádio Despertar demonstra apoio”.

“Os investigadores não devem, portanto, eliminar qualquer hipótese, incluindo a possibilidade de o assassinato ser motivado pelas alianças políticas da vítima ou trabalho como jornalista”, afirma a organização.
O porta-voz do MPLA, Rui Falcão, criticou a estação de rádio dois dias depois do crime: “Afiliada ao partido UNITA, a Rádio Despertar continua chamando pela desobediência civil”.
Em seguida, comunicados do governo pediam ações legais contra a estação por parte de entidades como o Conselho Nacional de Comunicação Social (CNCS), regulador de mídia no país, “assumindo responsabilidades sobre Radio Despertar”.
De acordo com a RSF, três dias antes da morte de Chakusanga, o MPLA mandou avisos a cidadãos que “conspiram” com estrangeiros contra o presidente José Eduardo dos Santos e seu governo.

 

Redação Portal IMPRENSA

10.09.2010 | por martalanca | Chakusanga, jornalismo, liberdade de imprensa

Sebastião Vemba ganha prémio CNN em língua portuguesa

O jornalismo angolano conquistou este fim de semana pela segunda vez consecutiva o prémio Jornalista Africano CNN MultiChoice de língua portuguesa com a atribuição do galardão a Sebastião Vemba com um trabalho sobre deslocados.
No conjunto de reportagens “Adeus Ilha”, que Sebastião Vemba escreveu para o Novo Jornal e que lhe permitiu ganhar o prémio da CNN para a categoria de língua portuguesa, conta-se a odisseia de milhares de pessoas que foram obrigadas a deixar a Ilha de Luanda para a área do Zango, na periferia de Luanda.
O prémio, entregue em Kampala, Uganda, na sua 15.ª edição, coloca Angola a ganhar este galardão pela segunda vez consecutiva, depois de em 2009 Ernesto Bartolomeu, da Televisão Pública de Angola, o ter também recebido com um reportagem sobre a batalha do Cuito Cuanavale.
Sebastião Vemba tem 25 anos, é jornalista há quatro, e integra hoje os quadros do “Economia&Mercado”, embora se mantenha como colaborador do jornal onde publicou as reportagens vencedoras.
Após a atribuição deste prémio, a ministra da Comunicação Social, Carolina Cerqueira, felicitou o premiado e disse ser este um incentivo para os jornalistas angolanos participarem nas próximas edições, dignificando o jornalismo nacional.
Sobre Vemba, António Freitas, chefe de redação do Novo Jornal, realçou a “sensibilidade” que o jornalista tem para a reportagem, a sua “capacidade de observação” e como, na construção da narrativa, “transporta com facilidade o leitor para a ação”.
“É um jovem com imenso potencial (tem 25 anos e quatro de profissão), muito empenhado , com uma imensa vontade de aprender e com muito para dar. Vai, na certa, dar que falar no jornalismo angolano”, disse António Freitas.
Também a secretária geral do Sindicato de Jornalistas Angolanos, Luísa Rogério, considerou este prémio como “uma vitória do jornalismo angolano”, que vem “atestar a melhoria do jornalista que se faz no país”.
“O trabalho que conquistou o prémio tem ainda como sublinhado o facto de ser uma chamada de atenção para os problemas sociais do país”, disse. LUSA

… e eu acrescento: esta reportagem, o Vemba fê-la doente. Ter subido ao camião onde as pessoas estavam a ser carregadas como animais para o Zango foi de se aplaudir. Faro jornalístico a toda a prova. O resultado final foi uma supresa grande e representou, sem dúvida, um salto de gigante na forma e conteúdo dos seus textos. Parabéns meu puto! Que orgulho!tirado de Mukuarimi

12.06.2010 | por martalanca | angola, jornalismo