lembrar genocídio dos hereros na Namíbia

Thirty years before Hitler came to power in Germany, and about forty years before Raphael Lemkin authored the word genocide, there had already been one at the hands of Germany. This genocide happened outside of Europe though. This genocide took place in AFRIKA!
Like with all things related to Afrika, this is never mentioned in our schools, which keeps us ignorant about our own histories.
In the early 1900s, Germany invaded Namibia. This documentary from the BBC outlines the events that lead up to the deaths of 3/4 of the population of Herero people, and 1/2 of the population of Nama people.

see here

08.10.2011 | por martalanca | Hereros, Namíbia

Un preludio africano del Holocausto

Dos cráneos mondos presidían la ceremonia en sendas urnas transparentes. Banderas de Namibia cubrían los otros 18, dispuestos en cajas de cartón gris. Son los restos de 20 hereros y namas (grupos étnicos del sur de África) muertos en las guerras coloniales que, enviados hace 100 años a Berlín como piezas de museo para su estudio antropológico y “racial”, regresan ahora a Namibia. Recibirán sepultura tras un siglo conservados en cajones a miles de kilómetros del lugar donde murieron. El viernes, la ceremonia pública de entrega en la clínica berlinesa Charité se convirtió en un acto de protesta contra el olvido alemán del primer genocidio del siglo XX.

Continuar a ler "Un preludio africano del Holocausto"

04.10.2011 | por martalanca | Hereros, Namíbia

Os Hereros de Sérgio Guerra no Museu Afro Brasil, São Paulo

Pouquíssimas pessoas conhecem tão bem Angola quanto o fotógrafo pernambucano Sérgio Guerra. Responsável pela comunicação do governo angolano, há quase 15 anos ele vive na ponte-aérea Salvador-Luanda. Daí nasceu uma relação de amor profundo com o país africano, dando origem a um dos mais completos registros fotográficos das 18 províncias angolanas e de suas populações, o que resultou em cinco livros. O mais recente, ‘Hereros’, é aquele no qual Guerra aprofunda seu olhar sobre a cultura daquele país e a matéria prima para a grande e inédita exposição ‘Hereros Angola’, com cerca de 100 fotos selecionadas pelo artista plástico e curador Emanoel Araujo.
 Fotógrafo, publicitário e produtor cultural, Sérgio Guerra nasceu em Recife, morou em São Paulo e no Rio de Janeiro, até se fixar na Bahia nos anos 80. A partir de 1998, passou a viver entre Salvador, Rio de Janeiro e Luanda, onde desenvolve um programa de comunicação para o Governo de Angola. Em suas constantes viagens pelo país, testemunha momentos decisivos da luta pela paz e reconstrução, constituindo um dos mais completos registros fotográficos das 18 províncias angolanas.Local: Museu Afro Brasil – Parque Ibirapuera (Portão 10) Até 24 de julhoEntrada Gratuita

10.07.2011 | por martamestre | angola, Hereros, Museu Afro Brasil, Sérgio Guerra