A Voz da População

 

Documentário sobre as Rádios Comunitárias na Guiné-Bissau, de Andrzej Kowaiski.

 

11.03.2013 | por franciscabagulho | Guiné-Bissau | 0 comentários

A Voz da População, as rádios comunitárias na Guiné-Bissau, ISCTE, LISBOA

4 de Março | 18 horas | ISCTE–IUL, Ed. II, Auditório B204

Apresentação do filme: A Voz da População, as rádios comunitárias na Guiné-Bissau

Argumento e texto: Lucia van den Bergh. Realização e imagem: Andrzej Kowalski

Sinopse: O filme aborda o historial das rádios comunitárias na Guiné-Bissau, os desafios que se levantam ao seu desenvolvimento, a sua apropriação pelas comunidades e os princípios de funcionamento.

Sessão de apresentação com a participação de: Lúcia van den Bergh e Filipe Reis (Departamento de Antropologia do ISCTE-IUL)

mais info _ Centro de Estudos Africanos - ISCTE/IULAv. das Forças Armadas

28.02.2013 | por franciscabagulho | Guiné-Bissau | 0 comentários

Luta ca caba inda

 

Aristides Pereira, Julius Nyerere, Luís Cabral, Bissau, 1976 (bruto) © INCA Guiné-Bissau, José Cobumba, Josefina Crato, Flora  Gomes, Sana na N’Hada Aristides Pereira, Julius Nyerere, Luís Cabral, Bissau, 1976 (bruto) © INCA Guiné-Bissau, José Cobumba, Josefina Crato, Flora Gomes, Sana na N’Hada

ZDB e o B.leza juntam-se na comemoração do 40º Aniversário da morte de Amílcar Cabral [Quinta, 17 de Janeiro 2013]

Luta ca caba inda  

Visionamento e conversa com Filipa César e Sana na N’Hada. [Aquário ZDB, das 18h às 20h30]. Após a independência, em 1974, Guiné-Bissau passou por um breve período socialista que terminou com um golpe de estado militar em 1980. A grande maioria do material que, desde 1973, foi filmado por quatro jovens realizadores (Josefina Lopes Crato, Flora Gomes, José Bolöama Cobumba e Sana na N’Hada), ficou por editar. No contexto de instabilidade politica no país, este material facilmente foi esquecido pelas autoridades responsáveis e consequentemente, grande parte dele foi perdida ou detriorada ao longo do tempo. O projecto Luta ca caba inda foi criado inicialmente com o objectivo de tornar acessível os despojos desta curta fase do cinema militante da Guiné-Bissau. Em colaboração com os realizadores Flora Gomes e Sana na N’Hada, e o Arsenal - Instituto do cinema e video-arte (Berlim) Filipa César possibilitou a preservação e digitalização do material arquivado. Este programa de visionamento, propõe o estado fragmentário e inacabado do material como ponto de partida para pensar acerca das possibilidades que estas imagens podem criar em termos de produção de conhecimento e história do cinema. 

Luta ca caba inda (A luta ainda não acabou) é um projecto realizado em parceria com Arsenal- Instituto do cinema e video-arte, Berlim, Jeu de Paume, Paris, The Showroom, Londres e ZDB, Lisboa. Tem o suporte financeiro da Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa e Kunstfonds, Bonn. A digitalização do arquivo foi financiada pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros Alemão em colaboração com Arsenal, Berlim. 

Jantar guineense  No 49 da ZDB, das 20h30 às 22h  (sujeito a reserva prévia) 

no B.leza [A partir das 23h] Concerto comemorativo do 40º Aniversário da morte de Amílcar Cabral com os artistas guineenses Malam di Mama Djombo + Maio Coopé + Baba Canuté + Gentil Policarpo 

Galeria Zé dos Bois Rua da Barroca, 59 1200-047 Lisboa  [Reservas:  +351 21 343 0205 | reservas@zedosbois.org ]

B.leza [Rua Cintura do Porto de Lisboa, Armazém B (Cais do Sodré), Lisboa, Portugal.]

08.01.2013 | por franciscabagulho | Amílcar Cabral, cinema, Guiné-Bissau | 0 comentários

Guiné-Bissau, 2011, de Ana Vaz Milheiro

Lançamento do livro “Guiné-Bissau, 2011” no Clube Português de Artes e Ideias, Lisboa 

A colecção “Viagens” procura construir um mapa afectivo de viagens singulares realizadas por personagens reconhecidas da cultura arquitectónica portuguesa. Um roteiro pelos vários continentes, mas também pelo universo dos autores.

Ana Vaz Milheiro foi à Guiné-Bissau à procura da arquitectura do Estado Novo. No âmbito do projecto de investigação “Os Gabinetes Coloniais de Urbanização – Cultura e Prática Arquitectónica”, viajou na companhia de Eduardo Costa Dias, sociólogo e visita constante na Guiné desde a independência, e Paulo Tormenta Pinto, arquitecto. Até ao desembarque, a imagem que Ana Vaz Milheiro tinha da Guiné-Bissau baseava-se nas pesquisas documentais, iniciadas três anos antes, recolhidas em livros e opúsculos, desenhos, projectos e documentos. Do cruzamento das imagens dos edifícios com os projectos arquivados em Lisboa saíram as primeiras “narrativas” sobre Bissau. Faltava o confronto com a cidade “real”.

O lançamento do livro «Guiné-Bissau, 2011», edição Circo de Ideias, terá lugar no Clube Português de Artes e Ideias (17 de Novembro de 2012, Sábado, 19:00) através de uma apresentação de Ana Vaz Milheiro em torno das imagens da viagem.

16.11.2012 | por franciscabagulho | Ana Vaz Milheiro, arquitectura, Guiné-Bissau | 0 comentários

Guiné-Bissau desmaia ma i ka muri!

Circular eletrónica sobre “A GUINÉ-BISSAU EM CRISE” de Moema Parente AugelJohannes Augel:

“Estamos lançando mão da via eletrônica na certeza de que não é mais possível ficar indiferente ao atual estado de desestruturação a que chegou esse pedaço da terra africana que tão gloriosamente conquistou sua independência do jugo colonial, a Guiné-Bissau de Amílcar Cabral. O país está a esvair-se em lutas partidárias, étnicas, narco-interesseiras. Neste ano de 2012, a Guiné-Bissau passou por sucessivos golpes militares e sua população, totalmente desamparada, está mergulhada no lamaçal do narcotráfico e submetida a um regime abusivo e ilegal.

Pedimos a atenção de todos para os desastrosos acontecimentos que estão abalando a Guiné-Bissau, pequeno país da África Ocidental, quando, a 12 de abril do corrente ano, um golpe de estado interrompeu o processo eleitoral para a presidência da república, instalando-se um regime ilegal de excessão, um regime de repressão pelo medo e pela arbitrariedades.
Recentemente, em 21 de outubro, deu-se outra tentativa de subverter a ordem, numa encenacao de contra-golpe, com vários mortos, prisões, torturas, sob a responsabilidade de parte dos militares (a cúpula militar) e dos civis do “governo de transição”.

Tomamos uma tal iniciativa por nos sentirmos solidários e ligados por laços de amizade e respeito pela sorte da população guineense. Vivemos por alguns anos nesse país, trabalhando no Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa (INEP) e nos recusamos a assistir inativos ao desmantelamento de uma nação. Somos ambos professores acadêmicos aposentados, autores de artigos e livros sobre a Guiné-Bissau. O livro mais recente é O desafio do escombro. Nação, identidades e pós-colonialismo na literatura da Guiné-Bissau. Rio de Janeiro: Garamond, 2007, 422 p.

Pedimos a todos que repassem estas notícias, divulgando-as o mais possível. Alguns de vocês nada têm a ver com o assunto, mas leiam por favor até o fim. O “mundo” precisa pelo menos saber o que está acontecendo na Guiné-Bissau.
O que desejamos com esta mensagem é o seguinte:
Que se proceda ao retorno imediato à legalidade na Guiné-Bissau, com restauração plena da ordem constitucional e a destituição do governo de transição o qual não foi reconhecido pelas instâncias internacionais (ONU, União Africana, CPLP, entre outras).
Que sejam tomadas providências concretas e enérgicas para combater o narcotráfico e evitar que o país continue a ser uma ponte direta entre a América Latina e a Europa para a distribuição e expansão da droga.

Para além de outras análises que podem e devem ser feitas, importa reter dois fatores condicionantes e que têm ditado o desaire de todo um povo:
– o conluio entre certas forças políticas e certas altas patentes militares
– e o alastramento do narcotráfico em todo o país.
O narcotráfico, cada vez mais intenso e determinante, é um importantíssimo fator que anula qualquer esforço para contrariar aqueles que detêm o poder. Eles detêm a força das armas, têm os meios financeiros e um amplo território que eles próprios são os únicos a controlar.
O narcotráfico tomou conta do país, com perfídias de dinheiro fácil, corrupção, lavagem de dinheiro, assassinatos, prostituição, ladroagem, inimizades entre os que ganham com isso milhões e os que ganham milhões e meio. O povo, de fato a maioria arrasadora da população, nada ou quase nada tem a ver com tudo isso, mas sofre as consequências. A situação é degradante, o medo espalhou-se na Guiné-Bissau, reinam a vergonha, a humilhação, a repressão e a impotência.

Esse probema não afeta somente a Guiné-Bissau e sua solução interessa e atinge os países dos diferentes continentes. A Guiné-Bissau tornou-se sobretudo uma plataforma para a distribuição e a expansão do narcotráfico na Europa – e não só.

É urgente que a comunidade internacional interceda para acabar de uma vez por todas com essa inversão dos valores, essa impunidade e esse estado de vergonhosa ilegalidade!
É urgente que políticos, jornalistas, escritores, artistas, intelectuais, jovens e velhos, mulheres e homens de todo o mundo tenham conhecimento do que está acontecendo na Guiné-Bissau e se solidarizem com o povo guineense!
Guiné-Bissau desmaia ma i ka muri! A Guiné-Bissau cai, mas ela não morre!


A crise atual fica mais clara com um rápido olhar sobre as principais etapas da recente história da Guiné-Bissau.
Proclamação da independência em 1974, separando-se de Portugal depois de 11 anos de guerrilha. Seu primeiro presidente, Luis Cabral, foi deposto em 1980 por João Bernardo “Nino” Vieira que governou até 1999, quando foi deposto depois de uma guerra civil de onze meses de duração, desencadeada após a destituição pelo Presidente Nino do chefe do Estado Maior do Exército, General Ansumane Mané.
O país passou então por diversos presidentes e diversas crises até que Nino Vieira retornou a Bissau, candidatou-se às eleições presidenciais, tendo sido eleito em julho de 2005.
O nacrotráfico entrou na Guiné-Bissau, devido à posição geográfica e à fraqueza da ordem pública do país, ampliando cada vez mais sua ação, espalhando insegurança, corrupção, desestabilizando as forças políticas e militares. Indignação, protestos, desaprovação de muitos órgãos internacionais e consequentes isolamento e descrédito do país.

Depois de muitas convulsões políticas, em 2008 deu-se a destituição do chefe do Estado Maior da Armada, almirante Bubo Na Tchuto e a 2 de janeiro de 2009, foi empossado o líder do PAIGC (Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde), Carlos Gomes Júnior, como primeiro ministro. A 1 de março de 2009, o chefe Estado-Maior General das Forças Armadas Tagmé Na Waié foi assassinado, seguindo, como revide, no dia seguinte, 2 de março, o assassinato do Presidente João Bernardo ”Nino” Vieira. Assumiu interinamente a chefia do governo o presidente da Assembleia Nacional Popular da Guiné-Bissau, Raimundo Pereira.
Em setembro do mesmo ano, Malam Bacai Sanha venceu as eleições presidenciais. Em janeiro de 2012, porém, depois de prolongada enfermidade, ele morre em Paris e novamente Raimundo Pereira, na função de presidente da Assembleia Nacional, assume o governo.
Foi feita a convocação para novas eleições presidenciais, quando se apresentaram nove candidatos, tendo sido Carlos Gomes Júnior o mais votado, havendo, porém, a necessidade de um segundo turno que entretanto não aconteceu.

A 12 de abril deste ano, um golpe de estado entre os dois turnos das presidenciais depôs e prendeu o primeiro-ministro Carlos Gomes Júnior (candidato majoritário à presidência) e o Presidente da República interino Raimundo Pereira. Ambos encontram-se atualmente em Portugal.
Todos os ministros, e outros cidadãos ocupando cargos de confiança, foram depostos, alguns deportados, outros auto-exilando-se. Desde então, o país está nas mãos de um “governo de transição”, com o apoio e proteção de militares das mais altas patentes, a despeito da insatisfação ampla e crescente da população.
A 21 de outubro, deram-se novas perturbações devido a um alegado contra-golpe militar, duramente abafado,  e desde então reina uma atmosfera de amedrontamento, com perseguições e censura, prisões, espancamentos, torturas na Guiné-Bissau.”

12.11.2012 | por franciscabagulho | Guiné-Bissau | 0 comentários

Manecas costa no b.leza

28Junho (Quinta-feira) b.leza

Bilhetes á venda no local - 5€


Manecas Costa, ele é único, não só devido a sua reputação de grande guitarrista, como também pelo facto de ser, o mais internacional dos artistas guineenses. Voz que já conquistou um lugar no panorama do chamado “World Music”, vem ao Bleza, para um concerto intimista, sob o lema “para os que sempre amaram a Guiné-Bissau”, viaja no tempo décadas atrás para trazer de volta aquele que foi considerado pela crítica internacional, um dos melhores álbuns africanos de sempre, “paraiso di gumbé”. O reconhecido músico e compositor Guineense interpreta, ao vivo, no espaço Bleza, seu álbum premiado, e alguns clássicos do seu vasto repertório, num momento único e carregado de simbolismo.

 

26.06.2012 | por martacacador | B.Leza, Guiné Bissau Manecas Costa, Guiné-Bissau, música africana | 0 comentários

Guiné-Bissau: Golpismo ou Democracia

Há uma maldição guineense? A sucessão de golpes e tentativas de golpes de Estado e eliminações de personalidades políticas parece avalizar essa leitura. Instalou-se no senso comum a tese de que a Guiné-Bissau está condenada a uma turbulência política e militar sem fim. Naquela terra, a paz não será senão a preparação da guerra que vem.

E, no entanto, talvez a única maldição guineense seja a do esquecimento e invisibilidade. Fosse a Guiné no Médio Oriente ou no Magreb e a história seria seguramente outra. Até agora, o único motivo de interesse que tem sido reconhecido à Guiné-Bissau parece ser o da sua localização estratégica para os fluxos de narcotráfico entre a América Latina e a Europa. Ele tem acentuado todos os fatores de trivialização de uma cultura de tomada de poder pela força na Guiné-Bissau. 
Entretanto, e por paradoxal que seja, a Guiné tornou-se foco de disputa por agendas estrangeiras. Desde a oportunidade de o Senegal, com o envio de tropas, desativar o apoio aos rebeldes de Casamança até à invocação, por Angola (com os olhos em negócios como o da bauxite), do seu sucesso numa efetiva reforma do setor de segurança guineense - que a União Europeia financiou longamente sem qualquer concretização, como é manifesto - passando pela vontade da Nigéria de travar qualquer ascendente angolano na região, as razões para intervir na Guiné multiplicam-se. Mas os interventores refugiam-se em roupagens multilaterais: os interesses do Senegal, da Nigéria ou outros são veiculados pela CEDEAO, enquanto a estratégia de Angola tem o rótulo oficial da CPLP.
O golpe de 12 de abril só se compreende à luz desta combinação perversa entre poder dos barões da droga e choque de estratégias exteriores. A interrupção do processo eleitoral na véspera da segunda volta, quando tudo apontava para a vitória de Carlos Gomes Júnior, favorável a uma aproximação da Guiné com Angola, tem uma leitura clara. Reforçada aliás pelo golpe em cima do golpe perpetrado pela CEDEAO, ao impor a validação de um governo de transição contra a reposição da legalidade constitucional democrática. 
Pelo meio fica o povo da Guiné. Um povo supérfluo para os interesses estratégicos. Sintomaticamente, conhecemos da Guiné os golpes e contragolpes mas não se noticia a deterioração dramática da situação humanitária, com o não pagamento dos salários, o ano escolar perdido, a campanha do caju (que é o principal sustento das famílias) comprometida pondo em causa a segurança alimentar da grande maioria da população pobre, a paralisia económica e a subida exponencial do preço dos bens de primeira necessidade, a situação de desesperança nas camadas mais jovens em resultado da associação entre desemprego e privação, a repressão de manifestações contra os golpistas e a circulação de listas negras para eliminação de quem seja incómodo.
É em nome das mulheres e dos homens da Guiné sem rosto nem nome nos grandes meios de comunicação internacionais, que se impõe uma posição de firmeza de quem se quer amigo da democracia e dos direitos humanos repudiando todos os golpes e ameaças e apoiando a prevalência da soberania popular. Foi essa firmeza radicada em princípios e não em alianças de conveniência momentânea com atores locais que faltou ao longo destes anos, diante da onda de assassinatos, de golpes e de chantagens que marcaram todos os dias da vida dos guineenses. Apesar disso, nunca é tarde para se ser digno e querer para esse povo o direito de decidir em paz, em democracia e em liberdade o seu futuro.

 

José Manuel Pureza

Artigo originalmente publicado no Diário de Notícias, 01/06/2012
Fonte: cenaberta

04.06.2012 | por joanapereira | democracia, Guiné-Bissau | 0 comentários

Dia de África - Auditório Costa da Caparica

DIA DE ÁFRICA  no Auditório Costa de Caparica, traga os seus amigos e ganhe prémios!

 Por cada 8 amigos que trouxer, ganha uma entrada grátis!

Todas as entradas VALEM ainda um Passe de fim-de-semana para o Cineclube Impala Cine (no  Auditório Costa de Caparica)  ou para qualquer iniciativa do Centro InterculturaCidade num prazo de 6 meses a contar de 25 de Maio.

O Dia de África assinala em todo o mundo o aniversário da criação da OUA – Organização de Unidade Africana, a 25 de Maio de 1963. Instituída para para incentivar a cooperação entre todos os países africanos  e o bom relacionamento entre e todas as outras regiões do mundo, esta data transformou-se progressivamente também numa ocasião de afirmação do combate dos povos do  Continente Africano pela liberdade, pela paz e pelo desenvolvimento.

Tendo em conta a história e o simbolismo da data, a ASSOCIAÇÃO GANDAIA e o CENTRO INTERCULTURACIDADE decidiram dedicar à GUINÉ-BISSAU esta sua primeira iniciativa conjunta de celebração da diversidade cultural e da cooperação entre os povos. Ao fazê-lo, pretendem as duas associações  enviar ao povo guineense (incluindo a sua numerosa comunidade em Portugal) que hoje vive momentos extremamente difíceis um abraço fraterno e  uma mensagem de confiança no futuro do país.

Reserve já a sua entrada pelo telefone 21 820 76 57  ou através dos emails geral@gandaia.info ou centro.interculturacidade@gmail.com

 

 

25.05.2012 | por martacacador | Associação Gandaia, dia de áfrica, Guiné-Bissau | 0 comentários

BAMBARA no B.Leza

Bambaram é um grupo de Badju di Tina, género musical tradicional da Guiné-Bissau cujo coração é a própria tina - um tambor que é uma cabaça, tocada à superfície da água. Cantando e dançando à volta do seu som grave e profundo, celebram-se em comunidade momentos importante da vida.
Nesta 6ª feira o Bambaram convida-vos a participar do seu Badju di Tina de comemoração do Dia de África. Será no B.Leza e, depois do Bambaram abrir a noite, actuarão músicos de vários países africanos.

25.05.2012 | por martacacador | B.Leza, dia de áfrica, Guiné-Bissau | 0 comentários

The ramsar award to Augusta Henriques (Guiné-Bissau)‏

The Ramsar Wetland Conservation Award - Management Ms Augusta Henriques, Secretary General, TINIGUENA, Guinea-Bissau.
The Ramsar Award for Management is given to Ms Augusta Henriques for her central role in the foundation of the NGO Tiniguena (“This Land is Ours”) in 1991 and for her long-term leadership and work with communities towards the creation of a Community Marine Protected Area at Urok Islands – the first marine protected area recognized by the Government of Guinea-Bissau.
In the Bijagós Archipelago, Ms Henriques created this community marine protected area, comprised of mangroves and tidal flats and home to many bird and other species, among them marine turtles and manatees.
Ms Henriques has carried out exemplary and innovative work with local communities to maintain the local culture and allow it to evolve, and at the same time to ensure sustainable livelihoods. The system of community management promoted by Ms Henriques and Tiniguena has in particular enabled the replenishment of the fish stocks. She has been very attentive to the involvement of all stakeholders at of all levels of society, including women and youth. Dialogue between all villages of the archipelago is one of the keys to the success of Ms Henriques, as it has helped the local community members to reach a common understanding of the rules for access and use of the area and its resources. Central to Ms Henriques’ work is the importance of empowerment of the local populations in the management of their natural resources, the successful inclusion of government institutions, exchanges with similar projects in the region and fundraising with international institutions.
Ms Henriques has put Ramsar principles at the heart of her work and has collaborated with the Ramsar Administrative Authority in Guinea-Bissau. In her country and in the region, she has been working in partnership with some of the Convention’s IOPs and other international organisations such as IUCN, Wetlands International, WWF, and the Banc d’Arguin Foundation (FIBA).
She has played an important role in establishing a network of marine protected areas in West Africa, and in a programme for coastal and marine areas conservation. Her innovative approach, intelligence, tireless effort and her dedication make Ms Henriques one of the major figures of environmental conservation in Guinea-Bissau and in West Africa.

17.11.2011 | por joanapires | Augusta Henriques, Guiné-Bissau, prémio | 0 comentários

Lançamento do livro "Candomblé em Português" de João Ferreira Dias

22.05.2011 | por ritadamasio | Benim, CANDOMBLÉ, Guiné-Bissau, Nigeria, religioes africanas, Yorubá | 0 comentários

Contos do mar sem fim -Antologia, lançamento em BISSAU

14.02.2011 | por martalanca | Conto, Guiné-Bissau | 0 comentários

Estreia "Hortas di Pobreza" de Sara de Sousa Correia, na IX Mostra de Documentários sobre Direitos Humanos da AMI

Hortas di Pobreza é um documentário sobre raízes locais em tempo de trocas globais. Retrata uma comunidade rural de agricultores de etnia balanta, de uma aldeia no remoto sul da Guiné-Bissau, cujos habitantes vivem, como quaisquer pequenos produtores em qualquer parte do mundo, processos de transformação social derivados de políticas económicas e interesses globais.

Atravessando caminhos de terra e cabras no sul da Guiné-Bissau, é possível encontrar Pobreza, uma aldeia balanta isolada no fim de uma remota península de sal. Aparentemente perdida no tempo e envolta por mato denso, a tabanca não vive alheia às dinâmicas económicas dos mercados globais. Os sacos que outrora daí saíam cheios de arroz di bolanha para vender, levam agora o novo ouro da terra: o caju.
“Djintis ka tem gós!” Os filhos da terra estão a migrar. Em Pobreza restam mãos enrugadas, que depositam agora a esperança nas novas “hortas” de caju, a castanha que produzem e não comem.

Estreia dia 10 Dezembro, às 21h30 no Centro Cultural Olga Cadavalem Sintra, na IX Mostra de Documentários sobre Direitos Humanos da Amnistia Internacional

21.11.2010 | por franciscabagulho | Guiné-Bissau, mercados globais | 0 comentários