As Linhas da Terra: Percursos geofilosóficos e geopoéticos no Antropoceno

A língua filosófica e a língua poética podem falar a partir da Terra sem estabelecerem aí morada fixa. Formuladas a partir dela, formaram variantes e entrelaçamentos da linguagem em movimento, uma língua que percorre a terra e aí vai deixando rastos e alguns sulcos. Mas se formos verificar o modo como foi integrado e cultivado esse verbo planetário, a sua transmissão, a sua retórica, o modelo arquitectónico do seu desenvolvimento e o seu arquivo, encontraremos, frequentemente no caso da filosofia, mas a que a literatura não é estranha, categorias e formas que confundem o discurso sobre o mundo e as vozes que podem ser escutadas por intermédio do mundo. Tudo isto fixa a nossa ideia deste e vem pesar à Terra. A língua que passa pelo mundo, traçando nela linhas, é uma língua aberta à polifonia que aí ecoa. É atravessada pela polifonia dos elementos que se movem incessantemente. A polifonia das expressões de milhares de culturas humanas. E a polifonia dos inúmeros seres que vivem connosco. Todas essas vozes – que chegaram a participar da língua aqui evocada – entraram hoje em tumulto enquanto outras foram silenciadas definitivamente. É aquilo a que os humanos chamam o Antropoceno, a Era em que o homem põe fim à diversidade das expressões do mundo teorizando ao mesmo tempo a sua própria supremacia. Cada linha traçada na terra é a marca de uma vida comum e passante. Todos estamos na Terra, mas a consciência dessa situação pode aí ser escutada pelo nomadismo assumido por um corpo ou pela palavra que prolonga esse movimento. 2 A todos os participantes é pedido um certo percurso, partindo de alguma posição na Terra e, daí, traçando linhas que atravessarão as demarcações estabelecidas por esquemas de pensamento. Este encontro é também uma homenagem ao poeta, escritor e pensador Kenneth White, criador da Geopoética, propondo um exercício de escuta e expressão em comum com uma variante possível desta língua, a Geofilosofia. Nem o filósofo está liberto do que de poético lhe trazem as vozes intratáveis da Terra, nem o poeta se encontra dispensado dos saberes inteligíveis ou da reflexão epistémica que o seu ofício contém. «Espaço», «energia» e «luz» são, segundo o próprio, três palavras-chave deste autor. Sabendo de que modo a civilização recorreu a elas, a pergunta pertinente não será tanto a de saber o que fizemos delas e das forças que lhes estão associadas, uma história dos equívocos que nos dispensaram do planeta, mas antes aquela que se questiona sobre o que nelas permanece ignorado, votado à inutilidade e, ainda assim, indispensável a uma vida que se redescobre inteira nesta Terra.

Data: 21 e 22 de Maio Local: Anfiteatro III da FLUL

21-22 May 2019 | Amphitheatre III (School of Arts and Humanities – University of Lisbon)

KEYNOTE SPEAKER Kenneth White

ORGANIZING COMMITTEE

Paulo Borges

Paula Morais

Eduardo Jordão

Marco Martins

SCIENTIFIC COMMITTEE

Viriato Soromenho-Marques

Paulo Borges

Jorge Leandro Rosa

 

 

 

 

20.05.2019 | por martalanca | antropoceno, conferência, terra

Le « Colonial abyssal » Cycle de projections et de tables-rondes

Boaventura de Sousa Santos nomme le colonial qui revient comme 
« abyssal » : le colonial retourne non seulement aux anciens territoires colonisés, mais il pénètre aussi dans les anciennes métropoles. Ce cycle de projections et de tables-rondes part de ce concept pour interroger ses configurations historiques et actuelles – le système colonial et les luttes d’émancipation anticoloniales, la colonialité des relations de savoir et de pouvoir, les flux migratoires et la problématique des réfugiés. Le cycle rassemble une sélection d’archives coloniales des collections de la Cinémathèque Portugaise, une rétrospective de films anticoloniaux et une série d’œuvres cinématographiques autour de la question migratoire.

'Ocidente', de Ana Vaz'Ocidente', de Ana VazProgramme :
MERCREDI 4 AVRIL / Khiasma
15 rue Chassagnolle, 93260 Les Lilas - Entrée libre
18h30 > Repas convivial
19h30 > Projection de courts-métrages : Ana Vaz, Occidente, 2014 / Filipa César, The Embassy, 2011 / Daniel Barroca, Soldier Playing With Dead Lizard, 2008 / Sylvain George, No Border (Aspettavo Che scendesse la sera), 2005-2008 / Nicolas Klotz et Elisabeth Perceval, Le Gai savoir (fragments d’un film à venir), 2016
21h > Discussion avec Filipa César (via skype), Jonathan Larcher, Sylvain George
22h > Projection : Uma Ficção Inútil (Une fiction inutile), Cheong Kin-Man, 2014 
JEUDI 5 AVRIL / Fondation Calouste Gulbenkian - Délégation en France
(39 boulevard de la Tour-Maubourg, 75007 Paris) - Entrée libre
10h > Introduction
10h30-12h > Session 1 - La littérature et les arts « abyssaux »
Jacinto Lageira, « Vers une esthétique cosmopolitique »
Livia Apa, « Dans l’abîme de la langue commune : littérature et représentation »
Roland Béhar, « Imiter, est-ce être colonisé ? »
Olivier Hadouchi, « Circulation d’images & archives des luttes de libération tricontinentales (Boubacar Adjali, José Massip, Santiago Álvarez…) »
Modération : Catarina Boieiro 
13h30-15h30 > Session 2 - Un cinéma « abyssal »
Maria do Carmo Piçarra, « Mise en Abyme - Violence au “Pays 
Barbare” »
Beatriz Tadeo Fuica, « L’accès au passé : les enjeux des archives filmiques en Amérique latine »
António Pinto Ribeiro, « Images sans territoires: quatre films en discordance »
Maria-Benedita Basto, « Persistance de l’empire dans la société portugaise: cinéma et “archive impériale” ou le retournement, détournement, déplacement d’une caméra épistémique »
Modération : Raquel Schefer
16h > Masterclass de Boaventura de Sousa Santos, « Epistémologies du Sud. La ligne abyssale entre la sociabilité métropolitaine et la sociabilité coloniale »
17h > Projection de films coloniaux et anticoloniaux. Séance programmée par Maria do Carmo Piçarra, suivie d’une discussion en présence de Sarah Maldoror (sous-réserve) et d’Annouchka de Andrade.
Voyage en Angola, Marcel Borle, 1929 
Carnaval en Guinée-Bissau, Sarah Maldoror, 1980 
Fogo, Ile de Feu, Sarah Maldoror, 1977
(Inscription obligatoire : https://gulbenkian.pt/paris/evento/le-colonial-abyssal/)
VENDREDI 6 AVRIL / Studio Luxembourg-Accatone 
(20 rue Cujas, 75005 Paris) 
19h30 > Projection : Casa de Lava (La Maison de lave), Pedro Costa, 1994. En présence d’António Pinto Ribeiro et d’Olivier Schefer.
(Prix unique : 7,50€)
Organisé par Catarina Boieiro et Raquel Schefer.
Partenaires : Fondation Calouste Gulbenkian - Délégation en France ; Instituto Camões / Ambassade du Portugal ; Espace Khiasma ; Studio Luxembourg Accattone ; Cinemateca Portuguesa ; Cinémathèque 
Suisse ; Bibliothèque de la Ville La Chaux-de-Fonds.

04.04.2018 | por martalanca | conferência, Raquel Schefer

Subjectividades Escravas nos Mundos Ibéricos (sécs. XV-XX)

2-3 de Julho de 2018 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL Call for papers PRAZO: 31 de Outubro de 2017

Coordenação:Ângela BARRETO XAVIER (Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa), Michel CAHEN (Casa de Velázquez‒ EHEHI/ Sciences Po Bordeaux), António CORREIA DA SILVA (Universidade de Cabo Verde), Cristina NOGUEIRA DA SILVA (Faculdade de Direito ‒ Universidade Nova de Lisboa).

Organização:Grupo Impérios, Colonialismo e Sociedades Pós-Coloniais ‒ Instituto de Ciencias Sociais da Universidade de Lisboa/Casa de Velázquez ‒ École des hautes études hispaniques et ibériques, Madrid.

Localização: Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugal(www.ics.ul.pt)

Solicita-se a submissão de um resumo de 250 palavras, bem como o envio de uma breve exposição sobre os interesses de investigação e pesquisas atuais para: subjectividadesescravas@gmail.com

Calendário:

Prazo para a submissão de propostas (resumos): 31 de Outubro de 2017

Selecção de propostas e comunicação dos resultados aos participantes: 20 de Novembro de 2017

Pré-circulação de um resumo do paper aos comentadores:30 de Maio de 2018

Línguas de trabalho:Inglês, Português, EspanholInscrição é necessária (mais informação será dada brevemente)

Apresentação

Entre 1760 e 1860, na América do Norte e na Inglaterra, foram publicadas cerca de 70 narrativas de escravos, escritas na primeira pessoa. “Eu fui escrava, senti o que uma escrava sente, sei o que uma escrava sabe… Ouvi de uma escrava o que uma escrava sentiu e sofreu”, escreveu Mary Prince, em 1831, descrevendo desta maneira a sua condição de escravizada. Não surpreendentemente, este tipo de narrativas são lugares privilegiados (embora não únicos) para investigar as ‘subjetividades escravas’, i.e., a consciência que as pessoas escravizadas tinham da sua condição ‒nas palavras de Frederick Douglas, em 1845, “a minha condição miserável, sem remédio”. Juntamente com as entrevistas a antigos escravos e seus descendentes, estas narrativas ‒algumas das quais até retrataram a escravidão como uma instituição benigna ‒, são portas de acesso às ‘subjectividades escravas’, tendo suscitado, nas últimas décadas, o interesse da academia. Umas e outras também disponibilizam informação crucial para estudar a construção da memória pública da escravidão. As crenças religiosas, o mundo afetivo, as mundovisões, os modos de resistência, as experiências quotidianas, as memórias pós-escravidão, tornaram-se, dessa forma, mais acessíveis, especialmente para aqueles que estudam a escravidão do Caribe e da América do Norte, onde a maioria destes documentos foi produzida.Em contraste com a historiografia sobre esta dimensão da experiência das populações escravizadas no Atlântico Norte e no Caribe, é escassa a literatura que a estuda nos mundos ibéricos. De facto, as regiões e sociedades da Ásia, Oceânia, África e Américas que estiveram sob a dominação política e/ou cultural ibéricadesdeo século XV atéao séculoXX, bem como as regiões e sociedades que, desde o século XIX em diante, experimentaram uma condição pós-colonial, suscitaram menos estudos deste tipo. Uma das razões explicativas para esta escassez é a raridade de escritos de escravizados na primeira pessoa, quer narrativas, quer entrevistas. Será que esta ausência resulta das culturas políticas e das estruturas culturais que caracterizaram os mundos ibéricos e as suas formas de colonização? E quais são as diferenças que se podem identificar entre a experiência portuguesa e a experiência espanhola? Como é que esta discussão nos pode ajudar a comparar experiências nos, e para além,dos mundos ibéricos? A este primeiro conjunto de questões pode ser adicionado um segundo: Como é que os investigadores que trabalham sobre as formas ibéricas de escravidão, onde as narrativas de escravos na primeira pessoa são raras, podem aceder às suas experiências, aos seus pontos de vista, às suas vozes? Como é que se pode aceder à sua memória? Que fontes históricas e “arquivos” podem ser utilizados para reconstruir essas dimensões cruciais da história da escravidão?ObjectivosA conferência “Subjetividades Escravas nos Mundo Ibéricos (sécs. XV-XX)” tem como objetivo abordar estas questões e discutir as formas de estudar as experiências das populações escravizadas nos mundos ibéricos. Um conceito heurístico aberto, o de‘subjetividades escravas’ permite-nos entender as múltiplas formas através das quais as pessoas escravizadas se auto-percepcionaram dentro das estruturas da escravidão, individual e coletivamente, incluindo a maneira como manejaram, estrategicamente, a sua condiçãoescrava, do ponto de vista político, cultural, social e económico. Queremos identificar e analisar percepções, sentimentos, sonhos, medos, memórias, crenças, estratégias, utopias e distopias em contexto ibérico, bem como, tendo em conta as diferentes posições que os escravizados podiam ocupar, as suas auto-percepções identitárias. Mais do que abordagens clássicas das experiências de pessoas escravizadas, tais como as histórias tradicionais sobre revoltas de escravos, ou as das suas experiências tal como estas surgem descritas nas narrativas hegemónicas, pretendemosinstigar estudos sobre a sensibilidade e a consciência dos que foram escravizados, observar os processos históricos a partir dos seus pontos de vista, e as formas como os escravosse entendiam e se definiam. Assim sendo, convidamos os investigadores dos colonialismos ibéricos a abordar analiticamente estas múltiplas expressões da experiência escravanos territórios ibéricos (metropolitanos, coloniais e pós-coloniais), a partir de material empírico e de reflexões/propostas teóricas. A conferência tem dois grandes propósitos: por um lado, estimular o estudo das experiências de pessoas escravizadas como fenómeno histórico nas diferentes geografias e temporalidades dos colonialismos ibéricos, comparando-as com outros colonialismos (europeus e não-europeus). Por outro, reavaliar o potencial e as limitações do estudo dessas experiências nos mundos ibéricos, convidando os investigadores a pensar sobre as condições de produção de conhecimento sobre estas temáticas e sobre metodologias de análise alternativas.A conferência é multidisciplinar e pretende reunir historiadores, antropólogos, arqueólogos eoutros cientistas sociais e das humanidades. A par disso, encoraja uma análise comparativa em relação a diversos lugares e períodos históricos. Os estudiosos que trabalham a escravidão em qualquer situação histórica e localização espacial ibérica, do século XV ao século XX, são particularmente bem-vindos. Esperamos propostas de investigadores sénior, pesquisadores no início de carreira e estudantes de pós-graduação, que assentem sobre materiais empíricos, refletindo, ao mesmo tempo, conceptual e analiticamente, sobre as experiências e subjectividades das pessoas escravizadas relacionadas com os seguintes tópicos:

Continuar a ler "Subjectividades Escravas nos Mundos Ibéricos (sécs. XV-XX)"

05.10.2017 | por martalanca | conferência, escravatura

Conferência "A Constituição Portuguesa de 1976 e os Países Africanos de Expressão Portuguesa, influências e desvios”

No âmbito da comemoração do quadragésimo aniversário da Constituição Portuguesa de 1976, o Falar África, irá organizar no dia 30 de Abril de 2016, sábado,14h, uma conferência - “A Constituição Portuguesa de 1976 e os Países Africanos de Expressão Portuguesa, influências e desvios”- na Faculdade de Direito Universidade de Lisboa, Cidade Universitária, Lisboa.
Esta conferência tem como propósito reflectir sobre a Constituição Portuguesa de 1976, pedra angular da institucionalização do Estado de Direito Democrático entre nós e a sua relação com as constituições dos diversos países Africanos de Expressão Portuguesa, mormente: princípios fundamentais; organização económica; organização do poder político; garantia e revisão da Constituição e irá reunir académicos, e diversas figuras da sociedade civil. 

Para mais informações:

Evento

 

27.04.2016 | por claudiar | conferência, direito português, PALOP

Conferência "Língua Portuguesa, Globalização e Lusofonia"

No próximo dia 2 de maio, pelas 18h, irá decorrer a conferência “Língua Portuguesa, Globalização e Lusofonia”, com o professor Moisés de Lemos Martins, da Universidade do Minho.


Local:

ISCTE-IUL - Auditório Silva Leal

 

27.04.2016 | por claudiar | conferência, globalização, ISCTE-IUL, lusofonia

Conferência "Os impactos em Angola de uma nova ‘cosmologia política’ portuguesa (c. 1880)"

O Centro de História da Universidade de Lisboa divulga a realização de uma nova edição do Seminário de História de África - Seminários CH-ULisboa, organizados pelo Centro de História da Universidade de Lisboa. A conferência, intitulada Os impactos em Angola de uma nova ‘cosmologia política’ portuguesa (c. 1880), será proferida por João de Castro Figueiredo, doutorando em História da Universidade de Coimbra e membro do Centro de História da Sociedade e Cultura (CHSC-UC) e do Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX (CEIS20-UC).

O evento terá lugar no dia 20 de Abril de 2016, às 18h00, na sala D. Pedro V da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

A entrada é livre.

14.04.2016 | por claudiar | conferência, história de angola

A Importância das Relações UE-África

A APEE e o NEA apresentam a Conferência intitulda “A Importância das Relações UE e África”, que se irá realizar no próximo dia 14 de Abril, às 10 horas, na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Conferência esta que culminará com a assinatura do Protocolo de Parcerias entre estas duas entidades, e que contará com os seguintes oradores:
- Laura Vidal (Conexão Lusófona): A posição dos jovens e das diversas plataformas da Sociedade Civil na CPLP;
- Mestrando Manuel G. Manjolo: Organizações sub-regionais ; União Africana e Processos de cooperação no domínio Migratório. 
ENTRADA LIVRE


10.04.2016 | por claudiar | conferência, Relações Internacionais

FACA - Festa de Antropologia, Cinema e Arte

A edição da FACA 2016 irá decorrer nos entre os dias 10, 11 e 12 de Março de 2016, onde os eventos culturais estarão em destaque.

  • Sessões de cinema 
  • Performance “Corps Archivés” de Claire Buisson
  • Encontro sobre “Cadernos, observação e cumplicidades: entre a antropologia e o desenho”
  • Conferência com Arnd Schneider (Universidade de Oslo) e Angela Torresan (Granada Centre for Visual Anthropology)

Arquivo 237 | Carpe Diem Arte e Pesquisa | Cinemateca Portuguesa

A programação encontra-se disponível em:
Blog: https://faca2016.wordpress.com/
Facebook: https://www.facebook.com/facalisboa

01.03.2016 | por claudiar | cinema, conferência, FACA

The Kora - Tales of a Frontier Instrument

Na próxima 2ªfeira, 29 de fevereiro, a kora, um dos instrumentos musicais mais sofisticados da África Ocidental, terá um lugar de destaque no ISCTE-IUL. Este sofisticado cordofone de 21 cordas originário da África Ocidental, tocado pelos jélis (griots, djidius, geweles), grupo de músicos, contadores de histórias, e historiadores, terá em destaque a sua história, que será o ponto de partida para uma apresentação da cultura Mandé e das transformações que sofreu ao longo dos últimos anos. À conferência, a cargo de Lucy Durán (SOAS, University of London), seguir-se-á o concerto do tocador de kora proveniente da Gâmbia, Mbye Ebrima, que será transmistido em direto pela RDPÁfrica.

https://www.facebook.com/events/966120666815018/

Local:
ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa

Avª das Forças Armadas, 1649-026 Lisboa
Auditório JJ Laginha, Edifício I
Contactos: magdalua.pro@gmail.com | 963 612 816
Organização:  Escola de Sociologia e Políticas Públicas (ESPP) – Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL)
CEI - IUL

25.02.2016 | por claudiar | conferência, korá, Mbye Ebrima

Activismos em África - Conferência Internacional

Muitos países africanos vivem um contexto em que a sociedade defronta-se constantemente contra o Estado ou corporações privadas. Nessa situação, as organizações da sociedade civil tornam-se peça fundamental no xadrez político do continente. Atuando em campos diversos e quase sempre buscando formas não tradicionais de organização, colocam novos desafios à sua análise e interpretação. Para responder a tais desafios, o Centro de Estudos Internacionais do Instituto Universitário de Lisboa (CEI-IUL) promoverá nos dias 12 e 13 de janeiro de 2017, a Conferência Internacional Ativismos em África, no qual serão debatidos os novos perfis do ativismo social no continente africano e as perspetivas de mudança trazidas pelos mesmos.

mais informações

Chamada para Painéis

Em um continente em rápida transformação no qual a atuação dos Estados é frequentemente insuficiente para satisfazer as necessidades das suas populações, os movimentos da sociedade civil são extremamente importantes. Muitos governantes africanos agem de maneira despótica, geralmente abusando de concentração de poder, usando a violência como instrumento de controle social e negando direitos fundamentais dos seus cidadãos e pessoas sob sua jurisdição.

Em tal situação adversa, os movimentos de ativismo social atuam como movimentos reivindicatórios e como uma resistência à ação do Estado e das grandes corporações. Atuando em diferentes campos, esses movimentos têm um papel crucial para garantir o reconhecimento dos direitos fundamentais consagrados nas constituições nacionais.

Estes movimentos têm uma atividade extensa: defendendo minorias sociais, reivindicando condições de trabalho dignas, buscando o reconhecimento de minorias políticas ou grupos marginalizados, os ativistas da sociedade civil ocupam um espaço cada vez mais relevante no cenário político Africano.

Organizados em formas não tradicionais, utilizam novas tecnologias – especialmente as redes sociais e as comunicações móveis – para chegar a grandes quantidades de público com as suas ações. Desempenham um papel de resistência, mas também de transformação, em mudança permanente.

Continuar a ler "Activismos em África - Conferência Internacional "

23.02.2016 | por martalanca | activismos, conferência

Conferência e Exposição "José da Silva Maia Ferreira: Espontaniedades da minha alma. Às senhoras africanas" LISBOA

 Torre do Tombo, 21 de junho

Conferência: participação gratuita, mas sujeita a inscrição ( enviar email para m-remédios.amaral@dglab.gov.pt) referindo: nome, entidade, serviço e “Conferência José da Silva Maia Ferreira” em assunto.

 

     Exposição: de seg. a sex. das 9h30 às 19h30. Sáb. das 9 h30 às 12h30

  

   ENTRADA LIVRE

 

17.06.2013 | por martalanca | conferência, José da Silva Maia Ferreira

Tolerace - Final Conference

International Conference
(Anti-)racism and critical interventions in Europe
Social sciences, policy developments and social movements
19-20 February 2013

Venue: CIUL Auditorium (Picoas Plaza, Lisbon)
Free registration: www.ces.uc.pt
(English-Portuguese translation services will be made available)

In contemporary Europe, we are witnessing the vanishing of anti-racism from political cultures and academic discourses, in favour of an approach that intervenes on immigrants and minorities themselves via public rhetoric on
integration.

This conference will thus bring together an international community engaging in debates on racism and anti-racism to discuss the analytical approaches and main findings of the European research project
TOLERACE - The semantics of tolerance and (anti-)racism in Europe: public bodies and civil society in comparative perspective, coordinated by the Centre for Social Studies.

The debate will focus on key issues that bring about an in-depth analysis of racism and anti-racism, such as the historical legacies of national formation processes and colonialism, contemporary political developments in European contexts, and the role of academia and social organisations in policy advice.

The event is intended as an opportunity to engage with policymakers, academics, political activists, journalists and stakeholders at local, national and European levels, discussing the difficulties of addressing racism in contemporary European contexts, as well as to propose a way forward by identifying approaches and key areas in which a sound debate on anti-racism can be constructed.

19 February
Opening Session
9:30-10:00 Welcome and Registration

10:00-11:00
Critical interventions in contemporary politics in Europe: the future of an anti-racist agenda
Chair: Maria Paula Meneses (Centro de Estudos Sociais).

Boaventura de Sousa Santos (CES)
Louisa Anastopoulou (EC project officer) – to be confirmed
Silvia Maeso (CES)
Marta Araújo (CES)

11:00-12:00
Keynote address: Jorge Sampaio (UN High Representative for Alliance of Civilizations).

Lunch break

14:00-16:30
The vanishing of anti-racism within policy developments in education and employment
Chair: Frank Peter (European University Viadrina/U. of Bern).

Presentation of TOLERACE case studies:
Marta Araújo (Centro de Estudos Sociais): “The ‘prudent integration’ of the Roma/Gypsies: Racism, school segregation and white flight”
María Martínez (Universidad del País Vasco): “From the racial question to the social question: avoiding (anti)-racism in the Basque educational system”
Tina Jensen (The Danish National Centre for Social Research): “Discrimination and Employment in Denmark: ‘Old’ and ‘New’ Immigrant Groups”
Salman Sayyid (CERS, University of Leeds): “Muslims in the labour market in the UK: Leeds and Leicester”

Comments:
Eva Smith-Asmussen (U. of Copenhagen/ECRI) and Robert Rustem (European Roma and Travellers Forum).

Discussion
17:00-18:00
Keynote address
David T. Goldberg (University of California, Irvine): “Postracial Conditions”
20 February
9:30-11:30
The politics of representation: (anti-)racism and the media
Chair: Ian Law (CERS, University of Leeds)

Presentation of TOLERACE case studies:
Simona Pagano (European University Viadrina, Frankfurt): “Chasing the gypsy, immolating the gypsy, securing the city: Roma and ‘nomad camps’ in the Italian media”
Ángeles Castaño (Universidad de Sevilla): “Cultural diversity in the media: immigration, education and Islam in Andalusia”
Hakan Tosuner (European University Viadrina, Frankfurt): “Female Victims - Male Perpetrators. Representation of the Muslim ‘other’ in the German media”.

Comments: Nadia Fadil (University of Leuven).

11:45-13:00:
Documentary “Era uma vez um arrastão”/ “The Beach Rampage That Never Was”, Diana Andringa (2005)
Presentation by the documentary’s director
Discussion

Lunch Break

14:30- 15:30
Keynote address
Ramón Grosfoguel (University of California, Berkeley): Decolonizing Epistemic Racism/Sexism in Europe Today: “The Decolonial Perspective of Boaventura de Sousa Santos and Frantz Fanon in the Context of Decolonial European Struggles”.

16:00-18:00
Round table: The state, academia and policy advice: better horizons?

Chair: Silvia Maeso (CES)

Opening intervention: Kwame Nimako (University of Amsterdam)
Discussion:
Javier Sáez (Fundación Secretariado Gitano)
Arzu Merali (Islamic Human Rights Commission)
Mamadou Ba (SOS Racismo)
Sandew Hira (International Institute for Scientific Research)

18:30-19:30
Closing keynote address: Pedro Bacelar de Vasconcelos (Universidade do Minho).

web

07.02.2013 | por herminiobovino | Conference, conferência, lisboa, racismo

Congresso Internacional "Saber Tropical em Moçambique: História, Memória e Ciência", no IICT

Congresso Internacional Saber Tropical em Moçambique: História, Memória e Ciência resulta de uma parceria interna entre vários projectos do Instituto de Investigação Científica Tropical (IICT), financiados pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) no âmbito do Programa História da Ciência, e visa apresentar e partilhar estudos e resultados de trabalhos de investigação em curso sobre Moçambique, nas várias áreas do saber científico, parte dos quais desenvolvidos em parceria com instituições moçambicanas.

Refletindo uma história de séculos de contactos, influências e intercâmbios com o Oriente e o Ocidente, Moçambique assume-se no contexto da África Austral como um espaço privilegiado de articulação do continente africano com o Índico e com o Atlântico, atestado pelo crescente número de trabalhos de investigação e de projetos de cooperação. Nesse sentido, este Congresso pretende dar mais visibilidade à investigação que tem vindo a ser feita, criando oportunidades para os investigadores das diversas áreas científicas apresentarem os seus trabalhos contribuindo para dinamizar o interesse por Moçambique e sublinhando o papel desempenhado pela investigação científica e pelo envolvimento direto no desenvolvimento e na cooperação.

Privilegiar-se-á uma abordagem comparativa e interdisciplinar que tenha em conta perspetivas históricas, antropológicas, sociológicas, culturais, económicas, políticas, biológicas e ambientais, incluindo ainda aspetos técnicos do tratamento e preservação do património, que permita não só uma perspetiva histórica em termos regionais e mundiais mas também em termos do reconhecimento da importância dos saberes e do conhecimento científico no contexto atual desta sociedade; sendo que, para tal, o Congresso será também enquadrado por uma mostra documental e material que testemunha e reflete a diversidade e transversalidade da abordagem proposta e a riqueza do património documental e material em que se apoia uma boa parte do trabalho de investigação.

Deste modo, espera-se que este Congresso contribua para uma compreensão mais global e abrangente, que permita uma melhor percepção da situação presente de Moçambique, ajudando a identificar desafios atuais e a cooperar na sua resolução.

Palácio dos Condes de Calheta, Lisboa, 24-26 de Outubro de 2012.
Agenda/Programa
web1, web2
Contacto | IICT/DCH, +351 213600580/1/2
E-mail | congresso.mz@gmail.com

21.10.2012 | por herminiobovino | ciência, conferência, história, Moçambique

13 Julho| Associação Caboverdeana de Lisboa apresenta: Princezito em Conferência

A Associação Caboverdeana de Lisboa convida a assistir a uma palestra do músico, investigador e poeta Princezito, a ter lugar no dia 13 de Julho, a partir das 18h30.

Nessa palestra Princezito fará uma abordagem original das origens, da evolução, do estado actual e das técnicas de composição e interpretação dos principais protagonistas do batuku e do finason.
Para além disso, Princezito fará uma incursão às metodologias e técnicas que tem utilizado no seu labor pessoal, com o objectivo de contribuir para a transformação do Finason de um género poético-musical da oratura e da oralitura cabo-verdianas, num género servido por códigos modernos de escrita literário-musical.

Não perca esta oportunidade de ouvir e conversar com princezito nesta sua passagem por Lisboa, por ocasião das celebrações de “Julho, Nosso Orgulho!”.

Associação Caboverdeana de Lisboa:

Rua Duque De Palmela, Nº 2, oitavo andar.

 

12.07.2012 | por joanapereira | Cabo-verde, conferência, lisboa

9 de Junho | Conferência Internacional: Reflectir Cabo Verde e a sua relação com o mundo

Programa

9:30h – Recepção dos Participantes

10:00h – SESSÃO SOLENE ABERTURA

Prof. Doutor António Nóvoa, Magnífico Reitor da Universidade de Lisboa

Dra. Madalena Neves, Embaixadora de Cabo Verde em Portugal

Dr. Feliciano Barreiras Duarte, Secretário de Estado Adjunto do Ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares

Dr. Carlos Tavares Pina, Presidente da AILC

Dra. Evódia Graça, Ciclo de Tertúlias “Cabo Verde em Debate”

10:30h – PAINEL I – Cabo Verde: um Olhar Económico em Contexto de Crise

Dr. Olavo Correia, Ex-Secretário de Estado das Finanças & Ex-Governador do BCV

Prof. Doutor Jorge Braga de Macedo, Ex-Ministro das Finanças de Portugal & Professor Universitário (FE-UNL)

Dr. Pedro Reis, Presidente da AICEP

Dr. Jaime Esteves, Partner PwC

Moderador: Dr. José Eduardo Cunha (Bancário, Montepio Geral)

12: 30 – Pausa para Almoço (Livre)

14:00h – PAINEL II – Cabo Verde: Constituição, Diáspora e Qualidade da Democracia

Prof. Doutor Wladimir Brito, Professor Universitário (Universidade do Minho)

Prof. Doutor Eduardo Vera-Cruz Pinto, Director da Faculdade de Direito de Lisboa

Prof. Doutor Corsino Tolentino, Ex-Ministro da Educação & Fundador do IAO

Dra. Kátia Cardoso, Investigadora (CES, Universidade de Coimbra)

Moderador: Dr. José Luís Hopffer Almada (Jurista, Poeta e Comentador RDP-África)

16:00 – Coffee Break

16:15h – PAINEL III – Cabo Verde na Encruzilhada entre a África, a Europa e as Américas

Prof. Doutor Adriano Moreira, Professor Emérito da UTL

Dr. José Ribeiro e Castro, Deputado à Assembleia da República

Dr. José Armando Duarte, Presidente da Cabo Verde Investimentos

Moderador: Eng. Domingos Simões Pereira (Secretário-Executivo da CPLP)

18:15h – SESSÃO SOLENE DE ENCERRAMENTO

Conferência de Encerramento – “Constituição, Diáspora e Participação Política

Dr. Jorge Carlos Fonseca, Presidente da República de Cabo Verde

Dr. Aníbal Cavaco Silva, Presidente da República de Portugal

Prof. Doutor António Sampaio da Nóvoa, Magnífico Reitor da Universidade de Lisboa

Dr. Jailson Querido, Ciclo de Tertúlias “Cabo Verde em Debate” & AICL

Dr. Suzano Costa, Comissão Organizadora da Conferência

06.06.2012 | por joanapereira | cabo verde, conferência

II Conferência Internacional sobre o Desporto em África | Lisboa

5 e 6 de Junho | Auditório B203 - ISCTE-IUL

O Centro de Estudos Africanos do Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL), em colaboração com o Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, o “Sport”: Laboratório de História do Esporte e do Lazer da Universidade Federal do Rio de Janeiro e o Núcleo de Estudos Africanos da Universidade Federal Fluminense, promoverá em Lisboa, a 5 e 6 de Junho de 2012, a II Conferência Internacional sobre o Desporto em África, subordinada ao tema Desporto e lazer no continente africano: práticas e identidades.

Programa

- AfrikPlay | Filmes à Conversa: “Town of Runners” (Jerry Rothwell, 2012) | Dia 5 de Junho às 16:15, Auditório B203
- Filme: “Volta do Cacau, 2011 - São Tomé e Príncipe” | Dia 6 de Junho às 13:00, Auditório B203
- Exposição Fotográfica: “Onde Está a Bola?: Campos de Futebol em São Tomé e Príncipe”, Fotografias de Augusto Nascimento | De 4 a 8 de Junho, Ed. II, 1º Piso
- Lançamento do Livro “Futebol e Colonialismo: Corpo e Cultura Popular em Moçambique”, Nuno Domingos, Apresentação de Victor Melo (UFRJ, Rio de Janeiro) | Dia 6 de Junho às 18:30, Auditório B203

Para + info: http://conferenciadesportoemafrica.wordpress.com/

31.05.2012 | por martacacador | conferência, desporto em africa, ISCTE

CONFERÊNCIA COMEMORATIVA DOS 10 ANOS DO CENTRO DE ESTUDOS E INVESTIGAÇÃO CIENTIFÍCA DA UCAN

6 de Junho de 2012


TEMA GERAL DA CONFERÊNCIA: CRESCIMENTO ECONÓMICO E CRISE NA ÚLTIMA DÉCADA
PROGRAMA
8,30 – Recepção dos convidados
9,00 – 9,15: Abertura pelo Magnífico Reitor da Universidade Católica de Angola
9,15 – 9,45: Apresentação do CEIC e das suas actividades, Dra. Regina Santos, CEIC
9,45 – 10,15: Lançamento e apresentação do Relatório Económico de Angola de 2011, Professor Alves da Rocha, CEIC/Universidade Católica de Angola
10,15 – 10,45: Lançamento e apresentação do Relatório Social de Angola 2011, Professor Nelson Pestana, CEIC
10,45 – 11,00: Café
11,00 – 11,30: A POLÍTICA ECONÓMICA EM ANGOLA EM 10 ANOS DE PAZ: SUCESSOS E CONSTRANGIMENTOS NO APOIO À INDUSTRIALIZAÇÃO E À AGRICULTURA, Professor Ennes Ferreira, ISEG-SOCIUS, Universidade Técnica de Lisboa
11,30 – 12,00: A SITUAÇÃO ACTUAL DO CONTINENTE AFRICANO FACE AOS CENÁRIOS DE CRISE ECONÓMICA MUNDIAL, Professor Adelino Torres, Professor Jubilado do ISEG/UTL.
12,00 – 14,00: Intervalo para almoço
14,00 – 14,30: REFLEXÕES SOBRE A REFORMA TRIBUTÁRIA EM ANGOLA E A DIVERSIFICAÇÃO DA ECONOMIA, Professor Odd-Helg Fjeldstad, Chr. Michelsen Institute, Bergen.
14,30 – 15,00: A EVOLUÇÃO DO SECTOR PETROLÍFERO AFRICANO NA ÚLTIMA DÉCADA, Professor Ricardo Soares de Oliveira, Universidade de Oxford.
15,15 – 15,45: ENCERRAMENTO DA CONFERÊNCIA, Magnífico Reitor da Universidade Católica de Angola.

31.05.2012 | por martacacador | angola, conferência, UCAN

PROGRAMA KIC – Kuduru International Conference - LUANDA

o Cine-Teatro Nacional 23 a 25 de maio, Luanda

ABERTURA

Dia 1  - 23.05.2012 – Sessão Solene 

10:00 – 11:30 –   Programação especial

Cocktail

Dia 1 – 23.05.2012 – Sessão de Trabalhos

14:30 Início das Sessões de Trabalho – Moderadora Stefanie Alisch

Marissa Moorman - Discurso de abertura da Sessão de Trabalhos da KIC 

Paínel 1 - Introdução à temática

15:00 Jó  Kindange - Kuduro, seu percurso histórico, contextualizações na sua auto-afirmação e perspectivas

Florent Mazzoleni - Breve história da música popular angolana: do compromisso político ao reconhecimento internacional

Jomo Fortunato - Origem e formação de um género musical

      Debate

Filme: “ Ritmos Urbanos” de Isilda Hurst

18:00 Balanço do Dia - Comissão organizadora

Dia 2 – 24.05.2012 -   “Caracterização intrínseca”

Paínel 2 - “Fogo no musseke” – Kuduro na dinámica entre periferia e centro

08:30 Manuel Sotero Caio e Paula Santana –

- A dança é conforme a música, mas aqui se toca a mudança: o kuduro angolano e os discursos em torno de uma produção musical jovem periférica

Abel Paxe - “Kuduro do gueto, sta bater, Kuduro da city eu quero ver”: Sou fã do Kuduro: Música, Socialização e reprodução de identidades

Debate

10: 00 Intervalo

Paínel 3 – “Kuduro e linguagem”

10:15 Rosa Manoel -   Áreas de incidência semântica da linguagem da música kuduro

Agnela Barros - Kuduro ou Kuduru? – Reflexões à volta da grafia

Abreu Paxe -      As estruturas do imaginário e o kuduro como texto cultural

Debate

12:00 Pausa para o almoço

Paínel 4 – “Amba kuduro, mamãe”  práticas performativas e tecnologia no kuduro

14:30 Inocêncio Oliveira e Sebastião Conda   – Notacão  de toques de kuduro

Alexandra Xano –  Pesquisa de kuduro no contexto de comunicacão da massa

Stefanie Alisch -    Carga na dança  kuduro – resultado da interação entre bailarin@ e camera 

Debate

16:00 Intervalo

Paínel 5 – Depoimentos e mensagens

16:15 Moderação da Comissão Organizadora

Filmes:   “Kuduro – surgimento e expansao” de  Bela Lemos

                                               “A Fábrica de Música” de Kiluanje Liberdade

18:00 Balanço do dia -  Comissão Organizadora

Dia 3 – 25.05.2012 -   “Kuduro na  sua relação com a África e o Mundo”

Paínel 6 - “De Paris para Luanda” - Kuduro como cultura glocal ?

08:30 Frederik Moehn - A INTERNACIONALIZAÇÃO DO KUDURO: A música angolana no Brasil contemporâneo

Marta Lança - as músicas urbanas dos jovens afro-descendentes na periferia de Lisboa e a questão lusófona

Garth Sheridam - Os processos sincréticos envolvidos em culturas musicais do kuduro

Debate

10:00 Intervalo

Paínel 7 – “Danca e pedagogia”

10:15 Ananya  Jahanara  KABIR - Autenticidade, Pedagogia e Danças de Salão dos PALOP na Europa

Violeta Gerviz e Edda Grunwald - O kuduro como meio de educação profissional

Josias Satumbo, I.O. e S.C. – A Importância do Kuduro no ensino de crianças e jovens

                               Debate

12:00 Pausa para o  almoço

Paínel 8 – “Estamos sempre a subir” kuduro, marketing e indústria musical

14:30 Benjamin Lebrave - Cultura e Indústria Angolanas no Mundo

Tokesse – Divulgacao intenacional do kuduro atraves de blogs

Coreon Dú – “I Love Kuduro”

Debate

Filme “Festa de Quintal”

Mesa redonda – Perguntas abertas e conclusões

16:15 Fórum com todos os conferencistas

18:00 Encerramento formal da conferência  -  programação especial

Cocktail

19.05.2012 | por martalanca | conferência, kuduro

Os Estados Unidos em África no século XXI

Conferência: Os Estados Unidos em África no século XXI
7 de Maio de 2012, ISCTE-IUL, Auditório B104

A Conferência “Os Estados Unidos em África no Século XXI” tem como objectivo essencial analisar a política dos Estados Unidos para o continente africano no século XXI. A conferência deverá interpretar as causas da(s) política(s) norte-americanas, bem como as suas consequências a nível global, regional e local. Pretende-se igualmente analisar a perspectiva africana, isto é, o modo como a política dos Estados Unidos foi recebida e até influenciada pelos diversos países africanos. A interacção África-Estados Unidos será sempre analisada tendo em conta as diversas conjunturas internacionais, desde os atentados de 11 de Setembro de 2001 à “primavera árabe” de 2011, passando pela guerra global ao terrorismo, pela mudança de administração em Washington e pelos próprios desenvolvimentos africanos. Entre outras questões concretas estarão em foco: os Estados Unidos e África durante a Guerra Fria; a criação do Africom; continuidades e mudanças entre Bush e Obama; África e a guerra global ao terrorismo; a importância dos recursos estratégicos africanos; a questão do Sudão; a pirataria no “corno de África”; os Estados Unidos e a Primavera Árabe”; a intervenção da NATO na Líbia.

COORDENAÇÃO
Luís Nuno Rodrigues (CEHC/ISCTE-IUL e IPRI-UNL)
Alexandra Magnólia Dias (CEA/ISCTE-IUL)

ORGANIZAÇÃO
Instituto Português de Relações Internacionais, Universidade Nova de Lisboa
Centro de Estudos de História Contemporânea, ISCTE-IUL
Centro de Estudos Africanos, ISCTE-IUL

FORMATO
A Conferência terá a duração de um dia, com sessões de manhã e de tarde.

PÚBLICO-ALVO
Esta conferência é dirigida a um público com interesse pelas áreas de História, Ciência Política e Relações Internacionais e Estudos Africanos, incluindo professores, investigadores, militares, diplomatas, jornalistas, empresários e decisores públicos e privados, estudantes, em particular doutorandos e mestrandos nas áreas de História, Ciência Política e Relações Internacionais e de Estudos Africanos, bem como ao público em geral.

COORDENAÇÃO
Luís Nuno Rodrigues (CEHC/ISCTE-IUL e IPRI-UNL)
Alexandra Magnólia Dias (CEA/ISCTE-IUL)

ORGANIZAÇÃO
Instituto Português de Relações Internacionais, Universidade Nova de Lisboa
Centro de Estudos de História Contemporânea, ISCTE-IUL
Centro de Estudos Africanos, ISCTE-IUL

PROGRAMA
7 de Maio de 2012 - Auditório B104

10.00 | Sessão de Abertura
Representantes das entidades organizadoras.
Coordenadores da Conferência.

10.15 | Conferência de Abertura: David J. Francis (University of Bradford, UK)11.15 | Coffee Break

11.30 | Sessão 1 – «Os Estados Unidos e África: perspectivas históricas, desafios contemporâneos»
Moderador: Carlos Gaspar (IPRI-UNL)
Intervenções:
Luís Nuno Rodrigues (ISCTE- IUL)• Ryan Irwin (International Security Studies, Yale University, USA)
Monde Muyangwa (Africa Center for Strategic Studies, USA)

Debate
13.00 | Almoço
14.30 | Sessão 2 – «AFRICOM»Moderador: Helena Carreiras (ISCTE-IUL & National Defense Institute)

Intervenções:
James Jay Carafano (The Heritage Foundation, USA)
Roland Marchal (Centre d’Études et de Recherches Internationales, Sciences Po, France)
António Pinheiro (National Defense Institute, Portugal)

16.00 | Coffee Break
16.15 | Sessão 3 – «Regional Approaches» Moderador: Manuela Franco (Diplomatic Institute)

Intervenções:
Alexandra Magnólia Dias (ISCTE-IUL)
Proença Garcia (Institute for Higher Military Studies)
Alex Vines (Chatham House, UK)

Debate
17.45 | Encerramento

26.04.2012 | por herminiobovino | conferência, ISCTE, lisboa

O Crescimento Económico é Suficiente para Reduzir a Pobreza em África?

O Banco Mundial lançou recentemente um novo relatório que revela que, após décadas de crescimento lento, África revela uma mudança significativa em termos de crescimento económico. Os países africanos têm realizado, na última década, reformas económicas com efeitos positivos: crescimento económico anual de cerca de cinco por cento, mais receitas comerciais, menos desequilíbrios macroeconómicos, mais consumo doméstico. Ao longo dos últimos 10 anos, seis dos dez países que registaram um crescimento económico mais rápido são africanos. Além disso, o Banco Mundial estima que a percentagem de pobres em África caiu de 58 por cento, em 1999, para 47,5 por cento, em 2008.

Mas será que esse crescimento está realmente a contribuir para a redução da pobreza?

Na primeira Kapuscinski Lecture em Portugal, organizada pelo Centro de Estudos sobre África e do Desenvolvimento (CEsA), Jan Vandemoortele, antigo director do PNUD e um dos autores dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio, irá questionar se o crescimento económico, a boa governação e a ajuda internacional são ou não suficientes para reduzir a pobreza em África.

As Kapuscinski Lectures, inspiradas no jornalista polaco Ryszard Kapuscinski, são uma iniciativa do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) financiadas pela Comissão Europeia. Na sua terceira edição, estas Lectures são um acontecimento singular, a nível europeu, para o debate sobre questões de Desenvolvimento global com especialistas de organizações internacionais, políticos, activistas da sociedade civil, empreendedores e académicos.

Contacto:
Luís Mah
luismah@iseg.utl.pt
+351919670642

26.03.2012 | por herminiobovino | Conference, conferência