Residência Artística – Programa de Arte Contemporânea em Lisboa - Candidaturas

Decorrem até 30 de novembro e destinam-se a artistas visuais ou fotógrafos, de nacionalidade moçambicana ou residentes em Moçambique há mais de dez anos, que já tenham realizado pelo menos uma exposição individual.
*
Decorrem até 30 de novembro as candidaturas para a 3.ª edição da Residência Artística – Programa de Arte Contemporânea (Artes Visuais e/ ou Fotografia) em Lisboa. Uma iniciativa do Camões – Centro Cultural Português em Maputo e a Câmara Municipal de Lisboa.
A Residência Artística realiza-se entre 16 de maio e 16 de junho, em Lisboa, e destina-se a artistas visuais ou fotógrafos, de nacionalidade moçambicana ou residentes em Moçambique há mais de dez anos, que já tenham realizado pelo menos uma exposição individual quando da candidatura ao programa.
Após Félix Mula (vencedor da 1.ª edição) e Euridice Kala (vencedora da 2.ª edição), convidam-se os artistas moçambicanos a consultarem o regulamento desta Residência Artística na página de Internet do Camões e da Embaixada de Portugal em Maputo. O regulamento pode ainda ser solicitado no Centro Cultural Português em Maputo e no Pólo da Beira.
As candidaturas terão de ser submetidas até dia 30 de novembro e devem ser entregues, em suporte de papel, na biblioteca do Centro Cultural Português em Maputo, Av. Julius Nyerere, 720, Maputo. 
Mais informações: ic-ccpmaputo@tvcabo.co.mz
Condições de Admissão das Propostas e Seleção dos Agentes Culturais

Euridice Kala (vencedora da 2.ª edição)Euridice Kala (vencedora da 2.ª edição)

Félix Mula (vencedor da I edição)Félix Mula (vencedor da I edição)

 

10.11.2016 | por marianapinho | artes visuais, fotografia, Residência Artística – Programa de Arte Contemporânea em Lisboa

Apresentação do livro "Palmeiras Bravas/The Current Situation" Estreia do vídeo "Rumor" de Pedro Barateiro

Capa da versão inglesa do livro Palmeiras Bravas/The Current Situation. Design: Studio Manuel Raeder.Capa da versão inglesa do livro Palmeiras Bravas/The Current Situation. Design: Studio Manuel Raeder.O livro Palmeiras Bravas/The Current Situation, é publicado na sequência da exposição homónima de Pedro Barateiro, que foi apresentada no Museu Coleção Berardo entre 11 de fevereiro e 24 de maio de 2015.
Desenhado pelo Studio Manuel Raeder, de Berlim, em estreito diálogo com o artista, este livro publica um extenso ensaio de Pedro Lapa sobre os trabalhos que Pedro Barateiro realizou especificamente para a exposição. Outros dois textos inéditos, de Margarida Mendes e Sepideh Bazazi, e um prolífico conjunto de imagens, completam a documentação das propostas de Pedro Barateiro.
Por ocasião da apresentação pública do livro, será exibido o vídeo inédito Rumor, realizado por Pedro Barateiro. Este resulta do registo de uma performance que decorreu na referida exposição, mais concretamente na obra Rumor (Workers).
A apresentação terá lugar no Anfiteatro do museu, no dia 20 de janeiro, pelas 18h30, onde decorrerá uma conversa entre o artista e Pedro Lapa. A entrada é gratuita, sujeita ao número de lugares disponíveis.

14.01.2016 | por martalanca | artes visuais, Pedro Barateiro

Despir a Pele de Paulo Kussy, LUANDA

Inauguração da exposição “Despir a Pele” do artista plástico Paulo Kussy, quinta-feira, dia 10 de Maio, pelas 18H30, no Instituto Camões - Centro Cultural Português Luanda sito na Av. de Portugal, Nº 50.

08.05.2012 | por joanapereira | artes visuais, Luanda, Paulo Kussy

Idioma Comum: Artistas da CPLP na Colecção da Fundação PLMJ

Obras de Abraão Vicente, Délio Jasse, Flávio Miranda, Ihosvanny, Jorge Dias, Julia Kater, Kiluanji Kia Henda, Lino Damião, Mário Macilau, Mauro Pinto, Mudaulane, Pinto, René Tavares e Yonamine

 

Comissariado por Miguel Amado

A exposição “Idioma Comum: Artistas da CPLP na Colecção da Fundação PLMJ”, a inaugurar no dia 13 de Janeiro, às 18H30, no Espaço Fundação PLMJ, e patente até 26 de Março. Esta exposição reúne obras de artistas da CPLP pertencentes à Colecção da Fundação PLMJ, constituindo a primeira mostra deste acervo no Espaço Fundação PLMJ, em Lisboa. 

Com este projecto, a Fundação PLMJ contribui para o reconhecimento dos artistas da CPLP no nosso país e para as relações culturais entre Portugal e os restantes membros da CPLP. Acompanha a exposição um catálogo com reprodução das obras expostas e de outras igualmente adquiridas pela Fundação PLMJ, bem como uma introdução do comissário a este projecto.

obra de Kiluanji Kia Hendaobra de Kiluanji Kia Henda

A Fundação PLMJ desenvolve, presentemente, uma colecção consagrada à arte da CPLP. Este espólio contempla vários artistas da CPLP, quinze dos quais com obras agora expostas. O acervo foca-se em jovens criadores sobretudo angolanos e moçambicanos, mas também das demais nacionalidades da CPLP, cuja presença adquirida nos seus países se expande, agora, a Portugal. As obras expostas caracterizam-se por uma linguagem contemporânea, marcada por uma visão do mundo de matriz cosmopolita, abordando tanto a realidade cultural local como a ordem social global num cenário pós-colonial. É, pois, ao idioma artístico comum aos jovens criadores da CPLP que o título desta exposição se refere, e é da comunhão estilística desta nova arte que emerge o potencial da Colecção da Fundação PLMJ dedicada à CPLP.

 

04.01.2011 | por martalanca | artes visuais, CPLP, lusofonia