Terra Sonâmbula

Terra Sonâmbula A estória começa quando Menino e Tio, fatigados de andar pelas estradas de terra batida do interior Moçambicano, correndo para uma periferia longe do ruído das minas e das bombas, encontram um machibombo, um autocarro perdido e carbonizado depois de ter sido pilhado por marginais.

20.09.2010 | por Rui Manuel Vieira

Non, ou a Vã Gloria de Mandar

Non, ou a Vã Gloria de Mandar é no entretecer desta disputa ideológica que o filme vai evocando os factos e figuras que marcaram a construção da nossa identidade como povo. De forma exemplificativa, a própria figura de Viriato é perspectivada como a de um “patriota trágico” , que não compreendia as vantagens civilizadoras da romanização. Por analogia histórica, serve o episódio de Viritato para despoletar uma discussão mais actualizada sobre o sentido da herança colonial em territórios africanos.

20.09.2010 | por Mariana Brito

Non, ou a Vã Gloria de Mandar

Non, ou a Vã Gloria de Mandar No princípio é a vontade de desenterrar a História oficial para escovar a mitologia pátria a contra-pêlo. Da epopeia à tragédia, o programa de NON mais não é do que um virar de Os Lusíadas ao contrário. Trata-se de pesar o destino da “primeira nação da Europa”, não à luz das suas vitórias militares – e a História, como o nota Benjamin, costuma ser contada pelos vencedores –, mas a partir das batalhas perdidas.

20.09.2010 | por António Preto

Dockanema 2010

Dockanema 2010 Desde o seu lançamento que o Festival propõe-se oferecer, aos diferentes públicos da cidade de Maputo, a dupla oportunidade de se confrontarem com parte do melhor que se faz no mundo do cinema, no seu género documentário, e poderem fazer uma pausa na vulgaridade audiovisual que lhes é oferecida o resto do ano.

20.09.2010 | por Pedro Pimenta

Dockanema: a realidade surpreendida e reinventada

Dockanema: a realidade surpreendida e reinventada No conjunto das disciplinas artísticas, e não só, que perseguem a representação da realidade, o documentário é, certamente, uma das que mais interrogações provoca. Tradicionalmente virado para um olhar fragmentado do mundo que nos rodeia e do devir do que acontece, o documentário actual coloca-nos problemas e desafios acrescidos quer na tentativa de enquadrá-lo dentro de uma determinada tipologia, quer na interpretação dos significados que dissemina.

20.09.2010 | por Francisco Noa

considerações sobre "A Costa dos Murmúrios"

considerações sobre "A Costa dos Murmúrios" Para falar de África é sempre preciso, primeiro, explicar África, o que é uma pena e muito redutor. Quando queremos falar de África, tratar determinados assuntos, temos que lidar sempre com a terrível culpa de não estar a fazer justiça a nada porque estamos a falar de uma coisa que não é verdadeiramente África mas aquilo que nós conseguimos perceber de África, que é muito pouco. A única maneira de lidar com isso é sacudir essa culpa e pensar que se falarmos de sentimentos e emoções universais, as nossas hipóteses de sermos injustos são mais reduzidas...

10.09.2010 | por Margarida Cardoso

A Costa dos Murmúrios

A Costa dos Murmúrios Se, aparentemente, o discurso da mulher do capitão, Helena, alcunhada de Helena de Tróia pela sua beleza, parece não ser mais do que a expressão do pensamento cruelmente racista do marido, a sua submissão não é total. E é nesse jogo de aparente adesão ideológica àquela guerra que Helena vai revelando os atropelos que os militares cometem e a cumplicidade do tenente Luís, marido de Evita, nos massacres da população autóctone.

10.09.2010 | por Mariana Brito

alheava_filme

alheava_filme A realidade dos portugueses que povoaram e viveram em Moçambique, no período anterior e posterior ao 25 de Abril e a representação é a informação que se guardou, que pertence ao passado, e se reconhece fundida com uma reflexão sobre esse passado, em que nos são transmitidas informações que se foram acrescentando em momentos posteriores, constituindo deste modo um filme visual e mental, feito de registos múltiplos, do que se sabe e do que se pensa que sabe.

10.09.2010 | por Cristina de O Alves

Os Mestres Loucos, 1955

Os Mestres Loucos, 1955 Neste seu trabalho, onde se alicerça todo um programa de prática e pesquisa, Rouch alia o lado brutal de uma arte em busca de empatia com as técnicas do gesto, à vocação de construir, acabar e inacabar – a montagem e a sonorização constituem aqui um verdadeiro tratado de acabamento.

09.09.2010 | por Regina Guimarães

Notas para uma Oresteia africana

Notas para uma Oresteia africana Tratando-se de dois objectos cinematográficos impressionantes e construídos sobre pressupostos ideológicos comuns, 'África 50' de René Vautier é um filme militante sobre a necessária libertação, enquanto que 'Notas para uma Oresteia africana' de Pier Paolo Pasolini, é um ensaio político sobre a invenção da liberdade. São dois filmes que nascem de questões sócio-culturais afins, mas representam movimentos de natureza intelectual e de exigência estética distintos.

04.09.2010 | por João Sousa Cardoso

As estátuas também morrem

 As estátuas também morrem O escândalo da arte africana não estar, à época, representada no Museu do Louvre (onde as grandes tradições artísticas não-ocidentais foram incluídas), mas no Museu do Homem, resulta num documentário que, mais do que sobre a “arte negra”, reflecte sobre a museologização dos objectos extraídos a uma cultura onde não há museus e, por consequência, sobre as relações de poder – económico, político e simbólico – entre a cultura europeia e as culturas africanas, sob a organização colonial.

01.09.2010 | por João Sousa Cardoso

“Digam simplesmente a verdade”

“Digam simplesmente a verdade”  A minha reflexão incide sobre o modo como se pode fazer cinema em África, à nossa maneira: a maneira como nos mexemos, a maneira como saboreamos, como ouvimos as coisas, como vemos as coisas, a nossa percepção do mundo.

22.08.2010 | por Samba Félix Ndiaye

Ver e fazer filmes, a partir de Cataguases

Ver e fazer filmes, a partir de Cataguases Emídio Jossine, Amâncio Mondlane e Nelson Mondlane vieram “do outro lado do oceano”, de Maputo, directamente para Cataguases. Vamos encontrá-los na “base”, nome de guerra para o galpão onde se aprende, se testa, se erra, se trocam ideias, e se “respira cinema”. Estão a aguardar pelo genérico que finalizará a edição do seu doc “A Espera no Quintal" e, enquanto não chega, falamos sobre o Festival e o cinema do seu país.

22.08.2010 | por Marta Mestre

EDOUARD GLISSANT: UM MUNDO EM RELAÇÃO estreia mundial do filme de Manthia Diawara

EDOUARD GLISSANT: UM MUNDO EM RELAÇÃO estreia mundial do filme de Manthia Diawara A mudança? Passa pela aceitação do Outro na sua opacidade que Gissant reivindica em alto e bom tom, através de uma extraordinária história sobre brócolos de que ele afirma não gostar sem saber porquê! O racista é aquele que recusa o que não compreende. A barbárie é impor ao outro a sua própria transparência. As fronteiras? Deviam ser permeáveis para os migrantes, mas não deviam ser abolidas, para preservar o sabor de cada ambiente.

10.08.2010 | por Olivier Barlet

Espécies de espaços. Lugares, não-lugares e espaços identitários na obra videográfica de Ângela Ferreira.

Espécies de espaços. Lugares, não-lugares e espaços identitários na obra videográfica de Ângela Ferreira. - sobre três vídeos d’Ângela Ferreira « Untitled » (1998), « Pega » (2000), « Joal la Portugaise » (2004). Se a dualidade territorial, indissociável de um certo percurso biográfico, das deslocações constantes entre África - Moçambique e a África do Sul - e a Europa, marca, indubitavelmente, a obra de Ângela Ferreira, é precisamente essa dualidade territorial que vem inscrever a história no espaço indeterminado do discurso videográfico, apontando para questões relacionadas com a geopolítica e remetendo-nos, simultaneamente, para o trabalho de desconstrução da iconografia e do imaginário coloniais e pós-coloniais que vem sendo sistematicamente desenvolvido pela artista.

04.08.2010 | por Raquel Schefer

O último voo do flamingo, de João Ribeiro

O último voo do flamingo, de João Ribeiro Será, pois, necessário ter tempo para se tornar um país. É uma tarefa longa, mas outros flamingos virão. São tão numerosos como naquele primeiro plano do filme. Eles guiam os vivos. Na região de Tizangara, os pescadores chamam-lhes “salva-vida”: basta seguir a sua voz para alcançar a terra quando se está perdido. A doce e bela música de Omar Sosa convida a dar tempo ao tempo.

06.07.2010 | por Olivier Barlet

Papel dos festivais na recepção e divulgação dos cinemas africanos

Papel dos festivais na recepção e divulgação dos cinemas africanos Toda a ambiguidade da ajuda ocidental às cinematografias africanas decorre do fato de que ela carrega boa parte das contradições que cercam as relações do ocidente com o Outro e com as culturas do Outro. (...) O cinema africano continua sendo feito com grande dificuldade, mas festivais dedicados exclusivamente a filmes africanos se multiplicam nos quatro cantos do mundo. Estes festivais internacionais, que poderiam alavancar o lançamento comercial dos filmes realizados por cineastas africanos, acabam funcionando apenas como única oportunidade de exibição pública.

04.07.2010 | por Mahomed Bamba

Recordar Liceu Vieira Dias

Recordar Liceu Vieira Dias Acaba de sair a terceira e última parte da trilogia sobre música popular angolana realizada por Jorge António. Baseado na obra "Estórias para a História da música angolana" de Mário Rui Silva, intitula-se "O Lendário 'tio Liceu' e os Ngola Ritmos", e aborda a figura mítica de Liceu Vieira Dias e o seu grupo Ngola Ritmos, criado no final dos anos 50, representando uma força cultural pioneira na luta contra o colonialismo português. O documentário é uma viagem ao universo criativo de um dos mais notórios compositores de música popular angolana, confirmando a sua originalidade e contributo permanentes na história cultural e sócio-política de Angola. Falámos com o realizador.

12.06.2010 | por Marta Lança

O negro na telenovela, um caso exemplar da decadência do mito da democracia racial brasileira

O negro na telenovela, um caso exemplar da decadência do mito da democracia racial brasileira Examinar a representação dos atores negros em quase 50 anos de história da telenovela brasileira, principal indústria audiovisual e dramatúrgica do país, é trazer à tona a decadência do mito da democracia racial, sujando assim uma bela mas falsa imagem que o Brasil sempre buscou difundir de si mesmo, fazendo crer que a partir de nossa condição de nação mestiça, superamos o “problema racial” e somos um modelo de integração para o mundo.

07.06.2010 | por Joel Zito Araújo

O poder destrói o sonho? sobre "Behind the Rainbow" de Jihan El Tahri

O poder destrói o sonho? sobre "Behind the Rainbow" de Jihan El Tahri A cultura de solidariedade entre os membros do ANC durante os anos de luta tornou-se corrupta quando acederam ao poder e à gestão económica. Ficamos a pensar como a questão do poder se transforma em acesso a privilégios, longe da luta contra a pobreza, objectivo primordial do ANC. Este olhar sem condescendência é simultaneamente apaixonante e necessário para enfrentar a História contemporânea e deixarmo-nos de mistificações.

06.06.2010 | por Olivier Barlet