Investigador da Universidade de York publica estudo sobre o Novo Paradigma Migratório Caboverdiano no contexto global

O investigador lusocaboverdiano radicado no Canadá, Pedro F. Marcelino, acaba de lançar em Agosto um livro dedicado à emergência de um novo paradigma migratório em Cabo Verde, subjacente a um contexto sócio-económico em que a emigração de caboverdianos para o estrangeiro convive já com uma imigração de africanos, chineses, e europeus para as ilhas, a par do regresso de muitos caboverdianos residentes no exterior. O estudo, resultante de investigações conduzidas no terreno em 2006 e 2009, sob a chancela da Universidade de York (Canadá) e da Universidade de Aberystwyth (País de Gales), avança que as medidas anti-terroristas e de gestão migratória tanto nos EUA como na União Europeia no período pós-11 de Setembro terão alterado o mapa migratório da África Ocidental, sem no entanto mudar as aspirações de milhares de pessoas que continuam a querer partir. Com base em entrevistas a imigrantes residentes em Cabo Verde, e análises do discurso político e da geopolítica nacional, o investigador aborda a transformação de Cabo Verde de país de emigração em país de trânsito e radicação de imigrantes de várias origens, gerando uma nova ‘etnopaisagem’.

Mindelo, durante o trabalho de campo do autor, Pedro F Marcelino, antes da construção da Marina. Fotografia de Felix Schürmann (2006).Mindelo, durante o trabalho de campo do autor, Pedro F Marcelino, antes da construção da Marina. Fotografia de Felix Schürmann (2006).

Em muitos casos, defende o investigador, projectos migratórios que tinham Cabo Verde como plataforma terminam, em virtude do clima político, no país. O estudo discute ainda os primeiros indícios de uma política migratória em Cabo Verde, considerando os efeitos deste debate público na identidade nacional, e sugerindo que o arquipélago, como tantas outras vezes na sua história, continua a ser um posto de distribuição no médio Atlântico. O investigador sugere que Cabo Verde se integra como nódulo periférico num mapa que inclui novos destinos como Marrocos, Argentina ou Brasil, e que é alterado constantemente pela instabilidade vivida no continente, como é exemplo a crise Líbia.

O estudo, lançado em Saarbrücken, foi publicado em inglês pela editora académica alemã LAP Lambert Academic Publishing, estando já disponível internacionalmente nos habituais pontos de venda online, incluindo a livraria Amazon.com. Prevê-se para breve a sua disponibilização em português e francês.

por Pedro F Marcelino
A ler | 16 Setembro 2011 | Cabo Verde, migração, política migratória