Figurações de Amílcar Cabral – memória, política e cultura.

O colóquio reúne investigadores de projetos que, a partir de diferentes olhares, estudam e lidam com a figura política, cultural e artística de Amílcar Cabral. Ao longo deste dia, a partir de um ponto de vista interdisciplinar e multiforme, a biografia, o pensamento, a ação política, as imagens e as heranças de Amílcar Cabral, tanto do ponto de vista artístico como político estarão em discussão em mesas redondas temáticas, seguidas de debate. Um debate final reunirá todos os intervenientes.  No próximo dia 22 fevereiro, pelas 9h30, na Sala 1 do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra (CES-Alta).


 

12.02.2019 | par martalanca | Amílcar Cabral, memoirs, memória, política

Amílcar Cabral: O “Combatente Anónimo” pelos Direitos Fundamentais da Humanidade

Conferência Internacional, Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa, Salas Multiusos 3 e 2, Edifício I&D, Piso 4, 1, 2 e 3 de março de 2018

PROGRAMA

1 de MARÇO

9:00h-9:30h – Sessão de abertura

9:30h-10:15h – Conferência inaugural

Julião Soares Sousa – Universidade de Coimbra; Universidade Nova de Lisboa

Amílcar Cabral, a “Justum Bellum” e o Direito (Jus) dos Povos Oprimidos à Solidariedade e à Felicidade

10:15h-10:30h – Coffee break

10:30h-11:30h – Painel I

Helena Wakim Moreno – Universidade de São Paulo

Amílcar Cabral na Casa dos Estudantes do Império: Circulação de Ideias, Atividade Política e Produção Literária

Luciana Bastos – Universidade de Lisboa

Entre Vários Fogos: O Lugar da Ideologia Marxista no Discurso de Amílcar Cabral

11:30h-12:30h – Painel II

Aharon Grassi – University of California

Amílcar Cabral as an Early Engaged Political Ecologist: Relational Studies of Lusophone Land, Production and Capital Circulation, 1948-61

Maria-Benedita Basto – Institut des Mondes Africains

(Título a definir)

12:30h-14:00h – Almoço livre

14:00h-15:00h – Painel III

Suzana Martins – Universidade de Coimbra; Universidade Nova de Lisboa; Escola Superior de Educação de Lisboa 

Amílcar Cabral e a Construção da Unidade Contra o Colonialismo Português

Artemisa Monteiro e Basualdo Gomes – Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira

Processo de Mobilização para Adesão à Luta Armada do PAIGC 

15:00h-16:00h – Painel IV

Branwen Gruffydd Jones – Cardiff University

The Weapon of Culture: Anticolonial Thought and Practice from Paris and Dakar to Havana and Algiers

Vincenzo Russo – Universidade de Milão

“A Resistência Continua!”: Amílcar Cabral e o Terceiro-Mundismo da Esquerda Italiana

16:00h-16:15h – Coffee break

16:15h-17:00h – Conferência final

Mamadou Kabirou Gano – Université Cheikh Anta Diop

Amílcar Cabral, Anthropologue de la Tension

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

2 de MARÇO

 

 

9:00h-9:45h – Conferência de abertura

 

Mustafah Dhada – California State University

Amílcar Cabral as an Object of Academic Studies

 

9:45h-11:10hPainel V

 

Luís Carvalho – Universidade Nova de Lisboa

Sofia Pomba Guerra, Uma Mulher Portuguesa na Oposição ao Colonialismo e a Relação de Amílcar Cabral com o Movimento Operário Português 

 

João Manuel Neves – Université Sorbonne Nouvelle-Paris 3

Amílcar Cabral, o Homem: Um Testemunho de Tomás Medeiros 

 

José Augusto Pereira – Universidade Nova de Lisboa

Amílcar Cabral e a Luta de Libertação Nacional nas Ilhas de Cabo Verde na Encruzilhada da(s) Memória(s)

 

11:10h-11:30h – Coffee break

 

11:30h-12:50hPainel VI

 

Frank Gerits – Utrecht University; University of the Free State

Amílcar Cabral, the Diplomat and the PR Threat (1964-1974)

 

Marcos Cardão – Universidade de Lisboa

Amílcar Cabral, PAIGC e os Black Panthers. História de uma Ligação Imaginária

 

Leonor Pires Martins – Universidade Nova de Lisboa

As Pequenas Biografias de Cabral

 

12:50h-14:00h – Almoço livre

 

14:00h-15:20h Painel VII

 

Renata Flavia da Silva – Universidade Federal Fluminense

De Nunga a Himba: A Propósito do Homem Novo

 

Erica Bispo – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro

Cabral Vive: A Permanência do Discurso de Amílcar Cabral na Literatura da Guiné-Bissau

 

Jusciele Oliveira – Universidade do Algarve

”Nossa Inspiração Deve Vir dos Aspectos Positivos da Nossa Sociedade”: Discurso e Memória de Amílcar Cabral nas Representações Cinematográficas de Flora Gomes

 

15:20h-16:00h – Conferência final 

 

Natalia Telepneva – Warwick University

Amilcar Cabral and the Socialist Countries: New Findings 

 

16:00h-16:15h – Coffee break

 

16:15h-17:00h – Filme 

 

Apresentação: Rui Lopes – Universidade Nova de Lisboa

 

Labanta Negro (1966) – Pierro Nelli 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

3 de MARÇO

 

9:00h-9:45h – Conferência de abertura

 

Ângela Coutinho – Universidade Nova de Lisboa

Amílcar Cabral e a Participação de Mulheres no Movimento Independentista Liderado pelo PAIGC (1963-1973)

 

9:45h-10:45h – Painel VIII

 

Redy Lima – Universidade Nova de Lisboa; Universidade de Lisboa; Instituto Superior de Ciências Jurídicas e Sociais

Street Soldjas”: Uma (Re)Leitura do Pensamento de Cabral a Partir das Narrativas dos Jovens em Situação de Marginalidade em Cabo Verde

 

Davidson Gomes e Paulino Canto – Universidade de Cabo Verde

O Legado de Amílcar Cabral Reproduzido em Jovens Líderes Comunitários Cabo-Verdianos

 

10:45h-11:00h – Coffee break

 

11:00h-12:20h – Painel IX

 

Adilson Barbosa A. Neto – Universidade de Cabo Verde 

A Integração Económica dos Estados da África Ocidental na Perspetiva de Amílcar Cabral: O Exemplo da Unidade Guiné-Cabo Verde

 

Sílvia Roque – Universidade de Coimbra; ISCTE-Instituto Universtário de Lisboa 

Amílcar Cabral: Memórias Transgeracionais

 

Paulo Cunha e Catarina Laranjeiro – Universidade de Coimbra

Amílcar Cabral: Representações, Imagem e Memória no Cinema

 

12:20h-14:00h – Almoço livre

 

14:00h-14:30h Painel X

 

José Neves – Universidade Nova de Lisboa

Apresentação do Projecto “Amílcar Cabral, da História Política às Políticas da Memória”

 

14:30h-17:00hMesa Redonda: Fontes e Preservação da Memória de Amílcar Cabral

 

Moderador: António Leão Correia e Silva – Universidade de Cabo Verde

 

Pedro Verona Pires – Fundação Amílcar Cabral

Alfredo Caldeira

Centro de Investigação Para o Desenvolvimento Amílcar Cabral

Leopoldo Amado

21.02.2018 | par martalanca | Amílcar Cabral

Amílcar Cabral, da História Política às Políticas da Memória

Cargo/posição/bolsa: 
2 Bolsa de Investigação (BI) Mestre 
 

Encontra-se aberto concurso para a atribuição de duas Bolsas de Investigação para Mestre no âmbito do projeto Amílcar Cabral, da História Política às Políticas da Memória (PTDC/EPH-HIS/6964/2014), com o apoio financeiro da FCT/MCTES através de fundos nacionais e quando aplicável cofinanciado pelo FEDER, no âmbito do Acordo de Parceria PT2020, nas seguintes condições: 
Área Científica: Ciências Sociais e Humanidades
Requisitos de admissão: Grau de mestre na área de história ou noutra ciência social e humana. 
Plano de trabalhos: Este projeto propõe-se a analisar a articulação entre as ideias de Amílcar Cabral e a sua receção histórica. Procuramos investigadores/as para colaborar na pesquisa, análise e escrita de publicações científicas no âmbito deste tema, bem como na organização de uma conferência internacional e outros encontros relacionados com o projeto. 

Toda info aqui.

29.06.2016 | par martalanca | Amílcar Cabral, da História Política às Políticas da Memória

Lançamento do livro "Cartas de Amílcar Cabral a Maria Helena: a outra face do homem"

O livro será lançado no dia 18 de março, na Fundação Calouste Gulbenkian (Sala 2), às 18H30, com apresentação da escritora Ana Paula Tavares e do jornalista José Pedro Castanheira. A também compor o painel, a presença dos três organizadores (Iva Cabral, Márcia Souto e Filinto Elísio).

04.03.2016 | par claudiar | Amílcar Cabral, lançamento livro

Irrelevancies - an introduction to Luta ca caba inda by Filipa César

Friday 30 October 19h at Casa dos Amigos do Minho

This contribution introduces the human, material and economic background of Luta ca caba inda, a collective research project that addresses the possibilities of accessing and performing images and sounds from an eroded Guinean audio visual archive – a collection resulting from the liberation struggle against Portuguese colonialism in the 60’s and 70’s and its alliances to international solidarity movements. The creole title Luta ca caba inda, derives from an unfinished film that is part of this assemblage. This sentence, that translates into English as ‘the struggle is not over yet’ cursed the accomplishing potency of that film, of the struggle and of this project.

This the first of a series of lectures by Filipa César about her research and practice, to be continued in spring.

Filipa César is an artist and filmmaker interested in the porous relationship between the moving image and its public reception, the fictional aspects of the documentary genre and the politics and poetics inherent to the production of moving images. Between 2008-10, great part of César’s experimental films have focused on Portugal’s crecent past, questioning mechanisms of history production and proposing spaces for performing subjective knowledge. Since 2011, César has been researching the origins of film in Guinea-Bissau and its related geo-political radiance, developing that research into the project Luta ca caba inda. She is was a participant of the research projects “Living Archive, 2011-13” and “Visionary Archive, 2013-15” organised by the Arsenal Institute, Berlin. Selected Film Festivals include Kurzfilmtage Oberhausen, 2013; Forum Expanded - Berlinale, 2013; IFFR, Rotterdam, 2010 and 2013; Indie Lisboa, 2010; DocLisboa, 2011. Selected exhibitions and screenings include: 8th IstanbulBiennial, 2003; Serralves Museum, Porto, 2005; Tate Modern, London, 2007; SFMOMA, 2009; 29th São Paulo Biennial, 2010; Manifesta 8, Cartagena, 2010, Haus der Kulturen der Welt, Berlin, 2011; Jeu de Paume, Paris, 2012; Kunstwerke, Berlin, 2013; Festival Meeting Points 7, 2013-14; NBK, Berlin, 2014; Hordaland Art Center, Bergen, 2014; SAAVY contemporary, 2014; Futura, Prague, 2015; Tensta Konsthall, 2015; Khiasma, 2015.

29.10.2015 | par martalanca | Amílcar Cabral, arquivo, filipa césar

Vida e morte de um revolucionário africano - MINDELO

04.11.2013 | par martalanca | Amílcar Cabral

Deslocating Europe - Re-engaging with Cabral, Césaire and Du Bois

VIAGENS E TEORIAS EM TEMPOS DE RECOLONIZAÇÃO: Revisitando Cabral, Césaire e Du Bois / TRAVELS AND THEORIES IN TIMES OF RECOLONIZATION: Re-engaging with Cabral, Césaire and Du Bois


Um simpósio com a Participação de / A Symposium with:

Diana Andringa, Daniel Barroca, Rada Ivekovic, Onur KoÅNmürcü Nobrega,

Felwine Sarr, António Tomás, Françoise Vergès, Deborah Willis

Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa / ANFITEATRO IV

10 e 11 OUTUBRO 2013 / 2013 October 10th and 11th

10h – 18h / 10 am – 6 pm

Exibição do Documentário / Documentary film screening

As Duas Faces da Guerra (2007, 100’), de / by Diana Andringa, Flora Gomes

10 de OUTUBRO 2013 / 2013 October 10th to 25th

17:30h / 5.30 pm

Exposição / Exhibition (Átrio da Biblioteca)

10 a 25 OUTUBRO 2013 / 2013 October 10th to 25th

Amílcar Cabral: Teorias e Práticas em Viagem / Amílcar Cabral: Travelling

Practices and Theories (Arquivos da Biblioteca da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e do CIDAC-Centro de Intervenção para o Desenvolvimento Amílcar Cabral / Library of the Faculty of Letters, University of Lisbon and Resource Centre of Development NGO CIDAC-Amílcar Cabral Intervention Centre for Development

Archives)

10/10/2013 PROGRAMA / PROGRAMME

10h / 10 am

Receção e apresentação / Welcome and opening remarks

10:30h / 10.30 am

The Challenge of New Forms of Colonization

Françoise Vergès (Goldsmiths College, London; Collège d’études mondiales, Paris)

Interlocutora / Discussant: Rada Iveković (Paris)

11:30h / 11.30 am

Café / Coffee break

12h / 12 am

Rethinking Economy by Reading Césaire

Felwine Sarr (Université Gaston Berger, Senegal)

Interlocutora / Discussant: Inocência Mata (CEC-FLUL)

13h / 1 pm

Almoço / Lunch

15h / 3 pm

Cabral and the Problem of Theory

António Tomás (Makerere University, Uganda)

Interlocutor / Discussant: José Neves (FCSH-UNL)

16h / 4 pm

Café / Coffee break

16:30h / 4.30 pm

Amílcar Cabral’s Double Victory

Diana Andringa (Lisboa)

Interlocutora / Discussant: Ana Paula Tavares (CLEPUL-FLUL)

17:30h / 5.30 pm

As Duas Faces da Guerra (2007, 100’)

Um Documentário de / A documentary film by Diana Andringa, Flora Gomes

Apresentação e discussão / Introduction and discussion: Diana Andringa

11/10/2013 PROGRAMA / PROGRAMME

10h / 10 am

Considerações prévias e balanço / Preliminary remarks and balance

10:30h / 10.30 am

A Second Life: A Du Boisian Articulation of New Identities

Deborah Willis (New York University)

Interlocutor / Discussant: José António Fernandes Dias (FBAUL – Africa.Cont-CML)

11:30h / 11.30 am

Café / Coffee break

12:00h / 12 am

From Another Place: From James Baldwin’s Turkish Period to Black Turkish History

and Politics in Contemporary Turkey

Onur Suzan KoÅNmürcü Nobrega (Goldsmiths College, London)

Interlocutora / Discussant: Ruth Wilson Gilmore (City University of New York)

13:00h / 1 pm

Almoço / Lunch

15:00h / 3 pm

Translation and National Sovereignty

Rada Iveković

Interlocutora / Discussant: Françoise Vergès

16h / 4 pm

Café / Coffee break

16:30h / 4.30 pm

A Montage of Attractions, Jorn – Cabral

Daniel Barroca (Lisboa)

17:30h / 5.30 pm

Apontamentos Finais / Closing remarks

Françoise Vergès, J. A. Fernandes Dias, Manuela Ribeiro Sanches

18h / 6 pm

Exposição: “Amílcar Cabral: Teorias e Práticas em Viagem” (Arquivos da Biblioteca da

FLUL e do CIDAC) / Exhibition: “Amílcar Cabral: Travelling Practices and Theories”

(Arquives of FLUL Library and CIDAC)

Inauguração da exposição e leitura de / Exhibition opening and reading by Ana Paula

Tavares

As conferências serão apresentadas em Inglês 

ENTRADA LIVRE / FREE ENTRANCE

www.africacont.org

www.artafrica.info

www.comparatistas.edu.pt

02.10.2013 | par martalanca | Aimé Césaire, Amílcar Cabral, Du Bois, Europa, seminário

Amílcar Cabral é uma arma, 22 de julho, SINES

cinema + debate + spoken word

Centro de Artes de Sines – Auditório e Largo Poeta Bocage | 22 de julho | Org. Câmara Municipal de Sines / Unipop / Revista Imprópria

Quarenta anos depois do seu assassinato, a figura de Amílcar Cabral continua presente. As suas imagens, em particular no cinema, ganham novo destaque ao recuperarem-se episódios da luta de libertação. Ao mesmo tempo, novas investigações desdobram o seu percurso, dos seus primeiros escritos aos paralelismos com Frantz Fanon e outros combatentes. Finalmente, o nome de Cabral é hoje um ponto de passagem de novas lutas políticas, agora desenvolvidas num quadro pós-colonial, mas respondendo ainda a desafios que encontram nos seus escritos e na sua prática política um acervo valioso.


PROJEÇÃO DE DOCUMENTÁRIO + CONVERSA

Centro de Artes de Sines – Auditório | 14h30

Documentário “As Duas Faces da Guerra”, de Diana Andringa e Flora Gomes
Em viagem pelos territórios da guerra, testemunhos que permitem uma leitura transversal do conflito que opôs o PAIGC às tropas portuguesas.

Conversa “Amílcar Cabral, Modos de Usar” 
Com Chullage (Plataforma Gueto), Diana Andringa (realizadora), José Neves (historiador) e Marcos Cardão (historiador).

SPOKEN WORD COM CHULLAGE  (Largo Poeta Bocage | 24h00)

Chullage é um rapper, poeta, dizedor, produtor, ativista cabo-verdiano. Tem três álbuns editados (Rapresálias 2001, Rapensar 2004 e Rapressão 2012).

08.07.2013 | par franciscabagulho | Amílcar Cabral

Programa Especial na Radio Gumbe sobre o Dia dos Heróis Nacionais

No passado dia 20 de Janeiro comemorou-se, na Guiné Bissau e em Cabo-Verde, o dia dos heróis nacionais. A data é simbólica por recordar um dos mais carismáticos líderes africanos, nas lutas pela emancipação dos seus povos, Amílcar Cabral.

Para comemorar a data, a Rádio Gumbe emitiu um
programa especial, onde diversos convidados de ambos os países debateram o legado do histórico líder.

Amílcar CabralAmílcar Cabral

Convidados | Guiné-Bissau
Mário Cabral (Político guineense e antigo combatente)
Miguel de Barros (Sociólogo, guineense e Investigador do INEP)
Ernesto Dabo (Analista Politico e músico)
Julião de Sousa (Investigador guineense da Universidade de Coimbra)
Peter Mendy (Historiador e Professor Universitário, Rhode Island College, EUA)
Rui Landim (Analista Político guineense)
Zé Manuel (Cantor e músico guineense)
Fafali Koudawo (Historiador, Pesquisador e Analista Político)

Convidados | Cabo-Verde
S.E. Comandante Pedro Pires, ex-presidente de Cabo-Verde
Carlos Reis (antigo combatente de Cabo-Verde)
Olívio Pires (antigo combatente de Cabo-Verde)
Dores Silveira (antiga combatente de Cabo-Verde)
Redy Wilson Lima (Professor & Investigador, Universidade de Santiago, Cabo-Verde)

Ouvir programa

26.01.2013 | par herminiobovino | Amílcar Cabral, Cabo-verde, Guiné Bissau, rádio

"Cabral ka morri" - fotografias de Diogo Bento

“Cabral ka morri” (Cabral não morreu) é um trabalho conceptual (em progresso) do fotógrafo portuguêsDiogo Bento acerca da figura do líder guineense.

O projecto de investigação de Diogo Bento constitui uma homenagem à resistência e sobrevivência da memória de Amílcar Cabral, um dos principais responsáveis pela luta, libertação e independência da Guiné e de Cabo Verde. Sendo clara a necessidade de preservar e revisitar a vida e a obra de Amílcar Cabral, a sua proposta de construção de um arquivo dedicado a coleccionar documentos relacionados com o seu legado, sejam fotografias, suportes áudio, vídeo e alguns objectos, constitui uma investigação que não tem o propósito de formar uma narrativa com rigor documental e/ou histórico. À luz das práticas artísticas de alguns autores contemporâneos, que têm desenvolvido projectos baseados na apropriação de imagens documentais e na releitura desse legado, Diogo Bento revela assumidamente o desejo de construir uma ficção geradora de novos significados assente numa visão parcial, reflexiva, sobre a vida de Amílcar Cabral. - Sandra Vieira Jürgens, 2011

Esteve em exposição na Plataforma Revólver, Edifício Transboavista, Lisboa, entre 30 de Junho e 30 de Julho de 2011 e no Espaço Experimental de Arte e Design do M_EIA, Mindelo, Cabo Verde, de 17 a 31 de Janeiro de 2012. A instalação no espaço expositivo incluía a reprodução, em loop, do registo sonoro integral da última Mensagem de Ano Novo de Amílcar Cabral, transmitida pela Rádio Libertação em Janeiro de 1973.

 

pode ver a sequência publicada no Público aqui 

 

21.01.2013 | par martalanca | Amílcar Cabral, arquivo, Diogo Bento, fotografia

ATIVU, de César Schofield Cardoso, 18 Janeiro, Cidade da Praia.

ATIVU, de César Schofield Cardoso: 18 de janeiro às 18:30 até 20 de janeiro às 22:00 em UTC-01 Praça Alexandre Albuquerque, Praia, Cabo Verde
ATIVU Que está apto para agir. Que age ou atua; que funciona; enérgico; diligente; dinâmico. Intenso; forte. Conjunto de valores positivos duma empresa ou pessoa.
ATIVU é um vídeo que cruza a poética de Amílcar Cabral com vozes de ativistas da atualidade em Cabo Verde. Amílcar Cabral, antes de estratega, político e diplomata, era um homem de olhos atentos ao meio físico e humano que o circundava. Ardia-lhe na pele as agruras da terra. Amava e sofria intensamente. Vivia, vivia com intensidade.
Direção Artística César Schofield Cardoso | Coordenação Técnica Ana Torres Arenas | Poemas ditos por Emerson Pimentel, Lúcia Cardoso e Mariana Faria  | Canto Lúcia Cardoso |Músicas Buddha, Republica, Dapox (hip-hop), Tubarões | Pesquisa Carlos Santos (Ministério da Reforma do Estado). Poemas de A.Cabral recolhidos em “Emergência da Poesia em Amílcar Cabral”, Oswaldo Osório, 1984. Fontes Instituto Nacional do Arquivo Histórico, Arquivo da Rádio Nacional de Cabo Verde, Arquivo da Televisão de Cabo Verde. ParticipaçãoJosé António Cardoso Tavares, João José “UV” Tavares Monteiro, João Gomes de Pina Lomba, Kevin Luís, Stefania Bortolotti, Néné. Agradecimentos Toni Andrade, Mafalda, Ana (TCV), Nuno Lobo Linhares Carvalho, Projeto Simenti, Djick Oliveira, Djinho Barbosa.       No Facebook: www.facebook.com/eventu/ativu

15.01.2013 | par franciscabagulho | Amílcar Cabral

Luta ca caba inda

 

Aristides Pereira, Julius Nyerere, Luís Cabral, Bissau, 1976 (bruto) © INCA Guiné-Bissau, José Cobumba, Josefina Crato, Flora  Gomes, Sana na N’Hada Aristides Pereira, Julius Nyerere, Luís Cabral, Bissau, 1976 (bruto) © INCA Guiné-Bissau, José Cobumba, Josefina Crato, Flora Gomes, Sana na N’Hada

ZDB e o B.leza juntam-se na comemoração do 40º Aniversário da morte de Amílcar Cabral [Quinta, 17 de Janeiro 2013]

Luta ca caba inda  

Visionamento e conversa com Filipa César e Sana na N’Hada. [Aquário ZDB, das 18h às 20h30]. Após a independência, em 1974, Guiné-Bissau passou por um breve período socialista que terminou com um golpe de estado militar em 1980. A grande maioria do material que, desde 1973, foi filmado por quatro jovens realizadores (Josefina Lopes Crato, Flora Gomes, José Bolöama Cobumba e Sana na N’Hada), ficou por editar. No contexto de instabilidade politica no país, este material facilmente foi esquecido pelas autoridades responsáveis e consequentemente, grande parte dele foi perdida ou detriorada ao longo do tempo. O projecto Luta ca caba inda foi criado inicialmente com o objectivo de tornar acessível os despojos desta curta fase do cinema militante da Guiné-Bissau. Em colaboração com os realizadores Flora Gomes e Sana na N’Hada, e o Arsenal - Instituto do cinema e video-arte (Berlim) Filipa César possibilitou a preservação e digitalização do material arquivado. Este programa de visionamento, propõe o estado fragmentário e inacabado do material como ponto de partida para pensar acerca das possibilidades que estas imagens podem criar em termos de produção de conhecimento e história do cinema. 

Luta ca caba inda (A luta ainda não acabou) é um projecto realizado em parceria com Arsenal- Instituto do cinema e video-arte, Berlim, Jeu de Paume, Paris, The Showroom, Londres e ZDB, Lisboa. Tem o suporte financeiro da Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa e Kunstfonds, Bonn. A digitalização do arquivo foi financiada pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros Alemão em colaboração com Arsenal, Berlim. 

Jantar guineense  No 49 da ZDB, das 20h30 às 22h  (sujeito a reserva prévia) 

no B.leza [A partir das 23h] Concerto comemorativo do 40º Aniversário da morte de Amílcar Cabral com os artistas guineenses Malam di Mama Djombo + Maio Coopé + Baba Canuté + Gentil Policarpo 

Galeria Zé dos Bois Rua da Barroca, 59 1200-047 Lisboa  [Reservas:  +351 21 343 0205 | reservas@zedosbois.org ]

B.leza [Rua Cintura do Porto de Lisboa, Armazém B (Cais do Sodré), Lisboa, Portugal.]

08.01.2013 | par franciscabagulho | Amílcar Cabral, cinema, Guiné-Bissau

AMÍLCAR CABRAL, UM PROJECTO INTERROMPIDO - Lisboa

Seminário por ocasião dos quarenta anos do seu assassinato

21 de Janeiro de 2013

Auditório da Fundação Mário Soares (Rua de S. Bento, 160)

Organização: Fundação Mário Soares e Instituto de História Contemporânea da UNL 

Programa

11.00 | ESTADO DA ARTE

Apresentação do seminário

Arquivo Amílcar Cabral na internet, por Alfredo Caldeira (Fundação Mário Soares)

Investigadores e investigações académicas sobre Amílcar Cabral, por António Duarte Silva (Tribunal Constitucional)

Debate moderado por José Neves (IHC/FCSH-UNL)

13.00 | Intervalo para almoço

15.00 | ANTI-COLONIALISMO, RESISTÊNCIA E EMANCIPAÇÃO

Agronomia e Império, Cabral e uma outra partilha do sensível, por Maria-Benedicta Bastos (Paris IV – Sorbonne)

Alguns tipos de poder – Cabral no século XX português, por José Neves (IHC/FCSH-UNL)

“Alterar a verdade” – Meios de reprodução técnica e invenção de culturas trans-nacionais, por Manuela Ribeiro Sanches (FLUL)

Debate moderado por Marcos Cardão (ISCTE-IUL)

17.00 | Pausa café

17.15 | GUERRA COLONIAL, FIM DO IMPÉRIO E INDEPENDÊNCIA

A evolução estratégica da guerra na Guiné, por Daniel Gomes (CEIS 20-UC)

Mesa-redonda em torno do assassinato de Cabral e suas repercussões, com Diana Andringa (jornalista), José Pedro Castanheira (jornalista) e Eduardo Costa Dias (CEA-ISCTE)

Debate moderado por Pedro Aires de Oliveira (IHC/FCSH-UNL)

19.15 | ENCERRAMENTO

Fernando Rosas (IHC/FCSH-UNL)

Carlos Reis (Fundação Amílcar Cabral)

Mário Soares (FMS)

07.01.2013 | par martalanca | Amílcar Cabral

Concerto de Homenagem a Amílcar Cabral | B.Leza | 17 de Janeiro - LISBOA

  • Dia 20 de Janeiro completam-se 40 anos sobre a morte de Amílcar Cabral. Um Homem que fez a história da Guiné e Cabo Verde será homenageado no B.Leza, pela mão dos fundadores dos Super Mama Djombo. Baba Canuté e Malam Malé marcam esta data no nosso palco. A partir das 22H30.

    Entrada 7€

Club B.leza

03.01.2013 | par martalanca | Amílcar Cabral

"Sol Maior Para Comandante" - lembrando Cabral, há 39 anos assassinado

Super Mama Djombo / LP : Sol Maior Para Comanda
After Guinea-Bissau gained independence from Portuguese colonial rule in 1974, Super Mama Djombo was the most popular band in the country for more than a decade. Their lyrics in Guinean Creole represented the young nation´s aspirations for better future and were politically charged. The rhythm of gumbé, a fusion of Creole and traditional music with diverse ethnic origins was infectious and people rapidly got on to their feet to dance. The band toured in neighbouring countries as well as abroad, and gained many fans. 
….The third volume, “Sol Maior Para Comandante”, is really another album in the Regard Sur Le Passé style, including a storyteller recounting the historic events. The difference with Bembeya’s Regard is the fact that the events (the heroic acts of Amilcar Cabral in the luta for the independance of Guinea-Bissau) weren’t from a (relatively) distant past, but from a few years before the release of the album!
Like the Bembeya classic, the album not only conserves a very interesting chapter of African history, but also offers some brilliant music from a country which has remained relatively underexposed in the study of and research into African music….
Photos: Guinea Bissau
Mr Knut Andreasson and Ms Birgitta Dahl visiting liberated areas in Guinea Bissau in November 1970
Photographer and original exhibiter: Mr. Knut Andreasson
Norwegian photographer Mr Knut Andreasson and former Speaker of the Swedish Parliament Ms Birgitta Dahl together with a Swedish delegation, visited the liberated areas in Guinea Bissau in November 1970. This visit gave them an opportunity to talk to Amílcar Cabral in his own environment and gain a deeper understanding of the struggle for independence from Portugal. Andreasson and Dahl later compiled a book* in Swedish on their trip. Andreasson also produced a photo exhibition to inform the Nordic people about PAIGC and the colonised areas. Not only the exhibition, but also most of the photos from this period, were later donated to the Nordic Africa Institute by Andreasson’s widow. The exhibition was donated to the Amílcar Cabral Foundation by the Nordic Africa Institute and presented by Ms Birgitta Dahl in connection with the 80th anniversary celebrations of Amílcar Cabral’s birth in September 2004.
The pictures show how life was in the liberated areas. How people went about and did their daily chores, but also the military side, the soldiers and their weapons. As Guinea Bissau has plenty of rivers, the boat was an important mode of transportation, in particular as the Portuguese blew up most of the bridges. Over 99% of the population was illiterate when the struggle started in 1963 so education was important and PAIGC ran camp-schools for children and adults. About 75 such schools existed - one of the first was the Escola Piloto in Conakry. The new ABC book was funded by Norwegian students and printed in Sweden. The pictures also show cultural events and health care facilities.
Some of the following pictures are published in the book* by Knut Andreasson and Birgitta Dahl, where it is possible to read mote about the situation in Guinea Bissau at the time.
*Guinea-Bissau : rapport om ett land och en befrielserörelse / Knut Andreassen, Birgitta Dahl, Stockholm : Prisma, 1971.
From 

 

17.01.2012 | par martalanca | Amílcar Cabral, Guiné Bissau

Cabral Ka Morri - fotografias de Diogo Bento

16 de Janeiro no M-EIA - Mindelo, Cabo Verde

 

11.01.2012 | par martalanca | Amílcar Cabral

Cabralista

no próximo dia 20 vai estar disponível uma aplicação para Iphone e Android sobre a história de  Amílcar Cabral. 

 

09.01.2012 | par samirapereira | Amílcar Cabral

"Amílcar Cabral (1924-1973) - Vida e Morte de um Revolucionário Africano", de Julião Soares Sousa

Conferência e sessão de apresentação do livro Amílcar Cabral (1924-1973) – Vida e Morte de um Revolucionário Africano, de Julião Soares Sousa, no âmbito das comemorações do 37.º aniversário da independência da Guiné-Bissau e do 87.º aniversário do nascimento de Amílcar Cabral, promovidas pela Associação Guineense para a Paz e Democracia e pelas Embaixadas da Guiné-Bissau e da República de Cabo Verde, no dia 23 de Setembro 2011 (sexta-feira), pelas 17:00 horas no Grande Auditório do ISCTE / Instituto Universitário de Lisboa – Edifício11, entrada pela Av. Aníbal Bettencourt –, em Lisboa.

Na Mesa de Honra estarão presentes o Dr. Fali Embaló, Embaixador da

Guiné-Bissau, a Dra. Cristina Pereira, Encarregada dos Negócios da Embaixada de Cabo Verde e o historiador, Julião Soares Sousa, autor do livro, Amílcar Cabral (1924-1973) – Vida e Morte de um Revolucionário Africano.

A moderação das intervenções e apresentação do livro será da responsabilidade do escritor e poeta Dr. José Luís Hopffer Almada.

O evento será complementado com uma sessão de poesia e música a cargo do escritor Kwame Kondè (Francisco Fragoso) e do músico Manecas Costa.

 

 

19.09.2011 | par joanapires | Amílcar Cabral, Guiné Bissau, independência

Documento da gravação de Amilcar Cabral na Residência no CENTA em 2008.

Letras, batida e gravação deitas no momento. também participaram na resudência: Primero G | Mortex | Sette | Dygas | Klicklau Nhaco Rapazinho
Letra:

(Kaya ;escrito em 2001):
Cabral ka morri Cabral tinha rason Cabral ka morri e fika na nôs curaçon
El ke nôs eroi tudu ses camarada sabi komo se morte foi
Cabral luta pa Cabo-verde e Guiné ku fé djunto ku P.A.I.G.C
Era um homi xeio cimplicidade luta pa nôs liberdade
Tornano um país independente ta trabadja pa podi bai pa frenti
Pa nu alimenta di nôs próprio cimente
Guineenses caboverdianus misturados na mato fasi ses planu pa podi salvano di kes ki injuriano iscravizano maltratano ma na nos terra nen nu ka ta preokupa, ku se estoria nasceu em Bafata Morreu em Conacry so keli kes flan na escola
si bu pensa ma Cabral morri bus ta enganado pamo Cabrala e mi Cabral e bo Cabral e tudo caboverdiano ku guineense ki ta pensa ma nôs e irmano, nhos ka komprende pensamento de Cabral nhos inverte plano otrabês nhos sa dexan enganano armados em burguês babilónia kre tornano cês colónia kumpra nos terra sta na moda
(LBC — Nos Ki Nasci Homi Ki Ta Mori Homi):
kabral bu morre cedo hoji dja nu kateni ninguen pa defendenu
Cúmplices di bu assassinato hoji na nós terra é chefe di governu
Bu luta pa nu libertanu di um opressor malfeitor
E hoji na nós terra opressor muda di rostu di cor
Povu de memoria kurto sta bati palmu presidentis traidor
Dirigentes moda monstru ki nem pa si povu ka ta xinti amor
O ki bu construi tudo djes destrui depois di independência
Trai bu pensamentu, trai povo privatiza tudo empreza
Governo sem autonomia ki ka krotola economia
Pais ku regime num frontera ki democracia ta confundi ku tirania
É triste afrikanu nós manu humilhado na casa di irmon
Pedro pires pidi Portugal pa djudal combati imgraçon
di afrika contradiçon ki kenha ta luta pa unifica afrika
E goci la sta pui politica di Europa fortaleza em pratica
Promove divison e promove comportamentus xenófobos
Reprimis ku politica di imigraçon e tchupa Europa obu
Fuck Pedro Pires 2004 bu ganha ku fraude eleitoral
e na ensinu governu kré paga memoria di kabral
Praia brutalidade policial dia fuck governu e ses piquete patife
Ze Maria És bu piquete é verson caboverdianu di pidi
Guiné ku kovernu di corrunpido rendidu a narcotrafiku
Menti revolucionário és ta mata sima és fazi Zé Carlos
És ka sabi es ka sabi ideiasdi ka ta morre ki ta morre é so ses corpu
Juventi dexa da pa dodu flaz pez explicau morti Renato Cardoso
Kabu verde na passadu usadu na comercio triagular
Hoji Europa kré usal como ponto di estratégia militar
Usa nós paiz ku medo di guerra nuclear
Djes ka bendi o k nu konquista na guerra di ultramar
Kabral nunka ka morre MINAO unidade e luta mentalidade di guerrilha
Nu descubri kabral dentu di nós labanta voz luta pa justiça
E goci lá só miséria, repressom na nós pais ki ta habita
Pais sem liberdade di expresom governu repressor Assassinatu kês ki siguiu sekretamente
Blacksuntzureu afrikanu sobreviventi maafa extermínio em massa
Passado ta inda ta tormentanu sima fantasma di Ruanda Amílcar

Continuez à lire "Documento da gravação de Amilcar Cabral na Residência no CENTA em 2008."

27.07.2011 | par martalanca | Amílcar Cabral, Chullage

AMÍLCAR CABRAL (1924-1973) – Vida e Morte de um Revolucionário Africano

Amílcar Cabral é um dos políticos africanos com maior renome internacional. Pertence à primeira geração de nacionalistas e, como tal, o seu nome ombreia com o de outros nacionalistas que, de uma forma ou de outra, ganharam notoriedade. Para além de político e dinamizador de massas, prerrogativas expectáveis em tais líderes políticos, Cabral posicionou-se ainda, e nessa qualidade tem sido lembrado, como um dos grandes intelectuais da África Subsariana. Estes e muitos outros aspectos relacionados com a história de vida, com o pensamento e com a acção política de Amílcar Cabral são exaustivamente tratados por Julião Soares Sousa ao longo desta obra. Para além dos conhecimentos que são apresentados ao leitor com a devida profundidade teórica e analítica, reputo ainda de particular importância o cuidado dispensado aos aspectos metodológicos. Trata-se de uma obra que (…) contribui decididamente para o aprofundamento do conhecimento sobre o nacionalismo africano nos espaços de colonização portuguesa e, numa acepção mais alargada, para o desenvolvimento dos Estudos Africanos em Portugal. (in Prefácio de José Carlos Venâncio) A obra inclui um extratexto de 16 págs. a p/b com imagens e gravuras inéditas em livro.

Julião Soares Sousa é natural de Bula (República da Guiné-Bissau). Licenciou-se em História pela Universidade de Coimbra, em 1990. É o primeiro guineense a concluir o Mestrado (1997) e o Doutoramento (2008), nesta Universidade. Tem proferido várias conferências em Portugal e no estrangeiro. Entre os livros, artigos e colaborações em obras colectivas destacam-se: “Os movimentos unitários anticolonialistas (1954-1960). O contributo de Amílcar Cabral”, “Amílcar Cabral: do envolvimento na luta antifascista às manifestações de tendência autonomista no Portugal do pós-Guerra (1945-1957)” e “O fenómeno tribal, o tribalismo e a construção da identidade nacional no discurso de Amílcar Cabral”. Actualmente é Investigador no Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX da Universidade de Coimbra (CEIS20).

04.06.2011 | par martalanca | Amílcar Cabral