debate sobre '46750', de João Pina

João Pina trabalhou no Rio de Janeiro durante uma década. As suas fotografias documentam uma cidade em transformação profunda, começando em 2007, quando o Brasil foi escolhido para organizar o Campeonato Mundial de Futebol de 2014, e até 2016, quando o Rio foi palco dos Jogos Olímpicos.
O livro é composto por 67 imagens que muitas vezes focam o lado invisível da «Cidade Maravilhosa»: João Pina foi às favelas fotografar traficantes, acompanhou operações da polícia visitou os estaleiros das imensas infra-estruturas construídas para os dois maiores eventos desportivos do mundo, esteve no centro das barricadas — físicas e simbólicas —, ouviu histórias de ambos os lados.
«46750» retrata uma cidade em mutação, mas que apesar disso não se livra da sua histórica violência, das clivagens sociais, do espírito de improvisação e de um quotidiano imprevisível.

28.06.2018 | by martalanca | fotografia, joão pina, Rio de Janeiro, violência

Hoje é sempre ontem - um Rio de Janeiro, de DANIEL BLAUFUKS - lançamento I LISBOA

26 de Novembro, 22h na Barraca

26.11.2013 | by martalanca | Daniel Blaufuks, Rio de Janeiro

Memórias do Esquecimento

This film, shot in 2008, explores how memory of slavery intersects with life experience, black affirmation and urban reconversions in contemporary Rio de Janeiro. Despite the central place that Rio de Janeiro played in the Atlantic slave trade until the end of the 19th century, traces of this past have for long looked hidden in the urban landscape. This forgetting is not simply a random phenomenon, it also relates to the myth of racial democracy as an ideal that has actively tried to downplay racial inequalities in Brazil in the name of national mixture. Albeit little visible, the memories of a slave past are not deleted completely. They emerge ambiguously, but also powerfully, in the daily life of Tia Lúcia and Alder, the main characters of this film.

19.11.2013 | by martalanca | escravidão, Rio de Janeiro

Triângulo - brevemente perto de si!

Rio de Janeiro, Luanda, Lisboa: três cidades ligadas por um passado comum passam juntas por uma transformação que mudará a forma como sempre se relacionaram. “Triângulo” é um filme composto por três estórias dirigidas por jovens realizadores de cada país. Explora os novos contornos, segredos e discussões entre as três cidades, através do olhar dos seus novos habitantes: Licínio, um angolano no Rio; Inês, uma portuguesa em Luanda; e Paula, uma brasileira em Lisboa.

……
Produção
Geração 80, Plataforma, Colectivo Tás a Ver? e Vende-se Filmes

Realização
Fernanda Polacow e Juliana Borges (Brasil) / Mário Bastos (Angola) / Filipa Reis e João Miller Guerra (Portugal)

Música: Bande Dessinée - “Setubanalidades” (Filipe Barros/Jr. Black)

02.09.2013 | by martalanca | lisboa, Luanda, Rio de Janeiro

Quintal da língua portuguesa

Luiz Raul Machado conversa sobre Sylvia Orthof, na Editora Rovelle, dia 22 Novembro, 16:00h:

O Quintal da Língua Portuguesa, criado em 2011, no Rio de Janeiro, é um grupo de artistas que pretende divulgar a literatura de países de língua portuguesa.

Membros fundadores: Andre Neves, Edna Bueno, Fabio Sombra, Lucilia Soares, Luiz Raul Machado, Ninfa Parreiras, Ondjaki, Suzana Vargas, Volnei Canonica.

20.11.2012 | by herminiobovino | literatura, Literatura lusófona, lusofonia, Rio de Janeiro

Devir mundo da favela e devir favela do mundo

As favelas criam continuamente novas formas de vida, mesmo no seio desse novo ciclo de acumulação do capitalismo globalizado – que é financeiro, mas também fundiário e cognitivo-criativo-cultural. E, nessa criação contínua, entram em conflito com as atuais transformações urbanas em direção aos megaeventos.

Com a aproximação da Copa e das Olimpíadas nos próximos anos e a atual realização da Rio+20, faz-se necessário pensar não apenas o conceito de cidade, como também perguntar: em que Rio de Janeiro desejamos morar e viver? Se existe uma característica urbana tipicamente carioca, esta é a favela: ela está presente tanto no imaginário do morador quanto na visão estrangeira da cidade. E é quase sempre lembrada apenas pelos aspectos negativos. Os tecnocratas a chamam de “assentamento subnormal” ou “área degradada”. A ONU adota uma concepção física e legal, definindo-a como “área superpovoada e com residências informais”. Seu correlato em inglês é slum, entendido como o local de residência de uma população pobre e viciada: uma verdadeira “patologia social”. Mesmo o meio acadêmico não escapa da percepção da “favelização” em suas dimensões negativas quando a percebe como segregação espacial que leva à fragmentação social, à violência civil e ao enfraquecimento da proteção social.

ler + no Le Monde Diplomatique, BRASIL de Giuseppe Cocco, Alexandre Mendes, Barbara Szaniecki

06.07.2012 | by franciscabagulho | Brasil, cidade, favela, Rio de Janeiro, Rio+20

De 21 a 25 de Maio: ÁFRICA DIVERSA | Expoentes dos estudos afro no Centro de Artes Calouste Gulbenkian


Escritores, pensadores, acadêmicos, atores e músicos reunidos
no projeto ÁFRICA DIVERSA
Evento contará com expoentes da cultura afro-brasileira e africana e oferecerá oficinas, minicursos e palestras.
De 21 a 25 de maio no Centro Municipal de Artes Calouste Gulbenkian. Entrada franca.
Valorizar e difundir as culturas afro-brasileira e africana através de apresentações culturais e atividades literárias: esse é um dos objetivos do projeto África Diversa que, em sua segunda edição traz ao Rio de Janeiro uma agenda que mostrará um pouco do legado afro-brasileiro e africano. O evento é uma realização da Secretaria Municipal de Cultura do Rio e oferecerá, durante cinco dias (de 20 a 25), no Centro Municipal de Artes Calouste Gulbenkian (coração da Praça XI – conhecida como Pequena África; reduto por excelência dos negros brasileiros), um seminário educativo com oficinas, cursos, palestras e debates com escritores, pesquisadores e artistas que trabalham com estes temas. Da mesma forma, poderá prestigiar e participar de apresentações artísticas diárias e lançamento de livros. O evento tem como objetivo a formação de educadores e artistas que desejam se aprofundar no conhecimento de temas sobre cultura afro-brasileira e africana. Todos os eventos têm entrada gratuita.

Milton Teixeira. Luiz Carlos Prestes Filho. Reginaldo Prandi. Joel Rufino dos Santos. Hassane Kouyaté. Tânia Andrade Lima. Ondjaki. Esses são alguns dos artistas e escritores que realizam um trabalho de excelência com cultura africana e afro-brasileira e que ministrarão palestras, minicursos e oficinas no Seminário. As inscrições devem ser feitas através do site www.africadiversa.com.br, a partir do dia 11 de maio. Haverá minicursos sobre os griots, danças populares maranhenses, o maracatu, contos afro-cubanos, orixás e contação de histórias.

“O projeto atende à necessidade de formação de educadores e artistas que desejam se aprofundar no conhecimento de questões ligadas à cultura afro-brasileira e africana. Nossos palestrantes, que possuem larga experiência nos temas,  terão o desafio de trazer novas questões, olhares  e reflexões sobre a formação de identidade, a diversidade cultural, a relação entre tradição e contemporaneidade, o diálogo África-Brasil e, sobretudo, a importância da transmissão oral nestas sociedades”, explica a curadora do África DiversaDaniele Ramalho.

A programação tem início às 10h de domingo (20), na Praia de Copacabana, com a apresentação do grupo folclórico do Maranhão ‘Boi Brilho de Lucas’. Às 15h, a ‘Roda de Tambor de Crioula’, também do Maranhão, se apresentará na Praça XV. Na manhã seguinte, no Centro Municipal de Artes Calouste Gulbenkian, haverá a abertura oficial com o Secretário Municipal de Cultura Emilio Kalil (às 9h), será dado início ao seminário e às atividades artísticas como mostra de filmes, shows (Baile Black com DJ Marcello B Groove e show do BNegão), contação de histórias e teatro adulto. Serão apresentados os espetáculos: “The Island”, da Cia do griot Hassane Kouyaté, Deux Temps Trois Mouvements (Dois Tempos Três Movimentos) no dia 24, às 18h, e “Besouro Cordão de Ouro” no dia25/maio, às 20h, com a direção de João das Neves. 

Mais informações (toda a programação) sobre os eventos e inscrições para o seminário no sitewww.africadiversa.com.br, a partir do dia 11/05. As atividades terão certificado de participação para quem se inscrever através página do projeto.
Centro Municipal de Artes Calouste GulbenkianEndereço: Rua Benedito Hipólito, 125 - Praça XIEntrada franca

16.05.2012 | by joanapereira | Africa, Calouste Glubenkian, capitais, estudos, Rio de Janeiro

Projeto "Ocupação negra"

Uma das mais tradicionais companhias que trabalham com a cultura afro-brasileira, a Cia. Rubens Barbot, está completando 21 anos e a cidade do Rio de Janeiro vai ganhar o presente. O projeto Ocupação Negra estreia no dia 20 de abril com o espetáculo de dança Um Rio, de Janeiro-a-Janeiro, no Centro de Artes Calouste Gulbenkian, que receberá até o dia 6 de maio inúmeras atividades: Dança, oficinas e workshops com renomados bailarinos, filmes e vídeos sobre a temática  da Dança Contemporânea e da Cultura Afro, Exposição de tapeçarias e de fotografias da Cia e palestras.

Gatto Larsen, coordenador de produção da companhia explica orgulhoso de como será a “Ocupação”: “A Cia Rubens Barbot está completando 21 anos e nossa Ocupação Negra é um grande presente para nosso público fiel desta Cidade Maravilhosa. Todas as atividades e o espetáculo são gratuitos. Nossa intenção é realmente ocuparmos o Centro de Artes Calouste Gulbenkian com muitos corpos, gestos, imagens e sensibilidades sob uma perspectiva cultural e humana!” – explica Gatto Larsen.

Sinopse dos eventos:
Um Rio, de Janeiro-a-Janeiro
Um olhar sobre a gestualidade do carioca. É nesta direção que o espetáculo de dança contemporânea Um Rio, De Janeiro-a-Janeiro segue para contar um pouco das histórias carioca. Seu humor, seu deboche, sua sensualidade, seu ritmo e suas histórias corporais. Destaque para a trilha sonora que vai de Cartola, Paulinho da Viola, Luiz Melodia até Jorge Aragão, Agrião e Carlos Dafé. De 20 de abril a 06 de maio (sexta a domingo, às 20h). Entrada franca, com senhas distribuídas das 18h30 às 19h30. Classificação livre.

Oficinas e workshops
Duas oficinas serão ministradas durante a Ocupação Negra: “Linguagem à Companhia” e “Técnica Horton”. A primeira, que acontece entre os dias 24 e 27 de abril, contará com o coreógrafo e diretor da Cia que leva seu nome, Rubens Barbot e a bailarina e doutora em Corporologia, Cláudia Ramalho. Já a segunda, será ministrada pelo coordenador geral do Instituto Oyá e diretor artístico da Cia C Dança Negra Contemporânea, Elísio Pitta; e acontece entre os dias 30 de abril e 4 de maio. Sempre das 8h às 12h. Vagas: 25.

Os workshops “Danças religiosas de matriz africana na contemporaneidade” e “Hip-hop no contexto da Cia Rubens Barbot” serão conduzidos pelos bailarinos Ulisses Oliveira e Wilson Assis, respectivamente. A primeira será realizada nos dias 28 e 29 de abril, enquanto a segundo nos dias 5 e 6 de maio. Das 10h às 12h. Vagas: 25.

Inscrições pelo email: dancarb@ig.com.br
Filmes e vídeos
Nove vídeos serão exibidos entre o dia 24 de abril e 4 de maio. Dentre eles estão curtas, documentários e registros da própria Cia  e da dança negra contemporânea de maneira geral, a saber: Ensaio de Cinema; Desorganizadores de Fichários; Toque de Dança; EletronicZumbi; Em Pleno Meio Dia da Nossa Noite; Ensaio de Cinema; Tempo de Espera; Quase uma História; O Reino do Outro Mundo – Orixás; 40+20.

Exposição e Palestras
Retalhos de Barbot (tapeçarias) e fotografias de making of da Cia serão expostas na Galeria Ismael Nery do Centro de Artes Calouste Gulbenkian. O diretor de produção Gatto Larsen e a pesquisadora Cláudia Ramalho darão palestras sobre espetáculos corporais nos dias 3 e 4 de maio, respectivamente. Às 16h30.

 Wilton Montenegro/Cia. Rubens Barbot Wilton Montenegro/Cia. Rubens Barbot

Serviço:
Ocupação Negra
De 20 de abril a 6 de maio
Centro de Artes Calouste Gulbenkian
Endereço | Rua Benedito Hipólito, 125 – Praça XI
Entrada franca
Informações para imprensa
Márcia Vilella | Diego Cotta
Target Assessoria de Comunicação
21 2284 2475

20.04.2012 | by herminiobovino | dança, Rio de Janeiro, video, workshop

Cidade aTravessa poesia dos lugares, LISBOA

Depois de um ano atravessando Rio de Janeiro e São Paulo, o evento mensal Cidade aTravessa: poesia dos lugares cruza o oceano e aporta em Lisboa. Nessa primeira edição portuguesa (décima primeira do evento), nômades portugueses e brasileiros como Ana Luisa Amaral, Antonio Cícero, João Gilberto Noll e Fernando Aguiar, o francês Henri Deluy, o italiano Enzo Minarelli, além de outros poetas vindos do México, Holanda e Reino Unido, se reúnem na Casa Fernando Pessoa durante dois dias para celebrar as várias maneiras de dizer poesia.  Com curadoria dos escritores brasileiros Márcio-André, Victor Paes e Ronaldo Ferrito, o evento surge com a necessidade de criar um núcleo móvel da palavra, unindo os movimentos de diversas partes do mundo e fazendo convergir as inúmeras vertentes poéticas atuais, em seu amplo aspecto de entendimento. Leituras, performances de poesia sonora, filmes que experimentam a palavra, poemas visuais, além de conferências instigantes e entrevistas abertas, levam ao público o que há de mais atual na poesia contemporânea. Tudo, claro, regado a absinto, bebida que se tornou símbolo do evento. Em 2011, o Cidade aTravessa acontecerá revezadamente nas cidades de Lisboa, Rio de Janeiro e São Paulo, sempre com transmissão ao vivo pelo website do evento: http://www.confrariadovento.com/cidadeatravessa.htm

 

12.05.2011 | by franciscabagulho | absinto, lisboa, performance, poesia, Rio de Janeiro, são paulo

República do Samba comemora 10 anos, no Museu da República

Hiram Araújo Hiram Araujo em Roda de Leitura - Museu da República, no RIO DE JANEIRO
Dia 2 de dezembro -  Nacional do Samba - 15 horas -Mauro Viana
/ Baianas da Portela homenageiam Hiram Araujo, no Dia Nacional do Samba 
No dia 2 de dezembro, Dia Nacional do Samba, o projeto Roda de Leitura recebe, às 15 horas, o pesquisador Hiram Araújo, na Livraria do Museu da Republica. Diretor do Centro de Memória do Carnaval, Hiram Araújo vai conversar o jornalista Mauro Viana sobre sua extensa obra em torno do samba.
A apresentação começa com exibição do vídeo Pedra do Sal, 25 anos de Tombamento seguida de música. No encerramento, As Baianas da Portela comandam e integrantes do Bloco Campeôes da Vida comandam as homenagens ao portelense Hiram Araújo.
Na mesa do Roda de Leitura estarão parte da obra de Hiram Araújo como Natal, O Homem  de um Braço Só, Memória do Carnaval e Carnalval, Seis Milênios de Histórias, entre outros.
Há 10 anos no Museu da República (Rio de Janeiro), o República do Samba é um projeto jornalístico cujo formato faz uso de 3 linguagens: audiovisual, jornalismo e música. Este formato perpassa por 3 tempos (presente, passado e futuro) a fim de integrar 3 gerações. Nesta primeira faze o República do Samba revelou grandes talentos. Entre eles: Grupos Primitude, Negras Raízes, Batifundo, Sururu na Roda, Casuarina e as cantoras Márcia Moura, Margareth Mendeds, Julieta Brandão, Adriana Passos...

Keep reading "República do Samba comemora 10 anos, no Museu da República"

14.11.2010 | by martalanca | Rio de Janeiro, samba

TOPOGRAFIA DE UM DESNUDO de Teresa Aguiar

TOPOGRAFIA DE UM DESNUDO de Teresa Aguiar seguido de debate 25/06 - 19 horas - Odeon, Rio de Janeiro,
  A estória de um fato que abalou o início dos anos 60: a “operação mata-mendigos”. Esse episódio aconteceu no Rio de Janeiro, e culminou com a morte de vários moradores de rua, que eram presos, torturados e depois jogados aos rios Guandú e da Guarda. Alguns pesquisadores ligam as torturas a uma espécie de “treinamento” pelo qual estavam passando quadros da própria polícia, já que o fato aconteceu na “ante sala” do golpe militar. Mas o consenso é que o fato estava ligado à visita da Rainha Elizabeth ao Brasil. A “operação mata-mendigos” foi um processo de limpeza social. Esse fato teve uma grande repercussão nacional e internacional já que, pela primeira vez, uma operação dessa natureza era deflagrada com a participação de membros dos poderes instituídos. Com o golpe de 64, os processos foram arquivados e a história “apagada”. Contar essa história hoje extrapola a denúncia de algo que passou. É uma forma de refletir sobre como a sociedade trata ainda hoje a questão dos excluídos.   Em 1972, Teresa Aguiar era professora da Escola de Arte Dramática (EAD) da USP e foi com um grupo de alunos apresentar “O Rato no Muro” de Hilda Hilst no Festival de Teatro de Manizales, Colômbia. Nesse festival foi apresentada a obra “Topografia de um Desnudo” do chileno Jorge Diaz, que escreveu a peça baseado numa matéria que saiu nos jornais do Chile sobre a “operação mata-mendigos”. Junto com Teresa, assistiu ao espetáculo seu aluno, Ney Latorraca, que mais de 40 anos depois, integra o elenco do filme. De volta ao Brasil, Renata Pallottini fez a tradução e Teresa tentou encená-lo, mas o texto ficou preso na censura por 13 anos, e só em 1985 foi produzido. Porém, o texto nunca chegou a ser liberado totalmente, pois mesmo nos anos 80 era necessária uma autorização provisória da Polícia Federal, que era renovada a cada 15 dias. 
SINOPSE
Rio de Janeiro, anos 60. A cidade se prepara para receber a visita da Rainha Elizabeth. Num clima de tensão social e política que antecede o golpe militar, uma jornalista investiga a morte de moradores de rua e se envolve num perigoso jogo de interesses. Baseado em fatos reais desvenda um lado pouco conhecido da História: a “Operação mata-mendigos”, que ocorreu no Rio de Janeiro entre 62 e 63 e um dos motivos era a necessidade de “limpar” a cidade para a visita da Rainha.  

19.06.2010 | by martalanca | cinema, Rio de Janeiro