Conferência "Língua Portuguesa, Globalização e Lusofonia"

No próximo dia 2 de maio, pelas 18h, irá decorrer a conferência “Língua Portuguesa, Globalização e Lusofonia”, com o professor Moisés de Lemos Martins, da Universidade do Minho.


Local:

ISCTE-IUL - Auditório Silva Leal

 

27.04.2016 | by claudiar | conferência, globalização, ISCTE-IUL, lusofonia

CADERNOS DE ESTUDOS AFRICANOS n.º 25 - 2013 | free download

11.07.2013 | by raul f. curvelo | ANA BÉNARD DA COSTA (DIR.), Centro de Estudos Africanos, ISCTE-IUL

State and Societal Challenges in the Horn of Africa: Conflict and processes of state formation, reconfiguration and disintegration | free download

This book brings to fruition the research done dring the CEA-ISCTE project ‘’Monitoring Conflicts in the Horn of Africa’’, reference PTDC/AFR/100460/2008. The Portuguese Foundation for Science and Technology (FCT) provided funding for this project.

The chapters are based on first-hand data collected through fieldwork in the region’s countries between 4 January 2010 and 3 June 2013. The project’s team members and consultants debated their final research findings in a one-day Conference at ISCTE-IUL on 29 April 2013.

The following authors contributed to the project’s final publication: Alexandra M. Dias, Alexandre de Sousa Carvalho, Aleksi Ylönen, Ana Elisa Cascão, Elsa González Aimé, Manuel João Ramos, Patrick Ferras, Pedro Barge Cunha and Ricardo Real P. Sousa.

FULL BOOK (Free): DOWNLOAD

 

Introduction: understanding conflict and processes of state formation, reconfiguration and disintegration in the Horn of Africa
ALEXANDRA MAGNÓLIA DIAS 

From beleaguered fortresses to belligerent cities            
MANUEL JOÃO RAMOS

The security issues behind the ethiopian intervention in Somalia (2006-2009)
ELSA GONZÁLEZ AIMÉ 

Security stakes and challenges in the Horn of Africa
PATRICK FERRAS

African Peace and Security Architecture (APSA) subsidiarity and the Horn of Africa: the Intergovernmental Authority on Development (IGAD)
RICARDO REAL P. DE SOUSA

Somalia as a market for private military and security companies: definitions, agents and services         
PEDRO BARGE CUNHA

International intervention and engagement in Somalia (2006-2013): yet another external state reconstruction project?
ALEXANDRA MAGNÓLIA DIAS

The legacy of power sharing in Kenya: literature challenges and research agenda’s invisibilities
ALEXANDRE DE SOUSA CARVALHO

Still caught in the middle: nuba political struggle and failure of comprehensive peace agreement in Sudan
ALEKSI YLÖNEN

Resource-based conflict in South Sudan and Gambella (Ethiopia): when water, land and oil mix with politics
ANA ELISA CASCÃO

08.06.2013 | by raul f. curvelo | aleksi ylönen, alexandra magnólia dias, alexandre de sousa carvalho, ana elisa cascão, Centro de Estudos Africanos, elsa gonzález aimé, ISCTE-IUL, manuel joão ramos, patrick ferras, pedro barge cunha, ricardo real p. de sousa

Conversas Sobre a Mesa: As Percepções das Culturas Africanas na Arte – Diálogos e Inspiração a 24 Maio 2013, no ISCTE-IUL

Comedians’ Handbill, 1938 Paul Klee (German, 1879–1940)

Durante o início do século XX, a estética da escultura tradicional africana tornou-se uma poderosa influência na obra de diversos artistas europeus responsáveis por movimentos avant-garde e pelo desenvolvimento da arte moderna, dos quais sobressaem nomes como Henri Matisse, Pablo Picasso ou Paul Klee.

São os artistas deste período os primeiros a desenvolver um interesse estético e artístico pelas colecções de objectos oriundos das colónias africanas, que, um pouco por todas as capitais europeias, tornadas metrópoles de impérios coloniais em expansão, são reunidas em museus de cariz etnográfico.

A progressiva valorização da arte do continente africano fez-se acompanhada por intensos movimentos culturais que reclamavam a importância do pensamento e criatividade africana nas suas várias vertentes, literatura, música ou artes plásticas, intimamente ligados aos debates políticos suscitados por intelectuais que reclamavam a independência das colónias africanas.

Na era contemporânea  pós-colonial, a influência da estética e processos tradicionais africanos está tão profundamente embutida na prática artística que raramente é evocada. A crescente globalização do mundo da arte, que inclui agora artistas contemporâneos africanos, torna cada vez mais discutível qualquer termo que pressuponha uma divisão clara entre arte ocidental e não-ocidental.

É nos esforços para compreender, de modo abrangente, os fundamentos estéticos dos primórdios do modernismo que a investigação das influências africanas na arte moderna permanece relevante hoje.*

O propósito deste nosso encontro é o de reflectir sobre a forma como as culturas africanas foram,  e continuam a ser, fonte de inspiração  artística em todo o mundo. Importa, também, realçar os modos como os diálogos culturais sempre foram feitos de forma recíproca e assentes em influências multilaterais.

 O mapeamento, a compreensão, e as percepções destes movimentos são objecto de estudo de diversos investigadores e artistas.

Este é um dos muitos pontos em que se vai centrar o nosso debate.

* Baseado no texto de Murrell, Denise. “African Influences in Modern Art”. In Heilbrunn Timeline of Art History. New York: The Metropolitan Museum of Art, 2000. http://www.metmuseum.org/toah/hd/aima/hd_aima.htm (April 2008).

 

Moderação

Carla Henriques

Nasceu em Moçambique. Jornalista na RDP África (RTP) há 17 anos, onde foi coordenadora de informação durante mais de uma década. Formada em Ciências de Comunicação, frequentou o Mestrado em Relações Internacionais. Realiza e produz o programa sobre cinema nos países de língua portuguesa – GRANDE PLANO. Colabora com o programa de cinema da Antena 1 - CINEMAX . É consultora do Shortcutz Porto, júri e curadora de festivais de cinema. Convidados

Ismael Sequeira
Artista Plástico de origem são-tomense, desenvolve e participa em diversos projectos na área artística e cultural em Portugal e em São Tomé e Príncipe. Actualmente faz parte do núcleo fundador da Plataforma Cafuka.

Victor Pinto da Fonseca
Director da Plataforma Revólver - Para a arte contemporânea, autor e administrador da Artecapital - Magazine de arte contemporânea, curador de exposições e colecionador de arte. Nasceu em Luanda, vive e trabalha em Lisboa.

António Pinto Ribeiro
Fundação Calouste Gulbenkian

 

24 de Maio | 17h00-19h00 | Auditório Afonso de Barros, Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL)

 

Organização: África Mostra-se 2013 e Centro de Estudos Africanos do Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL)

22.05.2013 | by raul f. curvelo | África Mostra-se 2013, antónio pinto ribeiro, Carla Henriques, Centro de Estudos Africanos, ISCTE-IUL, Ismael Sequeira, The Metropolitan Museum of Art, Victor Pinto da Fonseca

"Novos intelectuais" na África Central - 15 Maio 2013, 18H - ISCTE-IUL

Seminário de Estudos Africanos: Novos Intelectuais” na África Central: protagonistas, temas e disseminação de conhecimento _ Ana Lúcia Sá (CEA-IUL)

15 de Maio | 18h00 | B104, ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa

Desde contextos da África Central Ocidental chegam discursos que contrariam o propagado epistemicídio do mundo não ocidental e os pressupostos considerados hegemónicos e exógenos. Entre estes discursos, que terão nos chamados “novos intelectuais” actores de destaque, encontram-se os mobilizadores de acções sociais e políticas, mas também os criadores de imagens colectivas sobre as mudanças e os palcos de afirmação que vão mais além dos programas centrados nos mitos do progresso e do desenvolvimento de cariz eurocêntrico.

Ana Lúcia Sá: Doutora em Sociologia, com uma tese sobre representações do mundo rural em romances angolanos e construção de sentidos de nação. Actualmente, e após um ano como investigadora na Instituciò Milà i Fontanals do Conselho Superior de Investigações Científicas (Barcelona), com uma bolsa da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, é Investigadora de Pós-Doutoramento no CEA-IUL. As suas investigações centram-se na construção do conhecimento social em “novos intelectuais” da África Central Ocidental, focando a análise das dinâmicas das respectivas sociedades em temas como o género, a diversidade cultural ou a descolonização do pensamento. É ainda vice-presidente de CEIBA (Centro de Estudos Internacionais de Biologia e Antropologia), com sede em Barcelona, ONGD de cooperação cultural com países da África Central.

Centro de Estudos Africanos - ISCTE/IUL  Av. das Forças Armadas
Edifício ISCTE, Sala 2N17
1649-026 Lisboa – Portugal
Tel: +351 217 903 067
Fax: +351 217 955 361
http://cea.iscte.pt
facebook.com/CentroEstudosAfricanos

13.05.2013 | by raul f. curvelo | Ana Lúcia Sá, Centro de Estudos Aficanos, ISCTE-IUL