Blackyva

Atriz. Cantora. Compositora. Performer. Foi criada na favela da Rocinha.  Aos 19 anos abandonou o emprego de atendente em uma copiadora e foi estudar teatro na Escola Técnica Estadual de Teatro Martins Penna, no Rio de Janeiro. Seu nome artístico é derivado da junção das palavras black e diva. Com visual andrógeno, a transsexual trouxe temas como violência doméstica, homofobia, sexismo, desigualdades sociais, entre outros.

Will Lopes: Ator - Performer
Em 2012, ingressou no curso livre de Produção Cultural pelo Observatório de Favelas na Rocinha. No mesmo ano, entrou para o coral do Instituto Reinaldo Delamare. Em 2013, ingressou na Oficina Livre, orientada por Anselmo Vasconcellos e, no mesmo ano, ingressou na Escola de Teatro Martins Penna. Em 2015, criou a performance Funk-Teatral “Blackyva”, tendo a oportunidade de se apresentar diversas vezes, além de conquistar uma viagem a Brasília para se apresentar na Conferência Nacional da Juventude ao lado de Karol Conka e Emicida. Em 2016 ingressou na Oficina ”Gênero, Teatro, e Performatividade - movimentos para corpos desviantes” ministrada por Silvero Pereira e Jezebel de Carli. 2017 integrou o elenco do espetáculo ”Balé Ralé” com contos de Marcelino Freire e direção de Fabiano Freitas (Teatro de Extremos). Integrou a mesa de debates da GLOBO na FLIP 2017. Foi convidado para fazer participar da co-criação do programa “Lazinho Com Você” no Globo LAB 2017. E ainda em 2017 integrou o elenco do espetáculo A Comédia e a Tragédia da América Latina (Teatro Municipal RJ) e SELVAGERIA do diretor Felipe Hirsch (Ultraliricos).

Música tocando na Rádio MPB FM.

Música tocando na Rádio alemã EINS

Matéria O Globo

Matéria Jornal Alemão ”Mittelbayerische” 

Matéria no Site A Coisa Toda (SP)

Matéria no Jornal Estadão

Matéria no Teatro Em Cena

Clipping online (Facebook)

Dicionário da MPB

Mídias socias: Facebook /  Instagram

06.12.2017 | by martalanca | Blackyva, funk, movimento negro, queer, teatro

“Alice na cidade: Ciências Sociais, Rap e Mais”

O espetáculo “Alice na cidade: Ciências Sociais, Rap e Mais” dia 17 de junho, pelas 21h30, no Teatro Académico de Gil Vicente (TAGV), em Coimbra. Este evento nasce da vontade de combinar arte e ciência, cruzando linguagens e razões/emoções que costumam andar desencontradas. Músicos, contadores de histórias, poetas, cientistas sociais ocuparão um palco que desafiará as fronteiras entre a cultura popular e a cultura erudita, as narrativas da universidade e da rua, as expressões da periferia e do centro. Rap, funk, kuduro, música cigana, histórias orais, slam poetry e outras poesias têm encontro marcado para uma ecologia de saberes imprevisível.  
“Alice na Cidade” surge no contexto do projeto Alice: Espelhos Estranhos, Lições Imprevistas, que tem como objetivo renovar o pensamento científico-social, desafiando a ciência a dialogar horizontalmente com outros conhecimentos e, nesse exercício de ecologia de saberes, contribuir para uma melhor compreensão do mundo e uma maior eficácia das lutas contra a exploração, a discriminação e a opressão. 

15.06.2016 | by martalanca | Boaventura Sousa Santos, CES, funk, histórias orais, kuduro, música cigana, rap, slam poetry

Márcio Costa, Domingo 23, no (in)continente - Zona Franca

Para o último Domingo (in)continente no Zona Franca, Soul, Funk, Pop e Ritmos africanos compõem o repertório do concerto com Márcio Costa, que inclui sons de Natal e belíssimos temas originais.

Márcio Costa – Voz
Roberto da Luz – Piano
Jackson – Baixo
Aluisio – Bateria
Shera – Back Vocal
Glauco – Guitarra

Para dançar até às tantas, a partir das 22h00, no Bartô.
ENTRADA LIVRE.
web

19.12.2012 | by herminiobovino | funk, música, música africana, pop, soul

Funk You with Afrobeat

Na intenção de continuar a proporcionar eventos alternativos para quem gosta de coisas diferentes com um gosto requintado musical, RITMO E CULTURA apresenta um evento ao sabor do funk e afrobeat. Dois estilos de música com fortes raízes em África. Quem não gosta e sente saudade de dançar aquele groove do funk exportado do Estados Unidos da América, ou sentir o poder rítmico hipnótico do Afrobeat, criado na Nígeria nos anos 70?

De James Brown a Fela Kuti, passando por outros tantos intérpretes, o objectivo será apenas um, criar um bom ambiente ao som das nossas raízes afro!

Para esta noite contaremos com a presença do Dj Moisés Luís, Dj Ulix In The Mix e o Selecta Ayala a providenciarem uma sessão repleta de boas vibrações e energias positivas, para relaxar, conviver e principalmente dançar muito ao ritmo do funk e afrobeat. Vem, participa e traz um amiga.

 

Debate em modo de Tertúlia sobre o Cabelo Natural, Sábado 14 de Abril às 17hOO, pelo preço de 2000KZ no CEFOJOR.

Como já tem sido habitual, o ritmo nunca vem só, vem sempre acompanhado da parte cultural. Como o funk e afrobeat estão bastante associados a imagem africana, ao cabelo afro, neste evento, o foco vai estar à volta do cabelo natural e a valorização da cultura africana. Para isso, RITMO E CULTURA, convidou o grupo das Angolanas Naturais & Amigos (A.N.A) e conjuntamente decidiram colocar em debate, numa conversa aberta, esse tema proporcionando uma conversa com convidados de honra, vindos das mais distintas áreas, como história, direito, sociologia, antropologia, saúde e psicologia.

Acreditamos que trocando opiniões evoluímos em sociedade valorizando sempre as nossas raízes culturais.
web
facebook

09.04.2012 | by herminiobovino | afrobeat, dj, Elinga Teatro, funk, música

Afro kunk Reggae para frente

Sexta 08 Outubro | 20H30 | 200MT <27anos 150MT | Gratuito membro CCFM

POSITIVO
Banda sediada em Inhambane

Composto por 3 Moçambicanos e 3 europeus, o grupo traz-nos uma música de fusão onde a África absorve, com os seus ritmos tradicionais, suas harmonias do sul ou do norte-africano, os estilos contemporâneos rap, funk, blues, reggae.
Com um CD gravado e um segundo a caminho, a banda já se apresentou mais de 20 vezes em Moçambique, Suazilândia, Marrocos, Áustria, …

 

08.10.2010 | by martalanca | afroreggae, funk, inhambane