ANDANDO EM TORNO DO SOL. MÁQUINAS, ARANHAS E CORSÁRIOS - curadoria de Eduarda Neves

Na mitologia grega, Europa, princesa filha de Agenor, rei da Fenícia, foi raptada por Zeus. Para evitar que Hera, a sua mulher ciumenta, soubesse, assumiu a forma de um touro branco de olhos azuis e deitou-se no prado enquanto Europa passeava com as suas damas de companhia. A princesa, encantada com a calma e o afecto do animal, aproxima-se e acarinha-o. Subitamente, o touro desata a voar raptando-a. Leva-a para Creta onde viveram desde então. Seja a história de um mito, que é também a história de um roubo, ou Eurasia de Beuys, é da complexa narrativa do Velho Continente que se trata: de uma Europa que foi roubada a uma Europa que roubou. Se na Idade Média uma das formas de exclusão seria a de embarcar os loucos em certos navios, foi no mar que os antigos navegadores procuraram a boa saúde que não encontravam em terra firme. Em comum têm esse parentesco, a possibilidade de ir e não voltar. Como limite entre a água e a terra, o embarque e o navio são figuras do além, a possibilidade de um dehors. Que intensidades encontramos, hoje, na Europa? Estaremos perante um modelo de repressão para as nossas máquinas desejantes que desinvestem no campo sócio-histórico? Como investir o desejo de força revolucionária e abandonar o homem superior, a gramática humanista de uma máquina de escrita envelhecida? Como destronar o Grande Império, o Grande Significante e manter a força activa do culto do erro, tal como Nietzsche chamou à invenção da arte? A libertação de Ariana, a aranha que mantém o fio no labirinto, supõe o apelo nietzscheano para que nos enforquemos com esse fio, ou seja, nos libertemos do ideal ascético, do disfarce moral. Manter a força activa do culto do erro, como chamou Nietzsche à invenção da arte e apropriarmo-nos do humor filosófico das Cartas Persas de Montesquieu, constitui a nossa “cozinha do sentido”. Sejamos Rica e Usbek, os persas imaginários desse livro prodigioso. Na mesma Terra mas com homens diferentes. A Terra gira em torno do Sol. E nós com ela, a ocidente e a oriente.

WALKING AROUND THE SUN. MACHINES, SPIDERS AND BUCCANEERS

In Greek mythology, Europa, a princess, daughter of Agenor, king of Phenicia, was kidnapped by Zeus. To prevent Hera, her jealous wife, from knowing about it, he took the form of a blue-eyed white bull and layed down in the meadow while Europa strolled with her ladies-in-waiting. Delighted with the calm and affection of the animal, the princess came close and caressed the bull. Suddenly, he grabed her and flew away, taking her to Crete where they lived since then. From the history of a myth, which is also the story of a theft, to Beuys’ Eurasia, it is the complex narrative of the Old Continent which is presented to us: from a Europe that was stolen to a stealing Europe. If in the Middle Ages one of the forms of exclusion would be to embark the madmen on certain ships, it was at sea that the old navigators sought the good health that they could not find on land. In common they have this kinship, the possibility of going and not returning. As a boundary between water and land, boarding and ship are figures of the beyond, the possibility of a dehors.Which intensities do we find in Europe today? Are we facing a model of repression for our desiring machines that disinvest in the socio-historical field? How to invest the desire for revolutionary force and abandon the superior man, the humanist grammar of an aged writing machine? How to dethrone the Great Empire, the Great Significant, and keep with the active force of the cult of error, as Nietzsche called the invention of art? The liberation of Ariana, the spider that holds the thread in the labyrinth, supposes the Nietzschean appeal that we hang with this thread, meaning that we free ourselves from the ascetic ideal, from moral disguise. To keep the active force of the cult of error, as Nietzsche called the invention of art, and to appropriate the philosophical mood of Montesquieu’s Persian Letters, is what constitutes our “kitchen of sense.” Let us be Rica and Usbek, the imaginary Persians of this prodigious book. On the same Earth but with different men. Earth rotates around the Sun. And we spin with it, west and east.

CASA DO INFANTE | INFANTE´S HOUSE | Porto | Inauguração | Opening | 13.09.19 | 18H

5 pm [13.09_13.10.19]    

07.09.2019 | by martalanca | exposição, máquinas, porto, sol

Exposição “Conexões Afro-Ibero-Americanas” até 7 de maio

Esta mostra conta com a presença de 63 importantes autores, oriundos de África (Angola, Cabo Verde, Guiné, Moçambique e São Tomé e Príncipe), Península Ibérica (Portugal e Espanha) e continente americano (Brasil, Chile, Argentina e Cuba), que são exemplo: Cruzeiro Seixas, Mário Cesariny, Salvador Dalí, Pablo Picasso, Joan Miró, Malangatana, Wifredo Lam, Marcelo Grassmann, Fernando Botero, Eduardo Nery, Mito, entre tantos outros.

É uma iniciativa da UCCLA, com curadoria de Cabral Nunes, a exposição está organizada em três núcleos em torno de núcleos dedicados aos temas “Autoritarismo, Ditames e Resistência”, “O Dealbar das Democracias” e “Presente Futuro”, para refletir sobre os percursos e conexões que a arte, produzida num contexto Afro-Ibero-Americano, tem registado, em especial a que foi materializada a partir da década de 1940, até ao presente. 

Autoritarismo, Ditames e Resistência: O primeiro momento expositivo integra obras de autores cujo trabalho começou a afirmar- se durante o período em que vigoraram regimes autoritários fascistas na Península Ibérica (Estado Novo 1933-74 e Franquismo 1939-75), nos países colonizados em África e durante as ditaduras militares que vigoraram na América Latina no decurso da Guerra Fria, que medeia o final da Segunda Guerra Mundial (1945) e a extinção da União Soviética (1991). Esse foi um período de enorme violência à qual a generalidade dos artistas se opôs, resistindo e enfrentando, através da arte, o jugo ditatorial.

O dealbar das democracias: Segundo momento expositivo, integrando obras realizadas no decurso (e após) os processos revolucionários de afirmação democrática na América Latina, África e também em Espanha e Portugal, onde a liberdade que se seguiu a décadas de repressão se fez sentir de modo particular no desenvolvimento artístico.

Presente-Futuro: Terceiro e último momento da mostra, procura apresentar a criação artística que se tem vindo a verificar na contemporaneidade, fruto de uma geração que, felizmente, não passou pelas agruras das gerações precedentes mas que, num contexto de mundo interconectado, enfrenta desafios de validação e identidade quiçá nunca antes observados no meio artístico. Esta geração de autores tem conseguido precisamente isso: a sua afirmação no contexto de democracias consolidadas ou das que ainda estão em processo de consolidação, não fugindo à responsabilidade de enfrentar os (novos) desafios colocados pela era da Globalização.

Horário: De terça a domingo, das 10 às 18 horas. Até 7 de maio de 2017

02.05.2017 | by martalanca | Afro-Ibero-Americanas, exposição

Exposição | Imbamba ya muhatu | Coisas de mulher

até 20 de Outubro no Centro Cultural Português LUANDA

A expressão “coisas de mulher” é muitas vezes usada para apontar questões supérfluas: cabelos, unhas, comidas. Uma expressão que deliberadamente torna tudo supérfluo retirando elementos do mundo ao remetê-los ao espaço de intimidade das mulheres. Contudo, ao colocarmos essas mesmas questões de volta ao mundo (re) encontramos contextos políticos, económicos e sociais que as estruturam. Desde a construção histórica do feminino e do papel social da mulher ao seu lugar social ou à feminização do trabalho doméstico. Mas bom, estas não são mais coisas de mulher, pois não? O espaço de intimidade feminina para que são remetidas as unhas, os cabelos e as comidas são também o espaço social que a mulher ocupa.O circuito económico do cabelo que usamos e as noções de beleza que os acompanham não fazem parte desse espaço; senão por imposição, ainda que através de subtis mecanismos, estes sim do âmbito da intimidade entre mãe e filhas, tias e avós, onde se aprende a ser mulher, a cuidar, a não reclamar do trabalho doméstico e a fazê-lo bem.

Esta exposição pretende trazer para o espaço público da exposição algumas coisas de mulher e questionar o espaço que estas coisas ocupam através do trabalho de duas artistas. Keyezua, artista angolana e Wura-Natasha Ogunji, artista nigeriana. Ambas as artistas trabalham temas como o corpo feminino e a construção social da mulher. Wura e Keyezua têm ainda em comum a prática da performance, prática que pelas suas próprias características já coloca o corpo no centro da acção e do debate. Nesta exposição a performance será central para contextualizar os debates que as suas obras abordam oferecendo uma nova camada de interpretação e discussão sobre os temas propostos. 
Artistas:
Wura-Natasha Ogunji
Conhecida pelos vídeos em que usa o seu próprio corpo para explorar noções de movimento e de impressão em água, terra e ar. A sua mais recente série de performances intitulada ‘Mo gbo mo branch/I heard and I branched myself into the party’ explora a presença da mulher no espaço público em Lagos, Nigéria. Oguji já foi congratulada com uma série de prémios, incluindo o John Simon Guggenheim Memorial Foundation Fellowship (2012) e apoios do Idea Fund, Houston (2010), e do Pollock-Krasner Foundation (2005). Ogunji já apresentou o seu trabalho no Centro de Arte Contemporânea (Lagos), The Menil Collection (Houston) e a Fundação Pulitzer para as Artes (St. Louis). Licenciou-se em Antropologia pela Stanford University, Palo Alto, CA, em 1992 e um MFA em Fotografia pela San Jose State University, CA, em 1998. Ela vive entre Austin e Lagos.
Keyezua
Licenciada pela Real Academia de Artes em Haia, Holanda. ‘’Desde pequena fui a criança desobediente em casa, mudando as coisas para mostrar os meus sentimentos e de forma a provocar reacções. É algo que não desapareceu com os anos, cresceu em mim e tornei-me alguém que interage com questões humanas expondo-as para criar espaços de debate ou para uma segunda opinião da minha audiência. A minha arte entre o expressionismo, surrealismo e pan-africanismo. Gosto de definir-me como uma contadora de histórias.’’
Curadora
Suzana Sousa
Curadora e crítica de arte independente. Trabalhos recentes: 2015, co-curadoria com Bruno Leitão da exposição Love Me Love Me Not: Arte da colecção Sindika Dokolo na Biblioteca Almeida Garreth, Porto, Portugal; 2014, co-curadoria do projecto Sights and Sounds, Global film and Video no The Jewish Museum, Nova Iorque, EUA e curadoria de Tipo Passe, exposição de fotografia de Edson Chagas, em Luanda, no IC-Centro cultural Português. Trabalhos publicados em Contemporary&; Art+Auctions (NY) and Arterial Network/ Arts in Africa. Mestre em estudos culturais pela Goldsmiths College, Universidade de Londres e doutoranda em Antropologia pelo ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa, com o projecto de pesquisa ‘Da nacionalização da arte em Angola. Contextos políticos da constituição da categoria de arte angolana.’

14.10.2016 | by marianapinho | Coisas de Mulher, exposição, Keyezua, Wura-Natasha Ogunji

"Fuckin' Globo!"

A exposição colectiva “Fuckin’ Globo!” reúne um conjunto de artistas multidisciplinares que exibem obras envolventes e no limiar da disrupção no mítico Hotel Globo, âmago incontornável da vida cultural da baixa de Luanda.

Em “Fuckin’ Globo!”, o espaço expositivo está intimamente tecido ao conceito das obras desenvolvidas pelos artistas, gerando um uníssono das várias intervenções. Na intimidade dos quartos e num ambiente quase claustrofóbico, as obras exibidas funcionam como uma metáfora da inconformidade de viver num planeta profundamente caótico em constante estado de mutação.

––––––––––––

The collective exhibition “Fuckin’ Globo!” is an assemblage of multidisciplinary artists, where works will be displayed in an engaging and borderline disruptive form at the mythical Hotel Globo, a pivotal building on Luanda’s downtown cultural life.

On “Fuckin’ Globo!” the space of the exhibition will be an inseparable part from the general concept of the works being shown, generating an unison from the various interventions. At almost claustrophobic environment and within the intimacy of the rooms, the purpose of the works displayed is to set a metaphor on the unconformity set to all of us living in an environment submersed into a chaotic and advanced state of mutation.

29.06.2016 | by martalanca | artistas angolanos, exposição, Fuckin' Globo!, Globo

Exposição da escultura Makonde e pintura Tingatinga

Exposição em memória de Robert Jakobo, escultor tanzaniano de raízes moçambicanas, que se irá realizar na Polónia (Muzeum Podróżników im. Tony`ego Halika).

13.04.2016 | by claudiar | arte africana, escultura, exposição, pintura

Kiluanji Kia Henda expõe na Polónia, Suiça e Itália

A exposição “After Year Zero” inaugura a 12 de Junho, no Museu de Arte Moderna de Varsóvia. Conta com a participação do artista Kiluanji Kia Henda. É a segunda parte de um projecto curatorial com a instituição Haus der Kulturen, Berlim, que reflete sobre o período de descolonização após 1975, através de vários meios artisticos, como o video, fotografia, pintura e instalação.

Redifining the powerRedifining the power

Henda apresenta um tríptico fotográfico do trabalho “Redifining Power” (com a colaboração de Miguel Prince), parte integrante da série “Homem Novo”. As imagens exploram o poder da representação na esfera pública, quando um personagem vivo se torna uma escultura e se apropria de pedestais deixados vazios no passado colonial. Com curadoria de Annett Busch e Anselm Franke, a exposição, que será documentada e publicada em livro, interroga a construção da história como narrativa, e as discussões em torno do termo “Universalismo”, utilizado para sustentar imaginários na política e na construção da ordem global.

Outros artistas presentes na exposição (concebida e desenhada desde há 3 anos em oficinas de arte e discussões em cidades como Algiers, Dakar, Paris e Joanesburgo) são: John Akomfrah, Kader Attia, Balufu Bakupa-Kanyinda, Kudzanai Chiurai, Jihan El-Tahri, Theo Eshetu, Yervant Gianikian e Angela Ricci Lucchi, Ruy Guerra, Walter Heynowski and Gerhard Scheumann, Małgorzata Mazurek, Sana na N’Hada, Daniel Kojo Schrade, para citar alguns. O trabalho de Kiluanji Kia Henda é destacado pelos curadores como “uma linha de voo em direção a um futuro que deverá ser inventado, mais do que esperado”.

 

Escultura em Zurique

Kiluanji Kia Henda foi convidado para o Festival de Arte Pública AAA (ART ALTSTETTEN ALBISRIEDEN) em Zurique, Suíça, que começou a 13 de Junho. Áreas específicas da cidade recebem intervencões de cerca de 30 artistas que criam, questionam e reflectem sobre o habitat urbano e desdobram as meta-narrativas reais ou mágicas latentes nesse mesmo espaço.

Keep reading "Kiluanji Kia Henda expõe na Polónia, Suiça e Itália"

13.06.2015 | by martalanca | arte comporânea, escultura, exposição, kiluanji kia henda

"Além Margem(s)" - Exposição na Plataforma Revólver

Délio Jasse | Eustáquio Neves | Francisco Vidal | Kiluanji Kia Henda | Mauro Pinto | Mónica de Miranda

ALÉM MARGEM(S)

Délio Jasse ©Délio Jasse ©

Curador: André Cunha e Carlos Alcobia

Plataforma Revólver
26 Setembro - 2 Novembro 2013 (Terças a Sábados | 14:00 to 19:00)

“O malabarista é uma síntese do conceito de território. É alguém queadministra três objetos num território para apenas dois.” – Cildo Meireles

O que significa hoje: território, transgressão, síntese?

Caminhando sucessivamente entre margem e centro, o malabarista é um indivíduo em permanente transgressão. Opta por habitar territórios em disputa, criando movimentos nascidos no dissenso, e ensaiando essa transgressão. Nas suas mãos os elementos não repousam, mantendo-se em constante movimento e permanentemente reequacionando as relações que estabelecem entre si.

“Além margem(s)” pretende evidenciar a importância da transgressão na síntese do conceito de território. Sintetizar esse conceito é, antes de mais, questionar uma só perspetiva, quando efetuada a partir de um centro, e forçando a outros deslocamentos que emanem também das margens. Os trabalhos aqui reunidos trazem-nos outros olhares, outras perspetivas, outros caminhos. Um trânsito construído por objetos, e que enquanto circulam por entre as mãos do malabarista, nos permitem também alcançar outro entendimento sobre o conceitode território.

Délio Jasse, Eustáquio Neves, Francisco Vidal, Kiluanje Kia Henda, Mauro Pinto e Mónica de Miranda, são os artistas que participam neste projeto expositivo com curadoria de André Cunha e Carlos Alcobia.

“Além Margem(s)” é produzido pela XEREM, conta com o apoio financeiro da Fundação Calouste Gulbenkian e apoio à produção das obras da Fineprint.

Informações e contactos:
www.xerem.org | www.alem-margem.xerem.org | geral@xerem.org
www.transboavista-vpf.net/ | plataformarevolver@gmail.com | 21 343 32 59

18.09.2013 | by herminiobovino | colagem, exposição, fotografia, pintura

a Pequena Galeria - Salão #1 (Inauguração)

Salão #1 (Inauguração)


“a Pequena Galeria” abriu ao público na quinta-feira dia 21 de Março com a exposição Salão #1 (Inauguração) apresentando obras de Ágata Xavier, António Júlio Duarte, Augusto Cabrita, Carlos M. Fernandes, Carlos Oliveira Cruz, Céu Guarda, Filipe Casaca, Guilherme Godinho, Jordi Burch, José Cabral, José M. Rodrigues, Mário Cravo Neto, entre outros.

“a Pequena Galeria” é um projecto colectivo que ocupa um pequeno espaço de exposição, informação e comercialização de arte, tendo a fotografia como interesse preponderante. Pretende ser um lugar diferente, à procura de novas fórmulas de produção e distribuição, atento às actuais condições do mercado e decidido a promover o coleccionismo.

Os seus fundadores - Carlos M. Fernandes, Guilherme Godinho, Carlos Oliveira Cruz, Alexandre Pomar, Bernardo Trindade, Luís Trindade e Ágata Xavier - associam diversas experiências e relações com a arte e a fotografia, nos campos da criação, da crítica e investigação, da edição e também nas áreas do comércio livreiro e da realização de leilões.

O nome que escolhemos recorda a história e a ambição de The Little Galleries of the Photo-Secession, a galeria fundada em 24 de Novembro de 1905 por Alfred Stieglitz e Edward Steichen.

A inauguração decorre nos dias 21 (18-21h.), 22 (18-24h.) e 23 (16-21h.) de Março.

Horário da galeria (a partir de dia 27 de Março):
Quarta - Sexta: 18:00 - 20:00
Sab: 16:00 - 20:00
Endereço | Avenida 24 de Julho 4CLisbonPT.
Tel. | 218 264 081
facebook

23.03.2013 | by herminiobovino | exposição, fotografria, galeria, lisboa

No Fly Zone. A ironia pós-colonial é plástica

Um ditado popular africano diz que “enquanto o leão não tiver os seus historiadores, a glória vai sempre para o caçador”. A nova geração que cresceu na Angola independente revela com filmes, telas e galinhas empalhadas como o leão sempre teve uma história por contar. Os seis artistas angolanos chegam ao Museu Berardo em Lisboa com uma primeira preocupação de dialogar com os antigos imperadores. O entrave a derrubar é o que descrevem como a “amnésia europeia sobre o passado colonial”. “Finalmente chegou o tempo de tirar a máscara”, diz-nos Fernando Alvim, curador, a par de Suzana Sousa, da exposição “No Fly Zone. Unlimited Mileage”.

“Thirteen Hours”, Binelde Hircam“Thirteen Hours”, Binelde Hircam
Yonamine, Kiluanji Kia Henda, Edson Chagas, Binelde Hyrcam, Nástio Mosquito e Paulo Kapela (ausente na apresentação) são os artistas que representam a emergência de uma nova geração em Angola. A visão artística desta geração é sempre apresentada em contraste com o preconceito e a generalização ocidental. “Os europeus criaram a sensação de que têm o direito de desenhar os países africanos à sua imagem”, indica Fernando Alvim. As obras apresentadas antecipam o que vai ser a terceira trienal de arte em Luanda. Apesar de serem criações destinadas a uma apresentação específica, a curadora Suzana Sousa lembra que “isto são artistas mais preocupados com um discurso internacional que uma questão angolana”.

“No Fly Zone. Unlimited Mileage” ocupa o primeiro espaço do piso 0, sendo o vídeo O.R.G.A.S.M (Organization Of African States for Mellowness) a nossa primeira introdução à ironia pós-colonial. O autor Kiluanji Kia Henda desconstrói a realidade aparente, tornando o africano o beneficente do europeu. A segunda peça de Kiluanji serve de mote à nova geração. Uma sessão fotográfica mostra as antigas estátuas coloniais de Camões e Afonso Henriques num pré-fabricado, enquanto os pedestais onde estavam ficaram vazios, como se a própria história tivesse estancado.

A maior peça da exposição é “Cara-Show” de Yonamine, composta por recortes de jornais que incidem no período de Angola comunista, em 1976. “No fundo, isto acaba por ser uma versão da história através das minhas recordações de Angola”, explica-nos o artista. Yonamine ao lado dos seus recortes tenta descodificar a simbologia da guerra e da emigração no vídeo Reichsparteitagsgelände. As temáticas de obsessão pós-colonial não conseguem deixar de esconder alguma frustração artística: “Por muito que tente sair desta onda, nunca vou deixar de ser um pós-colonial”, revela Yonamine.

Em “Thirteen Hours” uma galinha caminha pomposa com uma capa napoleónica, enquanto lidera uma turma de outras 22 galinhas empalhadas. Para Binelde Hyrcam, o enredo da humanidade reflecte-se em galinhas vaidosas que caminham em frente de pequenos caixões funerários. “Isto é uma reflexão sobre a falsa vaidade humana e a constante dualidade do poder com a morte”, explica o autor. Binelde não esconde a emoção de revelar ao Museu Berardo uma obra que mistura o funesto com o irónico. “Angola e Portugal estão muito próximos, este intercâmbio cultural seguramente vai ficar na historia”, promete o autor. Na mesma sala, Edson Chagas recupera por sua vez as máscaras que o curador Fernando Alvim pediu que desaparecessem. No primeiro retrato fotográfico, três homens estão com a cabeça tapada por sacos, afogados pelas suas próprias atitudes consumistas. No segundo, as máscaras estão sobre o homem contemporâneo, engravatado e africano.

O vídeo “My African Mind”, de Nástio Mosquito, fecha a exposição, fazendo a ligação com as desconstruções históricas de Kiluanji Kia Henda. As personagens da cultura popular, como Tarzan, Tim Tim ou o filme “The African Queen”, de John Huston, são apresentadas como a visão europeia de uma África ainda desconhecida. “Sem terem visitado o continente africano, os europeus têm logo à nascença uma associação com sida e fome”, explica Nástio, acrescentando que espera “criar uma dúvida nas pessoas no que diz respeito às suas referências populares a África”. O objectivo não é apontar o dedo acusador, mas criar uma plataforma de introspecção e diálogo. “My African Mind” esteve na Tate, em Londres, e agora encontra o seu melhor alvo no público português. “Os portugueses precisam de interagir com África de outra forma, o diálogo tem sido pobre, tem de haver alguma mudança”, apela o artista.

fonte

25.02.2013 | by herminiobovino | angola, exposição, fotografia, lisboa, serigrafia, video

Luanda de Baixo para Cima

Uma exposição onde se apresentam dois projectos de investigação desenvolvidos por Paula Nascimento, Stefano Rabolli Pansera e Paulo Moreira sobre o potencial urbano dos musseques de Luanda, procurando estimular o debate sobre práticas alternativas de planeamento na capital de Angola. A exposição integra material produzido no âmbito da Beyond Entropy Angola (representação oficial angolana na Bienal de Veneza 2012) e da viagem do Prémio Fernando Távora 2012 (atribuído pela Ordem dos Arquitectos - Secção Regional do Norte).


Rua do Esteiro 82, 4300-174 Porto
web, web2

21.10.2012 | by herminiobovino | exposição, fotografia, Luanda, porto

Os Africanos em Portugal, História e Memória - Séculos XV-XXI

Convite | Exposição “Os Africanos em Portugal: História e Memória”, no ISEG.
Local | Átrio da Biblioteca do ISEG.

De 15 de Outubro a 9 de Novembro.

2ª a 6ª feira das 9h30 às 23h.
Sábado 9h30 às 17h.

Entrada livre.
Rua do Quelhas, 6 - Lisboa.

12.10.2012 | by herminiobovino | africanos em portugal, exposição, história de áfrica, lisboa

Exposição de Yonamine, 18 de julho, Salzburgo

Yonamine works with painting, drawing, graffiti, photography, video, and other media such as tattooing and brings them together in installations that fill entire rooms. As a whole, we might describe Yonamine’s works as diaries or even archeological research. He unites a series of situations that oscillate between the past, the present, and a possible future, offering a concept of time that escapes limitation. Like the language of a Reggae DJ, his work brings to mind the concept of rewinding, of a close tie to the past, while being based in the present.
The way he constructs his works (like a puzzle) and their process of random accumulation and fragmentation can tell us a great deal about our own situation, how we all have fragmented identities, like broken mirrors. Constantly versatile, fragile identities that are subjected to many different types of violence.
Yonamine is presenting a selection of his most important pieces from recent years at the Salzburger Kunstverein for the first time in Austria. He is also developing a large-scale installation for the Salzburger Kunstverein’s Main Hall.

Yonamine was born in Luanda, Angola, in 1975. He lives and works between Lisbon and Luanda. Initially due to the Angolan war, and nowadays according to his own will, Yonamine lived in constant move between Zaire (present Democratic Republic of Congo), Brazil, Angola, Portugal and the United Kingdom. He has participated in several international exhibitions, among them the 29ª Bienal de São Paulo, 2010; the 9. Sharjah Biennial, 2009; the 10. Havana Biennial, Kuba, 2009; “Transverse”, Centro Atlantico de Arte Moderno (CAAM), Las Palmas, 2008; “Check List Luanda Pop”, 52. Biennale di Venezia Biennale, Afrikanischer Pavillon, 2007; “Replica and Rebellion”, Museum of Modern Art of Bahia, Salvador, 2006.

Inauguração 18 de Julho, 20h.
SALZBURGER KUNSTVEREIN Künstlerhaushellbrunner StraBe 3, Salzburg, Austria.

Imprensa | Press preview
Quarta, 18 Julho, 11hWednesday, July 18, 11am
Inauguração | Opening
Quarta, 18 Julho, 20hWednesday, July 18, 8pm
Conversa com o artista | Artist talk
Quarta, 19 Julho, 20hThursday, July 19, 8pm

17.07.2012 | by candela | exposição, Salzburgo, yonamine

Coletiva Para Além da História | 24 de junho a 30 de Dezembro | Guimarães

CENTRO INTERNACIONAL DAS ARTES JOSÉ DE GUIMARÃES
24 JUN - 31 DEZ 2012
INAUGURAÇÃO: 
24 Junho às 10h30
 

Com curadoria de Nuno Faria, esta exposição patente na Plataforma das Artes que integra o Centro Internacional das Artes José de Guimarães faz dialogar, em organização temática e sob a forma de Atlas, as três coleções reunidas por José de Guimarães (arte tribal africana, arte pré-colombiana e arte arqueológica chinesa) com obras da autoria do artista e de outros artistas contemporâneos e com objetos do património popular, religioso e arqueológico da região. 

ARTISTAS: 
Daniel Barroca 
Fernando Marques Penteado 
Filipa César 
Hugo Canoilas 
João Maria Gusmão & Pedro Paiva 
Mattia Denisse 
Manuel Santos Maia 
Otelo Fabião 
Pedro A. H. Paixão 
Pedro Valdez Cardoso 
Rui Moreira 
Teixeira de Pascoaes 
Thierry Simões 

28.06.2012 | by joanapereira | artes, exposição, guimarães

Exposição: 'Expectations and Vacations' de Eugénia Mussa

Eugénia Mussa (Moçambique, 1978) apresenta numa loja desactivada Expectations and Vacations – uma série de pinturas a óleo sobre papel, produzida em 2012. Estas imagens marcadamente pictóricas, onde o acto de pintar se faz sentir, são de facto, originárias de uma recolha, levada a cabo pela artista, de registos banais de uma ocorrência (expectations and vacations). A figura inserida numa determinada paisagem, sobretudo exteriores intervencionados pelo homem (um campo de jogos, uma piscina, uma avenida ladeada por palmeiras); desenha um território, mais ou menos evidente mais ou menos maioritário, que nos é sugerido pelas acções (os desportos, as cheerleaders, as graduações,  etc.) que nele vemos representadas. No entanto, a morfologia destas  imagens é feita da própria história e anatomia da Pintura,  convocadas  a várias instâncias neste corpo de trabalho.
Veja aqui a exposição online.
Exhibition venue: Rua Nova da Piedade 97, Lisboa, Portugal 

13.06.2012 | by joanapereira | exposição, lisboa, Moçambique

17 de Junho| Exposição 'Meu Padinho Padre Cícero', Brasil

Meu Padinho Padre Cícero - Em cada casa um oratório, em cada quintal uma oficina

Espaço Memória do Centro Municipal Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas

Campo de São Cristóvão s/nº.  Pavilhão de São Cristóvão - São Cristóvão. RJ.

Abertura: dia 17 de junho - 11h30 – Missa in memoriam.

                                            12h – Abertura da Mostra.

Visitação pública: de 19 de junho a 19 de agosto

Funcionamento: terça, quarta e quinta-feira, das 10h às 18h. Sexta, sábado e domingo, das 10h às 22h.

Classificação: livre.

Entrada franca.

A Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, a Secretaria Municipal de Cultura, a RIOTUR, o Centro de Tradições Nordestinas apresentam a exposição “Meu Padinho Padre Cícero - Em cada casa um oratório, em cada quintal uma oficina”, no Centro Municipal Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas, a partir do dia 17 de junho, às 11h30.  Nesse horário haverá uma missa in memoriam. A abertura da exposição começará ao meio-dia.

Com a curadoria de Emanoel Araújo, diretor-curador também do Museu Afro Brasil de São Paulo, a exposição, de caráter evocativo, retrata sobre a lendária figura de Padre Cícero em Juazeiro do Norte. A exposição apresenta ao público a saga de superação do povo nordestino e da liderança desse personagem religioso e também político.  A devoção do povo, as estratégias criadas por Padre Cícero e os milagres integram a narrativa cultural da mostra.

A mostra, que será distribuída nos dois andares do “Espaço Memória”, faz uma narrativa da presença lendária do líder religioso e político do Ceará, reforçada no imaginário brasileiro por representações de artistas populares. A devoção popular ao Padre Cícero Romão Batista (1844-1934) é retratada em obras, ex-votos, objetos históricos, artísticos e visuais de Padre Cícero, sob a inventividade e ótica do sertanejo. Além dos objetos dos artistas e dos pertences do Padinho Padre Cícero, o  visitante pode conferir ainda uma perspectiva histórica do líder regional, com relatos de contemporâneos através da exibição do documentário mostrando os feitos do Padre Cícero em Juazeiro do Norte e a grande comoção ao redor do seu nome. Nos primórdios da romaria a Juazeiro do Norte, aconteceu o milagre presenciado pela beata negra Maria de Araújo: ao receber a hóstia consagrada do Padre Cícero, esta se transformou em sangue.

O “Espaço Memória”, localizado no Pavilhão São Cristóvão, local considerado o mais importante pólo cultural nordestino na cidade, não poderia ser mais adequado para apresentar uma das sagas mais célebres do povo do Nordeste.

Entre os artistas expostos, encontram-se os escultores Nino e Manuel Graciano Cardoso, a ceramista Ciça (a qual, nos anos 60, esculpiu figuras de santos e cenas regionais como festas populares), o xilogravurista Francisco de Almeida e as Irmãs Cândido (autoras de peças inspiradas em personagens de TV, figuras de livros e revistas).

Folhetos de cordel, oratórios e esculturas complementam esse painel artístico, além da projeção de um documentário sobre a comoção em torno da memória do “Padinho”.

 

Ex-votos

Conhecidos popularmente como “milagres” os ex-votos (do latim: “por voto”, “por promessa”) são objetos variados (pinturas, objetos em cera, placas com inscrições, figuras esculpidas em madeira ou outros materiais) que representam a intenção votiva (promessa) e sua posterior cura. Eles são a própria materialização dessa cura. Ao expormos essa grande quantidade de peças, chamamos a atenção dos visitantes quanto à variedade, singularidade e poder de síntese, além da qualidade estética nas peças de uso prático, demarcando a presença do milagre.

 

Padre Cícero no imaginário dos artistas populares

(gravura, pintura, escultura)

 

Nino (Juazeiro do Norte/CE, 1920-2002)

Escultor. Trabalhou como cortador de cana e como ferreiro e não recebeu educação artística formal antes de iniciar suas atividades como escultor com a produção de brinquedos em lata e madeira, tais como veículos em miniatura. Passou depois à produção de figuras de macacos com partes móveis e caudas de corda, que ele chamava de “dezessete” (número do macaco no jogo do bicho). Por volta de 1980, após se filiar a uma cooperativa de artistas, o que garantiu demanda mais constante e diversificada, passou a aumentar as dimensões de suas esculturas, algumas das quais ultrapassaram um metro de altura.

 

Ciça ou Cícera Lira (Cícera Fonseca da Silva) (1935, Juazeiro do Norce/CE)

Foi por incentivo de um tio que a fez ingressar na arte da cerâmica já aos 10 anos de idade produzindo pequenas pecinhas que eram vendidas em algumas feiras, dentre as quais a feira de Juazeiro do Norte. Durante os anos 60, esculpiu figuras de santos e cenas regionais como festas populares e aspectos da cultura cearense. A pedido de um folião, no carnaval de 1972, Ciça confecciona as máscaras pelas quais ela passou a ser reconhecida como uma das grandes artistas populares do Brasil.

 

Francisco de Almeida (Crateús/CE 1962)

Xilogravurista. Começou a desenhar cedo observado o pai, que era ourives. Mudou-se para Fortaleza aos 15 anos, onde estudou Xilogravura com Sebastião de Paula e frequentou cursos de pintura na Universidade Federal do Ceará e na Universidade de Fortaleza. Participou de exposições em Fortaleza, Sobral, São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Argentina e Espanha, com destaque para sua participação no Panorama da Arte Brasileira do MAM (São Paulo, 2005), na Bienal de Valência (2007) e na VII Bienal do Mercosul (Porto Alegre, 2009). Especializou-se em xilogravura e realizou experimentos técnicos para a produção de obras de grandes dimensões e xilogravuras fragmentadas, capazes de produzir variações com a mesma matriz. Sua produção se debruça principalmente sobre a religiosidade nordestina.

 

Manuel Graciano Cardoso (Santana do Cariri/CE, 1923)

Partiu com a família para Juazeiro do Norte (CE) em 1929. Já aos dez anos trabalhava na madeira esculpindo pilões, gamelas e brinquedos. Depois de casado, começou a produzir ex-votos e presépios e trabalhou na agricultura. Foi o xilógrafo cordelista Abraão Bezerra Batista que o revelou ao público mais amplo, mas isso não o impediu de continuar trabalhando como agricultor familiar. Possui obras no acervo do Museu de Folclore Edison Carneiro (RJ). Participou das exposições Brésil, Arts Populaires (Paris, 1987) e Mostra do Redescobrimento (São Paulo, 2000). Sua escultura, em madeira policromada, é composta de conjuntos de personagens humanos permutáveis e de composições em monobloco de madeira, nas quais prefere figuras animais. O artista prepara suas tintas a partir da anilina misturada a breu e álcool, aplicando as cores à imburana de cambão ou aroeira, madeiras que emprega. Para Lélia Coelho Frota, “tem um veio de humor que pode crescer até o mais flamejante expressionismo em muitos dos seus trabalhos.”

 

As Irmãs Cândido - Juazeiro do Norte (CE)

Maria de Lurdes Cândida (mãe) 1939

Tendo tido onze filhos, transmitiu às filhas mulheres o ofício local “feminino” de trabalhar no barro. Filhos homens como José Cícero Fonseca da Silva, o “Zé Ciço” também seguem a tradição familiar. A pedido do xilógrafo Stênio Diniz, Dona Maria de Lurdes variou o tema de sua produção artesanal de boizinhos, panelinhas, bonecos humanos para placas de tabatinga policromada, com cenas do cotidiano da praça da cidade, temas religiosos católicos ou do candomblé em alto-relevo.

Maria Cândida Monteiro 1961 - Juazeiro do Norte (CE) e Maria do Socorro Cândido 1971 - Juazeiro do Norte (CE)

As Irmãs Cândido assinam seu nome pelas iniciais MCM e MSC para distinguirem-se entre si. Além da temática tradicional desenvolvida pela mãe, elas também produzem peças cuja inspiração se apropria de personagens de TV, figuras de livros e revistas, etc.

 

 

“A exposição dedicada ao Padre Cícero remete a quem visita o seu santuário na cidade cearense de Juazeiro do Norte. A mística que envolve a cidade, as pessoas, as igrejas e o próprio santuário faz deste universo um espaço do sagrado. Essa atmosfera de pura religiosidade vem atraindo romeiros pelos milagres do santo padre, essa grande figura que persiste por mais de 150 anos na idolatria de muitos nordestinos, atraídos ainda pela hóstia transformada em sangue da beata Maria de Araújo e do caldeirão do beato José Lourenço (1872-1946), destruído em 1937 por um bombardeio aéreo”, afirma o diretor-curador do Museu Afro Brasil, Emanoel Araújo.

 

Para Araújo, “esta é a luta entre a religiosidade e os domínios dos latifundiários que, de certa maneira, sempre tiveram conflitos nessa região sagrada. Padre Cícero Romão Batista foi como todos sabem um homem, um padre, um político, amigo de muita gente, inclusive de Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião. Essa exposição, portanto, revive um dos mais interessantes episódios da vida cearense de Juazeiro do Norte”.

 

13.06.2012 | by joanapereira | Brasil, exposição, padre

Lisboa: Macau a preto e branco – Exposição de fotografias sobre Macau no Instituto Camões

Macau à socapa é o título da exposição de fotografia da autoria de Marcos Fernandes que está patente ao público desde 31 de maio até 29 de junho, na sede do Instituto Camões, em Lisboa (Avenida da Liberdade, 270 – junto ao Marquês de Pombal).

São 14 fotografias a preto e branco, ampliadas de forma tradicional a partir de película, que pretendem mostrar, através de breves relances, momentos fugazes do quotidiano de uma cidade sempre em movimento. Segundo o fotógrafo trata-se de “imagens captadas durante caminhadas tendo como única companhia uma velha máquina fotográfica”.

A riqueza de Macau não tem cessado de crescer, assente sobretudo nas receitas dos casinos que trazem diariamente ao território milhares de turistas e de apostadores. No entanto, a par desse movimento sem fim, mantém-se um estilo de vida tradicional que parece retido no tempo. Macau à socapa é uma espreitadela a esse quotidiano de vivências e convivências nas ruas.

Marcos Fernandes é jornalista de rádio e fotógrafo freelance. Foi galardoado com o Prémio Fotográfico Carlos Gil, atribuído pelo CENJOR, Ar.Co, Sindicato de Jornalistas, Clube de Jornalistas, e pelo Município de Figueira de Castelo Rodrigo, com o Alto Patrocínio da Presidência da República. Ficou em segundo lugar em Um Certo Olhar, concedido pelo jornal Público e pelo Banco Espírito Santo. Marcos Fernandes nasceu em 1979 em Sintra. Tem uma licenciatura em Comunicação Social, pelo ISCSP (Universidade Técnica de Lisboa), uma pós-graduação em Estudos de Fotografia, pelo IADE, e está a finalizar um mestrado em Antropologia Visual, pela FCSH (Universidade Nova de Lisboa). Estudou História da Arte na Sociedade Nacional de Belas Artes.

Fonte: Instituto Camões

05.06.2012 | by joanapereira | exposição, fotografia, lisboa, macau

9 de Junho | Carpe Diem Arte e Pesquisa - Inauguração de exposições

04.06.2012 | by joanapereira | arte, carpe diem, exposição, inauguração

31 de Maio | Inauguração da Exposição 'Caminhos' de Carolina Schacht

Dia 31 de Maio pelas 20h45 no FOYER do Centro Cultural Malaposta, não perca a Inauguração da Exposição Ilustrações aguareladas: ‘Caminho’, de Carolina Schacht.
Esta exposição estará patente ao público até ao dia 1 de Julho, de Segunda a Sábado das 11h00 às 23h00 e Domingo das14h00 às 19h00.


Centro Cultural Malaposta:
Rua Angola - 2620-492 Olival Basto
www.malaposta.pt

28.05.2012 | by joanapereira | exposição, inauguração

EXPOSIÇÃO: "Panos e Tapas, Joias e Adornos d' África", Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica

De 26 Maio até 29 de julho|Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica

De terça a sexta-feira: 11h às 18h. Sábado, domingo e feriado: 11h às 17h

O Museu Afro Brasil de São Paulo traz ao Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica a exposição “Panos e Tapas, Joias e Adornos d´África” como possibilidade de reconhecimento da competência artística e tecnológica de diferentes povos africanos.


São dezenas de brincos, tornozeleiras, pulseiras, tecidos e tapas que, apesar de representarem um imenso universo artístico, ainda é pouco conhecido do grande público, principalmente quando comparado às máscaras e estatuetas africanas.
O conjunto de obras a serem expostas apresenta uma grande variedade de estilos e técnicas de produção. As funções dessas obras também variam de acordo com os povos que a produzem: elas podem estar ligadas às cerimônias ou simplesmente ao embelezamento. Alguns tipos de joias e tecidos, por outro lado, estavam inseridos numa perspectiva econômica e eram usados comomoedas de trocas.


Toda essa variedade de técnicas e funções reflete, na verdade, a própria diversidade cultural e artística da África. Essa diversidade foi construída a partir de contatos entre diferentes povos africanos e também com outros povos além d´África, como é o caso da região norte do continente que recebeu ao longo de centenas de anos o fluxo e o refluxo de grupos de
comerciantes árabes que deixaram uma marca indelével na língua, nas tradições e também no fazer artístico dos povos africanos com os quais mantiveram contato.

Assim, de maneira sucinta, é o “Saber” e o “Fazer” africano, negado historicamente, que se revela nessa exposição.

Curadoria: Emanoel Araujo, artista plástico e diretor-curador do Museu Afro Brasil / SP Patrocínio: Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro / Secretaria Municipal de Cultura

Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica (Rua Luís de Camões, 68. Centro)Telefones:  (21) 2242.1012 / (21) 2232.4213

 

 

26.05.2012 | by martacacador | arte africana, Brasil, centro municipal Arte Hélio Oiticia, exposição

Antje Weber: Traços - Galeria Bozart

A Galeria Bozart convida para a inauguração da exposição Traços, de Antje Weber, no dia 11 de Maio, Sexta-feira, a partir das 18h00.

 

08.05.2012 | by martacacador | Antje Weber, exposição, pintura