TABU de Miguel Gomes

11.04.2012 | by martalanca | cinema

Apresentação Final do Projecto Kê Li Kê Lá‏

O Conselho de Administração da Fundação Calouste Gulbenkian, a Fundação EDP e a produtora Vende-se Filmes têm o prazer de convidar V. Exa. para a apresentação final do projeto de sensibilização artística e formação em cinema Kê Li Kê Lá, que terá lugar dia 12 de Abril, às 18h, no auditório 3 da Fundação Calouste Gulbenkian.

Na apresentação será exibida a curta metragem Nada Fazi, de Filipa Reis e João Miller Guerra, vencedora do Prémio de Cinema Português no Fantasporto 2012, bem como o Making Of deste projeto, realizado por Leonor Noivo.

Kê Li Kê Lá nasceu no Casal da Boba (Amadora) e nele participaram os jovens do bairro que experimentaram várias técnicas artísticas, enquanto partilhavam as suas histórias de vida. Junto aos auditórios, estarão expostas as imagens captadas pelos jovens no curso de Fotografia II, coordenado por José Nuno Lamas. A equipa de profissionais do projeto também desenvolveu, a partir das histórias do bairro, um guião para uma longa-metragem.

Informações:
Tlm. 913 597 778 | Email: info@vende-sefilmes.com
web
facebook
Vende-se Filmes
Rua da Esperança, 73, 1200-656 Lisboa | Tel. 211913524

09.04.2012 | by herminiobovino | cinema, cinema português

Mostra Itinerante de Cinema e Vídeo Ambiental Latino Americano

FestCineAmazônia, nos países lusófonos.

A Mostra Itinerante do Festival Latino Americano de Cinema e Vídeo Ambiental (FestCineAmazônia) passou este mês por Portugal e Cabo Verde, continuando fiel aos objectivos com que foi criado, na cidade de Porto Velho (Rondônia, Brasil), há nove anos: “colocar a arte e a técnica da sétima arte a serviço da preservação da natureza e da sustentabilidade da vida no planeta”.

Em Portugal, o Festival passou pela cidade de Coimbra, no âmbito do Colóquio Internacional “As lutas pela Amazônia no início do Milénio”, organizado pelo Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. No ecran do Teatro da cerca de São Bernardo foram projectados, nos dias 25 e 26 de Março, 15 documentários sobre algumas das principais questões ambientais e sociais com que se confronta a Amazónia nos dias de hoje.

Em Cabo Verde, o festival passou pelas cidades da Praia e do Mindelo, a 29 e 30 de Março, 11 documentários de tema ambiental. Nos dois países as sessões integraram ainda a actuação do poeta, músico e compositor Eliakin Rufino, professor da Universidade de Roraima.

Organizado desde 2003 na cidade de Porto Velho (Rondónia), o Festcineamazônia tem como principal objectivo divulgar a produção cinematográfica e documental de tema ambiental. De acordo com os seus responsáveis, o festival “exibe e pensa o meio ambiente”, procurando “colocar a arte e a técnica da sétima arte ao serviço da preservação da natureza e da sustentabilidade da vida no planeta”. Na sequência de cada edição (a última aconteceu em Novembro de 2011) é preparada uma mostra itinerante para ser exibida noutras cidades e estados brasileiros e internacionalmente. A internacionalização do Festival passa sobretudo pelos países de língua portuguesa e pelo espaço latino-americano, afirmaram Fernanda Kopanakis e Jurandir Costa, directores do projecto.

01.04.2012 | by herminiobovino | cinema, documentário, lusofonia

Kova M Festival 2012 - Cova da Moura

Kova M Festival 2012
na Associação Cultural Moinho da Juventude

(flyer)

Travessa do Outeiro, n.º 1
Alto da Cova da Moura
2610-202 Buraca, Amadora

Contactos Gerais:
dir-moinho@mail.telepac.pt
www.moinhodajuventude.pt

Telf. 21 497 10 70
Fax: 21 497 40 27

30.03.2012 | by herminiobovino | cinema, exposição de fotografia, festival, música

Ciclos de São Vicente - Colecção B

Igreja de São Vicente
Évora

Com uma programação intensa e variada, do cinema à performance, da leitura à música, do debate à festa, a Colecção B volta a abrir a porta da Igreja de São Vicente para mais um Ciclo de São Vicente.

O tema para este mês é ‘alteridades’! Entre parcerias locais e o acolhimento de projectos, o Ciclo de São Vicente de Março propõe uma incursão pelo espaço do ‘outro’, do ‘diverso’, mesmo quando próximo. Por isso temos, a abrir e a fechar, sessões de leitura de dramaturgia africana e brasileira, culturas tão nossas e tão ‘outras’ de nós. Cinema brasileiro  e guineense. Música caboverdiana! E Teatro no Exílio, no dia Mundial do Teatro!

Destaques na Programação:
Dia 20
22h | Outros Cinemas
José Carlos Schwarz, a voz do povo (Adulai Jamanca, 2006) 
No início dos anos 70, num país fragmentado em dezenas de etnias e em plena guerra de independência, José Carlos Schwarz criou o primeiro agrupamento musical da Guiné-Bissau, o ‘Cobiana Djazz’. José Carlos cantava em crioulo e criou uma forma musical que ainda hoje unifica os guineenses. Este documentário conta-nos a história do poeta e fundador da música moderna da Guiné-Bissau, que morreu num acidente aéreo em 1977, com apenas 27 anos.

Os mestres loucos (Jean Rouch, 1955)
“O título - Os Mestres Loucos – promete a quem ainda não teve a oportunidade de ver este filme ímpar e evoca ainda mais a quem, incansavelmente como perante um mistério revelado, se prepara para o rever. Ensaio escrito no ritmo ofegante de uma urgência – existem as necessidades ditas naturais, não existirão também as necessidades culturais? -, ensaio sobre os senhores loucos ilustrado pelos gestos rituais dos servos que se tornaram mestres e senhores da loucura.”(Regina Guimarães, Buala - Revista de Arte Contemporânea Africana).
Excerpto
Os Mestres Loucos, 1955Os Mestres Loucos, 1955

Dia 21
22h | Noites com Leituras #4 - Venha ler dramaturgia africana connosco.
Apresentação do livro ‘As orações de Mansata’, de Abdulai Sila, pela Cena Lusófona, com a presença de António Augusto Barros, director artístico Escola da Noite e Presidente da Cena Lusófona.

Ainda textos de Leite de Vasconcelos (Moçambique), António Aurélio Gonçalves (Cabo Verde), Mia Couto (Moçambique).Textos de Leite de Vasconcelos (Moçambique), António Aurélio Gonçalves (Cabo Verde), Mia Couto (Moçambique), Fernando de Macedo (S. Tomé e Príncipe) e José Mena Abrantes (Angola).Textos de Leite de Vasconcelos (Moçambique), António Aurélio Gonçalves (Cabo Verde), Mia Couto (Moçambique), Fernando de Macedo (S. Tomé e Príncipe) e José Mena Abrantes (Angola).

Dia 23
22h | Concerto Bilan
Hoje bem um curandêr 
Música Cabo-Verdiana / Improvisação
BilanBilanBilan (Voz e Guitarra), David Estêvão (Contrabaixo), Tiago Mota (Guitarra), Luís Pedro (Bateria)

“Bilan pode ser enquadrado numa reinvenção mais cosmopolita e urbana da música cabo-verdiana com Sara Tavares ou, a pouco conhecida em Portugal, Carmen Souza. Em qualquer dos casos, as raízes de Cabo Verde são cruzadas com a natural globalização de cultura e música vividas pelas novas gerações; sente-se a cadência morna ou cálida, como se adivinha o mainstream internacional, os ensinamentos do jazz, os arremessos do rock, a soul, o r&b. Os temas que se ouvem de Bilan com o seu quarteto partem do seu país para o mundo conhecido, como acontece com os restantes compatriotas desta vaga. Mas as raízes das ilhas que caíram da Lua parecem ir aqui mais além. (Eduardo Sardinha, Central Musical).

Entrada 3€ (2€ jovens, estudantes, desempregados, idosos)
Mais informação em CentralMusical.pt

Dia 27
22h | Outros Cinemas
Macunaíma (Joaquim Pedro de Andrade, 1969)
Um clássico do cinema brasileiro, o  filme permite muitas interpretações, com alusões ao desenvolvimentismo, ao tropicalismo e à luta armada que corria solta nos ‘Anos de Cumbo’, sem perder a ligação com a obra literária na qual se baseia ( obra homónima de Mário de Andrade), com aparição de vários personagens do  folclore brasileiro, tais como o Caipora.
Excerpto
macunaíma, 1969macunaíma, 1969


Colecção B, Associação Cultural
Estrutura Financiada
Governo de Portugal
Secretaria de Estado da Cultura
Direcção-Geral das Artes
Apoio Câmara Municipal de Évora


Colecção B - facebook

20.03.2012 | by herminiobovino | cinema, cinema brasileiro, literatura, mostra de vídeo e cinema africano, performance, workshop

Mostra de cinema ROOTS

No âmbito do projecto ROOTS terá lugar a mostra de cinema ROOTS.
Trata-se de uma selecção de filmes que esboça o olhar sobre cinematografias que se cruzam no espaço atlântico.A mostra inicia-se já no próximo dia 24 de Novembro com a exibição do filme Rebelados no Fim dos Tempos de Jorge Murteira, seguindo-se no dia 1 de Dezembro com a projecção de Nôs Terra de Anna Tica, Nuno Pedro e Toni Polo e terminando no dia 8 de Dezembro com a apresentação de Uma ciência encantada de Chico Sales e Oferenda de Ana Bárbara Ramos.

Programa:
24 de Novembro – 22H00 - LAC
Rebelados no Fim dos Tempos
de Jorge Murteira
50’, Cor
Portugal, 1999

Filmado na ilha de Santiago, em Cabo Verde, o documentário acompanha o quotidiano e as expectativas de três rebelados que esperam o fim do mundo, anunciado pelos mais velhos para o termo do milénio.

1 de Dezembro – 18H00 – LAC
Nôs Terra
*de Anna Tica, Nuno Pedro e Toni Polo*
70’ min, Cor
Portugal, 2011

Os pais vieram de uma antiga colónia portuguesa. Eles nasceram em Lisboa mas sentem-se mais cabo-verdianos. Saíram do bairro de infância para ir viver para o bairro social. Falam português mas também, desde muito cedo, aprenderam crioulo. Falam sobre a dualidade e a conflitualidade de pertencer a dois mundos que vivem de costas voltadas, mas que apesar de tudo, lhes pertencem como um só”
“Nôs Terra” é um documentário centrado no processo de construção de um contra discurso protagonizado por jovens negros portugueses.

8 de Dezembro – 18H00 – LAC
Uma Ciência Encantada
de Chico Sales
20’, cor
Brasil (Paraíba), 2010

Um filme sobre percepções e impressões dos encantos e mistérios de uma praia, inserida na cosmologia da Jurema Sagrada.

Oferenda
de Ana Bárbara Ramos
16’, Cor
Brasil (Paraíba), 2010
Para Iemanjá.

 

EXPOSIÇÃO ROOTS
12 de Novembro a 30 de Dezembro
De quarta a sábado, das 16h às 19h.

LANÇAMENTO DO CATÁLOGO ROOTS
8 de Dezembro

Contactos:
LAC – Laboratório de Actividades Criativas
Largo Convento Sra. da Glória
(antiga Cadeia de Lagos)
8600-660 Lagos
Tel./ Fax: 282 084 959

23.11.2011 | by joanapires | cinema, roots

FESTIVAL ROTAS & RITUAIS | Música e cinema da lusofonia

Cinema S. Jorge, Lisboa | 16 a 20 Novembro 2011

4ª edição do festival Rotas e Rituais este ano dedicado às várias expressões culturais dos países africanos da língua oficial portuguesa (Angola, Cabo Verde, Guiné Bissau, Moçambique e S. Tomé e Príncipe) em diálogo com Portugal.
«Tendo como mote o Ano Internacional dos Povos Afrodescendentes, proclamado pela ONU, que reforça a necessidade do compromisso público para erradicar a descriminação a descendentes africanos e promover maior conhecimento e respeito pela sua herança e cultura diversificadas, a IV Edição do Rotas & Rituais» apresenta, além de uma boa série de documentários e filmes que documentam as paisagem africanas lusófonas, um conjunto de quatro concertos que promovem o diálogo entre músicos destas paragens e convidados portugueses. A saber:

17 de Novembro – Tcheka convida Mário Lagina
18 de Novembro – Nancy Vieira convida Camané
19 de Novembro – Mirri Lobo convida Rui Veloso
20 de Novembro – Waldemar Bastos convida Mingo Rangel

09.11.2011 | by martalanca | cinema

O Barulhamento do Mundo

Para além de apresentar realizações culturais africanas da contemporaneidade, o AFRICA.CONT inclui também nos seus propósitos a reflexão, provocando-a a partir de diferentes campos da criação cultural. Desta vez, e em colaboração com o projeto ARTAFRICA, vão cruzar-se a imagem e a palavra.

Os filmes e instalações cinematográficas que vamos ver na secção MIGRAÇÃO, RACISMO E O PODER DA IMAGEM – REPRESENTAÇÕES CRUZADAS ÁFRICA/EUROPA [na CARPE DIEM e no CLUBE FERROVIÁRIO], bem como o livro de Édouard Glissant de que vamos lançar a primeira edição em português, o filme documentário que co-financiamos e apresentamos em estreia nacional, a performance e os debates que organizamos na secção PARA ALÉM DA TOLERÂNCIA [no INSTITUT FRANÇAIS DU PORTUGAL] pretendem abrir um espaço para uma outra imaginação da humanidade.

No contexto da globalização que vivemos, como escapar ao duplo impasse que representam, por um lado uma pax romana imposta pela força e que uniformiza o mundo, e por outro a anarquia identitária que estimula guerras de nações e de dogmas? « Não teremos o direito e os meios para viver uma outra dimensão de humanidade ? »

MIGRAÇÃO, RACISMO E O PODER DA IMAGEM – REPRESENTAÇÕES CRUZADAS ÁFRICA/EUROPA

MIGRAÇÃO, RACISMO E O PODER DA IMAGEM – REPRESENTAÇÕES CRUZADAS ÁFRICA/EUROPA

Retrospetiva de cinema

CLUBE FERROVIÁRIO | 13, 14 e 15 outubro

MNEMOSYNE

Instalação de John Akomfrah

CARPE DIEM ARTE E PESQUISA | INAUGURAÇÃO 21 outubro, 18h00

22 outubro – 19 novembro

4ª - Sáb., 13h – 19h

FORA DE CAMPO: ARQUIVO DE CINEMA DE MOÇAMBIQUE

Instalação de Catarina Simão

CARPE DIEM ARTE E PESQUISA | INAUGURAÇÃO 26 novembro, 16h00

30 novembro – 28 janeiro 2011

4ª - Sáb., 13h – 19h

PARA ALÉM DA TOLERÂNCIA

INSTITUT FRANÇAIS DU PORTUGAL | 25 outubro | 19h00-23h00

POÉTICA DA RELAÇÃO, de Édouard Glissant

Lançamento do livro. Edição portuguesa pela Sextante/Porto Editora

ÉDOUARD GLISSANT, UM MUNDO EM RELAÇÃO, de Manthia Diawara

Documentário, 2010, 51min [estreia nacional]

A RELAÇÃO PARA ALÉM DA TOLERÂNCIA

Mesa Redonda com Manthia Diawara, Miguel Vale de Almeida, Manuela Ribeiro Sanches e José António Fernandes Dias

CAIXA PRETA, um espectáculo de André e. Teodósio com Diogo Bento

Performance

Mais informações | www.africacont.org



MIGRAÇÃO, RACISMO E O PODER DA IMAGEM – REPRESENTAÇÕES CRUZADAS ÁFRICA/EUROPA

MIGRAÇÃO, RACISMO E O PODER DA IMAGEM – REPRESENTAÇÕES CRUZADAS ÁFRICA/EUROPA

Retrospetiva de cinema

CLUBE FERROVIÁRIO | 13, 14 e 15 outubro

Utilizando múltiplos registos e géneros – o documentário, a ficção, o musical ou o filme-ensaio –, a presente retrospetiva pretende divulgar obras que se destacam tanto pelas suas qualidades cinematográficas, como pela sua capacidade de estimular o debate sobre migração, racismo e o poder da imagem, ou seja: sobre o modo como as imagens – e o seu poder na disseminação de estereótipos – podem também contribuir para o seu questionamento.

A migração e a mobilidade - nomadismos aparentemente universais - têm sido temas correntes em vários campos, do artístico, ao mediático, ao académico, segundo um consenso apressado, a unir, sob uma vaga noção de hibridização ou multiculturalismo, experiências muito distintas que vão do nomadismo cómodo dos privilegiados ao racismo que segrega tanto imigrantes recentes oriundos do continente africano, como europeus de origem africana, também em Portugal.

Inserida no programa O BARULHAMENTO DO MUNDO, a terceira edição da retrospetiva Migração, racismo e o poder da imagem (Lisboa 2009 e Nápoles 2010) pretende oferecer uma oportunidade para refletir sobre estas temáticas no contexto da Europa pós-colonial.

A iniciativa não se cinge, porém, a esta perspectiva europeia, pretendendo-se também abordar representações cruzadas da África/Europa, ou seja, um “mundo em relação” (Édouard Glissant), considerando as histórias entrelaçadas de ambos os continentes, sob distintos pontos de vista.

Justapondo filmes de proveniência diversa, alguns realizados em África, outros na diáspora, pretende-se, assim, assinalar os temas comuns, bem como as distintas formas de os abordar, consoante diferentes experiências, desde as imigrações nas décadas de 1950 e 1960, até às nossas contemporâneas.

Num momento em que a Europa se encontra numa crise de identidade ímpar e o mundo se redefine a vários níveis, assistindo-se a uma condenação simplista do multiculturalismo, ao recrudescer dos mais diversos tipos de nacionalismos e etnocentrismos, bem como a um despertar de reivindicações inesperadas no continente africano, que outros modos mais inovadores e exigentes existem para se pensar os desafios da nossa contemporaneidade, um “mundo em relação”?

CLUBE FERROVIÁRIO | 13, 14 e 15 outubro

13 de outubro

            19h00  APRESENTAÇÃO 

            19h30  Juju Factory, Balufu Bakupa-Kanyinda, 97 min.

21h30  Reflexão/conversas. Cinemas africanos: contextos de realização, circuitos de distribuição. Com Balufu Bakupa-Kanyinda, Lydie Diakhate, Pedro Pimenta

14 de outubro 

19h00  Soltanto il mare, Dagmawi Yimer, Giulio Cederna e Fabrizio Barraco, 50 min. 

20h00  Reflexão/conversas. Migração/ modernidade. Olhadas a partir da Europa e de África. Com Alessandro Triulzi, Dagmawi Yimer, Manthia Diawara. 

            22h00  Essaha [La place], Dahmane Ouzid, 113 min.

15 de outubro 

            16h30  Viagem a Portugal, Sérgio Tréfaut, 75 min.

18h00  Reflexão/conversas. Poéticas e políticas da modernidade: arquivos e experiências da migração. Com John Akomfrah, Manthia Diawara, Sérgio Tréfaut

19h30  The Nine Muses, John Akomfrah, 92 min.

21h00  ENCERRAMENTO - Da Europa à África e de volta: Manthia Diawara, John Akomfrah, Balufu Bakupa-Kanyinda, Sérgio Tréfaut, Livia Apa, Mamadou Ba, Manuela Ribeiro Sanches e José António Fernandes Dias 

 www.artafrica.info



JUJU FACTORY

13 outubro | 19H30

Ficção, República Democrática do Congo, 2006, 97’

Realização e argumento: Balufu Bakupa-Kanyinda

Kongo Congo vive em Bruxelas no bairro ‘africano’ de Matonge, sobre o qual tem que escrever um livro. À medida que as páginas e os dias vão passando, o escritor e o editor divergem e afrontam-se. O editor quer uma espécie de guia turístico embelezado, suavizado e apimentado com ingredientes étnicos. O escritor inspira-se numa visão que o persegue dia e noite, de almas complexas e atormentadas, com que se cruza a cada esquina. Ao mesmo tempo, Kongo Congo persegue os fios invisíveis que o reconduzem à história do Congo e aos seus fantasmas. Como sobreviver a este caos da história? Com um «jujú». Com a fé em si mesmo. E com o amor de Beatriz.

Balufu Bakupa-Kanyinda nasceu em Kinshasa em 1957, estudou sociologia, história e filosofia em Bruxelas antes de se formar em cinema em França, na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos. Escritor e poeta, é autor de textos de reflexão e análise sobre cinema africano que também lecciona. Em 2006/2007, foi professor convidado da New York University em Accra, Gana.

www.jujufactory.com



Keep reading "O Barulhamento do Mundo"

10.10.2011 | by joanapires | cinema, lançamento livro, o barulhamento do mundo, performance

MOVICA III - Mostra de Vídeo e Cinema Africano

ATACA

A ataca - Associação de Tutores e Amigos da Criança Africana é uma associação de solidariedade social sem fins lucrativos, com sede na cidade do Porto, que visa o desenvolvimento humano nas regiões do mundo mais desfavorecidas, nomeadamente em África, onde está, actualmente, a operar com voluntários em várias regiões de Moçambique. A ataca foi fundada em Agosto de 2006, sendo que desde Março de 2009 é reconhecida e registada pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal como Organização Não-Governamental para o Desenvolvimento (ONGD).

Sem qualquer filiação política ou religiosa, tem nos seus elementos indivíduos de diferentes crenças e de diferentes quadrantes políticos com um objectivo comum, um melhor e mais responsável desenvolvimento humano, sustentado nos Direitos Humanos e da Criança.
Actualmente, a ataca conta com uma equipa constituída por cerca de 30 voluntários em Portugal, os quais são responsáveis por todo o trabalho administrativo, logístico e de suporte aos Projectos desenvolvidos em África, assim como conta permanentemente com equipas de voluntários no terreno que monitorizam, controlam e gerem os referidos Projectos.

MOVICA
Grande parte do financiamento da ataca provém dos fundos angariados em eventos promovidos pela mesma, tal como é o caso da MOVICA – Mostra de Vídeo e Cinema Africano – que pretende ser um motor de divulgação da cultura africana através cinema/documentário, preferencialmente de produção local. Durante as duas edições anteriores a MOVICA mostrou mais de 16 filmes/documentários, com predominância dos filmes dirigidos ou codirigidos por realizadores naturais dos PALOP, e pode contar com a presença de vários realizadores para comentar as próprias obras.


A MOVICA 2011 acontecerá no Cinema Passos Manuel de 5 a 8 de Outubro. Esta edição, para além exibir 7 filmes/documentários, conta com a presença de convidados especiais que transmitirão ao público presente diferentes perspectivas culturais dos seus países africanos de origem!

Programa
Dia 5 – Quarta-feira
Filme: É Dreda Ser Angolano
Filme: Li Ké Terra
Participações especiais: Paulo Seco e Adalberto Macieira
Dia 6 – Quinta-feira
Filme: Viagem a Cabo Verde
Filme: Terra Longe
Participação Especial: Tia Iva
Dia 7 – Sexta-feira
Filme: Ilha da Cova da Moura
Actuação Especial: Allatantou Dance Company
Dia 8 - Sábado
Filme: O Último Voo do Flamingo
Filme: Mahla
Participação Especial: Alberto Magassela
Nota: As sessões terão início às 22h00.

Keep reading "MOVICA III - Mostra de Vídeo e Cinema Africano "

28.09.2011 | by joanapires | ataca, cinema, mostra de vídeo e cinema africano, movica

'Africando' começa amanhã

29 de Setembro – quinta-feira

15H30

CINEMA

Tarrafal. Memórias do campo da morte lenta, Diana Andringa (88 minutos).

Projecção seguida de conversa/debate

Neste documentário, Diana Andringa recupera as memórias dos últimos ocupantes da prisão política que recebeu portugueses e africanos que lutaram contra o regime de Salazar e pela independência das ex-colónias africanas. Filmado durante o Simpósio Internacional sobre o Campo de Concentração do Tarrafal, que reuniu na Ilha de Santiago, Cabo Verde, muitos dos que por ali passaram, este documentário é mais um contributo para a memória colectiva portuguesa e um excelente ponto de partida para um debate sobre um tema da maior importância.

Lotação máxima: 50 lugares

Os bilhetes podem ser levantados na recepção do museu a partir do dia 27 de Setembro (terça-feira) no horário de abertura do museu.

18H30

Celina Pereira, Cabo Verde, apontamento musical

MESA REDONDA: cultura contemporânea africana

Celina Pereira (cantora caboverdiana); Filinto Elísio (escritor, poeta caboverdiano); Lúcia Marques, Próximo Futuro, Fundação Calouste Gulbenkian; Marta Lança, Buala; Joana Peres, direcção artística e coreográfica da Allantantou Dance Company, Portugal; José António Fernandes Dias, AFRICA.CONT. Esta mesa redonda/tertúlia tem como objectivo promover a reflexão e o diálogo em torno da produção cultural africana na contemporaneidade, em particular nos países de língua oficial portuguesa, bem como debater as múltiplas formas de relacionamento entre cultura africana e cultura ocidental.

28.09.2011 | by joanapires | africando, cinema, dança, debate

FESTin 2012 – Festival de Cinema Itinerante da Língua Portuguesa

O FESTin – Festival de Cinema Itinerante da Língua Portuguesa regressa ao Cinema São Jorge, em Lisboa, de 9 a 20 de maio de 2012, incluindo uma Mostra de Cinema Brasileiro Contemporâneo, a propósito do Ano do Brasil em Portugal. 

O Brasil será o país homenageado nesta 3ª edição, sucedendo a Moçambique (2010) e a Portugal (2011), no entanto, a partir do próximo ano, o festival passará a integrar sempre na sua programação a Mostra de Cinema Brasileiro anteriormente produzida pela Fundação Luso-Brasileira.

As inscrições para a Selecção Oficial Competitiva de Cinema de Expressão Portuguesa (longas e curtas metragens) estão abertas até 31 de janeiro de 2012 e o regulamento pode ser consultado no site do FESTin.

Para além das secções competitivas de longas e curtas-metragens e de mostras temáticas paralelas, o FESTin promove ainda debates e oficinas para crianças e jovens. No próximo ano a organização do evento pensa alargar as suas atividades às comunidades de língua portuguesa espalhadas pelo mundo.

O FESTin foi criado em 2010 com o objetivo de celebrar e fortalecer a cultura de expressão portuguesa através do cinema, num ambiente de partilha, intercâmbio e inclusão social. É organizado pela Padrão Actual, em co-produção com a Fundação Luso-Brasileira e a EGEAC – Cinema São Jorge.

Em 2011, a 2ª edição do festival realizou-se entre 26 de Abril e 1 de Maio e exibiu 78 produções dos oito membros da Comunidade de Países da Língua Portuguesa, que foram vistos por mais de 3000 espectadores. A longa-metragem vencedora da 2ª edição foi “Hortas di Pobreza”, da jovem realizadora Sara de Sousa Correia.

27.09.2011 | by joanapires | Brasil, cinema, cinema brasileiro contemporâneo, cultura de expressão, festin, Festival de Cinema Itinerante da Língua Portuguesa

O BARULHAMENTO DO MUNDO

27.09.2011 | by joanapires | cinema, livro, o barulhamento do mundo, performance

africando

29 de Setembro – quinta-feira

15H30

CINEMA

Tarrafal. Memórias do campo da morte lenta, Diana Andringa (88 minutos).

Projecção seguida de conversa/debate

Neste documentário, Diana Andringa recupera as memórias dos últimos ocupantes da prisão política que recebeu portugueses e africanos que lutaram contra o regime de Salazar e pela independência das ex-colónias africanas. Filmado durante o Simpósio Internacional sobre o Campo de Concentração do Tarrafal, que reuniu na Ilha de Santiago, Cabo Verde, muitos dos que por ali passaram, este documentário é mais um contributo para a memória colectiva portuguesa e um excelente ponto de partida para um debate sobre um tema da maior importância.

Lotação máxima: 50 lugares

Os bilhetes podem ser levantados na recepção do museu a partir do dia 27 de Setembro (terça-feira) no horário de abertura do museu.

18H30

Celina Pereira, Cabo Verde, apontamento musical

MESA REDONDA: cultura contemporânea africana

Celina Pereira (cantora caboverdiana); Filinto Elísio (escritor, poeta caboverdiano); Lúcia Marques, Próximo Futuro, Fundação Calouste Gulbenkian; Marta Lança, Buala; Joana Peres, direcção artística e coreográfica da Allantantou Dance Company, Portugal; José António Fernandes Dias, AFRICA.CONT. Esta mesa redonda/tertúlia tem como objectivo promover a reflexão e o diálogo em torno da produção cultural africana na contemporaneidade, em particular nos países de língua oficial portuguesa, bem como debater as múltiplas formas de relacionamento entre cultura africana e cultura ocidental.

Lotação máxima: 50 lugares

Os bilhetes podem ser levantados na recepção do museu a partir do dia 27 de Setembro (terça-feira) no horário de abertura do museu.

Keep reading "africando"

26.09.2011 | by joanapires | africando, cinema, cultura africana, dança, música

Nôs Terra, no Centro InterculturaCidade, 23 Set., LISBOA

Exibição do documentário “NÔS TERRA”, de Anna Tica, Nuno Pedro e Toni Polo, no Centro InterculturaCidade, na Travessa do Convento de Jesus, 16-A em Lisboa (ao fundo da Calçada do Combro) às 19 horas do próximo dia 23 de Setembro (Sexta-Feira), com a presença da realizadora.

Após a projecção do filme, haverá um jantar tradicional caboverdiano, sujeito a marcação prévia por telefone 21 397 57 16 ou email centro@interculturacidade.gmail.com

Sobre o Filme: “Nôs Terra” é um documentário centrado no processo de construção de um contra discurso protagonizado por jovens negros portugueses.

Os pais vieram de uma antiga colónia portuguesa. Nasceram em Lisboa mas sentem-se mais cabo-verdianos. Saíram do bairro de infância para ir viver para o bairro social. Falam português mas também, desde muito cedo, aprenderam crioulo. Falam sobre a dualidade e a conflitualidade de pertencer a dois mundos que vivem de costas voltadas, mas que apesar de tudo, lhes pertencem como um só…

20.09.2011 | by franciscabagulho | Cabo-verde, Centro InterculturaCidade, cinema

2ª Mostra Internacional de Cinema de Paranavaí - BRASIL

2ª MIC receberá filmes enviados até o dia 5

De 3 a 8 de outubro será realizada a 2ª Mostra Internacional de Cinema de Paranavaí (MIC) na Casa da Cultura Carlos Drummond de Andrade, na cidade brasileira de Paranavaí, no Noroeste Paranaense. Para participar, basta inscrever algum filme de curta, média ou longa-metragem até o dia 5 de setembro, a contar da data de postagem. O objetivo da Fundação Cultural de Paranavaí é incentivar a produção audiovisual e também dar visibilidade aos cineastas brasileiros e estrangeiros, amadores e profissionais.Para mais informações, ligar para 55 (44) 3902-1128.

A ficha de inscrição e o regulamento podem ser baixados AQUI

07.09.2011 | by martalanca | cinema

África Mostra-se edição zero

A edição zero do África Mostra-se terá a apresentação de obras cinematográficas realizadas por criadores africanos e europeus sobre África, mostrando documentários e obras de ficção mais recentes. 
Conta ainda com festa com o DJ Cajokolo, concerto com as “Netas di Bibinha Cabral”, workshop e espectáculo de dança do colectivo Wonderfull’s kova M, envolvendo o público presente de forma interactiva ao ritmo dos sons tradicionais e urbanos.
A gastronomia africana vai também marcar presença neste evento através da organização de um jantar e de um workshop de culinária promovido pelo chefe do restaurante do espaço Arte e Manha, onde os “formandos” vão poder aprender truques para confeccionar pratos especiais. Este workshop vai decorrer na Sexta-feira dia 22 e as inscrições são limitadas. 
São 4 dias de celebração aproveitando o bom tempo que a cidade de Lisboa nos oferece.

Locais: Arte & Manha - Espaço de Cultura dias 21 e 22 (av. duque de loulé nº 22 B) / Espaço Evoé dias 23 e 24 (rua das canastras nº 40 - Alfama/Baixa -perto da rua dos bacalhoeiros)

18.07.2011 | by franciscabagulho | cinema, dança, música

Salazar vai ao Cinema

Projecção das edições nº1 (1938) e nº17 (1940) da série de actualidades cinematográficas de propaganda do Estado Novo Jornal Português  e uma apresentação do livroSalazar vai ao cinema II de Maria do Carmo Piçarra.

Após a projecção dos filmes segue-se uma tertúlia. com a autora, o historiador e investigador de cinema Tiago Baptista e o jornalista Luís Salvado, que moderará a conversa com todos os que quiserem participar.

O livro tem um capítulo sobre o “Feitiço do império”, que antecipa (muito sumariamente) parte da informação sobre cinema de propaganda e “império”.
apoio institucional da Cinemateca Portuguesa - Museu do Cinema.
8 de Julho, a partir das 22h, na Fábrica do Braço de Prata

do Prólogo…

As actualidades cinematográficas nasceram com o cinema mas só na

primeira década do século XX surgiu, em França, o primeiro semanário de

actualidades filmadas. Curtas-metragens de informação, mostravam, no

grande ecrã, acontecimentos recentes e privilegiaram – dada a natureza

espectacular do cinema – os fait-divers, as curiosidades, mas também as

cerimónias, políticas ou militares, que, pela sua grandeza e importância,

despertassem a curiosidade dos espectadores. As actualidades eram filmadas

separadamente e depois eram agrupadas sob um genérico comum que lhes

conferia uma aparente unidade. Integravam o programa de cinema, sendo

mostradas ao público antes da projecção de longas metragens. (…)

08.07.2011 | by martalanca | cinema, Estado Novo, império, Salazar

Lábios de Terra, um filme de Constantino Martins

Ante-Estreia do filme LÁBIOS DE TERRA, de Constantino Martins, no dia 13 de Julho, às 21h30, no Auditório do Centro Cultural Malaposta.

O que é um filme político? Poderá um filme colocar-se fora de um horizonte ideológico? Como pensar essa possibilidade? Trata-se aqui de um acesso à política pelo cinema. Ao que anteriormente era difícil de aceder: ao pequeno, ao anónimo, ao microscópico, ao sensorial. De contramaré aos grandes discursos edificantes, às grandes narrativas, a imagem do quotidiano permite aqui um acesso ao diário de bordo da existência, perspectiva simultaneamente ausente e situada, que encarna uma multidão anónima, categorizada num fim abrupto e potenciador, mas que carrega estigmatizada todo o silêncio de um êxodo. No fim de um império, entre o grande e o pequeno, este filme habita essa zona da microfenomenologia da percepção e da memória, onde a fantasmagoria do cinema nos devolve gestos do passado, espelhos do presente. Olham-nos directamente da complexidade absoluta da vida, rede tecida nessa fenda do tempo onde não há ordem de leitura.

07.07.2011 | by martalanca | cinema, colonialismo

Les voies de la révolte Cinéma, images et révolutions dans les années 1960-1970.

Mercredi 15 juin (projection)
Vendredi 17 et samedi 18 juin 2011 (présentations, débats et projections)
9h30 – 19h30
Musée du quai Branly - Salle de Cinéma et Salon Jacques Kerchache
37, Quai Branly / 218, rue de l’Université, 75007 Paris
Métro ligne 9 Alma-Marceau ou RER C Pont de l’Alma
Dans son livre Les Bannières de la révolte. Anarchisme, littérature et imaginaire anticolonial (Paris, La Découverte, 2005), l’historien anglais Benedict Anderson dresse le portrait d’une planète en ébullition, ébranlée à la fin du XIXe siècle par une série de mouvements anti-impérialistes et nationalistes. L’étonnante circulation d’idées nourrissant cette véritable mondialisation sert ici d’exergue à l’exploration d’un autre moment clé dans la longue histoire des combats politiques: les luttes de libération et les révolutions qui ont reconfiguré le monde dans les années 1960-1970. Initiative conjointe du Centre d’art et de recherche Bétonsalon, du Centre de recherche en esthétique du cinéma et des images (CRECI) de l’Université de Paris III – Sorbonne Nouvelle et du salon de lecture Jacques Kerchache du musée du quai Branly, les journées d’étude Les voies de la révolte : cinéma, images et révolutions dans les années 1960-1970 se proposent de réunir un ensemble d’intervenants (chercheurs, artistes et cinéastes) autour de ces questions. Prenant la forme de projections, de présentations et de débats, ces deux journées complémentaires – l’une conçue autour d’un numéro spécial de la revue Third Text consacrée à l’image militante et dirigé par Kodwo Eshun et Ros Gray (Goldsmiths College, Londres), l’autre organisée par Teresa Castro (Musée du Quai Branly / Paris III) autour des cinématographies des Afriques lusophones – explorent globalement les rapports entre les cinémas des mouvements de libération. La projection du film de Ruy Guerra, Mueda, Mémoire et Massacre (1979), le mercredi 15 juin au Studio des Ursulines (avec la collaboration de l’association Olho Aberto) inaugure symboliquement l’évènement.      
'Mueda, memória e massacre', de Ruy Guerra'Mueda, memória e massacre', de Ruy Guerra
En présence de: Mathieu Kleyebe Abonnenc, Nicole Brenez, Jonathan Buchsbaum, Teresa Castro, José Filipe Costa, Margaret Dickinson, Kodwo Eshun, Elisabete Fernandes, Ros Gray, Olivier Hadouchi, François Lecointe, Sarah Maldoror, Lúcia Ramos Monteiro, Raquel Schefer, Catarina Simão et Cédric Vincent.
Informations pratiques: ouvert au public sans inscription préalable. Les journées se dérouleront en anglais et en français.  Réservation conseillée à: info@betonsalon.net
Projection de Mueda, Mémoire et Massacre, Ruy Guerra (1979, Mozambique).
Mercredi 15 juin 2011, 20h30
Studio des Ursulines, 10 rue des Ursulines, Paris 75005.
Le 16 juin 1960, à Mueda, au Mozambique, l’armée portugaise exécute six cent personnes parmi la population, sur l’ordre du gouverneur portugais. Depuis l’indépendance de leur pays, les habitants de Mueda, revivent chaque année cet événement en jouant une pièce de théâtre.
Séance présentée par  Raquel Schefer, dans le cadre du Rendez-vous mensuel du cinéma lusophone / Association Olho Aberto.  
http://www.olhoaberto.com/

Keep reading "Les voies de la révolte Cinéma, images et révolutions dans les années 1960-1970."

15.06.2011 | by martalanca | cinema

a CINEMATECA Próximo Futuro está prestes a começar!

Cena do filme AFRICA UNITED, 2010, da realizadora Debs Gardner-Paterson (Reino Unido / Ruanda / África do Sul)  Cena do filme AFRICA UNITED, 2010, da realizadora Debs Gardner-Paterson (Reino Unido / Ruanda / África do Sul)

A Cinemateca Próximo Futuro é singular. É uma Cinemateca que deseja que os filmes apresentados possam constituir narrativas visíveis sobre os países, as pessoas, as paisagens, os criadores oriundos dos continentes que são foco do Próximo Futuro: América Latina e Caraíbas, África e Europa.

Tal como nas edições anteriores, aqui se apresentam durante vários dias, às 22:00, no ecrã gigante instalado no ANFITEATRO AO AR LIVRE do Jardim da Gulbenkian, filmes de vários géneros, que vão do documentário à ficção.

A selecção dos filmes inclui obras antigas da história do cinema de África e da América Latina. Apresentará também pela primeira vez cinema de animação de autores africanos e será ainda possível ver, em estreia absoluta, três obras encomendadas e produzidas por este Programa a três cineastas: Vincent Moloi, João Salaviza e Paz Encina (Produtor Delegado: Filmes do Tejo). 

As sinopses de todos os filmes da Cinemateca Próximo Futuro já estão disponíveis no site oficial do programa e cada bilhete/sessão custa apenas 3 Euros.

Relembramos o calendário dos visionamentos para que possa apontar o quanto antes na sua agenda:

Dia 23 de Junho (quinta-feira), 22:00

Apnée, de Mahassine Hachad (Marrocos), 2010, 10’

When China met Africa, de Marc e Nick Francis (Reino Unido), 2010, 75’ 

Dia 24 de Junho (sexta-feira), 22:00

Fitzcarraldo, de Werner Herzog (Alemanha), 1982, 35mm, 157’

Dia 25 de Junho (sábado), 22:00

[sessão PRÓXIMO FUTURO “Três Filmes, Três Realizadores”]

Cerro Negro, de João Salaviza

Hidden Life, de Vicent Moloi 

Viento Sur, de Paz Encina 

Dia 28 de Junho (terça-feira), 22:00

Afrique Animée, de Moumoni Jupiter Sodré (Mali), 2010, 15’ 

Ti-Tiimou, de Michel K. Zongo (Burkina Faso), 2009, 30’ 

Un Transport en commun, de Dyanna Gaye (França/Senegal), 2009, 48’ 

Dia 29 de Junho (quarta-feira), 22:00

Border Farm, de Thenjiwe Nkosi (África do Sul/EUA), 2011, 32’ 

Al’Lèèssi… Une Actrice Africaine, de Rahmatou Keita (Nigéria), 2004, 70’

Dia 30 de Junho (quinta-feira), 22:00

El Ascensor, de Jorge Sierra (Bolívia), 2009, 90’

Dia 1 de Julho (sexta-feira), 22:00

Africa United, de Debs Gardner-Paterson (Reino Unido/Ruanda/África do Sul), 2010, ‘84

Próximo Futuro 

02.06.2011 | by martalanca | cinema, próximo futuro