“Os Africanos em Portugal: História e Memória (séculos XV- XXI)

A exposição “Os Africanos em Portugal: História e Memória (séculos XV- XXI) inaugurada na passada 5ªfeira estará presente na Torre de Belém até dia 05 de Junho.
A autoria e coordenação é da Profª Isabel Castro Henriques, uma das mais proeminentes figuras da cena académica no que diz respeito aos Estudos Africanos em Portugal. O objectivo da exposição é retratar cronologicamente as relações dos africanos com Portugal desde a sua chegada aos dias de hoje.
O continente africano e os africanos ocupam um lugar central na problemática das relações de Portugal com outros homens, outras culturas e outros mundos ao longo da História, “pela longa duração dos contactos, pela natureza das formas relacionais, pela força da sua presença no imaginário português”, citando a autora. A presença de Africanos tem sido contínua até aos dias de hoje e difere por exemplo da presença dos romanos ou dos árabes que vinham para Portugal para cumprir objectivos pessoais. Os africanos vieram como escravos (duzentos e quarenta africanos desembarcaram no porto de Lisboa da primeira vez) e só depois da abolição da escravatura no séc. XVIII, pelo Marquês de Pombal, é que lentamente se foram integrando na sociedade portuguesa.


A exposição é apresentada em vários painéis compostos por textos e fotografias relativas aos sete temas:
1-      Africanos: Uma nova mercadoria (séc. XV- XVI)
2-      Bairro do Mocambo em Lisboa
3-      A Integração dos Africanos (séc. XVI- XIX)
4-      A desumanização dos Africanos
5-      Estratégias Africanas
6-      Permanências e Mudanças (séc. XVIII- XX)
7-      Novas Dinâmicas Africanas (Depois de 1974)
O interesse da UNESCO nesta exposição vem também na sequência da extraordinária e recente descoberta feita em Lagos.  A Camâra Municipal preparava-se para construir um parque de estacionamento quando teve que acabar com as obras de uma vez por todas pois foi encontrado um cemitério- ou que seria na altura a lixeira- com 155 esqueletos de homens, mulheres e crianças africanos escravos (muitos dos esqueletos ainda se encontram com as mãos atrás das costas como se pode ver em fotografia, na exposição).
Segundo a UNESCO, este cemitério é único na Europa  e provavelmente o mais antigo do mundo.  O Comité Português UNESCO “ A Rota do Escravo” assumiu a edição e o apoio da exposição.
Contou também com os apoios do ACIDI (Alto Comissariado para a Integração e Diálogo Intercultural),a Fundação Calouste Gulbenkian, a FCT (Fundação para a Ciência e Tecnologia), a Fundação Portugal Africa, o IPAD, e a UCCLA (União da Cidades Capitais de Língua Portuguesa).

10.05.2011 | by ritadamasio | africanos em portugal, arquelogia, colonização, dinamicas africanas, escravatura, fotografia, relações de portugal com africa | 0 comments